A história

Admiral W.S. Benson AP-120 - História


Admiral W.S. Benson AP-120

Almirante R. E. Coontz

(AP-122: dp. 23.500 (f.), 1. 609 ', b. 76', dr. 27 '(máx.), S. 22 k. Cpl. 367, trp. 4.680, a. 4 5 " , 8 40 mm., 28 20 mm, cl. Almirante WS Benson; T. P2-SE2-R1)

O almirante R. Coontz (AP-122) foi estabelecido sob um contrato da Comissão Marítima (casco MC 680) em 15 de janeiro de 1943 na Alameda Califórnia, pela Bethlehem Steel Corp., lançado em 22 de abril de 1914, patrocinado pela Sra. Edwin Kokko , filha do almirante Coontz, e comissionado em 21 de novembro de 1944, o capitão Montford R. Tawes, USNR, no comando.

Após o treinamento de shakedown em San Pedro, Califórnia, o transporte embarcou tropas em San Francisco e navegou para o oeste do Pacífico em 3 de janeiro de 1945. Após uma pausa: brevemente em Pearl Harbor, ela chegou a Ulithi, nas Carolinas Ocidentais, em 23 de janeiro e serviu lá como station shin até 19 de março, quando ela voltou para casa. O almirante R. Coontz fez uma viagem adicional de São Francisco a Ulithi. Em seu retorno, ela tocou em São Francisco e San Diego, cruzou o Canal do Panamá e cruzou o Atlântico até a França. Ela embarcou tropas para serem transferidas para o teatro do Pacífico, liberou Marselha em 21 de julho e chegou a Pearl Harbor em 12 de agosto. Em breve novamente, ela parou em Eniwetok, Saipan e Guam a caminho de Ulithi, onde ela alcançou em 28 de agosto, quase duas semanas depois que o Japão capitulou.

Deixando as Carolinas Ocidentais em 12 de setembro, o almirante R. Coontz partiu para Okinawa, de onde partiu em 27 de setembro para a costa oeste dos Estados Unidos. Aportando em Bremerton, Wash., O transporte embarcou tropas de ocupação antes de partir para o Japão em 24 de outubro. Depois de desembarcar tropas em Nagasaki em 6 de novembro e em Nagoya dois dias depois, o almirante R. Coontz fez duas viagens de ida e volta; viagens entre Yokohama e Seattle. Ela então seguiu para Okinawa para embarcar passageiros para a viagem de volta aos Estados Unidos. Navegando para o Havaí, o transporte embarcou mais tropas em Pearl Harbor e chegou à cidade de Nova York em 11 de março de 1945.

Ela entrou no estaleiro Todd, Brooklyn, N.Y., em 17 de março de 1946 e foi desativada lá no dia 25. Retirado da lista da Marinha em abril de 1946 e entregue ao Departamento de Guerra, o navio passou por um período de reparos e alterações e foi rebatizado de General Alexander M. Patch, em homenagem ao General Alexander McCarrell Patch, comandante do 7º Exército na invasão do Sul França em 1944.

No Serviço de Transporte do Exército, o General Alexander M. Patch transportou tropas e carga entre a Europa e os Estados Unidos de 1946 a 1950. Reconquistado pela Marinha em 3 de março de 1950, o navio operou nas duas décadas seguintes como USNS Alexander M. Patch ( T-AP-122) com o Serviço de Transporte Marítimo Militar (MSTS), mais tarde renomeado como Comando de Transporte Marítimo Militar (MSC). De 1950 a 1965, o navio realizou 123 viagens de ida e volta entre Bremerhaven e Nova York, com 16 viagens adicionais para o Mediterrâneo. Entre seus passageiros estava a Sra. Alexander M. Patch, a viúva do general que deu nome ao navio.

Entre suas operações estava o embarque de mais de 1.500 refugiados durante a Crise de Suez em novembro de 1956. O transporte os levou de Suda Bay, Creta - de onde foram trazidos de Alexandria, Egito, e Haifa, Israel, por navios de guerra americanos - para Napies. No final de 1961, durante as tensões internacionais geradas pelo fechamento soviético do acesso a Berlim Ocidental, o general Alexander M. Patch participou do transporte maciço de tropas americanas para a Europa.

Em agosto de 1965, o crescente envolvimento americano na Guerra do Vietnã levou à transferência de navios do MSTS do Atlântico para o Pacífico. O General Alexander M. Patch iniciou sua primeira viagem ao Vietnã em Nova York em 15 de agosto. Partindo de Charleston, S.C. e Long Beach, Califórnia, o transporte chegou a Qui Nhon, Vietnã do Sul, em 16 de setembro. Retornando - via Baía de Cam Ranh, Vung Tau e Okinawa - para San 3Francisco em 2 de outubro, o navio realizou mais uma viagem ao Vietnã em 1965, chegando a Vung Tau em 9 de novembro. Passando por Vung Tau mais tarde naquele dia, ela voltou a Nova York passando por Penang, Malásia, Rota, Espanha e Bremerhaven.

Durante os primeiros seis meses de 1966, o General Alexander M. Patch operou entre Nova York e Bremerhaven. A Guerra do Vietnã mais uma vez obrigou o MSTS a mudar alguns de seus transportes para o Pacífico. Patch e sua irmã, General William 0. Darby (T-AP-127), embarcou na 196ª Brigada de Infantaria Ligeira do Exército em Boston e partiu em 15 de julho. Transitando pelo Canal do Panamá, os dois transportes chegaram a Vung Tau, no Vietnã do Sul, em 13 de agosto, encerrando o mais longo (12.358 milhas náuticas) levantamento de tropas ponto a ponto nos 17 anos em que o MSTS esteve em ODeração. Antes do fim do ano, o General Alexander M. Patch conduziu dois levantamentos de tropas da ROK (República da Coréia) de Pusan ​​para o Vietnã do Sul.

Colocado na reserva na baía superior de Nova York junto com três de suas irmãs no verão de 1967, o general Alexander M. Patch foi transferido para a custódia da Administração Marítima em 26 de maio de 1970 e colocado na reserva no rio James. Ainda no Registro de Navios Navais, ela permanece na área de atracação do Rio James da Frota da Reserva da Defesa Nacional em meados de 1985.


Admiral W.S. Benson AP-120 - História

USS Benson DD-421

Capitão William S. Benson formou-se na Academia Naval em 1877 e se tornou o primeiro oficial comandante do USS Utah em 1911. Ele foi promovido a contra-almirante em 1915 e se tornou o primeiro Chefe de Operações Navais , cargo que ocupou por mais de quatro anos. Benson esteve fortemente envolvido na definição das funções da nova posição do CNO e no fortalecimento da marinha durante um período marcado por tensões internas do Departamento da Marinha, intervenções dos EUA no Caribe e na América Central e na Primeira Guerra Mundial. Promovido ao posto de Almirante em 1916, suas responsabilidades aumentaram muito quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial em abril de 1917. Durante o ano e meio seguinte, ele supervisionou uma grande expansão da marinha, a extensão de suas operações para águas europeias e o transporte de americanos do Exército dos Estados Unidos Forças Expedicionárias à França. Após o armistício de novembro de 1918, ele foi um participante ativo nas longas negociações de paz realizadas na França.

O almirante Benson aposentou-se do serviço naval em 1919 e faleceu em 1932 aos 76 anos.


USS Admiral W. S. Benson (AP-120)

O transporte não identificado, AP-120, foi estabelecido em 10 de dezembro de 1942 em Alameda, Califórnia, pela Bethlehem-Alameda Shipbuilding Corp., sob um contrato da Comissão Marítima (casco MC 678) denominado Almirante W. S. Benson (AP-120) em 20 de outubro de 1943 lançado em 22 de novembro de 1943 patrocinado pela Srta. Dorothy Lucille Benson, neta do falecido Almirante William S. Benson aceita da Comissão Marítima em 23 de agosto de 1944 e comissionada no mesmo dia, Cap. Francis H. Gardner no comando.

Depois de preparar e provisionar no Naval Supply Depot, Oakland, Califórnia, o almirante W. S. Benson saiu da Baía de São Francisco em 1 de setembro de 1944 para San Pedro, Califórnia, para começar o treinamento de shakedown. Durante as duas semanas seguintes, o transporte realizou exercícios diários e corridas de artilharia nas proximidades de Catalina, San Nicholas e Ilhas de San Clemente. Após a conclusão deste treinamento, o navio passou por uma disponibilidade pós-shakedown no Estaleiro Todd em Wilmington, Califórnia, antes de começar a trabalhar no Small Craft Training Center, Terminal Island, Califórnia, servindo como serviço temporário em conexão com o treinamento de tripulações de transporte de ataque (APA). Nas duas semanas seguintes, o navio operou localmente com tripulações de Hinsdale (APA-120), Lanier (APA-125), St.Mary's (APA-126) e Allendale (APA-127).

O almirante W. S. Benson retornou ao estaleiro de Todd em Wilmington em 15 de outubro de 1944 para grandes alterações e, após a conclusão deste período de pátio, relatou ao Comandante da Fronteira do Mar Ocidental e ao Comandante do Serviço de Transporte Naval para o serviço.

Em 23 de novembro, o almirante WS Benson embarcou e atracou no cais de embarque do Exército em Wilmington, e embarcou um total de 4.376 soldados do Exército em 28 e 29 de novembro antes de embarcar para Bombaim, Índia, na manhã de 30 de novembro, no dia primeiro de dois içamentos de tropas para aquele porto. Parando brevemente em Melbourne, Austrália, a caminho, para provisões de 16 a 18 de dezembro, o transporte continuou em seu destino, passando o Natal no mar. Dois destróieres britânicos, HMS Roebuck e HMS Relentless, se encontraram com o transporte em 27 de dezembro e assumiram estações de triagem anti-submarino. Três dias depois, em 30 de dezembro de 1944, o almirante W. S. Benson chegou ao seu destino e parou no porto de Bombaim.

Depois de embarcar passageiros para a viagem de retorno - civis e militares (incluindo entre as tropas 60 oficiais navais chineses e 108 cadetes da aviação chinesa) - o almirante WS Benson partiu para Melbourne em 5 de janeiro de 1945, Roebuck e Relentless novamente examinando o navio de águas perigosas até 8 de janeiro. Desembarcando alguns de seus passageiros da tropa - 127 australianos e neozelandeses - ao chegar a Melbourne em 16 de janeiro, o transporte embarcou 352 passageiros adicionais no dia 19 e partiu para os Estados Unidos, chegando finalmente a Los Angeles em 2 de fevereiro de 1945.

Recebeu uma revisão do pátio após seu retorno, o almirante W. S. Benson concluiu o embarque de 4.792 soldados e passageiros em San Pedro em 26 de fevereiro, quando ele partiu para Bombaim na manhã seguinte. Parando novamente em Melbourne no caminho, de 14 a 16 de março de 1945, o transporte chegou ao seu destino em 27 de março, escoltado localmente por HMS Penn e HMS Paladin. Embarcando 1.363 soldados e passageiros (dos quais 107 eram civis), o almirante W. S. Benson partiu para Melbourne em 2 de abril.

Desviado para Brisbane, Austrália, no caminho, o almirante W. S. Benson chegou a esse porto em 14 de abril e desembarcou 85 passageiros. Com mais 1.358 passageiros, o transporte seguiu para Nouméa, na Nova Caledônia, no dia 16 de abril, chegando a esse porto no dia 18. Para lá embarcando mais 1.410 passageiros, ela partiu para Espiritu Santo, nas Novas Hébridas, na tarde do dia 21, e chegou ao seu destino no dia 22. Lá, o transporte desembarcou 75 marinheiros e levou a bordo outros 174 para passagem aos Estados Unidos. Em andamento no mesmo dia, 22 de abril, o almirante W. S. Benson concluiu sua segunda viagem de ida e volta em 3 de maio de 1945.

Em doca seca em Terminal Island para reparos e substituição de um parafuso de estibordo danificado, o almirante W. S. Benson finalmente deixou o pátio de reparos em 11 de maio e mudou para um píer onde carregou suprimentos e provisões para sua próxima viagem. Partindo de Wilmington em 17 de maio, o transporte partiu para Marselha, na França, via Canal do Panamá. Transitando pela hidrovia ístmica entre 23 e 25 de maio, o navio foi então redirecionado para o porto francês de Le Havre, onde chegou em 3 de junho de 1945. Na tarde seguinte, ele começou a embarcar tropas, tarefa que completou bem cedo na manhã seguinte . Entre os 5.026 passageiros foram repatriados prisioneiros militares aliados (RAMPs). Levantando-se de Le Havre às 8h do dia 5 de junho, o almirante W. S. Benson ancorou ao largo de Staten Island na noite do dia 11 e levantou-se no North River na manhã seguinte. Apesar de ser muito cedo, os RAMPs a bordo do Almirante W. S. Benson, receberam uma recepção calorosa do transporte "navio vestido" e trocaram sinais de apito com os navios que passavam. "Novo historiador.

Depois de desembarcar seus passageiros e passar por reparos e alterações. O almirante W. S. Benson liberou Nova York em 6 de julho de 1945 para Marselha. Chegando ao seu destino no Dia da Bastilha (14 de julho), o transporte embarcou 4.828 homens escalados para trabalhar no teatro do Pacífico, antes de liberar aquele porto francês em 17 de julho.

Transitando pelo Canal do Panamá em 2 de julho, o almirante W. S. Benson parou brevemente em Balboa antes de partir para o oeste do Pacífico na manhã seguinte. Passando Eniwetok sete milhas a estibordo em 13 de agosto, o navio foi desviado a caminho de Ulithi, nas Carolinas Ocidentais, naquele dia, e chegou na manhã de 15 de agosto, chegando em meio às comemorações do Dia VJ. Abastecendo em Ulithi, o transporte navegou para as Filipinas, acompanhado pelo contratorpedeiro Robinson (DD-562), finalmente liberando sua escolta da Ilha Homonhon.

Acompanhado pela escolta de contratorpedeiro Metivier (DE-582) na noite de 19 de agosto, o transporte seguiu em direção a Lingayen, chegando lá em 20 de agosto e ancorando no porto de San Fernando. Lá ela desembarcou 1.073 soldados e passageiros, e naquela mesma noite partiu para Manila, novamente acompanhada por Metivier. O mar agitado e as instalações de transporte limitadas dificultaram o desembarque, o navio permanecendo atracado no porto exterior até o dia 25, quando mudou a amarração para um navio naufragado perto do quebra-mar. Mudando novamente, desta vez para um cais de início de desembarque e embarque, o Almirante W. S. Benson iniciou esta tarefa no dia 27 de agosto e concluiu-a no dia 29, navegando com um total de 4.382 passageiros. Chegando da Ilha de Homonhon na tarde do dia 30 para aguardar as instruções de rota, o Almirante WS Benson partiu em comboio ao meio-dia do dia seguinte, escoltado pela escolta de contratorpedeiro Edwin A. Howard (DE-346) e seguindo em companhia da motorização holandesa Weltevreden.

Chegando a Ulithi em 3 de setembro, o transporte embarcou 100 passageiros alistados da Marinha e começou a viagem na mesma noite, chegando finalmente a São Francisco na manhã do dia 14. Após os reparos da viagem no Estaleiro Bethlehem em San Francisco, de 17 a 26 de setembro, o almirante WS Benson provisionou no Naval Supply Depot, Oakland, antes de prosseguir para o Pier 38 em San Francisco em 27 de setembro, onde embarcou 3.495 oficiais da Marinha e passageiros alistados . Na noite do dia 28, o transporte partiu para Buckner Bay, Okinawa.

O almirante W. S. Benson chegou a seu destino em 11 de outubro de 1945, apenas dois dias depois que um tufão causou estragos ali. A perturbação que causou impossibilitou o navio de desembarcar seus passageiros da maneira normal. Naquele dia, ela recebeu a bordo 140 oficiais e homens alistados do minelayer Weehawken (CM-12), que havia encalhado durante o tufão. Dois dias depois, a situação em terra aparentemente melhorou para permitir, o transporte começou a desembarcar seus passageiros, desembarcando 30 oficiais e 613 soldados das unidades do Batalhão de Construção da Marinha (CB). Mais tarde naquela manhã, ela também desembarcou os homens de Weehawken.

Devido às limitadas instalações de habitação na "praia", o almirante W. S. Benson serviu como navio receptor e iniciou o desembarque de passageiros no dia 18 diretamente para várias unidades da frota na área de Buckner Bay, transferindo 951 homens para 44 unidades da Força de Minas em dois dias.

A caminho das águas japonesas em 20 de outubro, escoltado pelo contratorpedeiro Farenholt (DD-491), o almirante W. S. Benson chegou a Sasebo, Japão, em 22 de outubro, e novamente assumiu suas funções como navio receptor. Partindo de Sasebo para Matsuyama em 25 de outubro após desembarcar os marinheiros substitutos nos navios de Sasebo, o almirante W. S. Benson navegou na companhia do contratorpedeiro Smith (DD-378) e ancorou em seu destino no dia 16. Ela transferiu 153 homens alistados para oito navios como substitutos antes de embarcar para Hiro Wan, para posterior desembarque de passageiros e transferiu nos três dias seguintes 750 homens alistados e embarcou 20 homens alistados navais para passagem para os Estados Unidos.

Em andamento em 30 de outubro para Wakayama em companhia dos destróieres Edison (DD-439), Ludlow (DD-438) e Niblack (DD-424), o almirante W. S Benson chegou ao seu destino no dia 31, passagem animada pelo avistamento e afundamento rápido de uma mina. Transferindo homens em substituição a navios na área, o transporte embarcou 30 oficiais e 678 homens alistados antes de partir para Nagoya, escoltados pelo contratorpedeiro Parker (DD-604), no dia 3 de novembro. Chegando no dia seguinte, o navio embarcou mais passageiros antes de partir para Okinawa na manhã de 6 de novembro. Em 6 de novembro, todos os homens que ela transportou de São Francisco haviam sido desembarcados, com exceção de 76 homens alistados cujos pontos de descarga haviam se acumulado na viagem de ida e deveriam retornar aos Estados Unidos com o navio para separação.

Ancorando na praia de Hagushi, Naha, Okinawa, na manhã de 8 de novembro, o almirante W. S. Benson embarcou 246 oficiais do Exército, 3.646 homens alistados do Exército, fazendo um transporte total de passageiros (incluindo os passageiros navais embarcados no Japão) de 4.752. Na manhã de 10 de novembro, iniciou-se o transporte para Seattle, Washington, a cujo porto ela chegou em 21 de novembro. Completando o desembarque de passageiros no mesmo dia, o transporte mudou para o Estaleiro Naval de Puget Sound, onde, três dias depois, iniciou um período de reparos e alterações. Entre as últimas modificações estava a remoção de todas as suas armas, com exceção de um par de armas de 20 milímetros, para a frente. O próprio navio sofreu uma redução de 30% no pessoal, o que exigiu uma reorganização de todos os departamentos de bordo.

Como em suas viagens anteriores a Le Havre e Marselha, o almirante WS Benson navegou sem passageiros, com destino a Okinawa em 14 de dezembro de 1945. Passando seu segundo Natal no mar, o transporte chegou a Buckner Bay no dia de Ano Novo de 1946. Concluindo o embarque do Exército de 4.840 oficiais e homens alistados, incluindo 75 pacientes, ao meio-dia de 8 de janeiro, o almirante WS Benson partiu para Seattle, tomando uma "rota do grande círculo" modificada para evitar tempestades nas proximidades. Desviado para San Pedro a caminho, o navio alcançou seu destino revisado na manhã de 21 de janeiro. Mudando para um cais próximo a Long Beach logo em seguida, o navio passou por reparos de viagem na Ilha Terminal.

Desativado em 3 de junho de 1946 e entregue à Comissão Marítima para eliminação, o Almirante WS Benson foi retirado do Registro de Embarcações Navais em 3 de julho de 1946. Transferido para o Serviço de Transporte do Exército, o navio foi renomeado General Daniel I. Sultan em homenagem a o falecido general Daniel Isom Sultan, EUA.

Depois de operar no Serviço de Transporte do Exército como General Daniel I. Sultan do USAT, o navio foi readquirido pela Marinha em 1º de março de 1950 e reintegrado no Registro de Embarcações Navais no mesmo dia. Atribuído ao Serviço de Transporte Marítimo Militar (MSTS) como USNS General Daniel I. Sultan (T-AP-120), o transporte, operando fora de San Francisco, apoiou as operações das Nações Unidas na Coréia que surgiram como resultado da invasão norte-coreana em junho de 1950. Ela partiu de Sasebo para Pusan, Coreia do Sul, chegando em 31 de julho de 1950, em sua primeira viagem para a nova guerra. Ela então voltou para Yokohama e navegou de lá para São Francisco, chegando a esse porto em 12 de agosto.

Ela iniciou sua segunda viagem ao Extremo Oriente durante a Guerra da Coréia em 1o de setembro, e conduziu duas viagens adicionais durante o outono e o inverno. Em uma viagem, de Hungnam a Pusan, de 12 a 15 de dezembro, o general Daniel I. Sultan carregou, entre suas tropas embarcadas, um soldado da Marinha, Hpspitalman Richard De Wert, vinculado à 1ª Divisão de Fuzileiros Navais. Em 5 de abril de 1951, Hospitalman DeWert mais tarde ganharia a Medalha de Honra enquanto servia na Companhia "D", 2º Batalhão, 7º Fuzileiros Navais. A Marinha honraria seu heroísmo ao nomear uma fragata de mísseis teleguiados, FFG-45, em sua homenagem, três décadas depois.

Durante 1951, o general Daniel I. Sultan conduziu nove viagens entre São Francisco, as Ilhas Havaianas, Marshalls, Guam e as Filipinas, ela manteve um serviço regular para os portos do Extremo Oriente e do Pacífico - no Japão, Okinawa, Guam, Formosa e nas Filipinas - para o meados da década de 1960. O destaque desse período de serviço foi a vinda do navio em auxílio da ilha de Guam, devastada pelo tufão.

Enquanto viajava de São Francisco para o Japão com 1.100 soldados do Exército a bordo, o general Daniel I. Sultan chegou ao porto de Apra em 13 de novembro de 1962, na esteira do tufão "Karen". O transporte havia sido programado para deixar seus passageiros regulares e partir para o Japão no dia seguinte, mas a devastação causada por "Karen" exigiu uma mudança nos planos.

Enquanto os passageiros da tropa vestiam uniformes e botas e desembarcavam em terra, o navio aguardava para fornecer energia e luz à orla marítima e às instalações de reparo do navio. Trinta eletricistas e engenheiros a diesel trabalharam diariamente para aliviar a falta de energia na ilha. O general Daniel I. Sultan forneceu ferramentas, luzes e baterias para o Hospital Naval e peças sobressalentes e equipamentos para a estação de comunicação. Engenheiros, mecânicos, queimadores e soldadores provaram ser fundamentais na restauração do sistema de esgoto na vila de Asan. Linhas de energia foram instaladas em toda a ilha. A enfermaria do navio tornou-se um hospital em miniatura, enquanto uma equipe médica assumiu a função obstétrica no hospital naval em terra, fazendo o parto de 22 bebês durante sua estada. Como parte da campanha de medicina preventiva da Marinha, médicos e médicos administraram a vacina contra a febre tifóide. O operador de rádio chefe do navio e seus homens mantiveram uma programação de 24 horas, cuidando de todas as comunicações para a ilha e também para o navio. Eles copiaram as notícias do mundo, permitindo assim que o departamento militar do navio publicasse um jornal que trazia notícias do mundo exterior.

Durante 1965, com o aumento do envolvimento americano na guerra do Vietnã, o transporte conduziu o transporte de tropas de San Francisco para Danang, Vietnã do Sul, via Okinawa e Formosa. Ela partiu de seu primeiro transporte de tropas em 2 de agosto de 1965, liberando San Francisco naquela data e finalmente chegando a Danang em 28 de agosto. Retornando a San Francisco em 11 de setembro, ela conduziu mais dois içamentos antes do fim do ano: o primeiro para Vung Tau e o segundo para Qui Nhon. Durante os primeiros sete meses de 1966, o General Daniel I. Sultan fez cruzeiros para portos no Japão, Okinawa, Taiwan e nas Filipinas.

Transferido para a custódia da Administração Marítima (MarAd) em 7 de novembro de 1968, para armazenamento na instalação de reserva da Baía de Suisun, o General Daniel I. Sultan foi transferido para essa agência em 31 de agosto de 1969, e foi eliminado do Registro de Navios Navais em 9 de outubro de 1969. Ela ainda estava como Suisun Bay, na Frota de Reserva da Defesa Nacional, em agosto de 1987. [1]


GENERAL DANIEL I SULTAN T-AP 120

Esta seção lista os nomes e designações que o navio teve durante sua vida útil. A lista está em ordem cronológica.

    Transporte de classe Admiral W. S. Benson
    Keel Laid 10 de dezembro de 1942 - Nomeado Almirante W. S. Benson AP-120 20 de outubro de 1943
    Lançado em 22 de novembro de 1943
    Concluído, entregue ao MARCOM e transferido para a Marinha dos EUA, 26 de janeiro de 1944
    Adquirido pela Marinha dos Estados Unidos da MARCOM em 23 de agosto de 1944

Retirado do Registro Naval em 3 de julho de 1946

Capas navais

Esta seção lista links ativos para as páginas que exibem capas associadas ao navio. Deve haver um conjunto separado de páginas para cada nome do navio (por exemplo, Bushnell AG-32 / Sumner AGS-5 são nomes diferentes para o mesmo navio, então deve haver um conjunto de páginas para Bushnell e um conjunto para Sumner) . As capas devem ser apresentadas em ordem cronológica (ou da melhor forma possível).

Como um navio pode ter muitas capas, elas podem ser divididas em várias páginas para que não demore para carregar as páginas. Cada link de página deve ser acompanhado por um intervalo de datas para as capas dessa página.

Carimbos

Esta seção lista exemplos de carimbos postais usados ​​pelo navio. Deve haver um conjunto separado de carimbos postais para cada nome e / ou período de comissionamento. Em cada conjunto, os carimbos postais devem ser listados em ordem de seu tipo de classificação. Se mais de um carimbo postal tiver a mesma classificação, eles devem ser posteriormente classificados pela data de uso mais antigo conhecido.

O carimbo postal não deve ser incluído, a menos que seja acompanhado por uma imagem em close-up e / ou a imagem de uma capa mostrando esse carimbo. Os intervalos de datas DEVEM ser baseados SOMENTE NAS CAPAS NO MUSEU e devem mudar à medida que mais capas são adicionadas.
 
& gt & gt & gt Se você tiver um exemplo melhor para qualquer um dos carimbos postais, sinta-se à vontade para substituir o exemplo existente.

Tipo de carimbo postal
---
Killer Bar Text

Slogan da USPO
Carimbo Postal da Máquina

Honolulu, HI
"ALOHA SEMANA /
NO HAVAÍ /
OUT 19-NOV. 8 "

O navio não tinha serviços postais.

Outra informação

USS ADMIRAL W. S. BENSON ganhou a Medalha de Campanha Americana, a Medalha de Campanha Europa-África-Oriente Médio, a Medalha de Campanha Ásia-Pacífico, a Medalha de Vitória na Segunda Guerra Mundial e a Medalha de Serviço de Ocupação da Marinha (com broche na Ásia) durante sua carreira naval.

HOMÔNIMO - Almirante William Shepherd Benson, USN (25 de setembro de 1855 - 20 de maio de 1932)
& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Benson completou seus estudos na Academia Naval dos EUA em 1877, seguido por anos de serviço marítimo, incluindo um cruzeiro ao redor do mundo no USS Dolphin durante a década de 1880. Ele também atuou no levantamento costeiro e nas funções hidrográficas, foi instrutor na Academia Naval, comandou o cruzador USS Albany e serviu como ajudante de bandeira e chefe do estado-maior da frota, além de outras atribuições. Em 1911, o capitão Benson se tornou o primeiro oficial comandante do navio de guerra USS Utah BB-31. Ele foi Comandante do Estaleiro da Marinha da Filadélfia em 1913-15, e de lá foi enviado para Washington, D.C., onde foi promovido ao posto de Contra-almirante e se tornou o primeiro Chefe de Operações Navais (CNO) da Marinha. Benson esteve fortemente envolvido na definição das funções da nova posição do CNO e no fortalecimento da Marinha durante um período marcado por tensões internas do Departamento da Marinha, intervenções dos EUA no Caribe e na América Central e a crise de guerra europeia. Promovido ao posto de almirante em 1916, suas responsabilidades aumentaram muito quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial em abril de 1917. Durante o ano e meio seguinte, ele supervisionou uma grande expansão da Marinha, a extensão de suas operações para a Europa águas e o transporte do Exército dos Estados Unidos para a França. Após o armistício de novembro de 1918, ele foi um participante ativo nas longas negociações de paz realizadas na França. O almirante Benson se aposentou do serviço naval em setembro de 1919. Na década seguinte, ele foi ativo na liderança do Conselho de Navegação dos Estados Unidos.

O patrocinador dos navios foi a Srta. Dorothy Lucille Benson, neta do falecido almirante William S. Benson.

USS DANIEL I. SULTAN ganhou a Medalha de Serviço de Defesa Nacional (2 prêmios), a Medalha de Serviço da Coréia com 2 estrelas de campanha, a Medalha de Serviço do Vietnã com 1 estrela de campanha, a Medalha de Serviço das Nações Unidas, a Medalha de Campanha da República do Vietnã e a República da Medalha de Serviço de Guerra da Coreia durante sua carreira naval.

HOMÔNIMO - General Daniel Isom Sultan, EUA (9 de dezembro de 1885 - 14 de janeiro de 1947)
& # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160 & # 160Sultan graduou-se na Academia Militar dos EUA em 1907 e foi comissionado segundo-tenente no Corpo de Engenheiros. Antes da Primeira Guerra Mundial, ele serviu nas Ilhas Filipinas e foi responsável pela construção de fortificações no Corregidor. Em 1918, foi designado para o Estado-Maior Geral do Departamento de Guerra da França. De 1929 a 1931, ele comandou tropas durante um levantamento da proposta da rota do Canal Interoceânico através da Nicarágua e, de 1934 a 1938, ele presidiu como Comissário do Distrito de Columbia. Promovido a Brigadeiro General em 8 de julho de 1939, ele estava no comando da 38ª Divisão de Infantaria no início da Segunda Guerra Mundial. Seguindo seu comando do VIII Corpo de exército, ele foi enviado ao Teatro China-Burma-Índia em 1943 para atuar como subcomandante do general Joseph Stilwell. Ele foi promovido a Tenente General em 2 de setembro de 1944 e em 24 de outubro tornou-se Comandante do Teatro Índia-Birmânia. Retornando aos Estados Unidos em 26 de junho de 1945, foi nomeado Inspetor Geral do Exército em 14 de julho de 1945. O General Sultan morreu em Washington, D.C., durante o serviço ativo.

Se você tiver imagens ou informações para adicionar a esta página, entre em contato com o Curador ou edite esta página e adicione-a. Consulte Editando as páginas do navio para obter informações detalhadas sobre a edição desta página.


Admiral W.S. Benson AP-120 - História

23 de agosto de 1944 - 8 de novembro de 1945

Grande parte da história naval.

Você compraria uma cópia exata do USS Admiral W S Benson AP 120 livro de cruzeiros durante a Segunda Guerra Mundial. Cada página foi colocada em um CD por anos de visualização agradável no computador. o CD vem em uma capa de plástico com uma etiqueta personalizada. Cada página foi aprimorada e é legível. Livros raros de cruzeiros como este são vendidos por cem dólares ou mais na compra da cópia impressa real, se você puder encontrar uma à venda.

Isso seria um grande presente para você ou para alguém que você conhece que pode ter servido a bordo dela. Normalmente apenas 1 pessoa da família tem o livro original. O CD permite que outros membros da família também tenham uma cópia. Você não ficará desapontado, nós garantimos isso.

Alguns dos itens neste livro são os seguintes:

  • Carta de cruzeiro
  • Fotos de grupos de divisão com nomes
  • Cinco páginas detalhadas da saga dos navios
  • Cruzando o Equador
  • Portos de escala - Bombaim Índia, Le Havre França, Marselha França, Manila Filipinas, Okinawa Japão
  • Muitas fotos de atividades da tripulação (vida a bordo do navio)
  • Log Condensado

Mais de 194 fotos e a história dos navios contada em 73 páginas.

Depois de ver este CD, você saberá como era a vida neste Transporte durante a Segunda Guerra Mundial.



ENCONTRAR AMIGOS E CLASMATOS ARQUIVO GENEALOGIA PLANEJAMENTO DE REUNIÃO
Você está tentando encontrar velhos amigos da escola, antigos colegas de classe, colegas militares ou companheiros de navio? Você quer ver namoradas ou namorados anteriores? Reviva o retorno ao lar, o baile de formatura, a formatura e outros momentos no campus capturados nas fotos do anuário. Revisite sua fraternidade ou irmandade e veja lugares familiares. Veja membros de clubes da velha escola e reviva os velhos tempos. Comece sua busca hoje! Procurando por parentes e parentes mais velhos? Você quer encontrar fotos de pais ou avós quando eles estavam na escola? Quer saber qual penteado era popular na década de 1920? E-Yearbook.com tem uma riqueza de informações genealógicas que abrangem mais de um século para muitas escolas com pesquisa de texto completo. Use nosso recurso de genealogia online para descobrir a história rapidamente! Você está planejando uma reunião e precisa de ajuda? O E-Yearbook.com pode ajudá-lo a digitalizar e fornecer acesso às imagens do anuário para materiais e atividades promocionais. Podemos fornecer uma versão eletrônica do seu anuário que pode ajudá-lo no planejamento da reunião. E-Yearbook.com também publicará as imagens do anuário online para as pessoas compartilharem e desfrutarem.

Pesquise e navegue nos anuários online

Copyright e cópia 2005-2021 Digital Data Online, Inc.

O material deste site é protegido pelas leis de direitos autorais dos Estados Unidos e por tratados internacionais. Nenhuma imagem ou material protegido neste site pode ser copiado ou impresso sem autorização expressa.


Admiral W.S. Benson AP-120 - História

Projeto de História do Vietnã do 720º Batalhão de Polícia Militar

USNS General Daniel I. Sultan

Daniel Isom Sultan nasceu em 9 de dezembro de 1885 em Oxford, Mississippi, formou-se na Academia Militar dos Estados Unidos em 1907 e foi nomeado segundo-tenente no Corpo de Engenheiros.

Antes da Primeira Guerra Mundial, ele serviu nas Ilhas Filipinas e foi responsável pela construção de fortificações no Corregidor. Em 1918, foi designado para o Estado-Maior Geral do Departamento de Guerra da França. De 1929 a 1931 ele comandou tropas durante uma pesquisa da proposta rota do Canal Interoceânico através da Nicarágua e, de 1934 a 1938, ele presidiu como comissário do Distrito de Columbia.

Promovido a Brigadeiro-General em 8 de julho de 1939, ele comandou a 38ª Divisão de Infantaria no início da Segunda Guerra Mundial.

Seguindo seu comando do VIII Corpo de exército, ele foi enviado ao Teatro China-Burma-Índia em 1943 para atuar como subcomandante do general Joseph Stilwell.

Ele foi promovido a tenente-general em 2 de setembro de 1944 e, em 24 de outubro, tornou-se comandante do Teatro Birmânia-Índia.

Retornando aos Estados Unidos em 23 de junho de 1945, foi nomeado Inspetor Geral do Exército em 14 de julho.

O General Sultan morreu em 14 de janeiro de 1947 em Washington, D.C. durante o serviço ativo.

O almirante W. S. Benson (AP-120) (q.v.) foi readquirido pela Marinha do Serviço de Transporte do Exército como General Daniel I. Sultan em 1º de março de 1950 e designado para o MSTS. Tripulada por uma tripulação civil, ela operou no Pacífico a partir de São Francisco. De 1950 a 1953, ela viajou para o Pacífico Ocidental em apoio ao esforço para repelir a agressão comunista na Coréia. Ela fez mais de 20 viagens de ida e volta ao Extremo Oriente e transportou homens e suprimentos para bases americanas no Japão, Okinawa, Guam, Formosa e nas Ilhas Filipinas.

Após o fim das hostilidades na Coréia, ela continuou com o abastecimento e o transporte de tropas para o conturbado Extremo Oriente. Durante os 13 anos seguintes, ela completou mais de 100 deslocamentos para o Pacífico Ocidental, apoiando as operações de manutenção da paz das forças americanas.

Em resposta à determinação da América em defender a independência e integridade do Vietnã do Sul da agressão comunista externa, o general Daniel I. Sultan partiu de São Francisco para o sudeste da Ásia em 2 de agosto de 1965.

Viajando pelo Japão, ela embarcou em tropas em Okinawa e chegou a Da Nang, Vietnã do Sul, em 28 de agosto. Ela voltou a São Francisco em 11 de setembro e durante o restante de 1965 completou mais duas viagens de ida e volta para Qui Nhon e Vung Tau, no Vietnã do Sul.

Nos primeiros 7 meses de 1966, ela fez quatro viagens ao Japão, Okinawa, Taiwan e Filipinas. Ela operou no Pacífico Ocidental, apoiando as forças da liberdade no Extremo Oriente até chegar a São Francisco no final de dezembro de 1966.

No início de 1967 ela foi colocada no status de reserva de prontidão.

O general Daniel I. Sultan recebeu duas estrelas de batalha pelo serviço militar na Coréia.

De: DICTIONARY OF AMERICAN NAVAL FIGHTING SHIPS, Vol. III, p. 40. General Daniel I. Sultan


Dez navios P2-SE2-R1 foram encomendados pela Comissão Marítima na Segunda Guerra Mundial. Os navios foram entregues pela Bethlehem Shipbuilding Corporation em Alameda, Califórnia. O uso pretendido desses navios após a guerra era o serviço transpacífico. Conforme solicitado, os navios foram nomeados em homenagem aos almirantes da Marinha dos Estados Unidos. Apenas oito navios foram concluídos como transporte de tropas para a marinha, sendo os dois últimos navios cancelados em 16 de dezembro de 1944. Apesar de terem sido cancelados, os dois últimos navios foram concluídos após a guerra para o desenho P2-SE2-R3 como navios civis.

Em 1946 os navios foram todos descomissionados pela Marinha e transferidos de volta para a Comissão Marítima, e de lá para o Exército dos Estados Unidos. O exército os operou com tripulações civis como parte do Serviço de Transporte do Exército e os renomeou em homenagem a generais do Exército dos Estados Unidos. Em 1950, os navios foram transferidos de volta para a Marinha, mas não recomissionados. Em vez disso, foram designados para o Serviço de Transporte Marítimo Militar, operado por uma equipe do serviço civil, e mantendo os nomes que o exército lhes havia dado.

Marinha dos Estados Unidos Serviço de Transporte do Exército Serviço de transporte marítimo militar
USS Almirante W. S. Benson (AP-120) USAT General Daniel I. Sultan USNS General Daniel I. Sultan (T-AP-120)
USS Almirante W. L. Capps (AP-121) USAT General Hugh J. Gaffey USNS General Hugh J. Gaffey (T-AP-121)
USS Admiral R. E. Coontz (AP-122) USAT General Alexander M. Patch USNS General Alexander M. Patch (T-AP-122)
USS Admiral E. W. Eberle (AP-123) USAT General Simon B. Buckner USNS General Simon B. Buckner (T-AP-123)
USS Admiral C. F. Hughes (AP-124) USAT General Edwin D. Patrick USNS General Edwin D. Patrick (T-AP-124)
USS Admiral H. T. Mayo (AP-125) USAT General Nelson M. Walker USNS General Nelson M. Walker (T-AP-125)
USS Admiral Hugh Rodman (AP-126) USAT General Maurice Rose USNS General Maurice Rose (T-AP-126)
USS Almirante W. S. Sims (AP-127) USAT General William O. Darby USNS General William O. Darby (T-AP-127)
USS Admiral D. W. Taylor (AP-128) Canceled 16 December 1944 and completed as civilian passenger liners.
USS Admiral F. B. Upham (AP-129)

Eleven P2-S2-R2 ships were ordered by the Maritime Commission in World War II. The ships were laid down by Federal Shipbuilding and Dry Dock Company of Kearny, New Jersey. The intended use of these ships after the War was for South American service. As ordered, the ships were all named after United States Army generals.

Unlike the Admirals, the Generals did not have a relatively uniform life after World War II. Three were transferred to the Army as the Admirals had been, of which one was disposed of by the Army and converted to a passenger liner before the Korean War. Five were retained by the Navy and were transferred to the Military Sea Transportation Service in October 1949 to be manned by civilian crews, and two others were transferred to American President Lines with the intent of being converted to a passenger liners, but ended up being chartered troop ships that in the Korean War were rejoined to military control as part of the Military Sea Transportation Service.


USS Admiral W. S. Benson Redirected from USS Admiral W. S. Benson (AP-120)

USS Admiral W. S. Benson (AP-120) began as an unnamed transport, AP-120, that was laid down on 10 December 1942 at Alameda, California by the Bethlehem-Alameda Shipbuilding Corp., under a Maritime Commission contract (MC hull 678). She was named Admiral W. S. Benson (AP-120) on 20 October 1943 and launched on 22 November 1943 sponsored by Miss Dorothy Lucille Benson, granddaughter of the late Admiral William S. Benson. She was accepted from the Maritime Commission on 23 August 1944 and commissioned the same day, Capt. Francis H. Gardner in command.

After fitting out and provisioning at the Naval Supply Depot, Oakland, California, Admiral W. S. Benson stood out of San Francisco Bay on 1 September 1944 for San Pedro, to commence shakedown training. During the next two weeks, the transport carried out daily exercises and gunnery runs in the vicinity of Santa Catalina, San Nicholas, and San Clemente islands. Upon completion of this training, the ship underwent post-shakedown availability at the Todd Shipyard in Wilmington, Los Angeles, before she commenced work at the Small Craft Training Center, Terminal Island, serving a tour of temporary duty in connection with the training of attack transport (APA) crews. Over the next two weeks, the ship operated locally with crews from USS Hinsdale, USS Lanier, USS St. Mary's e USS & # 160Allendale.

Admiral W. S. Benson returned to Todd's Wilmington yard on 15 October 1944 for major alterations, and upon completion of this yard period reported to Commander, Western Sea Frontier and Commander, Naval Transport Service, for duty.

On 23 November, Admiral W. S. Benson got underway and moored at the Army embarkation pier at Wilmington, and embarked a total of 4,376 Army troops on 28 and 29 November before sailing for Bombay, India, on the morning of 30 November, on the first of two troop lifts to that port. Stopping briefly at Melbourne, Australia, en route, for provisions from 16 to 18 December, the transport continued on her destination, spending Christmas at sea. Two British destroyers, HMS Roebuck and HMS Relentless, rendezvoused with the transport on 27 December, and assumed antisubmarine screening stations. Three days later, on 30 December 1944, Admiral W. S. Benson reached her destination and stood into Bombay Harbor.

After embarking passengers for the return voyage—civilians as well as military personnel (including among the troops 60 Chinese naval officers and 108 Chinese aviation cadets)—Admiral W. S. Benson got underway for Melbourne on 5 January 1945, Roebuck e Relentless again screening the ship out of dangerous waters until 8 January. Debarking some of her troop passengers—127 Australians and New Zealanders—upon her arrival at Melbourne on 16 January, the transport embarked 352 additional passengers on the 19th, and sailed for the United States, ultimately reaching Los Angeles on 2 February 1945.

Given a yard overhaul upon her return, Admiral W. S. Benson completed embarkation of 4,792 troops and passengers at San Pedro on 26 February she sailed for Bombay the following morning. Stopping again at Melbourne en route, from 14 to 16 March 1945, the transport reached her destination on 27 March, escorted locally by HMS Penn and HMS Paladin. Embarking 1,363 troops and passengers (of whom 107 were civilians), Admiral W. S. Benson sailed for Melbourne on 2 April.

Diverted to Brisbane, Australia, en route, Admiral W. S. Benson reached that port on 14 April and debarked 85 passengers. Embarking an additional 1,358 passengers, the transport proceeded on to Nouméa, New Caledonia, on 16 April, and reached that port on the 18th. Embarking an additional 1,410 passengers there, she got underway for Espiritu Santo, New Hebrides, on the afternoon of the 21st, and reached her destination on the 22nd. There, the transport debarked 75 sailors and took on board an additional 174 for passage to the United States. Underway on the same day, 22 April, Admiral W. S. Benson brought her second round-trip voyage to a conclusion on 3 May 1945.

Drydocked at Terminal Island for repairs and the replacement of a damaged starboard screw, Admiral W. S. Benson eventually left the repair yard on 11 May and shifted to a pier where she loaded stores and provisions for her next voyage. Underway from Wilmington on 17 May, the transport sailed for Marseilles, France, via the Panama Canal. Transiting the isthmian waterway between 23 and 25 May, the ship was then rerouted to the French port of Le Havre, where she arrived on 3 June 1945. The following afternoon, she commenced embarking troops, a task which she completed very early the following morning. Among the 5,026 passengers were recovered allied military personnel (RAMPs). Standing out of Le Havre at 0800 on 5 June, Admiral W. S. Benson anchored off Staten Island on the evening of the 11th, and then stood up the North River early the following morning. Despite the early hour, the RAMPs on board Admiral W. S. Benson, received a hearty reception the transport "dressed ship" and exchanged whistle signals with passing ships.

After disembarking her passengers and undergoing repairs and alterations, Admiral W. S. Benson cleared New York on 6 July 1945 for Marseilles. Arriving at her destination on Bastille Day (14 July), the transport embarked 4,828 men slated for duty in the Pacific theater, before clearing that French port on 17 July.

Transiting the Panama Canal on 2 July, Admiral W. S. Benson stopped briefly at Balboa before getting underway for the western Pacific on the following morning. Passing Eniwetok seven miles (11 km) to starboard on 13 August, the ship was diverted en route to Ulithi, in the Western Carolines, that day, and arrived on the morning of 15 August, arriving in the midst of VJ Day celebrations. Fueling at Ulithi, the transport sailed for the Philippines, accompanied by the destroyer USS Robinson, ultimately releasing her escort off Homonhon Island.

Joined by the destroyer escort USS Metivier on the evening of 19 August, the transport proceeded toward Lingayen, arriving there on 20 August and anchoring in San Fernando Harbor. There she debarked 1,073 troops and passengers, and that same evening took departure for Manila, again accompanied by Metivier. Heavy seas and limited transportation facilities rendered debarkation difficult, the ship remaining moored in the outer harbor until the 25th, when she shifted moorings to a wrecked ship near the breakwater. Shifting again, this time to a pier to commence debarkation and embarkation, Admiral W. S. Benson commenced this task on 27 August and concluded it on the 29th, sailing with a total of 4,382 passengers. Arriving off Homonhon Island on the afternoon of the 30th to await routing instructions, Admiral W. S. Benson got underway in convoy at noon the following day, escorted by the destroyer escort USS Edwin A. Howard and proceeding in company with the Dutch motorship Weltevreden.

Reaching Ulithi on 3 September, the transport embarked 100 Navy enlisted passengers and got underway the same evening, ultimately arriving at San Francisco on the morning of the 14th. Following voyage repairs at the Bethlehem Shipyard at San Francisco, from 17 to 26 September, Admiral W. S. Benson provisioned at the Naval Supply Depot, Oakland, before proceeding to Pier 38 at San Francisco on 27 September, where she embarked 3,495 Navy officers and enlisted passengers. On the evening of the 28th, the transport sailed for Buckner Bay, Okinawa.

Admiral W. S. Benson arrived at her destination on 11 October 1945, just two days after a typhoon had wreaked havoc there. The disruption it caused rendered it impossible for the ship to disembark her passengers in the normal fashion. That day, she received on board 140 officers and enlisted men from the minelayer USS Weehawken, which had gone aground during the typhoon. Two days later, the situation ashore having apparently been improved to permit it, the transport began disembarking her passengers, debarking 30 officers and 613 enlisted men from Navy construction battalion (CB) units. Later that morning, she also debarked Weehawken ' s men as well.

Due to limited housing facilities on the "beach", Admiral W. S. Benson served as receiving ship, and commenced debarking passengers on the 18th directly to various fleet units in the Buckner Bay area, transferring 951 men to 44 Mine Force units in two days.

Underway for Japanese waters on 20 October, escorted by the destroyer USS Farenholt, Admiral W. S. Benson reached Sasebo, Japan, on 22 October, and again took up her duties as a receiving ship. Departing Sasebo for Matsuyama on 25 October after debarking replacement sailors to the ships at Sasebo, Admiral W. S. Benson sailed in company with the destroyer USS Smith, and anchored at her destination on the 16th. She transferred 153 enlisted men to eight ships as replacements before she sailed for Hiro Wan, for further debarkation of passengers and transferred in the following three days 750 enlisted men and embarked 20 naval enlisted men for passage to the United States.

Underway on 30 October for Wakayama in company with the destroyers USS Edison, USS Ludlow, and USS Niblack, Admiral W. S Benson reached her destination on the 31st, the passage enlivened by the sighting, and quick sinking, of a mine. Transferring men as replacements for ships in the area, the transport embarked 30 officers and 678 enlisted men before getting underway for Nagoya, escorted by the destroyer USS Parker, on 3 November. Arriving the following day, the ship embarked further passengers before sailing for Okinawa on the morning of 6 November. By 6 November, all of the men she had transported from San Francisco had been disembarked, with the exception of 76 enlisted men whose points for discharge had accumulated on the outbound trip and were to return to the United States with the ship for separation.

Anchoring off Hagushi Beach, Naha, Okinawa, on the morning of 8 November, Admiral W. S. Benson there embarked 246 Army officers, 3,646 Army enlisted men, making a total passenger lift (including the naval passengers embarked in Japan) of 4,752. On the morning of 10 November, the transport got underway for Seattle, Wash., at which port she arrived on 21 November. Completing the debarking of passengers on the same day, the transport shifted to the Puget Sound Naval Shipyard, where, three days later, she commenced a period of repairs and alterations. Among the latter modifications was the removal of all of her guns with the exception of a pair of 20-millimeter guns, forward. The ship herself experienced a 30% cutback in personnel, which called for a reorganization of all shipboard departments.

As on her previous voyages to Le Havre and Marseilles, Admiral W. S. Benson sailed without passengers, bound for Okinawa on 14 December 1945. Spending her second Christmas at sea, the transport reached Buckner Bay on New Year's Day, 1946. Completing embarkation of 4,840 Army officers and enlisted men, including 75 patients, by noon on 8 January, Admiral W. S. Benson got underway for Seattle, taking a modified "great circle route" to avoid storms in the vicinity. Diverted to San Pedro en route, the ship reached her revised destination on the morning of 21 January. Shifting to a berth off Long Beach soon thereafter, the ship underwent voyage repairs at Terminal Island.

Decommissioned on 3 June 1946, and turned over to the Maritime Commission for disposal, Admiral W. S. Benson was struck from the Naval Vessel Register on 3 July 1946. Transferred to the Army Transport Service, the ship was renamed General Daniel I. Sultan in honor of the late General Daniel Isom Sultan, USA.

After operating with the Army Transport Service as USAT General Daniel I. Sultan, the ship was reacquired by the Navy on 1 March 1950 and reinstated on the Naval Vessel Register on the same day. Assigned to the Military Sea Transportation Service (MSTS) as USNS General Daniel I. Sultan (T-AP-120), the transport, operating out of San Francisco, supported United Nations operations in Korea which came as a result of the North Korean invasion in June 1950. She sailed from Sasebo for Pusan, South Korea, arriving on 31 July 1950, on her first run to that new war. She then returned to Yokohama, and sailed thence to San Francisco, reaching that port on 12 August.

She commenced her second trip to the Far East during the Korean War on 1 September, and conducted two additional voyages during the fall and into the winter. On one voyage, from Hungnam to Pusan, from 12 to 15 December, General Daniel I. Sultan carried, among her embarked troops, a Navy corpsman, Hospitalman Richard De Wert, attached to the 1st Marine Division. On 5 April 1951, Hospitalman DeWert would later win the Medal of Honor while serving with Company "D", 2d Battalion, 7th Marines. The Navy would honor his heroism in naming a guided missile frigate, FFG-45, in his honor three decades later.

During 1951, General Daniel I. Sultan conducted nine voyages between San Francisco, the Hawaiian Islands, Marshalls, Guam and the Philippines she maintained regular service to Far Eastern and Pacific ports—in Japan, Okinawa, Guam, Formosa and the Philippines—into the mid-1960s. Highlighting this period of service was the ship's coming to the aid of the typhoon-ravaged island of Guam.

While en route from San Francisco to Japan with 1,100 Army troops on board, General Daniel I. Sultan arrived at Apra Harbor on 13 November 1962, in the wake of Typhoon Karen. The transport had been scheduled to drop off her regularly scheduled passengers and sail for Japan the following day, but the devastation wrought by Karen called for a change-in-plans.

While the troop passengers donned fatigues and boots and pitched in ashore, the ship stood by to provide power and light to the waterfront and ship repair facility. Thirty electricians and diesel engineers labored daily to alleviate the island's power shortage. General Daniel I. Sultan provided tools, lights, and batteries to the Naval Hospital, and spare parts and equipment to the communication station. Engineers, mechanics, burners,and welders proved instrumental in restoring the sewage system in Asan village. Power lines were restrung across the island. The ship's sick bay became a miniature hospital, while one medical team assumed obstetrics duty in the naval hospital on shore, delivering 22 babies during their stay. As part of the Navy's preventative medicine campaign, doctors and medics administered typhoid vaccine. The ship's chief radio operator and his men maintained a 24-hour schedule, handling all communications for the island as well as for the ship. They copied world news, thus enabling the ship's military department to publish a newspaper which carried news of the outside world.

During 1965, with increased American involvement in the war in Vietnam, the transport conducted troop lifts from San Francisco to Danang, South Vietnam, via Okinawa and Formosa. She departed her first troop lift on 2 August 1965, clearing San Francisco on that date and ultimately arriving at Danang on 28 August. Returning to San Francisco on 11 September, she conducted two more lifts before the year was out: the first to Vũng Tàu and the second to Qui Nhơn. Over the first seven months of 1966, General Daniel I. Sultan made cruises to ports in Japan, Okinawa, Taiwan and the Philippines. On January 14, 1966, she suffered extensive hull damage and a ruptured fuel tank when she ran aground in shoal water west of Okinawa. No casualties are reported and she was refloated on January 15. Ώ]

Transferred to the custody of the Maritime Administration (MarAd) on 7 November 1968, for lay-up at the Suisun Bay reserve facility, General Daniel I. Sultan was transferred to that agency on 31 August 1969, and was struck from the Naval Vessel Register on 9 October 1969. She was still as Suisun Bay, in the National Defense Reserve Fleet, into August 1987.


Biografia

Born in Bibb County, Georgia, Benson graduated from the United States Naval Academy in 1877. His early years of sea duty included cruise around the World in Golfinho during the 1880s. He was also active in coast survey and hydrographic duties, was an instructor at the Naval Academy, commanded the cruiser Albany (CL-23) and served as a flag aide, in addition to other assignments.

In 1909, Benson was promoted to Captain and became Chief of Staff of the US Pacific Fleet. In 1911, Benson became the first Commanding Officer of the battleship Utah (BB-31). He was Commandant of the Philadelphia Navy Yard in 1913-15.

Chief of Naval Operations

In May 1915 he was promoted to the rank of Rear Admiral and became the Navy's first Chief of Naval Operations (CNO), functionally replacing Rear Admiral Bradley A. Fiske, the last Aide for Naval Operations.

Benson was heavily involved in defining the functions of the new CNO position and strengthening the Navy during a period marked by internal Navy Department tensions, U.S. interventions in the Caribbean and Central America, and the world war. Promoted to the rank of Admiral in 1916, his responsibilities greatly expanded when the United States entered the First World War in April 1917. Over the next year and a half, he oversaw a huge expansion of the Navy, the extension of its operations to European waters and the transportation of the Army's American Expeditionary Forces to France. After the November 1918 Armistice, he was an active participant in the lengthy peace negotiations held in France.

Aviação

In World War I the Navy explored aviation, both land-based and carrier based. However the Navy nearly abolished aviation in 1919 when Benson could not ". conceive of any use the fleet will ever have for aviation," and he secretly tried to abolish the Navy's Aviation Division. [1] However, Assistant Secretary of the Navy Franklin D. Roosevelt reversed the decision because he believed naval aviation might someday be "the principal factor" at sea with missions to bomb enemy warships, scout enemy fleets, map mine fields, and escort convoys. Grudgingly allowing it a minor mission, the Navy slowly built up its aviation arm. U.S. Naval Aviation later proved to be the decisive advantage for the U.S Navy that ensured victory during World War II, the duration of the Cold War, and it remains today as the centerpiece of the combat striking arms of the United States Navy.

Aposentadoria

Benson retired from the Naval service in September 1919. Over the next decade, he was active in the leadership of the U.S. Shipping Board. Admiral William S. Benson died in Washington, D.C.

His mother, Catherine Brewer Benson, was the first woman to receive a degree Georgia Female College (now Wesleyan College).

His son Commodore Howard Hartwell James Benson, also a career Navy officer, received the Navy Cross and Legion of Merit. [2]


Assista o vídeo: halo co sie dzieje?????? (Dezembro 2021).