A história

Batalha de Valverde


Em 21 de fevereiro de 1862, na Batalha de Valverde, as tropas confederadas comandadas pelo general Henry Hopkins Sibley atacam as tropas da União comandadas pelo coronel Edward R. S. Canby perto de Fort Craig no Território do Novo México. O primeiro grande confronto da Guerra Civil no extremo Oeste, a batalha produziu pesadas baixas, mas nenhum resultado decisivo.

Essa ação fez parte de um movimento mais amplo dos confederados para capturar o Novo México e outras partes do Ocidente e, assim, garantir o território que os rebeldes pensavam ser deles por direito, mas que lhes foi negado por compromissos políticos feitos antes da Guerra Civil. Além disso, a Confederação sem dinheiro poderia usar minas ocidentais para encher seu tesouro. De San Antonio, os rebeldes se mudaram para o sul do Novo México (que incluía o Arizona) e capturaram as cidades de Mesilla e Tucson. Sibley, com 3.000 soldados, moveu-se agora para o norte, contra a fortaleza federal em Fort Craig, no Rio Grande.

Em Fort Craig, Canby estava determinado a fazer os confederados sitiarem o posto. Os rebeldes, Canby raciocinou, não podiam esperar muito antes de ficarem sem suprimentos. Ele sabia que Sibley não possuía artilharia pesada o suficiente para atacar o forte. Quando Sibley chegou perto do Forte Craig em 15 de fevereiro, ele ordenou que seus homens balançassem a leste do forte, cruzassem o Rio Grande e capturassem os vaus de Valverde do Rio Grande. Ele esperava cortar a comunicação de Canby e forçar os Yankees a se manifestarem.

Nos vaus, cinco milhas ao norte de Fort Craig, um destacamento da União atacou parte da força confederada. Eles prenderam os texanos em uma ravina e estavam prestes a derrotar os rebeldes quando mais homens de Sibley chegaram e mudaram a maré. O segundo em comando de Sibley, o coronel Tom Green, substituindo um Sibley doente, fez um ousado contra-ataque contra o flanco esquerdo da União. Os Yankees recuaram e voltaram para Fort Craig.

A União sofreu 68 mortos, 160 feridos e 35 desaparecidos entre 3.100 engajados. Os confederados sofreram 31 mortos, 154 feridos e 1 desaparecido em 2.600 soldados. Foi uma batalha sangrenta, mas indecisa. Os homens de Sibley continuaram subindo o Rio Grande. Em poucas semanas, eles capturaram Albuquerque e Santa Fé antes de serem parados na Batalha de Glorieta Pass em 28 de março.

LEIA MAIS: História da Guerra Civil


Bateria val verde

Durante a invasão do Novo México pelo Texas (Vejo TEXAN SANTA FE EXPEDITION), soldados da brigada do general-brigadeiro confederado Henry H. Sibley capturaram cinco canhões, três canhões de seis libras e dois obuseiros de doze libras, na batalha de Valverde, Território do Novo México, em 21 de fevereiro de 1862. Voluntários de três os regimentos de cavalaria então organizaram uma bateria com o canhão de troféus sob a liderança do capitão Joseph Draper Sayers, mais tarde governador do Texas. A unidade de setenta homens disparou seus primeiros tiros como uma organização provisória na escaramuça em Peralta, Território do Novo México, em 15 de abril de 1862. A bateria foi oficialmente organizada em 1º de junho de 1862, em Fort Bliss, Texas. Após a retirada dos confederados da região, a Bateria Val Verde acompanhou a brigada de Sibley até New Iberia, Louisiana. A bateria travou inúmeras batalhas e escaramuças na Louisiana. Notável pela captura da canhoneira da União Diana em março de 1863. Em abril, a unidade serviu na batalha de Bisland, onde Sayers foi gravemente ferido, e atuou bem como retaguarda do exército do major-general Richard Taylor na batalha de Vermillion Bayou. Depois que Sayers foi ferido em Camp Bisland, o capitão Timothy D. Nettles assumiu o comando da bateria e a manteve até o final da guerra. No verão e outono de 1863, a bateria Val Verde serviu com o general Thomas Green. A Bateria Val Verde também serviu no exército de Taylor durante a campanha do Rio Vermelho de 1864. Em abril, a bateria lutou nas batalhas de Mansfield e Pleasant Hill, dois canhões rifles capturados das forças federais substituíram os dois antiquados obuseiros da bateria. A bateria então serviu com as forças confederadas acompanhando a retirada do exército da União até o final de maio em escaramuças na balsa de Monett e no penhasco de De Louch. Quando as forças confederadas se dispersaram na primavera de 1865, os artilheiros da Bateria Val Verde escolheram enterrar seus canhões em vez de entregá-los às autoridades federais. Após a reconstrução, as armas foram exumadas. Os dois canhões de seis libras que sobreviveram à guerra estavam gravemente deteriorados, mas os dois rifles de três polegadas sobreviveram e são exibidos no Tribunal do Condado de Freestone em Fairfield e no Confederate Reunion Grounds State Historic Site próximo a Mexia.

Don E. Alberts, ed., Rebeldes no Rio Grande: O Diário da Guerra Civil de A. B. Peticolas (Albuquerque: University of New Mexico Press, 1984). Alwyn Barr, "Confederate Artillery in Western Louisiana, 1862 & ndash63," História da Guerra Civil 9 (março de 1963). Alwyn Barr, "Confederate Artillery in Western Louisiana, 1864," História da Louisiana 5 (inverno de 1964). P. D. Browne, "Captain T. D. Nettles and the Valverde Battery," Texana 2 (primavera de 1964). Martin Hardwick Hall, O Exército Confederado do Novo México (Austin: Presidial Press, 1978). Martin Hardwick Hall, Campanha de Sibley no Novo México (Austin: University of Texas Press, 1960). Ludwell H. Johnson, Campanha do Rio Vermelho: Política e Algodão na Guerra Civil (Baltimore: Johns Hopkins Press, 1958). Morris Raphael, A batalha no país de Bayou (Detroit: Harlo Press, 1975). John D. Winters, A Guerra Civil na Louisiana (Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1963).


Batalha de Valverde - HISTÓRIA

Logo após o início da Guerra Civil, a Confederação voltou sua atenção para o sudoeste e, em fevereiro de 1862, três mil e trezentos soldados sob o comando do general confederado Sibley derrotaram as tropas da União em Valverde, ergueram a bandeira confederada e ocuparam o Papai Noel Fe. Os confederados foram derrotados duas semanas depois, na Batalha de Glorieta Pass.

Erguido em 1986 pelos Cavaleiros de Colombo. (Número do marcador 11.)

Tópicos Este marcador histórico está listado nesta lista de tópicos: Guerra, Civil dos EUA. Um mês histórico significativo para esta entrada é fevereiro de 1862.

Localização. 35 & deg 41.379 & # 8242 N, 105 & deg 55.995 & # 8242 W. Marker está em Santa Fe, Novo México, no Condado de Santa Fe. O Marker pode ser alcançado a partir do Paseo de Peralta, perto da Rua Otero. É no Hillside Park. Toque para ver o mapa. O marcador está nesta área dos correios: Santa Fe NM 87501, Estados Unidos da América. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão a uma curta distância deste marcador. 1776 (aqui, ao lado deste marcador) 1692 (alguns passos deste marcador) 1912 (alguns passos deste marcador) 1680 (alguns passos deste marcador) 1926 (alguns passos deste marcador) 1945 (alguns passos deste marcador) 1960 (alguns passos deste marcador) 1976 (alguns passos deste marcador). Toque para obter uma lista e um mapa de todos os marcadores em Santa Fe.

Marcadores relacionados. Clique aqui para obter uma lista de marcadores relacionados a este marcador. Esta é uma lista de todos os 21 marcadores em Santa Fé

Passarela comemorativa no Hillside Park. Há um link na lista para um mapa de todos os marcadores na passarela.

Veja também . . .
1. Artigo da Wikipedia sobre a Batalha de Valverde. & # 8220A Batalha de Valverde, ou Batalha de Valverde Ford de 20 a 21 de fevereiro de 1862, foi travada perto da cidade de Valverde & # 8221 (não existe mais) no atual condado de Socorro, a 165 milhas de Santa Fé, # 8220em um vau de Valverde Creek no Arizona Confederado, onde hoje é o estado do Novo México. Foi um grande sucesso da Confederação na Campanha do Novo México durante a Guerra Civil Americana. Os beligerantes eram a cavalaria confederada do Texas e várias companhias da milícia do Arizona contra regulares do Exército dos EUA e voluntários da União do norte do Novo México e Colorado. & # 8221 (Enviado em 15 de agosto de 2014.)

2. Entrada da Wikipedia para a Batalha de Glorieta Pass. & # 8220A Batalha de Glorieta Pass, travada de 26 a 28 de março de 1862 no território do norte do Novo México, foi a batalha decisiva da Campanha do Novo México durante a Guerra Civil Americana. Apelidado de Gettysburg of the West (um termo que serva o romancista melhor do que o historiador ) por alguns autores, foi concebido como o golpe mortal das forças confederadas para quebrar a posse da União do Ocidente ao longo da base do Rocky Montanhas. Foi travado no Passo Glorieta no Sangre

Montanhas de Cristo no que hoje é o Novo México, e foi um evento importante na história do Território do Novo México na Guerra Civil Americana.

& # 8220Houve uma escaramuça em 26 de março entre as forças avançadas de cada exército, com a batalha principal ocorrendo em 28 de março. Embora os confederados tenham conseguido empurrar a força da União de volta pela passagem, eles tiveram que recuar quando seu trem de suprimentos foi destruído e a maioria de seus cavalos e mulas mortos ou expulsos. Eventualmente, os confederados tiveram que se retirar inteiramente do território de volta para o Arizona Confederado e depois para o Texas. Glorieta Pass representou, portanto, o auge da campanha. & # 8221 (Enviado em 15 de agosto de 2014.)


A Batalha de Valverde

21 de fevereiro de 1862 & # 8211 O Exército Confederado do Novo México, general brigadeiro Henry H. Sibley, iniciou sua missão de conquistar o Território do Novo México, culminando em uma luta em um vau no Rio Grande.

Quando o ano começou, Sibley começou sua viagem para o território avançando de El Paso, Texas, para Fort Thorn na atual Hatch, Novo México. Sua força consistia em três regimentos de infantaria e o 5º Texas Mounted Volunteers, que totalizavam cerca de 2.600 homens.

Sibley planejava destruir o coronel Edward R.S. Guarnição federal de 3.800 homens de Canby em Fort Craig, 80 milhas rio acima. De lá, Sibley procurou capturar Albuquerque e a capital territorial em Santa Fé, e então se mudar para o Território do Colorado ou Califórnia (ele já havia colocado esse plano em ação despachando 60 confederados para capturar Tucson).

Os confederados avançaram para o norte, saindo de Fort Thorn, com os texanos na liderança. Canby, ciente do plano de Sibley, implantou batedores e reforçou as defesas enquanto esperava sua chegada. Os confederados se mudaram para cerca de uma milha ao sul do forte em 16 de fevereiro. Não querendo atacar as fortes defesas de Canby, os confederados esperavam atrair os federais para combatê-los nas várzeas abertas. Canby não o faria.

Com Sibley fora devido a doença renal recorrente, o coronel Tom Green se reuniu com seus colegas oficiais confederados para discutir suas opções. Eles não podiam esperar Canby fora porque seus suprimentos estavam diminuindo. Assim, eles decidiram cruzar para o lado leste do Rio Grande, mover-se para o norte, passando por Fort Craig, e apreender Valverde Ford, um ponto-chave na linha de abastecimento de Canby cinco milhas acima do forte. Se os confederados pudessem controlar o vau, eles poderiam viver com os suprimentos federais que vinham por aquela rota e forçar Canby a sair e tentar pegá-lo de volta.

Os confederados partiram no dia 19, cruzando o Rio Grande e acampando para pernoitar no Paraje de Fra Cristobal. Batedores federais relataram o movimento, levando Canby a concluir que Sibley pretendia ocupar o penhasco com vista para o Fort Craig. Ele despachou dois regimentos sob os coronéis Miguel Pino e Christopher “Kit” Carson para bloqueá-los.

A marcha confederada recomeçou na manhã seguinte, com Sibley em uma ambulância devido a doença ou embriaguez. Os homens lutaram para a frente na areia funda até que subiram o penhasco e viram uma grande força federal esperando por eles em Valverde Ford. Sibley (ou Green) treinou fogo de artilharia contra os Federados, que responderam com seus próprios canhões. O 5º Texas então atacou a linha federal e mandou o inimigo correndo de volta para Fort Craig ao cair da noite.

A luta se intensificou no dia 21, quando uma grande força federal enfrentou o avanço dos confederados em direção a Valverde Ford. Os confederados recuaram e os federais cruzaram o rio em perseguição, empurrando os texanos em menor número para uma ravina onde tomaram uma posição defensiva. Uma breve calmaria ocorreu por volta das 14h00. enquanto os Federados trouxeram sua artilharia para o lado leste do rio.

Canby entrou em cena e, determinando que a linha confederada era muito forte para atacar frontalmente, direcionou seus homens para atacar o flanco esquerdo do inimigo. Os Federados rechaçaram uma carga de cavalaria imprudente enquanto preparavam o ataque. Mas então Green enviou quase toda sua força em um ataque frontal em grande escala que os Federados não esperavam.

Os confederados logo se aproximaram de uma bateria de artilharia de seis canhões liderada pelo capitão Alexander McRae. Canby relatou: “Armado com peças de caça de dois canos e revólveres, e convergindo à medida que se aproximavam, um fogo rápido e destrutivo foi derramado na bateria.” Os confederados capturaram as armas e mataram McRae após uma luta desesperada, um feito notável considerando que a maioria dos homens estava armada apenas com espingardas, mosquetes e revólveres.

Os confederados então viraram o canhão contra os federais, obrigando muitos dos voluntários não experientes a correr de volta para Fort Craig. Canby inicialmente acreditava que ainda poderia vencer antes de reconhecer "que prolongar a competição apenas aumentaria o número de nossas vítimas, sem alterar o resultado". Ele ordenou uma retirada, deixando seus mortos, feridos e artilharia no lado leste do Rio Grande.

Uma perseguição da Confederação terminou quando Green aceitou a bandeira de trégua de Canby para recolher os mortos e feridos de ambos os lados e passou os próximos dias cuidando das vítimas. Os Federais perderam 263 homens (68 mortos, 160 feridos e 35 desaparecidos), enquanto Sibley perdeu 187 (36 mortos, 150 feridos e um desaparecido). A maioria das baixas federais ocorreu durante o ataque frontal em grande escala dos confederados, que mudou o rumo da batalha.

A luta de nove horas terminou com os Federados caindo de volta para Fort Craig, exatamente como Sibley esperava. Mas segurar Valverde Ford provou ser insustentável porque os confederados tinham apenas três dias de ração e não tinham poder de fogo suficiente para levar Canby à submissão. Sibley, portanto, decidiu continuar em direção ao norte até Albuquerque, onde os Federados tinham $ 250.000 em suprimentos. Embora Sibley não tivesse destruído Canby como planejado, ele agora esperava matá-lo de fome cortando suas rotas de abastecimento do norte em Albuquerque e Santa Fe. No entanto, os federais de Canby continuaram sendo uma ameaça para as linhas de comunicação confederadas.

A notícia da vitória dos confederados, que só chegou aos estados do leste semanas depois, aumentou o moral do sul depois de uma série de derrotas no leste. Enquanto isso, Sibley continuou seu avanço para o norte.


Valverde

Canby reuniu cerca de 4.000 homens, uma mistura de Regulares e voluntários, contra o 'Exército do Novo México' de Canby, na verdade uma brigada de cavalaria do mesmo tamanho.

Cada lado perdeu cerca de 200 homens.

Sibley liderou sua força de 3.500 homens através do Rio Grande River e pelo lado leste do rio até o vau em Valverde, ao norte de Fort Craig, Novo México. Seu objetivo era cortar as comunicações federais entre o forte e o quartel-general militar em Santa Fé. Canby teria de se mudar ou morrer de fome. Canby não ficou parado, mas moveu-se com mais de 4.000 homens para evitar que os confederados cruzassem o rio.

No dia 20, seu primeiro esforço foi repelido na beira da água: confederados escondidos nos juncos emboscaram as primeiras tropas a cruzarem, que se dirigiram para a cobertura. Outras tropas da União na margem oeste forneceram fogo de cobertura, de modo que os confederados não puderam cercar os soldados de infantaria dispersos.

No dia seguinte, Canby fez tudo certo. Ele desdobrou escaramuçadores e depois artilharia para cobrir a travessia, e o fez com muito mais força: quatro regimentos cruzaram. Eles pagaram pela travessia, mas expulsaram os rebeldes do rio. A artilharia então cruzou e Canby colocou seus homens fortemente do outro lado. Os ataques confederados repetidos foram todos repelidos e Canby trouxe sua última reserva para fazer um ataque final. Uma das cargas de cavalaria da Confederação apresentava lanceiros, uma ideia corajosa e bonita, mas que foi rapidamente destruída.

Mas os confederados haviam se recuperado no leito do rio Velho Rio Grande, uma excelente posição defensiva. Depois de cruzar todos os seus homens, Canby decidiu que um ataque frontal iria falhar e desdobrou-se para virar a esquerda confederada. Enquanto isso, Sibley havia passado o comando (muitos relatos diziam que ele estava bêbado) para um subordinado agressivo, o coronel Tom Green. Green friamente analisou a situação e decidiu atacar, reunindo sua cavalaria para cobrir um ataque desmontado.

A carga da cavalaria foi repelida, mas a feroz carga a pé ultrapassou a bateria principal da União. Os confederados rapidamente deram meia-volta e bombardearam a linha da União, que se partiu para o rio. O bombardeio do vau causou mais baixas, mas os confederados não conseguiram outro ataque aos federais desorganizados. Canby teve que recuar, mas efetivamente cobriu a retirada pedindo uma trégua para cuidar dos feridos e enterrar os mortos.

Com Canby derrotado e seus homens desmoralizados, Sibley tinha duas opções: lutar novamente para capturar as forças federais ou subir o rio para seus objetivos políticos e impedir as forças federais que se aglomeravam ali. Desprezando os novos mexicanos após a luta que eles travaram, ele seguiu para o norte.


Batalha de Valverde - HISTÓRIA

A Guerra Civil começou em abril de 1861. Vários oficiais do exército que serviam no Novo México na época renunciaram às suas comissões para ingressar no Exército Confederado. Um era o coronel Henry Hopkins Sibley, que tinha estado estacionado em Albuquerque e estava então no comando do Fort Union, Novo México.

O major Edward R. S. Canby ficou no comando. Promovido a coronel, ele lideraria as forças do Novo México na defesa do território. Sibley logo se tornou um general de brigada, acusado de anexar o Novo México aos Estados Confederados e ganhar o controle das minas de ouro do Colorado.

O general Sibley parecia um general, mas tinha problemas para tomar decisões e freqüentemente buscava o conselho de seus oficiais subalternos. Ele tinha outra fraqueza que condenaria sua campanha militar no Novo México - ele gostava muito de rum e uísque.

Em setembro de 1861, o presidente Abraham Lincoln nomeou Henry Connelly, de Peralta, como governador do Novo México porque confiava em Connelly para ser leal à União dos Estados Unidos e porque Connelly, que morou aqui por muito tempo, tinha a simpatia dos nativos Novos mexicanos.

Apenas cinco dias após sua posse em Santa Fé, o governador Connelly contatou cada condado do território pedindo o estabelecimento de uma milícia, ou guarda doméstica, para a defesa do território contra o inimigo - texanos servindo no Exército Confederado.

Um Sibley extremamente confiante no final de janeiro de 1862 liderou uma força de invasão conhecida como Exército do Novo México, que consistia em três regimentos de cavalaria e uma bateria de artilharia, de seu quartel-general em El Paso até o Território do Novo México. Ele já havia emitido uma proclamação ao povo do Novo México anunciando sua intenção de tomar posse do território.

Canby antecipou exatamente essa invasão e tentou reforçar suas forças de combate com uma infantaria e cavalaria voluntárias pagas e equipadas pelo governo dos EUA. Kit Carson comandou o Primeiro Regimento de Voluntários do Novo México, e o Coronel Miguel Pino e o Tenente-Coronel Manuel Chaves comandaram o segundo. Canby favoreceu os hispânicos no preenchimento de fileiras de oficiais, acreditando que isso atrairia mais voluntários. Albuquerque tornou-se um ponto de encontro para os recrutas, que foram enviados para o sul, para Fort Craig, ao sul de Socorro.

Os texanos já haviam apreendido Mesilla no sul do Novo México quando Sibley avançou para o norte ao longo do Rio Grande. Sibley esperava encontrar as forças de Canby na fortaleza federal em Fort Craig. O governador Connelly também havia chegado a Fort Craig. Canby garantiu ao governador que tinha 4.000 homens, dos quais 1.200 eram soldados regulares do exército, e todos estavam prontos para lutar.

Os dois lados se encontraram em um campo de batalha fora do forte. Em uma batalha árdua, conhecida como Batalha de Valverde, a União estava mantendo a linha. Então o coronel Tom Green, substituindo Sibley que estava bêbado em sua barraca, ordenou uma carga total direto para os regulares do Union. O estratagema funcionou. Os soldados da União fugiram e fugiram, o que fez com que os voluntários, muitos deles mal treinados, fugissem em pânico. Eles se refugiaram no forte. Sibley, não querendo atacar o forte, ordenou que suas forças continuassem sua marcha para o norte.

Quando o Coronel Canby percebeu que estava sendo contornado, ficou preocupado com as provisões militares do posto de Albuquerque. Ele enviou seu contramestre, Maj. James Donaldson, para escapar das linhas e avisar as pequenas forças em Albuquerque e Santa Fé para remover ou destruir os suprimentos armazenados em ambos os lugares.

O governador também saiu silenciosamente de Fort Craig e cavalgou para o norte. Preocupado com o fato de Albuquerque estar indefeso e em breve ser tomado pelos rebeldes, ele aconselhou os fazendeiros e pequenos fazendeiros a reunir suas ovelhas e gado e escondê-los na serra de Manzano. Os cidadãos de Albuquerque recolheram os seus valores e levaram-nos para fora da cidade ou enterraram-nos.

Em Albuquerque, o capitão Herbert M. Enos, o contramestre assistente e oficial de patente, transportou o máximo de suprimentos possível do depósito militar e destruiu o resto.

Em 1o de março, Enos enviou seis carroças às montanhas Sandia para coletar lenha. Os lenhadores avistaram o inimigo se aproximando e um cavaleiro entrou a galope na praça com a notícia de que o exército rebelde estava a apenas 32 quilômetros de Los Lunas.

Enos ordenou que alguns vagões do exército, já cheios de armas e munições, partissem imediatamente para Santa Fé, guardados por alguns soldados regulares. Ele também fez com que a milícia voluntária carregasse as várias carroças restantes com bagagem, que ele levaria para o norte, para Santa Fé. Ao amanhecer, o vigia informou que o Exército Confederado estava ao sul da cidade, perto do que se tornaria o bairro de South Valley, em Barelas. Portanto, às 6h30 do dia 2 de março, Enos ordenou que seus homens queimassem os prédios que continham equipamentos militares, junto com estábulos e currais vizinhos.

Observando das sombras, alguns dos pobres da cidade entraram nos prédios em chamas para levar melaço, vinagre, sabão, velas, algumas selas, ferramentas de carpinteiro e até alguns móveis de escritório, enquanto o capitão Enos conduzia sua caravana de carroças carregadas para fora de Cidade.

Os confederados que se aproximavam viram três colunas de fumaça subindo sobre a cidade com espíritos afundando. Eles estavam com frio e famintos, e seus cavalos estavam magros pela marcha rápida e os poucos suprimentos de grama. Eles passaram a ocupar Albuquerque.

Uma hora depois de chegar, um cavaleiro da pequena aldeia de Cubero, a oeste de Albuquerque, relatou que quatro simpatizantes confederados haviam exigido a entrega dos suprimentos de um pequeno posto avançado da União cujo capitão voluntário não tinha ordens a seguir. Quatro dias depois, chegou uma carroça de suprimentos muito necessária.

Quando Sibley chegou, após 6 de março, mudou-se para a casa de adobe de Rafael Armijo e seu irmão mais novo, Manuel, que se tornou seu quartel-general. Os irmãos Armijo, que eram donos de lojas, movimentaram mais de US $ 200.000 em mercadorias. Os Armijos não eram necessariamente simpatizantes do sul. Embora a maioria dos residentes de Albuquerque fosse partidária da União, muitos nativos da Nova Zelândia eram ambivalentes sobre essa guerra entre estados. O Novo México ainda não era um estado e havia sido território dos Estados Unidos apenas por cerca de 13 anos.

Os confederados marcharam para o norte, esperando capturar o Fort Union. Sem que eles soubessem, os voluntários do Colorado, liderados pelo major John Chivington, correram de Denver para apoiar as fracas forças da União no Novo México e desencorajar uma invasão de seu estado.

O tenente-coronel Manuel Antonio Chaves, um membro experiente da milícia do Novo México, foi convidado a se juntar aos confederados, mas optou por ser leal à União. Ele liderou uma companhia de espiões em Santa Fé e informou Chivington sobre a força das tropas rebeldes e seu movimento em direção ao Passo de Glorieta. Em 28 de março, Chivington, reforçado por tropas do Fort Union, enfrentou os confederados em uma dura batalha. Sibley permaneceu confortavelmente em Albuquerque.

Em uma ação de flanco, as forças da União também se esconderam atrás das linhas confederadas, lideradas por Manuel Chávez, e queimaram 61 vagões no trem de abastecimento de Sibley. Foi uma estratégia decisiva. A batalha de Glorieta Pass acabou. Sem suprimentos, os rebeldes não tinham esperança de tomar o Forte Union.

Manuel Chaves é um herói pouco conhecido da Batalha do Passo da Glorieta.

O exército do Texas recuou para Santa Fé e depois para Albuquerque, onde comandou o moinho de farinha de Franz Huning no que hoje é Laguna e Central. A usina foi batizada, ironicamente, de La Glorieta. Em 8 de abril, Canby, então no pequeno assentamento agrícola de Barelas, ao sul do que hoje é o centro da cidade, ordenou que quatro canhões da Union disparassem contra Albuquerque. O coronel havia decidido dar uma demonstração barulhenta de força de seu pequeno exército. Os canhões do exército rebelde, localizados na fábrica perto da atual Cidade Velha, responderam ao fogo.

A “Batalha de Albuquerque” durou várias horas. Foi apenas um bombardeio de artilharia, sem vítimas. Enquanto as balas de canhão voavam para frente e para trás, um grupo preocupado de cidadãos se aproximou de Canby e disse a ele que o Exército Confederado não permitiria que as mulheres e crianças que permaneceram em suas casas saíssem e encontrassem um refúgio seguro. Canby ordenou que seus homens parassem de atirar. A batalha de Albuquerque havia terminado.

Enquanto o pôr do sol brilhava em vermelho, laranja e rosa no oeste, os cidadãos e os soldados confederados assistiam às fogueiras de mil soldados do Exército da União brilharem intensamente enquanto o dia se transformava em noite. Moradores preocupados se perguntavam se o cessar-fogo terminaria na manhã seguinte e a batalha recomeçaria. Eles ouviram os músicos do Exército da União tocando seus instrumentos até tarde da noite e viram as fogueiras lentamente se extinguirem.

Desconhecido para os cidadãos ou confederados, Canby pensou que uma força maior das forças de Sibley voltaria a Albuquerque e ordenou que seus soldados se movessem silenciosamente para o sul durante a noite, deixando os músicos para trás parte da noite para encobrir o barulho de sua partida. Canby mudou-se para Sandias, onde em 1º de abril os vitoriosos voluntários do Colorado se juntaram a ele na vila de San Antonio. Canby agora tinha uma grande tropa, que logo enviou para Albuquerque.

A essa altura, Sibley já havia chegado a Albuquerque, vindo de Santa Fé. Em uma reunião de seus oficiais, ele explicou sua situação. Eles tinham comida para 15 dias e apenas 35 a 40 cartuchos de munição por homem. Para salvar seu exército, ele sentiu que era melhor recuar vale abaixo e sair do território. Ninguém discordou. Alguns dos feridos teriam que ser deixados para trás.

Oito canhões de obus de latão também seriam deixados para trás, enterrados em um curral atrás da Igreja de San Felipe Neri. Sibley queria ter certeza de que os canhões não seriam usados ​​contra a Confederação no futuro. Posteriormente, foram recuperados e dois estão preservados no Museu de Albuquerque.

Na manhã de 12 de abril, o exército rebelde iniciou sua retirada para sudoeste da cidade, cruzando para a margem oposta do Rio Grande.


Fort Craig, Novo México e a Batalha de Valverde

Fevereiro de 2021 marcou a 159ª comemoração da Batalha de Valverde, uma batalha pouco conhecida, mas importante, que ocorreu durante a Guerra Civil Americana. No inverno de 1862, no inverno de 1862, uma força expedicionária de texanos confederados marchava rio Grande, cobiçando as minas de ouro do Colorado da União e os portos da Califórnia. Se o território do Novo México controlado pela União pudesse ser capturado, todo o sudoeste, rico em recursos, poderia cair. Situado entre o avanço dos sulistas e a capital do Novo México, Santa Fé, ficava o Fort Craig.

Hoje, Fort Craig é uma área de gerenciamento especial da BLM e está listada no Registro Nacional de Locais Históricos.

Durante a Guerra Civil, o forte foi administrado em grande parte por novos mexicanos nativos. Suas formidáveis ​​paredes de barro estavam armadas com o que costumava ser conhecido como "Canhões Quaker", ou toras pintadas de preto para se assemelhar a artilharia. Em vez de atacar o forte, sob a cobertura da escuridão, as forças confederadas cruzaram para o lado oposto do Rio Grande, circulando assim ao redor de Fort Craig ao norte. Agora, em vez de Fort Craig bloqueando o caminho da Confederação para Santa Fé, foi o contingente da União que se viu preso atrás das linhas inimigas. Antes satisfeito em esperar em segurança atrás de suas fortificações, o comandante da União, coronel Edward Canby, foi agora forçado a lutar.

Em uma ironia histórica, o comandante da oposição sul do coronel Canby era um de seus ex-companheiros de armas, o general Henry Hopkins Sibley. Na manhã de 21 de fevereiro, os soldados da União avançaram do forte e enfrentaram os confederados de Sibley. Os combates ferozes que se seguiram causaram cerca de 500 baixas. Embora talvez não seja uma figura tão impressionante como aqueles vistos nas batalhas mais infames da Guerra Civil, considerando o número relativamente pequeno de combatentes em ambos os lados, Valverde foi sanguinário, no entanto. Como disse um soldado confederado: “o Rio Grande foi tingido com sangue ianque”.

Tecnicamente uma vitória dos confederados, Valverde provaria ser uma vitória de Pirro (conquistada a um custo muito alto). Quando solicitado a entregar o forte, o coronel Canby recusou categoricamente. Ainda intimidado pelas formidáveis ​​barricadas de Fort Craig e "Cânones Quaker", o General Sibley não teve escolha a não ser marchar com sua força significativamente esgotada para o norte, deixando uma ameaça da União pairando atrás de si. Embora tenha tido sucesso em hastear a bandeira confederada sobre Albuquerque e Santa Fé, no final de março as forças confederadas seriam derrotadas no Passo de Glorieta, perto de Santa Fé.

Como consequência, 500 dos anteriormente orgulhosos 3.500 invasores confederados foram mortos em batalha ou morreram de doença. Outros 500 desertaram ou se renderam. Além de desempenhar um papel na Guerra Civil Americana, Fort Craig também foi um posto avançado crucial em campanhas de fronteira e está associado a muitas figuras nativas americanas notáveis, incluindo Victorio, Nana e Geronimo. Outras figuras proeminentes cujas histórias estão entrelaçadas com Fort Craig incluem as de Kit Carson, Rafael Chacón, Capitão Jack Crawford, bem como o renomado 9º Calvário, mais conhecido como Soldados Buffalo.

Hoje, em Fort Craig, uma trilha interpretativa autoguiada acessível pela ADA está aberta sete dias por semana, das 8h00 a uma hora antes do pôr do sol. O centro de visitantes está aberto de quinta a segunda-feira, das 8h00 às 17h00

A Archaeological Conservancy transferiu a propriedade do Fort Craig para o BLM em 1981. Foi designada como Área de Gerenciamento Especial BLM em 1989. Para obter mais informações sobre o Fort Craig, consulte o folheto do BLM.


Batalha de Valverde - HISTÓRIA

Visitei o site da Batalha de Valverde várias vezes e sempre entendi que era a inspiração para a travessia do rio no filme.


Boa pergunta e um dos meus filmes favoritos.
Não posso dizer se aquela cena de batalha foi, mas todo o filme foi baseado na campanha do Novo México. A propósito, esta é uma campanha incrivelmente fascinante, com as condições do deserto sendo realmente o fator mais significativo na campanha.

De qualquer forma, eu tenho a versão estendida do DVD remasterizado de & quotThe Good, The Bad e The Ugly & quot (também lançado no blueray) e tem um recurso especial sobre a campanha do Novo México em um dos discos e o relaciona com o filme. Os generais envolvidos são especificamente mencionados várias vezes, Canby e Sibley, o roteiro mencionou algumas batalhas reais - talvez Valverde e eu acho que Glorietta. Confederate General Henry Sibley is shown retreating in one of the film scenes, along with his true-to-life rough bearded bodyguards.

One of the added scenes for the extended cut disc, a 5 or so minute scene, has Tuco and Blondie traveling through a battlefield after a battle (Both Clint Eastwood and Eli Wallach actually dubbed in their vocal parts to the otherwise silent film, almost 40 years after originally filmed), I think this was Gloriata.

Sergio Leone was a real American Civil War fan and based many of his filmed scenes on actual civil war photographs. He wasn't always historically accurate - using cartrige pistols which did not exist yet, mentioning "Grant and Lee" before they were active as commanding generals, but some of the scenes indeed can be taken directly from one of Matthew Brady's prints. Leone would literally have the photographs in front of him while filming to compare the two.

He also "mixed" things up a bit. In a widely-known publicity still from the movie For A Few Dollars More, Colonel Douglas Mortimer (Lee Van Cleef) is leaning against a porch post in front of a brick doorway, pipe in mouth. His right hand is posed threateningly near his handgun, which is in a cross-draw "gun-bucket" holster. The gun is clearly an unconverted cap-and-ball Remington New Model Army revolver. Though only a few of them show in this particular pic, other pics reveal that his gun belt is studded with cartridges in loops.

Having been a longtime fan of The Good the Bad and the Ugly, yes it is a Civil War movie, and yes it is set during General Sibley's New Mexico campaign. New Mexico Campaign - Wikipedia, the free encyclopedia

The Confederates in the movie are Texans under the banner of the Trans-Mississippi district and the Arizona Rangers, local volunteers. The Union troops are Colorado Volunteers and possibly the California Column.

Partways into the movie where Tuco attempts to hang Blondie in the hotel during a Confederate retreat in the town (I believe) is supposed to be the Confederate retreat from Santa Fe either after the Battle of Valverde, which puts this scene at the very end of the battle of Albequerque at latest (one of the characters remarks that Sibley looks terrible, and Sibley did fall ill after the latter battle.)

The desert that Blondie ditches Tuco weaponless and tied up in is White Sands? (the film was made in Extremadura, Spain. But I mean it poderia represent it), where in which Tuco pays Blondie back by marching him through the "Jornada del Muerto" (March of Death/the Dead, nice name for a desert), essentially both are in the same region.

About midway through when Angel Eyes reaches a bombed out Confederate encampment, and when Blondie & Tuco (in CSA Uniforms) reach an overfilled infirmary I think are immediately after Glorietta Pass and Apache Canyon repectively, (the infirmary itself in Soccoro?).

The great battle between the Union forces of Canby and the Confederate forces of Sibley is a very fictionalized (and much grander) version of the Battle of Peralta near modern Los Lunas, New Mexico, the river they fight over where the bridge is would be the Rio Grande, and Sad Hill cemetary would be past the mountains in modern Valencia County, New Mexico.


Batalha

A portion of the Castilian army crossed the river and placed themselves on the opposite shore, while the rest remained where they were with the plan of surrounding the Portuguese while they crossed the river. [ 3 ] Nuno Álvares Pereira then ordered his army to form a square with the baggage on the center, and impetuously crossed the Castilian forces, which attempted to oppose him. Upon reaching the river shore, Nuno Álvares Pereira ordered his rearguard to protect the baggage and fight the enemy, while with his vanguard he crossed over. The Castilian forces on the opposite shore, numbering about 10,000 men, unsuccessfully oppose their landing. [ 3 ] After placing the Portuguese vanguard in position, defending the shore from the Castilians, Nuno Álvares Pereira again crossed the river to reach his rearguard, which was under a rain of arrows launched from the Castilian side. The Constable of Portugal noticing that the Castilians had used all of their projectiles, ordered an attack. Nuno Álvares Pereira himself, seeing the banner of the Grand Master of Santiago, fought his way through the Castilian army until encountering him, and after a brief duel, the Grand Master fell mortally wounded. [ 5 ] With his fall and the overthrow of his standard, the Castilian army demoralized and was soon broken and in disorder, and could not stop the Portuguese attack, being quickly and totally defeated. [6]


Batalha

A portion of the Castilian army crossed the river and placed themselves on the opposite shore, while the rest remained where they were with the plan of surrounding the Portuguese while they crossed the river. [ 3 ] Nuno Álvares Pereira then ordered his army to form a square with the baggage on the center, and impetuously crossed the Castilian forces, which attempted to oppose him. Upon reaching the river shore, Nuno Álvares Pereira ordered his rearguard to protect the baggage and fight the enemy, while with his vanguard he crossed over. The Castilian forces on the opposite shore, numbering about 10,000 men, unsuccessfully oppose their landing. [ 3 ] After placing the Portuguese vanguard in position, defending the shore from the Castilians, Nuno Álvares Pereira again crossed the river to reach his rearguard, which was under a rain of arrows launched from the Castilian side. The Constable of Portugal noticing that the Castilians had used all of their projectiles, ordered an attack. Nuno Álvares Pereira himself, seeing the banner of the Grand Master of Santiago, fought his way through the Castilian army until encountering him, and after a brief duel, the Grand Master fell mortally wounded. [ 5 ] With his fall and the overthrow of his standard, the Castilian army demoralized and was soon broken and in disorder, and could not stop the Portuguese attack, being quickly and totally defeated. [6]


Sandians write book on Civil War in New Mexico

(back to Lab News contents page) During his many long work-related trips to Washington over the past several years, John Taylor, Manager of Nonproliferation Initiatives Dept. 5335, squeezed in time to pore through 135-year-old journals, letters, and military records at the National Archives.

The fruits of his labor are two books on Civil War battles fought in New Mexico - both published by University of New Mexico Press, the second issued just last month.

CIVIL WAR IN NEW MEXICO - John Taylor, dressed in a Union army Civil War uniform, displays the two books he's written on Civil War battles in New Mexico. (Photo by Randy Montoya)

The Battle of Glorieta Pass, written jointly by John and retired Sandian Tom Edrington, a history buff and former deputy director of Surety Assessment Center 12301, hit local bookstores in May. It tells the story of a three-day battle in March 1862 at Glorieta Pass where 47 Confederate and 54 Union soldiers were killed. While the Confederates won the battle, the Union army remained strong and was able to deter the southerners from continuing to pursue their goal, the capture of Fort Union near Las Vegas, N.M.

"Some historians call the Battle of Glorieta Pass the 'Gettysburg of the West,' but we found that it was an unfortunate and bloody epilogue to a star-crossed campaign," John says.

John became interested in New Mexico's Civil War history in the late 1970s, a few years after joining Sandia and following a move to Peralta. While writing a history of that area, he discovered that a minor Civil War skirmish had been fought nearby. That eventually lead him to research the Battle of Valverde, the largest land battle in the West, fought on Feb. 21, 1862, at the Valverde Ford south of Socorro. His book on this battle, Bloody Valverde, was published in 1995.

In doing his research on the Valverde book he spent a lot of time in the National Archives' microfilm reading room looking at military records from the Civil War.

"I'd be holding a piece of parchment, wearing the white cotton gloves required to touch it, convinced that I was the first person to examine it since it was written," he recalls.

After his book on the Valverde battle was published, John talked to Tom about collaborating on a book on the Battle of Glorieta Pass. Tom, one of the leading experts on the Glorieta battle, had given John a lot of advice in writing his first book, and John felt it might be a good idea for them to work together on the project. The only other book on the battle had been written around the turn of the century by a historian who took a train ride through the area with a group of Civil War veterans recalling the event.

Tom already had a lot of material on the battle in his personal possession, and John had access to the National Archives. They settled on a rough table of contents, divided up the work, and soon had a manuscript.

The Battle of Glorieta Pass, primarily a conflict between Confederates from Texas and Federals from Colorado, started March 26, 1862, with a minor skirmish in Apache Canyon about four miles west of the present-day village of Glorieta. The armies spent the next day reinforcing and resting. On the night of March 27 Confederate reinforcements marched 15 miles north from Galisteo dragging artillery over steep hills in snow, and the two armies confronted each other the next day at Pigeon's Ranch.

The fighting at Pigeon's Ranch raged for more than five hours. When it was over, the Confederates controlled the battlefield, but the Union Army managed to retreat to Fort Union essentially intact.

In their research John and Tom encountered some interesting human stories.

"We found one story told in a diary by Sgt. Alfred Peticolas, a Confederate solder who earlier in the campaign acquired a Union overcoat," John says. "During the Pigeon Ranch battle he accidentally wandered into the Union lines and didn't know where his own troops were. He asked a Union officer where the Confederates were. Thinking that he was a fellow Union soldier because of his coat, the officer pointed him in the direction of the Confederates and Peticolas slipped back to join his troops."

John says that he and Tom were well-matched to do the research and write the book. John's great-grandfather, a Union soldier, fought in the Civil War with a regiment from Maine (John's family still has his musket), whereas Tom's ancestors fought for the South in units from Texas, Louisiana, and Mississippi.

"We both came in with different perspectives, so it worked out well," he says.

List of site sources >>>


Assista o vídeo: Fede Valverde Vs Sheriff. Great Performance! UCL 2021 (Janeiro 2022).