A história

Cronograma do período Azuchi-Momoyama


  • 1568 - 1582

    Oda Nobunaga apodera-se de Heiankyo (Kyoto) e é o líder militar dominante no Japão central.

  • 1568 - 1600

  • 1571

    Oda Nobunaga ataca o complexo monástico budista Enryakuji perto de Kyoto.

  • 1573

    Oda Nobunaga exila o último shogun Ashikaga, Yoshiaki.

  • 1575

    Oda Nobunaga vence a Batalha de Nagashino.

  • 1576

    Oda Nobunaga instiga uma 'caça à espada' para confiscar todas as armas do campesinato japonês.

  • 1579

    Oda Nobunaga estabelece uma nova sede no castelo Azuchi.

  • 1580

    Oda Nobunaga ataca o templo-fortaleza budista de Ishiyama Honganji em Osaka usando canhões montados em navios.

  • 1581

    A primeira versão do Castelo de Himeji foi construída por Toyotomi Hideyoshi.

  • 1582 - 1598

    Toyotomi Hideyoshi é o líder militar japonês.

  • 1582 - 1598

    Oda Nobunaga e seu sucessor Toyotomi Hideyoshi conduzem uma extensa pesquisa sobre a propriedade da terra em todo o Japão.

  • 21 de junho de 1582

  • 1586

    Toyotomi Hideyoshi constrói o enorme castelo de Osaka.

  • 1587

    Toyotomi Hideyoshi passa seu primeiro édito para banir os missionários cristãos do Japão.

  • 1588

    Toyotomi Hideyoshi proíbe que os plebeus portem armas, incluindo espadas.

  • 1588

    Toyotomi Hideyoshi determina que apenas um samurai de patente completa pode carregar duas espadas.

  • 1591

    Toyotomi Hideyoshi constrói a enorme muralha de fortificação Odoi ("Grande muralha") em torno de Heiankyo (Kyoto).

  • 1591

    Toyotomi Hideyoshi redefine o sistema de classes do Japão.

  • 1591

    Os samurais não têm mais permissão para cultivar suas próprias terras, o que os torna dependentes de seus senhores para obter renda.

  • 1592

    Toyotomi Hideyoshi envia um exército para invadir a Coreia. Não teve sucesso.

  • 1594

    Toyotomi Hideyoshi constrói o Castelo Fushimi fora de Heiankyo (Kyoto).

  • 1597

    Toyotomi Hideyoshi passa seu segundo édito para remover missionários cristãos do Japão e executa 26 cristãos em Nagasaki.

  • 1597

    Toyotomi Hideyoshi envia um segundo exército para invadir a Coréia. Não foi bem sucedido.

  • 18 de setembro de 1598

    Morte de Toyotomi Hideyoshi, o líder militar japonês.

  • 1600

    Tokugawa Ieyasu vence a Batalha de Skeigahara contra os generais que apoiaram o filho de Toyotomi Hideyoshi. Fim do Período Azuchi-Momoyama.

  • 1603 - 1868

    O Shogunato Tokugawa governa o Japão.


Tag: período Azuchi Momoyama

O círculo vermelho acima indica o tempo que discutimos neste capítulo

o Bakumatsu período é a última parte do Edo período na história da espada. Veja o círculo na linha do tempo do meio acima. No entanto, a história política não divide o Edo período e o Bakumatsu período. Não há uma data definida para o Bakumatsu período.

o AzuchiMomoyam período (安 土 桃山) é entre o momento em que Oda Nobunaga (織田信長) deposto Shogun Ashikaga Yoshimasa (将軍 足 利 義 昭) em 1573 e o tempo quando Tokugawa Iyeyasu tornou-se o Shogun em 1603 ou quando Tokugawa Iyeyasu venceu a batalha contra Toyotomi Hideyori (Hideyoshi & # 8217s filho) em Osaka Campanha de verão em 1615. O Azuchi-Momoyama período foi um curto período quando Oda Nobunaga(織田信長), Toyotomi Hideyoshi (豊 臣 秀吉), e Tokugawa Iyeyasu (徳 川 家 康) estavam manobrando as intrincadas lutas políticas. Durante este tempo, o país floresceu cultural e economicamente. Após um longo período de guerra, as pessoas finalmente viram o país se reunir e a vida pacífica que o aguardava.

As histórias de Oda Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi, e Tokugawa Iyeyasu têm sido as histórias mais populares para os japoneses. Freqüentemente, as histórias dessa época são retratadas em programas de TV e filmes. o Edo período foi o momento em que o Tokugawa família governou o Japão.

o Tokugawa governo era chamado de Tokugawa Bakufu. Ao longo do Edo período, o Tokugawa linha direta da família & # 8217s, geralmente os filhos primogênitos, tornaram-se os Shogun. No entanto, os imperadores coexistiram ao mesmo tempo. Mesmo sem poder político, a família do imperador & # 8217 ainda tinha status imperial.

Durante o Edo período, foi uma época muito pacífica. Ao contrário do período anterior, não houve guerras. No entanto, mais tarde, o último Edo período (aproximadamente 260 anos) estagnou e passou a apresentar problemas estruturais e financeiros no julgamento. Isto é o Bakumatsu (幕末) tempo, o que significa a última parte do Edo Bakufu.

No capítulo anterior, Capítulo 25, História do Período Edo explicou que o Edo Bakufu fechou o país para o mundo exterior na maior parte da época. O único lugar no Japão com acesso a países estrangeiros era Dejima no Nagasaki (Parte sul do Japão). Durante o Bakumatsu período, vários navios europeus chegaram ao Japão pedindo (mais como exigentes) ao Japão para abrir portos de água e outros navios baleeiros & # 8217 suprimentos. Além disso, alguns países queriam fazer comércio com o Japão. Esses países foram Inglaterra, Rússia, América e França, etc.

Em 1792, o governo russo enviou um mensageiro oficial ao Japão exigindo sua abertura ao comércio. Em 1853, o Comodoro Perry dos EUA apareceu com quatro enormes navios de guerra em um porto chamado Uraga (浦 賀: Kanagawa prefeitura agora) e exigiu que o Japão abrisse portos de água, combustível e outros suprimentos para os navios baleeiros dos EUA.

No final de Bakumatsu tempo, o Tokugawa Bakufu enfrentaram dificuldades políticas e financeiras para governar o país. Além disso, os intelectuais temiam que o Japão pudesse ter problemas como a China, a Guerra do Ópio (1840-1842), com a Inglaterra. As pressões para abrir o condado estavam aumentando. Ficou claro que o Japão não poderia mais continuar fechando o país. Nessa época, o Comodoro Perry apareceu em Uraga com quatro enormes navios de guerra negros que exigiam que o Japão abrisse o país. Esses navios de guerra assustaram os japoneses e superaram a grande onda deBakufu movimento. o Meiji A revolução estava prestes a acontecer, e os navios de guerra Perry & # 8217s foram o último golpe.

Tokugawa Bakufu fez tratados com vários países estrangeiros e abriu alguns portos para o comércio. o Bakufu & # 8217s a autoridade foi perdida e o Japão foi dividido em vários grupos políticos diferentes. Esses grupos políticos lutaram caoticamente, e o Meiji O movimento de restauração continuou. Em 1868, o Tokugawa Bafuku saiu do Edo Castelo em Edo (agora Tóquio), e as Meiji O imperador mudou-se. Meiji Shin Seifu (Novo governo Meiji) foi estabelecido centrando o Meiji Imperador, e o Tokugawa Bakufu terminou.

Arquivo: Commodore-Perry-Visit-Kanagawa-1854.jpg De ja.wikipedia.org/wiki/ 黒 船 Domínio Público

Visita do Comodoro Matthew C. Perry & # 8217s a Kanagawa, perto do local da atual Yokohama em 8 de março de 1854. Litografia. Nova York: E. Brown, Jr.


Salas de Shoin

Um shoin é um tipo de sala de audiências na arquitetura japonesa que foi desenvolvido durante o período Muromachi e refinado durante o período Momoyama.

Objetivos de aprendizado

Discuta as mudanças nas salas de tiro japonesas durante o período Momoyama

Principais vantagens

Pontos chave

  • Shoin originalmente se referia a um estudo e um local para palestras sobre o sūtra dentro de um templo, mas mais tarde passou a significar simplesmente uma sala de estar ou estudo.
  • A arquitetura emergente do período Muromachi foi posteriormente influenciada pelo uso e aparência crescentes do shoin. Uma das mudanças mais notáveis ​​na arquitetura surgida a partir do shoin veio da prática de forrar o chão da sala com esteiras de tatame.
  • A arquitetura envolvente e influenciada pelo shoin rapidamente desenvolveu muitas características distintas, como o tokonoma (um recesso elevado construído na parede para exibir arte) e chigaidana (estruturas de prateleiras embutidas no tokonoma para exibir objetos menores).
  • Ocorrendo ao mesmo tempo que o desenvolvimento da arquitetura shoin, estava o aumento da popularidade do fusuma, ou portas de correr usadas para dividir quartos.

Termos chave

  • tatame: Esteira de palha, em tamanho padrão, utilizada como revestimento de pisos em casas japonesas.
  • sutra: Um aforismo (ou linha, regra, fórmula) ou uma coleção de tais aforismos na forma de um manual ou, mais amplamente, um texto no Hinduísmo ou Budismo.
  • tokonoma: Um recesso em um interior doméstico no qual um pergaminho suspenso, arranjo de flores ou outra arte é exibida.
  • fusuma: Um painel deslizante retangular vertical, geralmente pintado ou decorado, usado no Japão como uma porta ou parede móvel.

Visão geral

Um shoin (書, sala de estar ou estudo) é um tipo de sala de audiência na arquitetura japonesa que foi desenvolvida durante o período Muromachi. O termo originalmente se referia a um estudo e um local para palestras dentro de um templo, mas mais tarde passou a significar simplesmente uma sala de estar ou estudo. O estilo shoin-zukuri deve o seu nome a estes quartos. Num edifício shoin-zukuri, o shoin é a sala dedicada à recepção dos hóspedes.

O Shiro-shoin em Hongan-ji: Shoin é um tipo de auditório na arquitetura japonesa.

Desenvolvimento do Shoin

As bases para o projeto das casas residenciais japonesas tradicionais de hoje & # 8217 foram estabelecidas no final do período Muromachi e aprimoradas durante o período Momoyama subsequente. Shoin-zukuri, um novo estilo arquitetônico influenciado pelo zen-budismo, desenvolvido durante aquela época a partir dos primeiros palácios do período Heian & # 8217 e do estilo residencial subsequente favorecido pela classe guerreira durante o período Kamakura.

Uma das mudanças mais notáveis ​​na arquitetura surgida a partir do shoin veio da prática de forrar pisos com tatames. Como os tapetes de tatame têm um tamanho padronizado, as plantas das salas de shoin tiveram que ser desenvolvidas em torno das proporções do tapete de tatame, o que, por sua vez, afetou as proporções das portas, a altura dos quartos e outros aspectos da estrutura. Antes de o shoin popularizar a prática de forrar pisos com esteiras de tatame, era padrão trazer apenas uma única esteira de tatame para a pessoa de mais alto escalão da sala sentar-se.

A arquitetura envolvente e influenciada pelo shoin rapidamente desenvolveu muitas outras características distintivas. Como os hóspedes se sentavam no chão, e não nos móveis, eles se posicionavam em um ponto de vista inferior ao de seus colegas chineses da época, que estavam acostumados a usar móveis. Este ponto de vista inferior gerou desenvolvimentos como tetos falsos, que funcionaram para tornar o ambiente menos expansivo e também fez com que as vigas do teto não fossem mais visíveis, como eram na China. Os novos tetos falsos também permitiram uma decoração mais elaborada e ornamentada.

Outras características surgidas do ponto de vista inferior foram o tokonoma e a chigaidana. O tokonoma era um recesso elevado embutido na parede para criar um espaço para a exibição da arte chinesa, que era popular na época, a um nível confortável dos olhos. Os chigaidana, ou & # 8220estantes escalonadas, & # 8221 eram estruturas de prateleiras construídas no tokonoma para exibir objetos menores. Fusuma, ou portas de correr, também estavam se tornando um meio popular de dividir quartos. Como resultado, começaram a ser criadas colunas quadradas para acomodar as portas de correr.

A assimetria do par tokonoma e chigaidana, assim como os pilares quadrados, diferenciavam o design shoin do design chinês contemporâneo da época, que preferia pares simétricos de móveis e pilares redondos. Logo após seu advento, a arquitetura shoin tornou-se associada a esses elementos em evolução à medida que se desenvolvia no formato predominante para salas de reunião formais.


  • 1568 (Eiroku 11): Nobunaga entrou em Kyoto
  • 1573 (Genki 4): Oda Nobunaga faz com que Ashikaga Yoshiaki fuja de Kyoto, o shogunato Ashikaga é encerrado [4]
  • 1576 (Tensho 3, 5º mês): Batalha de Nagashino. [5]
  • 1582 (Tenshō 10): Nobunaga foi assassinado por Akechi Mitsuhide [6]
  • 1583 (Tenshō 12, 4º mês): Batalha de Komaki e Nagakute. [7]
  • 1592 (Bunroku 1): Hideyoshi invadiu a Coreia., [8] Este evento ficou conhecido como Bunroku-Keichō no Eki[9] e também foi conhecida como Guerra Imjin.
  • 18 de setembro de 1598 (Keichō 3, 18º dia do 8º mês): Hideyoshi morreu aos 63 anos. [8]
  • 21 de outubro de 1600 (Keichō 5, 15º dia do 9º mês): Batalha de Sekigahara, [8]
  • 1603 (Keichō 8): Tokugawa Ieyasu foi nomeado Shogun. [10]
  • 1614 ( Keichō 19): Batalha de Osaka (Osaka Fuyu no Jin) [11]
  • 1615 ( Keichō 20): Batalha de Osaka (Osaka Natsu no Jin) [12]

Os tempos em que Toyotomi agarrou o governo são chamados Período Momoyama (桃山 時代, Momoyama-jidai), e a cultura que prosperou principalmente nesta época é chamada Cultura Momoyama (桃山 文化, Momoyama-bunka) .

Uma nova classe de comerciantes cresceu nas cidades nesta época. O consumo e a cultura luxuosa aumentaram entre os ricos.


Período Azuchi-Momoyama (1568 - 1603)

O Período Azuchi-Momoyama foi um breve período no final da Era dos Reinos Combatentes, quando Oda Nobunaga e seu sucessor, Toyotomi Hideyoshi, impuseram ordem à nação após o desmoronamento do shogunato Ashikaga. Na verdade, o período leva o nome das respectivas sedes de Nobunaga e Hideyoshi, ambas perto de Kyōto. Pode-se dizer que começou com a entrada de Nobunaga em Kyōto para instalar Ashikaga Yoshiaki como o décimo quinto shōgun Ashikaga em 1568 e terminou com a vitória das forças de Tokugawa Ieyasu (cujo quartel-general estava em Mikawa) sobre as de Hideyoshi no Batalha de Sekigahara em 1600.

Culturalmente, o Período Azuchi-Momoyama foi marcado pelo crescimento crescente da classe mercantil e pelo patrocínio de artes como a cerimônia do chá pela classe guerreira. Apesar, ou talvez por causa de, um interesse crescente na cultura e religião europeias, Hideyoshi às vezes tentou suprimir a expressão religiosa cristã.


  • 1568 (Eiroku 11): Nobunaga entrou em Kyoto
  • 1573 (Genki 4): Oda Nobunaga faz com que Ashikaga Yoshiaki fuja de Kyoto, o shogunato Ashikaga é encerrado [4]
  • 1576 (Tensho 3, 5º mês): Batalha de Nagashino. [5]
  • 1582 (Tenshō 10): Nobunaga foi assassinado por Akechi Mitsuhide [6]
  • 1583 (Tenshō 12, 4º mês): Batalha de Komaki e Nagakute. [7]
  • 1592 (Bunroku 1): Hideyoshi invadiu a Coreia., [8] Este evento ficou conhecido como Bunroku-Keichō no Eki[9] e também foi conhecida como Guerra Imjin.
  • 18 de setembro de 1598 (Keichō 3, 18º dia do 8º mês): Hideyoshi morreu aos 63 anos. [8]
  • 21 de outubro de 1600 (Keichō 5, 15º dia do 9º mês): Batalha de Sekigahara, [8]
  • 1603 (Keichō 8): Tokugawa Ieyasu foi nomeado Shogun. [10]
  • 1614 ( Keichō 19): Batalha de Osaka (Osaka Fuyu no Jin) [11]
  • 1615 ( Keichō 20): Batalha de Osaka (Osaka Natsu no Jin) [12]

Os tempos em que Toyotomi agarrou o governo são chamados Período Momoyama (桃山 時代, Momoyama-jidai), e a cultura que prosperou principalmente nesta época é chamada Cultura Momoyama (桃山 文化, Momoyama-bunka) .

Uma nova classe de comerciantes cresceu nas cidades nesta época. O consumo e a cultura luxuosa aumentaram entre os ricos.


Quadro

A pintura era a forma de arte visual que oferecia as mais variadas oportunidades na nova era e, de fato, a área de realização mais notável. A divisão das linhas relativamente rígidas que definiram previamente os vários estilos de pintura começou no período Muromachi e continuou no Momoyama. A escola Kanō desenvolveu dois estilos distintos: um com cores brilhantes e opacas em fundos dourados ou prateados, brilhantemente amalgamando cores vivas e pinceladas ousadas, e o outro uma interpretação mais livre, educada e ousada de temas monocromáticos de tinta tradicionais. Outras escolas variaram esses dois estilos em vozes de linhagem distinta, mas o grupo Kanō sob Eitoku dominou o período por meio de puro talento e acumulando comissões importantes.

Com a morte de Eitoku, várias outras figuras que haviam trabalhado em colaboração secundária ou em competição com o ateliê Kanō emergiram como fortes pintores individualistas. Kaihō Yūshō provavelmente treinou no estúdio Kanō, mas seu estilo independente, mais caracteristicamente revelado em monocromático de tinta rica em nuances sobre fundo dourado ou prateado, deveu-se muito a um estudo cuidadoso da pintura zen. Hasegawa Tōhaku chegou a Kyōto vindo da região da Península de Noto ao norte no Mar do Japão (Mar do Leste). Seu treinamento foi totalmente eclético, com experiência em temas policromos budistas, retratos e monocromático de tinta. Por meio dos escritórios do mestre do chá Sen Rikyū, Tōhaku teve acesso a importantes coleções de pintura chinesa que influenciaram muito a estética Muromachi. Suas obras-primas reconhecidas são tanto no estilo policromado completo, mas delicadamente matizado, quanto no formato monocromático de tinta mais sutil e contemplativo. O último estilo é exemplificado pelos pinheiros representados de forma assombrosa, obscurecidos por uma névoa que ele pintou em um par de telas sêxtuplas. Em última análise, individualistas sem nenhum seguimento escolar significativo de longo prazo, Yūshō e Tōhaku, no entanto, forneceram um brilhante senso de variação criativa para o domínio Kanō.

O tema preferido pelos patronos militares era ousado e agressivo, conforme sugerido abertamente em pinturas de aves de rapina, leões e tigres. Representações um pouco mais sutis, mas igualmente assertivas, de rochas ou árvores majestosas também eram populares. Alguns temas confucionistas, reflexos da ideologia que seria favorecida ainda mais fortemente sob o governo de Tokugawa, estavam começando a aparecer. Ainda outro tema endossado por governantes e habitantes da cidade era um estilo de pintura de gênero que celebrava a nova prosperidade e estabilidade, tanto urbana quanto agrária. Pinturas panorâmicas e cuidadosamente detalhadas mostram a vida agitada de Kyōto emergindo da destruição da vida na guerra civil. A observação da prosperidade e da busca pelo prazer gerou um estilo de pintura de gênero que se desenvolveu durante o período Edo em observações bastante especializadas dos bairros de prazer dos centros urbanos.

Um interlúdio temático aberracional, mas muito interessante, envolveu a presença de mercadores, diplomatas e missionários ibéricos. Esses ocidentais fizeram parte do vasto esforço de exploração, comércio e colonização que atingiu a América do Sul, África e Sul e Sudeste da Ásia. Desde a primeira chegada dos estrangeiros em 1543 até sua expulsão na década de 1630, houve uma quantidade modesta de transmissão cultural. Durante este tempo, os japoneses encomendaram instrumentos litúrgicos do Ocidente e adquiriram algum treinamento em técnicas de pintura ocidentais. Talvez o mais memorável seja o fato de ter se tornado moda retratar temas ocidentais e panoramas de tela dos estrangeiros ativos em vários ambientes japoneses - caminhando nas ruas de Kyōto ou chegando aos portos em galeões. Ao contrário das pinturas com temas japoneses ou chineses, que são lidas da direita para a esquerda, uma curiosidade reveladora dessas telas é que são lidas da esquerda para a direita, sugerindo por composição que os estrangeiros partiriam. Essa exposição ao Ocidente parece ter tido pouco efeito de longo prazo nas artes visuais japonesas. (Mais tarde, no entanto, por meio do acordo comercial holandês em Deshima no porto de Nagasaki, as placas de cobre ocidentais, as adaptações chinesas de obras de arte e técnicas ocidentais e outras expressões secundárias tornaram os artistas japoneses mais conscientes de técnicas como sombreamento, modelagem e perspectiva de ponto único. ) A presença ibérica é um exemplo notável do espírito do período Momoyama. Tamanha variedade cultural, curiosidade e experimentação não eram mais toleradas quando o clã Tokugawa completou a unificação e centralização da liderança política.

Se a escola Kanō e os intérpretes relacionados avançaram os temas e estilos do período Muromachi para acomodar as sensibilidades expansivas da nova classe dominante e novos fenômenos sociais em geral, outro alinhamento do talento artístico ofereceu um reexame dos temas e modos expressivos do Corte de Heian. O renascimento do gosto cortesão experimentou com palavra e imagem, misturando poesia, pintura ou design, papéis decorativos exuberantes que lembram as famosas obras religiosas e seculares de Heian e inúmeras ilustrações narrativas ou referências alusivas aos Contos de Ise e para The Tale of Genji. Foi durante o final do período Momoyama e o início do período Edo que um corpo canônico ou estoque de ilustrações clássicas referentes padronizadas começou a se aglutinar.

Os temas da corte foram abordados por todas as escolas, mas talvez de forma mais eficaz pela parceria criativa de Hon’ami Kōetsu e Tawaraya Sōtatsu. Embora, estritamente falando, eles tenham criado a maioria de seus maiores trabalhos no período Edo, Sōtatsu e Kōetsu desenvolveram suas sensibilidades estéticas em Kyōto durante o período Momoyama, e a inspiração para seus trabalhos posteriores pode ser encontrada na grande liberdade criativa característica daquela época .

Kōetsu foi criado em uma família de especialistas em espadas, uma disciplina que exigia amplo conhecimento de laca, metal e couro. Implicava um olho perfeitamente sintonizado com as nuances delicadas para discernir o funcionamento de uma lâmina. Kōetsu expandiu seus interesses e treinamento para incluir caligrafia e cerâmica. Ele atuou como empresário, reunindo talentosos artesãos e artistas para trabalhar em projetos. Nenhum era mais importante e mais entrelaçado com sua reputação do que Sōtatsu, um pintor de leques. Ambos os homens, especialmente Kōetsu, tinham excelentes conexões com a aristocracia, mas vinham de famílias de artesãos ou comerciantes. Trabalhando em colaboração, com Kōetsu atuando como calígrafo, eles criaram pinturas e fundos decorativos que lembram a rica texturização opaca de um estilo sutra iluminado anteriormente. Enquanto os dois homens, em outros contextos, demonstraram domínio da forma monocromática da tinta, seus trabalhos em policromia apresentavam um traço que seria característico de seus seguidores ao longo do período Edo: suas imagens são formadas por arranjos de padrões de cores em vez de serem definidas pela tinta contornos e embelezados com cores. A tinta era usada de forma mais moderada e alusiva do que, por exemplo, pelos pintores Kanō. O efeito era suavizante, texturizado e sugestivo de padronagem têxtil. A exuberante pintura da tela de Sōtatsu, que descreve a cena na Baía de Matsushima, na costa nordeste do Pacífico do Japão, é uma declaração soberba de poder elemental expressa em um modo decorativo. As referências aos vários planos da pintura chinesa - próximos, intermediários e distantes - foram amplamente abandonados, pois a exposição da superfície de um material se tornou a principal preocupação.

Sōtatsu e Kōetsu trabalharam em colaboração com o rico comerciante Suminokura Soan, começando em 1604, para produzir imagens e caligrafia para uma série de livros impressos de edição luxuosa apresentando representações de textos dramáticos clássicos e Noh. Essa colaboração marcou o primeiro e um dos mais belos esforços de uma disseminação mais ampla dos clássicos japoneses para um público cada vez mais letrado. As energias e talentos que esses homens e seus seguidores infundiram nas artes visuais japonesas eram absolutamente únicos. Pode-se sugerir, entretanto, que seu treinamento inicial em outras formas de arte além da pintura trouxe um novo pragmatismo e perspectiva para o mundo da pintura.


Período Azuchi-Momoyama

O Período Azuchi Momoyama
O período Azuchi Momoyama (1568 - 1603) é uma das classificações de idade no Japão, referindo-se ao período em que Nobunaga ODA e Hideyoshi TOYOTOMI detinham o direito de governar o Japão (governo Oda, governo Toyotomi). Este período também é conhecido como período Shokuho (織 豊) ou período Azuchi Osaka. Além disso, como o nome da era usado na maior parte do período Azuchi Momoyama era Tensho (天正), às vezes é referido como o período Tensho.

Resumo
O nome dado a este período é baseado no nome do castelo onde Nobunaga ODA residia, Castelo Azuchi-jo, e no nome do castelo onde Hideyoshi TOYOTOMI residia, Castelo Momoyama-jo (também conhecido como Castelo Fushimi-jo). Particularmente, a última metade desse período, quando a família Toyotomi tentou controlar o país inteiro, é chamada de período Momoyama, e a cultura que floresceu nesta época é chamada de cultura Momoyama. No entanto, o nome de Momoyama (que significa montanha do pêssego) foi tirado do fato de que os pessegueiros foram cultivados no local do Castelo Fushimi-jo, que foi destruído no período Edo, o que indica a existência de um castelo chamado Castelo Momoyama-jo. Portanto, se formos respeitar o contexto histórico, o & quotPeríodo Fushimi & quot será um nome mais apropriado, mas em primeiro lugar o Castelo de Azuchi-jo existiu apenas por pouco mais de três anos após sua conclusão, e no caso de Fushimi-jo Castle (Mt. Kohata), Hideyoshi morreu apenas dois anos após sua conclusão, conseqüentemente, o tempo que ambos os governantes permaneceram dentro dos respectivos castelos foi curto e, portanto, alguns afirmam que o uso do nome dos castelos para simbolizar o período não é apropriado. Por essas razões, o nome de Período Shokuho também está se espalhando nos últimos anos, e alguns sugerem os nomes de Período Azuchi Osaka ou Período Tensho.

Existem várias opiniões sobre o início e o fim do período Azuchi Momoyama. Quanto ao início, uma opinião forte é que o período começou em 1568 quando Nobunaga ODA obedeceu Yoshiaki ASHIKAGA e chegou a Kyoto, mas outros afirmam que foi em 1573, quando Yoshiaki foi banido de Kyoto, ou 1576, quando da construção de Azuchi -jo Castle começou. Quanto ao final, existem visões como era em 1598, quando Hideyoshi TOYOTOMI morreu, ou em 1600 quando Ieyasu TOKUGAWA venceu a Batalha de Sekigahara, ou em 1603 quando Ieyasu estabeleceu o Edo Bakufu, etc. Em qualquer caso, é um questão de onde dividir & apos o período de Oda / Toyotomi & apos, mas a definição deste período tornou-se complicada porque se sobrepõe ao período Muromachi e à era da guerra civil (Japão).

Estabelecimento do governo por Nobunaga ODA
Entre os daimyos da era da guerra civil, os poderes de Nobunaga ODA & aposs gradualmente se tornaram extremamente fortes e, obedecendo a Yoshiaki ASHIKAGA e chegando a Kyoto, o governo de Nobunaga começou. Quando ele exilou Yoshiaki ASHIKAGA de Kyoto em 1573, Muromachi Bakufu praticamente entrou em colapso, e o governo Oda foi estabelecido em nome e realidade. Além disso, o início da construção do Castelo de Azuchi-jo em 1576 anunciou ao mundo que a tendência para Tenka Fubu (天下 布 武) estava gradualmente se tornando um fato. Em tal ambiente, uma nova cultura estava começando a florescer centrada em Kyoto, que estava recuperando a paz através do controle de Nobunaga. Posteriormente, Nobunaga expandiu ainda mais seu poder e eventualmente controlou o Japão central, entretanto, em 1582, quando parecia que ele estava muito perto de unificar o Japão, ele foi derrotado no Incidente de Honnoji.

A Unificação do Japão por Hideyoshi TOYOTOMI
Após a ocorrência do Incidente de Honnoji, Hideyoshi HASHIBA chegou a Kyoto antes de qualquer outra pessoa e derrotou o líder, Mitsuhide AKECHI, ​​na Batalha de Yamazaki. Consequentemente, Hideyoshi assumiu a liderança dentro do governo Oda e fortaleceu sua posição como sucessor de Nobunaga & apos através da Reunião de Kiyosu e da Batalha de Shizugatake e então, em 1583, ele iniciou a construção do Castelo de Osaka-jo. Hideyoshi foi nomeado em 1586 como Grande Ministro de Estado e Conselheiro Principal do Imperador, e recebeu o sobrenome Toyotomi pelo Imperador. Em 1590 ele unificou o Japão e se esforçou para estabilizar seu governo conduzindo pesquisas de terra e caça à espada em todo o país. Além disso, em 1592 ele conduziu a Guerra Bunroku-Keicho, buscando conquistar Ming, mas a situação chegou a um impasse na Coréia, que deveria ser a única rota para Ming. Por outro lado, a paz chegou ao Japão como resultado da unificação de vários daimyos empenhados em administrar seus países, e cidades em várias partes do Japão prosperaram. Hideyoshi baseou as suas atividades em Quioto e envolveu-se direta e agressivamente em atividades culturais como a cerimônia do chá, etc. Além disso, através do contato com diferentes culturas através do comércio com Espanha e Portugal, a disseminação de técnicas de fabricação de cerâmica coreana, etc. , a cultura entrou em uma nova era e passou a ser conhecida como a cultura & quotMomoyama. & quot

O fim do período Toyotomi
Quando Hideyoshi morreu em 1598, Ieyasu TOKUGAWA, que era o líder do Conselho dos Cinco Anciãos (五大 老), começou a se destacar e assumiu a liderança nas negociações pela paz por meio da retirada do exército, que avançou para a Coréia posteriormente, ele se tornou a pessoa que virtualmente controlava o governo. Os poderes anti-Ieyasu liderados por Mitsunari ISHIDA se opuseram a tais movimentos de Ieyasu, resultando na Batalha de Sekigahara em 1600, que dividiu o país inteiro em duas partes. Ieyasu, que ganhou a guerra, fortaleceu a base de seu governo e foi nomeado pelo imperador como Seii Taishogun (literalmente, & quotgrande general que subjuga os bárbaros & quot) em 1603. Com isso, o período Azuchi Momoyama terminou completamente, e uma era de paz sem precedentes - o período Edo - nasceu.

A cultura Momoyama
No período Azuchi Momoyama, novos mercadores emergentes que eram considerados mercadores ricos subiram no poder, e uma tendência para uma cultura luxuosa e em grande escala emergiu, apoiada por sua riqueza. Além disso, como resultado das políticas de Nobunaga & aposs, o poder exercido pelos budistas enfraqueceu no centro do país. Poucos trabalhos baseados em temas budistas foram produzidos, com trabalhos mais recentes focando mais em seres humanos e preparados em um estilo mais moderno.

A cerimônia do chá tornou-se popular e, consequentemente, os utensílios finos importados de Tang eram apreciados. Por outro lado, o Wabi-cha (わ び 茶) também se desenvolveu como uma resistência a essa tendência. Às vezes, os utensílios para a cerimônia do chá eram dados por um daimyo a seu vassalo como prêmio, ou a cerimônia do chá afetava os eventos políticos ao servir para fortalecer os laços entre o samurai e os mercadores.

É preciso lembrar o impacto da cultura europeia, que ocorrera por meio do comércio com a Espanha e Portugal desde a chegada ao Japão de Francisco Xavier em 1549. É significativo que o Japão tenha tido o primeiro contato com a cultura ocidental (formalmente, sem China, etc., atuando como intermediário), embora ainda fosse de pequena escala.

Pinturas
Os pintores da escola Kano estavam diretamente conectados com Nobunaga ODA, Hideyoshi TOYOTOMI e outros poderes da época. Eles representavam o poder central nos círculos artísticos.

Quadros nas divisórias (fusuma-e): foram pintados nas divisórias e biombos nos castelos. As pinturas de Dami-e foram feitas em azul e verde contra um fundo de folha de ouro. Eles foram caracterizados por cores ricas e linhas fortes e grande composição.


Período Azuchi-Momoyama

o Período Azuchi-Momoyama (安 土 桃山 時代, Azuchi – Momoyama jidai ) é a fase final do período Sengoku & # 8197 (戦 国 時代, Sengoku Jidai ) na história japonesa de 1568 a 1600.

O período Azuchi-Momoyama começou com Oda & # 8197Nobunaga entrando em Kyoto em 1568 para instalar Ashikaga & # 8197Yoshiaki como o 15º e, finalmente, o último Shogun do Ashikaga & # 8197Shogunato, que entrou em colapso após a eclosão do Ōnin & # 8197War em 1467 e desencadeou o período caótico de Sengoku. Nobunaga derrubou Yoshiaki e dissolveu o Shogunato Ashikaga em 1573, lançando uma guerra de conquista para unificar politicamente o Japão pela força de sua base em Azuchi. Nobunaga foi forçado a cometer suicídio no incidente de Honnō-ji & # 8197 em 1582, e seu sucessor Toyotomi & # 8197Hideyoshi completou sua campanha de unificação, encerrando o período Sengoku e decretando reformas para consolidar seu governo. Hideyoshi lançou as japonesas & # 8197invasions & # 8197of & # 8197Korea em 1592, mas o fracasso da invasão prejudicou seu prestígio, e seu filho e sucessor Toyotomi & # 8197Hideyori foi desafiado por Tokugawa & # 8197Ieyasu após sua morte em 1598. O período Azuchi – Momugawa terminou com Momugawa vitória na Batalha & # 8197of & # 8197Sekigahara em 1600 - estabelecendo não oficialmente o Tokugawa & # 8197Shogunato e começando o período Edo & # 8197. [2]

O período Azuchi-Momoyama supervisionou a sociedade e a cultura japonesas em transição do período médio & # 8197Ages para o início do período & # 8197 moderno & # 8197. The Azuchi–Momoyama period is named after Nobunaga's Azuchi Castle and Hideyoshi's Momoyama Castle, and is also known as Shokuhō período ( 織豊時代 , Shokuhō jidai ) in some Japanese texts, abridged from the surnames of the period's two leaders in the sobre-reading: Shoku ( 織 ) for Oda ( 織田 ) plus ( 豊 ) for Toyotomi ( 豊臣 ) . [2]


Conteúdo

During the period from 1576 to 1579, Nobunaga constructed on the shore of Lake Biwa at Azuchi (in present-day Shiga Prefecture) Azuchi Castle, a magnificent seven-story castle that was intended to serve not simply as an impregnable military fortification but also as a sumptuous residence that would stand as a symbol of unification. This castle gives us the first part of the name of this period.

Having secured his grip on the Kinai region, Nobunaga was now powerful enough to assign his generals the task of subjugating the outlying provinces. Shibata Katsuie was given the task of conquering the Uesugi clan in Etchū, Takigawa Kazumasu confronted the Shinano Province that a son of Shingen Takeda Katsuyori governs, and Hashiba Hideyoshi was given the formidable task of facing the Mōri clan in the Chūgoku region of western Honshū.

In 1576, Oda Nobunaga the new Arquebus, first shown to the Japanese by the European's, and beat the Takeda clan of a traditional samurai at the Battle of Nagashino. The Samurai's traditional combat style declined after this.

In 1582, after a protracted campaign, Hideyoshi requested Nobunaga's help in overcoming tenacious resistance. Nobunaga, making a stop-over in Kyoto on his way west with only a small contingent of guards, was attacked and by one of his own disaffected generals, and committed suicide.

What followed was a scramble by the most powerful of Nobunaga's retainers to avenge their lord's death and thereby establish a dominant position in negotiations over the forthcoming realignment of the Oda clan. The situation became even more urgent when it was learned that Nobunaga's oldest son and heir, Nobutada, had also been killed, leaving the Oda clan with no clear successor.

Quickly negotiating a truce with the Mōri clan before they could learn of Nobunaga's death, Hideyoshi now took his troops on a forced march toward his adversary, whom he defeated at the Battle of Yamazaki, less than two weeks later.

Although a commoner who had risen through the ranks from foot soldier, Hideyoshi was now in position to challenge even the most senior of the Oda clan's hereditary retainers, and proposed that Nobutada's infant son, Sanpōshi (who became Oda Hidenobu), be named heir rather than Nobunaga's adult third son, Nobutaka, whose cause had been championed by Shibata Katsuie. Having gained the support of other senior retainers, including Niwa Nagahide and Ikeda Tsuneoki, Sanpōshi was named heir and Hideyoshi appointed co-guardian.

Continued political intrigue, however, eventually led to open confrontation. After defeating Shibata at the Battle of Shizugatake in 1583 and enduring a costly but ultimately advantageous stalemate with Tokugawa Ieyasu at the Battle of Komaki and Nagakute in 1584, Hideyoshi managed to settle the question of succession for once and all, to take complete control of Kyoto, and to become the undisputed ruler of the former Oda domains. Daimyo of Shikoku Chōsokabe clan surrendered to Hideyoshi in July, 1585. Daimyo of Kyushu Shimazu clan also surrendered two years later. He was adopted by the Fujiwara family, given the surname Toyotomi, and granted superlative title Kanpaku in representing civil and military control of all Japan. By the following year, he had secured alliances with three of the nine major daimyo coalitions and carried the war of unification to Shikoku and Kyūshū. In 1590, at the head of an army of 200,000, Hideyoshi defeated the Hōjō clan, his last formidable rival in eastern Honshū. The remaining daimyo soon capitulated, and the military reunification of Japan was complete.

Land survey Edit

With all of Japan now under Hideyoshi's control, a new structure for national government was configured. The country was unified under a single leader, but the day-to-day governance of the people remained decentralized. The basis of power was distribution of territory as measured by rice production in units of koku. In 1598, a national survey was instituted and assessed the national rice production at 18.5 million koku, 2 million of which was controlled directly by Hideyoshi himself. In contrast, Tokugawa Ieyasu, whom Hideyoshi had transferred to the Kanto region, held 2.5 million koku.

The surveys, carried out by Hideyoshi both before and after he took the title Taiko, have come to be known as the "Taikō surveys" (Taikō kenchi).

Control measures Edit

A number of other administrative innovations were instituted to encourage commerce and stabilize society. In order to facilitate transportation, toll booths and other checkpoints along roads were largely eliminated as were unnecessary military strongholds. Measures that effectively froze class distinctions were instituted, including the requirement that different classes live separately in different areas of a town and a prohibition on the carrying or the owning of weapons by farmers. Hideyoshi ordered the collection of weapons in a great "sword hunt" (katanagari).

Unification Edit

Hideyoshi sought to secure his position by rearranging the holdings of the daimyo to his advantage. In particular, he reassigned the Tokugawa family to the Kanto region, far from the capital, and surrounded their new territory with more trusted vassals. He also adopted a hostage system in which the wives and heirs of daimyo resided at his castle town in Osaka.

He also attempted to provide for an orderly succession by taking the title Taikō, or "retired Kanpaku," in 1591 and turned the regency over to his nephew and adopted son Toyotomi Hidetsugu. Only later did he attempt to formalize the balance of power by establishing administrative bodies. These included the Council of Five Elders, who were sworn to keep peace and support the Toyotomi, the five-member Board of House Administrators, who handled routine policy and administrative matters, and the three-member Board of Mediators, who were charged with keeping peace between the first two boards.

Korean campaigns Edit

Hideyoshi's last major ambition was to conquer the Ming Dynasty of China. In April 1592, after having been refused safe passage through Korea he sent an army of 200,000 to invade and pass through Korea by force. During the Japanese invasions of Korea (1592-1598), the Japanese occupied Seoul by May of 1592, and within three months of invading reached Pyongyang together with large numbers of Korean collaborators who at first viewed them as liberators from the corrupt aristocracy. King Seonjo of Joseon fled, and the two princes were captured by Kato Kiyomasa.

The Japanese army was defeated in the many region of the Korean peninsula by the Righteous army and Korean admiral Yi Sun-sin succeeded in attacks on the Japanese supply ships and defeating the Japanese navy at sea, and proceeded to cut off the Japanese supply line. The Japanese, cut off from their supplies and couldn't make any progress on land.

King Seonjo of Joseon dispatched an emissary to the Ming court, asking urgently for military assistance. The Chinese emperor sent admiral Chen Lin and commander Li Rusong to aid the Koreans. Li Rusong banished the Japanese from the northern part of the Korean peninsula. The Japanese were forced to retreat as far as the southern part of the Korean peninsula by January 1593. Japan and China started peace talks.

During the peace talks period that ensued between 1593 and 1597, Hideyoshi, seeing Japan as an equal of Ming China, demanded a division of Korea, free-trade status, and a Chinese princess as consort for the emperor. The Joseon and Chinese leaders saw no reason to concede to such demands, nor to treat the invaders as equals within the Ming trading system. Japan's requests were thus denied and peace efforts reached an impasse.

A second invasion began in 1597, but it too resulted in failure as Japanese forces met with better organized Korean defenses and increasing Chinese involvement in the conflict. Upon the death of Hideyoshi in 1598, Japanese forces withdrew from Korea. By this time, most of the remaining Japanese commanders were more concerned about internal battles and for the control of the shogunate.

Hideyoshi had on his deathbed appointed a group of the most powerful lords in Japan — Tokugawa, Maeda, Ukita, Uesugi, Mōri — to govern as the Council of Five Elders until his infant son, Hideyori, came of age. An uneasy peace lasted until the death of Maeda Toshiie in 1599. Thereafter, Ishida Mitsunari accused Ieyasu of disloyalty to the Toyotomi name, precipitating a crisis that led to the Battle of Sekigahara. Generally regarded as the last major conflict of the Azuchi–Momoyama period and sengoku-jidai, Ieyasu's victory at Sekigahara marked the end of the Toyotomi reign. Three years later, Ieyasu received the title Seii Taishogun, and established the Edo bakufu, which lasted until the Meiji Restoration in 1868.

The Momoyama period was a period of interest in the outside world, which also saw the development of large urban centers and the rise of the merchant class. The ornate castle architecture and interiors adorned with painted screens embellished with gold leaf were a reflection of a daimyo's power but also exhibited a new aesthetic sense that marked a clear departure from the somber monotones favored during the Muromachi period. A specific genre that emerged at this time was called the Namban style—exotic depictions of European priests, traders, and other "southern barbarians."

The art of the tea ceremony also flourished at this time, and both Nobunaga and Hideyoshi lavished time and money on this pastime, collecting tea bowls, caddies, and other implements, sponsoring lavish social events, and patronizing acclaimed masters such as Sen no Rikyū.

Hideyoshi had occupied Nagasaki in 1587, and thereafter sought to take control of international trade and to regulate the trade associations that had contact with the outside world through this port. Although China rebuffed his efforts to secure trade concessions, Hideyoshi commercial missions successfully called to present-day Malaysia, the Philippines, and Thailand in Red seal ships. He was also suspicious of Christianity in Japan, which he saw as potentially subversive and some missionaries were crucified by his regime.


Assista o vídeo: How to Pronounce Azuchi-Momoyama period (Dezembro 2021).