A história

Batalha de Chancellorsville, 2-5 de maio de 1863


Batalha de Chancellorsville, 2-5 de maio de 1863

A batalha da Guerra Civil Americana amplamente considerada a maior conquista de Robert E. Lee. Após o fracasso em Fredricksburg, o presidente Lincoln teve que encontrar outro comandante para o Exército do Potomac. Sua próxima escolha foi ‘Fighting’ Joe Hooker. Hooker estava muito confiante e muito agressivo, mas a maior parte disso acabou sendo puro blefe. No início, ele parecia ser uma nomeação muito promissora. Ele restaurou a confiança do exército e, em seguida, montou um dos melhores planos a serem tentados pelos exércitos da União na Virgínia.

Tirando vantagem de seu número superior, Hooker planejou dividir seu exército em três grandes unidades. Uma parte de seu exército deveria permanecer em Fredericksburg, na tentativa de imobilizar Lee ali. Outra parte era mover-se rio acima para fazer o que pareceria sua principal manobra de flanco. Finalmente, um terço do exército deveria seguir rio acima em um amplo movimento de flanco que atingiria a esquerda e a retaguarda do exército de Lee.

O plano ousado de Hooker começou bem. Em 30 de abril, a principal força de flanqueamento já havia cruzado todas as barreiras do rio em seu caminho e chegado a Chancellorsville. Embora Lee não tivesse sido enganado pela força em Fredericksburg, em 30 de abril seu exército foi perigosamente exposto ao ataque de flanco de Hooker.

Em 1 de maio, Hooker teve a chance de destruir duas divisões do exército de Lee, mas em vez disso ele se retirou para o deserto, uma área de matagal em torno de Chancellorsville, onde sua grande vantagem em números contaria menos. O julgamento de Hooker foi nublado por seu medo de uma luta direta com os confederados de Lee. Lee aproveitou as preocupações de seus oponentes e lançou um ataque que levou à sua vitória mais impressionante. Uma grande parte do exército da União foi forçada a fugir por outra manobra de flanco. No entanto, mais uma vez o exército da União foi capaz de reformar e manter a maior parte de sua posição. Só depois da batalha Hooker decidiu recuar, cruzando o rio Rappahannock, cedendo o campo de batalha a Lee.

Chancellorsville levantou o moral em toda a Confederação e aumentou o moral já elevado do exército de Lee. No entanto, por mais impressionante que tenha sido, a causa confederada sofreu dois golpes em Chancellorsville. Apesar de todos os sucessos de Lee, suas perdas foram tão altas quanto Hookers (1.665 mortos e 9.081 feridos por Lee em comparação com 1.575 mortos e 9.594 feridos por Hooker). Isso passou relativamente despercebido na época. No entanto, um dos confederados mortos depois de Chancellorsville foi Stonewall Jackson, morto de pneumonia depois de ser baleado por engano por alguns de seus próprios homens.

A morte de Jackson fornece outra daquelas "chances perdidas" da mitologia confederada. Depois de Chancellorsville, Lee embarcou em sua grande invasão da Pensilvânia, que terminaria em Gettysburg. Se ele tivesse Jackson, diz o mito, o Lee teria vencido em Gettysburg e a Confederação teria sobrevivido. Quaisquer que sejam as falhas da vitória de Chancellorsville, ela efetivamente acabou com qualquer chance de qualquer campanha federal significativa no teatro oriental até o ano seguinte.


10 fatos: Chancellorsville

O Civil War Trust tem sido um parceiro ativo e agressivo no trabalho para salvar e preservar trechos importantes neste campo de batalha em perigo. Para expandir sua apreciação por esta batalha e a oportunidade de preservação que ela apresenta, considere estes dez fatos sobre a Batalha de Chancellorsville.

Fato nº 1: na Batalha de Chancellorsville, o exército de Lee enfrentou suas maiores probabilidades

A última reunião de Gens. Biblioteca do Congresso de Lee e Jackson

Em 30 de abril de 1863, o major-general Joseph "Fighting Joe" Hooker cruzou o rio Rappahannock e manobrou parte de seu enorme exército para o flanco do exército do general Robert E. Lee da Virgínia do Norte. Um forte contingente do exército de Hooker ameaçou as linhas confederadas em frente a Fredericksburg. Não apenas a força federal superou em muito os confederados - cerca de 130.000 a 60.000 - mas o Exército do Potomac foi reorganizado e revitalizado por Joe Hooker durante o inverno anterior.

O exército de Robert E. Lee da Virgínia do Norte, enfrentando constantemente desafios significativos de abastecimento, foi bastante disperso na primavera de 1863. O comandante do Primeiro Corpo de exército de Lee, o tenente-general James Longstreet, com cerca de 15.000 soldados veteranos, estava vasculhando em busca de comida em Suffolk, Região da Virgínia e não retornou a Lee até depois da Batalha de Chancellorsville.

Apesar de estar em desvantagem numérica de mais de 2 para 1 e enfrentar forças fortes em ambos os flancos, Robert E. Lee decidiu tomar um caminho muito mais arriscado - atacar este novo inimigo maciço e mantê-lo em desvantagem lutando no deserto da Virgínia.

Fato nº 2: Apesar do movimento de flanco bem-sucedido de Hooker, Lee tomou a iniciativa e a manteve por dois meses inteiros

A travessia bem executada de Rappahannock por Hooker levou muitos oficiais federais seniores a acreditar que o único curso de ação de Lee era recuar para o sul em direção a Richmond. O major-general George Meade exclamou “Viva o velho Joe. Estamos no flanco de Lee e ele não sabe disso. ”

Com a maior parte de seu exército posicionado com segurança ao redor da encruzilhada de Chancellorsville, Hooker mudou-se em 1º de maio de 1863, para mover-se para o leste e para fora do deserto. O terreno a leste era muito mais aberto, proporcionando ao Exército Federal um meio melhor de empregar plenamente sua força numérica significativa.

Antes que os ianques pudessem limpar a floresta, no entanto, os soldados do general Stonewall Jackson os atingiram na rodovia Orange Turnpike. As tropas de Jackson também apareceram no flanco direito da União e Hooker ordenou uma retirada geral deste terreno aberto após uma batalha breve e aguda. O Primeiro Dia em Chancellorsville foi uma pequena ação cujo significado excedeu em muito sua escala. No dia seguinte, nas profundezas da Terra Selvagem emaranhada, o exército inerte de Hooker falhou em detectar o plano ousado de Lee de usar as estradas arborizadas ao sul para manobrar uma coluna poderosa à sua direita. Em terreno aberto, esse tipo de manobra seria impossível de ser executado.

Esta ilustração de Edwin Forbes mostra soldados da União marchando em direção a Chancellorsville em 30 de abril de 1863. A travessia de Hooker do Rappahannock foi bem executada, mas em 1º de maio de 1863 ele entregaria a iniciativa a Robert E. Lee. Biblioteca do Congresso

Fato nº 3: Lee quebrou uma máxima central da guerra para alcançar sua famosa vitória em Chancellorsville

Carl von Clausewitz, em seu famoso tratado militar On War, afirma que o “primeiro princípio [da guerra] é agir concentrado o máximo possível”. Dividir sua força em face de um inimigo numericamente superior era considerado um caminho seguro para a derrota.

Depois do primeiro dia de sparring em 1º de maio de 1863, Robert E. Lee e seu subordinado de confiança Thomas J. "Stonewall" Jackson se encontraram em um acampamento na floresta e planejaram uma das ações mais ousadas de toda a Guerra Civil. Jackson, com quase 30.000 homens e 110 canhões, marcharia 12 milhas e cairia sobre o flanco direito do exército federal. Durante esta manobra, a força de Jackson seria isolada do resto do exército de Lee. Se o exército de Hooker souber desta divisão, as forças de Lee podem enfrentar grande perigo.

Em retrospectiva, sabemos que a marcha secreta de Jackson pelo flanco foi um tremendo sucesso para os confederados, mas na época era uma aposta alta que dependia de subterfúgios e blefes.

Fato # 4: O Décimo Primeiro Corpo Federal, em grande parte cheio de germano-americanos, foi transformado em um bode expiatório para a derrota em Chancellorsville

Biblioteca do Congresso Adolph von Steinwehr

Com os 30.000 homens de Jackson agora preparados para desencadear seu ataque, seu alvo principal era o Union Eleventh Corps, que estava segurando a extrema direita da posição da Union em Chancellorsville. Sem saber do perigo iminente em seu flanco, os homens do major-general Oliver Otis Howard foram rapidamente derrotados pelos confederados que saíram da floresta próxima.

As fileiras do Union Eleventh Corps eram densamente povoadas por germano-americanos e outros imigrantes europeus recentes. As brigadas dentro do corpo eram lideradas por homens com nomes como Schimmelfennig, Buschbeck, von Gilsa e Kryzanowski.

Em um Exército do Potomac que alimentava a desconfiança geral dos “estrangeiros”, o derrotado Décimo Primeiro Corpo tornou-se um bode expiatório conveniente para a derrota geral em Chancellorsville. Mas, como destacado pelo famoso historiador da Guerra Civil Bob Krick, "Nenhum corpo do exército - ou qualquer exército - poderia ter resistido à força do ataque [de Jackson], combinado como era com uma surpresa avassaladora e vindo do pior parente tangente possível às suas posições. Eles não mereciam calúnia pelo resultado ... ”

Infelizmente para "The Flying Dutchman" do Décimo Primeiro Corpo, sua maré de azar continuaria em Gettysburg em 1º de julho de 1863. Mas depois de serem transferidos para o Western Theatre, muitos desses veteranos de Chancellorsville provaram seu valor na luta na famosa invasão de Missionary Ridge em novembro de 1863 e em outros campos famosos.

Fato # 5: Stonewall Jackson foi ferido por seus próprios homens na noite de 2 de maio de 1863

Guiados pela luz da lua cheia e ansiosos para localizar uma nova via de ataque, Stonewall Jackson e outros oito cavaleiros confederados cavalgaram pela floresta densa e matagais na noite de 2 de maio de 1863. Retornando às linhas confederadas, Jackson's A festa foi atacada por homens da 18ª Carolina do Norte que estavam cansados ​​e nervosos após um longo dia de marchas e combates. Apesar de estar ao alcance extremo dos 18º mosquetes de cano liso da Carolina do Norte, Stonewall Jackson foi atingido por três bolas redondas diferentes - uma em sua mão direita levantada, duas outras em seu braço esquerdo.

Durante a evacuação de Jackson para a retaguarda, seus carregadores de lixo, tropeçando na floresta escura, jogaram o general duas vezes no chão, agravando ainda mais a perda de sangue de Jackson. Mais tarde naquela noite, o braço esquerdo de Jackson foi amputado e ele foi posteriormente evacuado para a Estação Guiné, onde morreu de pneumonia oito dias depois.

Apesar de Chancellorsville ser uma das vitórias confederadas mais brilhantes de toda a Guerra Civil, a perda de Stonewall Jackson foi um duro golpe para a sorte do Exército da Virgínia do Norte.

Fato nº 6: A evacuação da União de Hazel Grove provou ser a chave para a vitória dos confederados em 3 de maio de 1863

Apesar do golpe impressionante desferido pelas forças de Stonewall Jackson em 2 de maio de 1863, o exército da União permaneceu a força muito maior e ocupou muitos dos pontos mais estratégicos do campo de batalha.

Entre os mais importantes, e freqüentemente chamados de “chave” para o Campo de Batalha de Chancellorsville, estava um planalto aberto chamado Hazel Grove. Hazel Grove, com sua visão direta das posições da União em Fairview e Chancellorsville, era o local perfeito para a artilharia confederada que buscava atacar o próprio coração da posição federal.

Durante a noite de 2 de maio, o coronel Edward Porter Alexander da Geórgia descobriu Hazel Grove durante uma missão noturna de escotismo. Ele persuadiu o comandante interino do corpo, major-general Jeb Stuart, a fazer de sua captura a primeira prioridade. Na madrugada de 3 de maio, os confederados sob o comando do Brig. O general James J. Archer subiu a encosta de Hazel Grove e capturou quatro peças de artilharia e cerca de 100 homens - esta pequena força da União já estava em processo de retirada deste importante terreno elevado, no entanto. Hooker, inexplicavelmente, ordenou o abandono dessa posição-chave - um erro significativo pelo qual ele e seu exército pagariam.

Empregando o novo sistema de batalhões de artilharia - agrupando baterias em grupos maiores - Alexander encheu Hazel Grove com 30 canhões e os soltou nas linhas de Hooker.

O peso do fogo de artilharia de Hazel Grove, juntamente com mais canhões ao longo da Orange Turnpike, foi demais para as tropas da União em torno da clareira de Chancellorsville. A clareira foi abandonada e as tropas confederadas e seu herói, Robert E. Lee, entraram na clareira, vencedores do dia.

Um canhão confederado no topo de Hazel Grove olha para as posições da União em Fairview. A captura confederada do planalto Hazel Grove e seu uso como posição de artilharia foi um dos fatores decisivos que levaram ao triunfo confederado em 3 de maio de 1863. Rob Shenk

Fato nº 7: A Batalha de Chancellorsville, em sua época, foi a batalha mais sangrenta da história americana

Em sua conclusão em 6 de maio de 1863, a Batalha de Chancellorsville se tornou a batalha mais sangrenta da história americana. As 30.764 baixas combinadas eclipsaram as perdas sofridas em batalhas conhecidas como Shiloh (23.746), Second Manassas (22.180), Antietam (22.717) e Stones River (23.515).

De longe, o dia mais sangrento da batalha foi 3 de maio de 1863, quando os confederados de Lee foram forçados a atacar um inimigo maior da União, agora alertado, em grande parte posicionado em defesas preparadas. A luta agressiva em lugares como a Igreja de Salem produziu mais vítimas do que toda a Batalha de First Manassas (Bull Run).

O título de Chancellorsville de batalha mais sangrenta da história americana teria vida curta, no entanto. De Chancellorsville, Lee começou sua jornada em direção a Gettysburg e a luta épica que aconteceria entre 1 e 3 de julho de 1863. Mas mesmo no final da Guerra Civil Americana, Chancellorsville ainda era classificada como a quarta batalha mais sangrenta da Guerra Civil, depois de Gettysburg , Chickamauga e Tribunal de Spotsylvania.

Gen Brig Joseph Hooker

Fato # 8: Joseph Hooker foi o segundo comandante consecutivo do Exército do Potomac a ser substituído depois de apenas uma grande batalha

Após o desastre em Chancellorsville, o major-general Joseph Hooker puxou seu exército do Potomac de volta para o outro lado do rio Rappahannock. Durante o próximo mês, o Rappahannock atuou como a linha divisória entre os dois exércitos opostos. Mas em junho de 1863, Lee e seu Exército da Virgínia do Norte começaram seu movimento para o norte e sua travessia final para Maryland e a Pensilvânia.

Preocupado com o mau desempenho de Hooker em Chancellorsville, evidência da crescente desconfiança nas fileiras federais e cansado das demandas e reclamações de Hooker, o presidente Abraham Lincoln aceitou a renúncia de Joe Hooker em 28 de junho de 1863.

Como os generais Irvin McDowell, John Pope e Ambrose Burnside antes dele, o mandato de Joe Hooker como comandante do Exército do Potomac durou apenas uma grande batalha. Apenas três dias antes da fatídica Batalha de Gettysburg, o major-general George Meade foi convidado a assumir o comando.

Fato # 9: O famoso romance Distintivo Vermelho de Coragem é quase certo com base na Batalha de Chancellorsville

Em 1895, O emblema vermelho da coragem por Stephen Crane foi publicado. Crane, que nasceu após a Guerra Civil, supostamente usou a Batalha de Chancellorsville como cenário e inspirou-se nos relatos e histórias de veteranos dos 124º Voluntários de Nova York - os "Orange Blossoms". Muitos dos nomes dos personagens e as sequências das ações de batalha são semelhantes à Batalha de Chancellorsville.

O romance de Crane, que destaca os medos pessoais, a esperança e as lutas humanas do soldado Fleming, tornou-se um best-seller popular e nunca saiu de catálogo desde sua publicação. Em 1951, um filme foi feito a partir do livro e estrelou o herói da Segunda Guerra Mundial Audie Murphy.

Fato # 10: Nenhuma das terras do campo de batalha associada ao Ataque de Flanco de Jackson foi salva até a década de 1990

É difícil acreditar que a parte do Campo de Batalha de Chancellorsville mais associada ao famoso ataque de flanco de Jackson estava totalmente desprotegida até a década de 1990. À medida que o rápido desenvolvimento urbano começou a impactar essa região outrora rural, a urgência em adquirir e preservar esta seção do campo de batalha aumentou dramaticamente.

Os primeiros tratos associados a esta parte do campo de batalha foram salvos pelo National Park Service em 1990, depois que uma expansão de fronteira foi aprovada. Depois disso, grupos de preservação como o Central Virginia Battlefield Trust e o Civil War Trust entraram em ação para adquirir trechos importantes.

Em 2009, o Civil War Trust fez sua maior aquisição nesta região ao adquirir o Wagner Tract de 85 acres. Em 2013, o Civil War Trust trabalhou com sucesso com o Central Virginia Battlefield Trust para salvar mais 37 acres em Chancellorsville.

Porções significativas do Campo de Batalha de Chancellorsville permanecem desprotegidas hoje.

O curador da Guerra Civil, John Nau, e o presidente da American Battlefield Trust, Jim Lighthizer, aceitaram um cheque do governador da Virgínia, Bob McDonnell, em apoio à preservação do trato Wagner de 85 acres no campo de batalha de Chancellorsville. O American Battlefield Trust trabalhou para salvar mais de 400 acres deste campo de batalha histórico. Rob Shenk


União: 14.000
Confederado: 10.000

Explore artigos dos arquivos da History Net sobre a Batalha de Chancellorsville

Hooker deixou o VI Corpo e uma divisão para fazer uma demonstração contra a posição confederada em Fredericksburg para cobrir seu movimento com o resto do exército para cruzar os rios Rappahannock e Rapidan nos vaus Germanna e Ely & # 8217s. Lee respondeu dividindo seu exército, deixando o major-general Jubal Early no comando de uma força em Fredericksburg, e levando o resto para confrontar Hooker perto de uma mansão que o proprietário havia batizado de Chancellorsville. Hooker assumiu posições defensivas e Lee novamente dividiu seu próprio exército, enviando Jackson em marcha ao redor do flanco esquerdo do Union & # 8217s. Por volta das 17h30 em 2 de maio, membros do XI Corpo de exército do Exército do Potomac estavam se acomodando para preparar o jantar quando os rebeldes de Jackson e # 8217 irromperam da floresta, derrotando-os. O exército da União contra-atacou e o dia terminou com ambos os lados desorganizados em uma área de selva emaranhada. Jackson, cavalgando com sua equipe para fazer um reconhecimento em preparação para a batalha do dia seguinte & # 8217s, foi ferido por seus próprios homens. Ele morreria vários dias depois, após a amputação de seu braço esquerdo.

Os confederados retomaram a ofensiva em 3 de maio, forçando o exército de Hooker & # 8217 a uma postura defensiva perto dos vaus que eram seu único meio de retirada. Enquanto isso, Lee recebeu a notícia de que os Federados haviam cruzado o Rappahannock e estavam avançando sobre ele do leste. Dividindo seu exército mais uma vez, ele encontrou e derrotou esta nova ameaça perto da Igreja de Salem.

Ao todo, a União sofreu 14.000 baixas, os confederados 10.000 e mdash, mas a perda de Jackson foi um preço alto a pagar, um preço que se tornaria óbvio antes do fim do verão.

Muitos consideram Chancellorsville a maior vitória de Lee & # 8217. Isso preparou o cenário para sua segunda invasão do Norte e a Batalha de Gettysburg.

Imagem de banner Cento e décimo regimento da Pensilvânia em Falmouth, Va., 24 de abril de 1863, quase aniquilado na batalha de Chancellorsville, criado por Andrew J. Russell, Biblioteca do Congresso.


Batalha de Chancellorsville, 2-5 de maio de 1863 - História

Em janeiro de 1863, o exército da União mais uma vez tentou cruzar o Rappahannock e atacou o Exército Confederado. Inicialmente, o ataque teve sucesso, mas a liderança superior de Lee e a relutância das forças da União em sustentar um encontro resultaram em outra derrota da União.

Após o desastre de Fredericksburg, Burnside, em janeiro, fez uma tentativa adicional de cruzar o Rappahannock, que agora estava fortemente fortificado. Em 19 de janeiro, o exército do Potomac levantou acampamento e rumou rio acima. O tempo ficou terrível e, após dois dias, o Burnside's foi forçado a cancelar a marcha, que estava terrivelmente atolada na lama. Ficou conhecido como a marcha da lama e marcou outra baixa para o Exército do Potomac. Em 25 de janeiro, Lincoln substituiu Burnside como comandante do exército do Potomac, substituindo-o imediatamente por Joseph Hooker.

Hooker imediatamente reorganizou o exército, criou uma divisão de cavalaria independente e, o mais importante, reorganizou o exército. Como um veterano lembrou muitos anos depois

& quot Do comissário saiu menos uísque para os oficiais e melhores rações, incluindo vegetais, para os homens. Hospitais foram reformados, outros construídos, cirurgiões bêbados dispensados, suprimentos sanitários fornecidos e os enfermos não mais sofriam e morriam sem os devidos cuidados e atenção. Oficiais e homens que, por incompetência ou deficiência, não puderam mais ser úteis para os serviços foram autorizados a renunciar ou foram dispensados, e aqueles que estavam passando mal nos hospitais foram enviados para seus regimentos para o serviço. & Quot

A moral se recuperou, mas isso era obviamente apenas um começo. Hooker precisava atacar as forças de Lee. Ele desenvolveu um plano de ataque, que manteve em segredo de todos, para não alertar Lee de seus planos. Seus planos previam a divisão de seu exército em dois. A primeira metade se moveria secretamente para o norte e cruzaria o rio ficando atrás de Lee, enquanto a outra metade sob Sedgwick cruzaria para o sul da cidade para enganar Lee fazendo-o pensar que este era o ataque principal.

O exército do Potomac levantou acampamento no dia 27 de abril e rumou para o norte. Eles se mudaram com sucesso para o norte sem serem observados pelos confederados e cruzaram o rio no vau de Kelly. Ao mesmo tempo, Sedgwick começou a cruzar o sul da cidade.

As tropas do Norte rapidamente se moveram e capturaram Chancellorsville, mas em vez de continuar se movendo sob as ordens dos Hookers, eles pararam para se reagrupar antes de continuar. No final do dia 30, Lee decidiu que a travessia de Sedgwick para o sul da cidade era apenas uma finta, e o ataque principal estava vindo para o norte. Lee ordenou que suas forças principais fossem para o norte. Eles se mudaram para o norte na manhã do dia primeiro. Naquele dia, as forças de Hooker também partiram. As forças de Slocum deveriam avançar ao longo da estrada Plank à direita, apoiadas pela corporação de Howard. Meade deveria avançar pela esquerda apoiado pela corporação de Couch. As estradas passavam por uma área que era conhecida como selva, floresta densa que era quase impenetrável. O objetivo era atravessar o bosque até o campo, onde a força numérica do Sindicato seria efetiva. A marcha não foi fácil e uma divisão regular do exército comandada por George Sykes foi forçada a se retirar quando ficou sob fogo fulminante. A divisão se reagrupou e recebeu reforços, mas antes que pudesse retomar seu avanço recebeu ordens de Hooker para recuar. Hooker parece ter perdido a coragem e puxou todo o exército de volta ao ponto de partida da manhã. Enquanto isso, Lee havia entrado em cena. Ele e Jackson, depois de patrulhar as linhas defensivas da União, concluíram que um ataque direto contra eles falharia; em vez disso, foi decidido que Jackson, comandando 25.000 homens, faria um grande movimento de flanco e atingiria o flanco norte dos exércitos da União. Jackson se afastou e, embora seu movimento tenha sido observado pelas forças da União, Hooker concluiu que era o início de uma retirada confederada. Assim, apesar das evidências crescentes de que Jackson iria atacar o flanco norte do exército, nenhum preparativo foi feito, nem Lee foi atacado por linhas quase vazias. Às 18h do dia 2 de maio, Jackson lançou seu ataque ao desavisado flanco do Union. Ele caiu para trás em confusão. Enquanto isso, o próprio Jackson foi ferido por seus próprios homens. Ele morreu alguns dias depois.

Hooker ordenou que as forças de Sedgwick atacassem do sul e na manhã eles atacaram com sucesso Marye Heights, defendidos desta vez apenas pela divisão de Early, que foi forçada a recuar. Sedgwick recebeu ordens de avançar e atacar o corpo principal de Lee por sua retaguarda. Infelizmente para Sedgwick, a inatividade das forças dos Hookers ao redor de Chancellorsville permitiu que Lee virasse seu exército e enfrentasse Sedgwick, que foi combatido até a paralisação. Sedgwick retirou-se de volta ao Rappahannock. No dia seguinte, antes que os confederados pudessem renovar o ataque, as forças da União retiraram-se da cabeça de ponte em Rappahannock. Mais uma vez, o superior general de Lees e a incompetência do sindicato superaram as forças da União com o dobro de seu tamanho.


Mapa Plano da batalha de Chancellorsville. Posição da Virgínia, 17h, 2 de maio de 1863.

Os mapas nos materiais das Coleções de mapas foram publicados antes de 1922, produzidos pelo governo dos Estados Unidos, ou ambos (consulte os registros do catálogo que acompanham cada mapa para obter informações sobre data de publicação e fonte). A Biblioteca do Congresso está fornecendo acesso a esses materiais para fins educacionais e de pesquisa e não tem conhecimento de qualquer proteção de direitos autorais dos EUA (consulte o Título 17 do Código dos Estados Unidos) ou quaisquer outras restrições nos materiais da Coleção de Mapas.

Observe que a permissão por escrito dos proprietários dos direitos autorais e / ou outros detentores dos direitos (como publicidade e / ou direitos de privacidade) é necessária para distribuição, reprodução ou outro uso de itens protegidos além do permitido pelo uso justo ou outras isenções legais. A responsabilidade por fazer uma avaliação legal independente de um item e garantir todas as permissões necessárias, em última análise, recai sobre as pessoas que desejam usar o item.

Linha de crédito: Biblioteca do Congresso, Divisão de Geografia e Mapas.


O que você precisa saber:

A Batalha de Chancellorsville foi a maior vitória confederada da guerra, vencida contra as mais longas probabilidades, mas pela qual a Confederação pagou um preço enorme na morte de Stonewall Jackson, o tenente mais confiável e eficaz de Lee. No crepúsculo sombrio, patrulhando à frente de suas linhas para ver como poderia capitalizar em seu sucesso estrondoso, Jackson e seus oficiais foram baleados por soldados confederados que os confundiram com uma patrulha federal.

A Batalha de Chancellorsville é considerada a obra-prima de Robert E. Lee. Sua reputação como um gênio militar foi selada por travar uma batalha ofensiva incrivelmente bem-sucedida, apesar de estar em desvantagem numérica de 2 para 1 e de lançar ataques em várias frentes.

Depois de outra derrota humilhante da União em Fredericksburg, em 26 de janeiro, Lincoln substituiu o general Ambrose Burnside por Joseph “Fighting Joe” Hooker como o novo comandante do Exército do Potomac, com 120.000 soldados. O plano de Hooker era enviar sua cavalaria em um ataque atrás de Lee para cortar a comunicação de Lee com Richmond. Ele deixaria 40.000 soldados na frente de Lee perto de Fredericksburg, e o próprio Hooker marcharia rio acima e tentaria contornar a esquerda de Lee. Se ele não derrotasse Lee naquele momento, ele pelo menos forçaria Lee a recuar. Mas Lee conseguiu alcançar a vitória apesar de dividir suas forças em números muito inferiores e lutar contra a União em várias frentes. O resultado foi 17.000 baixas federais para 13.000 confederados.

Role até o final desta postagem para ver mais mapas relacionados a esta batalha.


Batalha de Chancellorsville, 2-5 de maio de 1863 - História

A Batalha de Chancellorsville ocorreu no condado de Spotysylvania, na Virgínia, durante a Guerra Civil Americana. A batalha começou em 30 de abril de 1863 e terminou em 6 de maio, e marcou o encontro mais significativo entre as forças opostas no que ficou conhecido como Campanha de Chancellorsville.

A campanha de Chancellorsville trouxe o Exército da União de Potomac sob o comando do General Joseph Hooker contra o Exército Confederado da Virgínia do Norte, liderado pelo General Robert E. Lee.

Eventos que antecederam a batalha

A batalha foi uma das várias que aconteceram em decorrência do objetivo federal de tentar tomar a capital confederada, Richmond, na Virgínia. O exército da União havia sido derrotado em quatro grandes confrontos com o mesmo objetivo nos dois anos anteriores.

Como resultado dessas derrotas, o moral estava baixo e o exército da União estava sofrendo com uma alta taxa de deserção. O General Ambrose Burnside queria implementar mudanças generalizadas no Exército do Potomac removendo muitos de seus oficiais mais graduados, mas não conseguiu obter a aprovação necessária do Congresso. Desiludido, ele ofereceu sua renúncia ao presidente, Abraham Lincoln, mas Lincoln o convenceu a aceitar um comando diferente.

O substituto de Burnside como chefe do Exército do Potomac foi Hooker, que empreendeu mudanças sistemáticas com o objetivo de restaurar o moral e melhorar a eficiência. Ele abordou problemas com as condições de vida das tropas, melhorou a qualidade da comida do exército, introduziu melhores exercícios e técnicas de treinamento e simplificou muitas funções administrativas.

Qualquer tentativa de tomar Richmond envolvia o exército da União cruzando o rio Rappahannock e desalojando as forças confederadas de suas fortificações lá, e Hooker percebeu, a partir das campanhas anteriores fracassadas, que usar força bruta não era uma tática que funcionaria.

Hooker começou a reunir suas tropas em Falmouth e elaborou um plano para vencer as forças rebeldes.

Plano de Engajamento

O plano de Hooker era enviar uma grande força para cruzar o rio muito mais a montante e montar um ataque aos confederados pela retaguarda. Esperava-se que essa ação fizesse com que o exército confederado recuasse, porque suas linhas de abastecimento seriam cortadas.

Em 13 de abril, ele despachou 10.000 soldados sob o comando do Major General George Stoneman para cruzar o rio em Sulphur Spring, mas o movimento foi impedido por fortes chuvas, o que tornou a travessia impossível.

Hooker modificou o plano e, desta vez, começou a lançar um ataque aos confederados pela frente e por trás. Stoneman tentaria novamente a travessia, enquanto 42.000 homens tentariam simultaneamente cruzar o rio rio acima em Kelly & # 8217s Ford e seguir para Chancellorsville.

Outros 40.000 soldados sob o comando de John Sedgwick tentariam cruzar o Rappahannock ao sul de Fredericksburg e lançar um ataque ao flanco direito dos Confederados & # 8217, uma seção comandada por Stonewall Jackson.

O restante de seu exército, totalizando cerca de 25.000 homens, permaneceria no acampamento de Falmouth e atuaria como uma força diversionária para ocultar o movimento da pinça dos confederados.

A travessia do rio foi tentada entre 27 e 30 de abril e teve sucesso, encontrando pouca oposição dos rebeldes. Como resultado, Hooker reuniu uma força total de 70.000 em Chancellorsville em 1º de maio.

Apesar de seu exército ser superado em número por mais de dois para um, Lee decidiu dividir sua força em dois e montar uma ofensiva contra os soldados da União. O forte nevoeiro ajudou a confundir o exército da União sobre o que os confederados estavam fazendo.

A batalha

O primeiro confronto da batalha ocorreu pouco antes do meio-dia de 1º de maio. Apesar de sua superioridade numérica, Hooker adotou uma abordagem conservadora. Ele sentiu que sua melhor chance de sucesso era manter uma posição defensiva em torno de Chancellorsville, esperando que os confederados fossem atraídos para atacar suas posições.

Enquanto o exército da União estava relativamente bem protegido em seu flanco esquerdo e no centro, o flanco direito estava menos fortificado. Além disso, Lee foi informado de uma estrada através da floresta que permitiria às suas tropas manobrar para atacar o flanco direito da União, e que as árvores esconderiam seus movimentos dos vigias da União. Lee ordenou que Stonewall Jackson realizasse a manobra de flanco.

A manobra teve mais sucesso do que Lee esperava. O exército da União não apenas falhou em reconhecer o perigo e localizar os soldados confederados se posicionando, eles estavam jantando quando Jackson lançou seu ataque da floresta, levando a uma derrota da União.

Em 2 de maio, Jackson fez questão de aumentar sua vantagem, então ele partiu em uma missão de reconhecimento para ver se um ataque noturno às tropas federais era uma possibilidade. Quando o grupo de batedores voltou para as linhas confederadas, algumas de suas próprias tropas os confundiram com soldados da União e abriram fogo. Jackson foi atingido três vezes e teve que amputar o braço. Ele então sucumbiu a uma infecção que viria a ser fatal e morreu em 10 de maio, no que seria um grande golpe para a causa confederada.

Em 3 de maio, Hooker foi ferido por um projétil de artilharia, mas insistiu em permanecer no comando geral de seu exército. Muitos especialistas militares acham que essa decisão foi crítica e que o desempenho de Hooker & # 8217 no resto da batalha mostrou que sua capacidade de tomar boas decisões foi afetada por seu ferimento.

Hooker’s defensive approach in the battle allowed Lee to send reinforcements to his troops near Fredericksburg, and they managed to push the Union soldiers under Sedgwick back across the river in the early hours of May 5.

Realizing that Sedgwick’s men could not now join him at Chancelorsvile, Hooker decided to retreat and began withdrawing his troops on the night of May 5. Meanwhile, Stoneman and his soldiers, who had not managed to launch any of the attacks that Hooker’s plan called for, also withdrew.

Vítimas

The Union army had a total of 17,197 casualties. 1,606 men were killed in the battle, 9,762 were wounded and 5,919 were captured or reported missing. Confederate casualties totaled 13,303, with 1,665 killed, 9,081 wounded and 2,018 missing or taken prisoner.

While the total casualty figures for both sides were similar, the percentage losses for the Confederates were significantly higher, since they had less than half the number of Union troops in the field. On top of that, they had lost one of their most aggressive commanders, Stonewall Jackson.


Chancellorsville, Battle of

Chancellorsville, Battle of (1863).After the Civil War Battle of Fredericksburg, President Abraham Lincoln gave Gen. Joseph Hooker command of the Army of the Potomac. Hooker planned an aggressive spring campaign to turn the left flank of Gen. Robert E. Lee's Army of Northern Virginia. On 29 April 1863, Hooker left Gen. John Sedgwick with 40,000 men to hold Lee at Fredericksburg and took 90,000 across the Rappahannock River into the densely wooded Virginia Wilderness.

With only 60,000 men, Lee left Gen. Jubal Early at Fredericksburg with 10,000, and sent Gen. “Stonewall” Jackson's Corps to meet Hooker. When Union and Confederate troops clashed in the woods, Hooker faltered, ordered a halt, and later confessed that 𠇏or once I lost confidence in Hooker.”

While Hooker pondered at Chancellorsville, Jackson, at 8:00 A.M. on 1 May, attacked Federals in the Wilderness noting weak resistance, he concluded Hooker would retreat. Lee disagreed, and wanted to hit the Yankees tangled in the woodland. Frontal attacks were unfeasible. If Hooker's right flank could be turned, Lee would divide his force yet again and attack the enemy front and rear. Scouts sought a screened flanking route.

Rumors of Rebels on the right bothered the Federals throughout that day. Hooker convinced himself that the rumored Rebels proved Lee was retreating. Gen. Oliver O. Howard's XI Corps held Hooker's right and its own flank was unprotected. Many warnings of a flanking attack were ignored at Hooker's headquarters—Lee was retreating.

Early on 2 May, a usable road was reported and Lee agreed to let Jackson take 28,000 men on a flank march, leaving 14,000 to pin Hooker down. About 8:00 A.M. , Jackson started a fifteen‐mile trek. His columns crossed part of Hooker's front, were once attacked, but by late afternoon were deployed athwart the Old Turnpike that ran into Chancellorsville behind the Union lines. At 5:15 P.M. Jackson's men attacked, overwhelmed hapless XI Corps outposts, and began “rolling up” Hooker's front. Hooker, occupied by Lee's heavy skirmishing during the afternoon, desperately tried to regroup.

Nightfall and confusion stalled the Confederates and Jackson rode ahead of his lines to find the enemy. Locating the fiercely entrenching Federals, Jackson and aides turned back and, mistaken for Union cavalry, were fired on by a North Carolina regiment. Jackson, mortally wounded, fell from his horse and was carried from the field. Gen. J. E. B. Stuart took command, and hoped to join Lee in a crushing attack on 3 May.

On the 3rd, Sedgwick drove Early from Fredericksburg and tried to reach Chancellorsville. Judging Hooker inert, Lee took 25,000 men to join Early and perhaps capture Sedgwick's corps. Sedgwick barely escaped back across the Rappahannock on 4 May.

With 17,000 casualties, Hooker still outnumbered Lee by two to one but, psychologically beaten, he retreated across the Rappahannock on 5 May. Lincoln anguished: “My God… What will the country say?”

Chancellorsville was Lee's greatest and costliest triumph. Thirteen thousand Confederates fell, and on 10 May 1863, Stonewall Jackson died.

John Bigelow , The Campaign of Chancellorsville , 1910.
Stephen W. Sears , Chancellorsville , 1998.
Carl Smith (Adam Hook, illus.), Chancellorsville 1863: Jackson's Lightning Strike , 1998.


Guerra civil Americana

The Battle of Chancellorsville was a major Civil War battle that took place near the small town of Chancellorsville, Virginia. The South defeated the North despite having a much smaller army due to the superior tactics of Confederate General Robert E. Lee.

When did it take place?

The battle took place over several days in the Spring of 1863 from April 30th to May 6th with the fiercest fighting taking place on May 3rd.

Who were the commanders?

The Confederate Army was led by General Robert E. Lee, commander of the Army of Northern Virginia. Other Confederate commanders included Stonewall Jackson, A.P. Hill, and J.E.B. Stuart.

The Union Army was led by General Joseph Hooker who had been recently appointed commander of the Army of the Potomac. Other Union commanders included George Stoneman, Oliver Howard, and George Meade.

General Robert E. Lee's army was dug into the hills near Fredericksburg, Virginia. He was guarding the way to the Confederate capital of Richmond. Union general Joseph Hooker put together a plan to attack Lee and force him to retreat. He would take part of his army and sneak up on Lee from the side while the rest of his army kept Lee busy from the front. Hooker felt sure of his plan and his victory. He had an overwhelming force of 130,000 Union soldiers and Lee only had 60,000 Confederates.

The battle started out on April 30, 1863 as Union General Hooker had planned. He led a large number of troops to the side of the Confederate Army. He had them trapped. Surely Robert E. Lee would retreat.

Then things started to go wrong. Instead of retreating, Lee attacked Hooker's army at Chancellorsville. The Confederate army quickly split into two forces. Lee sent half of his soldiers, led by General Stonewall Jackson, to attack Hooker's army from the side. The Confederates continued to attack over the next several days. General Lee constantly maneuvered his fewer forces to keep them from getting overwhelmed by the larger Union army.

After several days of fighting, the Union Army was forced to retreat on May 7, 1863. The battle was over and the Confederates had won.

The Confederates won the battle. Despite having fewer than half the number of soldiers, they did not have to retreat and they had inflicted 17,000 casualties on the Union while suffering 13,000 of their own.

Even though they had won the battle, the Confederate Army was considerably weakened. They lost 13,000 of their 60,000 men, which was a large percentage of their soldiers. They also lost one of their best generals when Stonewall Jackson was accidentally shot by his own men.


O general confederado Robert E. Lee deixou o major-general Jubal A. Early para manter Fredericksburg em 1º de maio, enquanto marchava para o oeste com o resto do Exército da Virgínia do Norte para lidar com o ataque principal do major-general Joseph Hooker em Chancellorsville com quatro corpos do Exército do Potomac. Early tinha sua própria divisão, junto com a brigada de William Barksdale da divisão de McLaws e os canhões da reserva de artilharia. Early foi assistido pelo general brigadeiro William Pendleton da reserva de artilharia. A brigada de Cadmus Wilcox chegou em 3 de maio, aumentando a força de Early para 12.000 homens e 45 canhões. A maior parte da força confederada foi implantada ao sul de Fredericksburg.

Logo cedo foi ordenado por Lee para vigiar a força restante da União perto de Fredericksburg, se ele fosse atacado e derrotado, ele deveria recuar para o sul para proteger as linhas de abastecimento confederadas. Se a força da União se movesse para reforçar Hooker, Early deveria deixar uma força de cobertura e reunir-se a Lee com o restante de suas tropas. [5] Em 2 de maio, interpretando mal suas ordens, Early deixou uma brigada em Fredericksburg e começou o resto de sua força em Chancellorsville. Lee corrigiu o mal-entendido e Early então voltou às suas posições naquela noite antes de Sedgwick descobrir a retirada dos confederados. [6]

O major-general John Sedgwick foi deixado perto de Fredericksburg com o VI Corpo de exército, o I Corpo de exército e a divisão do II Corpo de Brig. Gen. John Gibbon. O plano de Hooker exigia que Sedgwick se manifestasse perto da cidade para enganar Lee sobre o plano da União. O VI e o II Corps assumiram o controle de várias travessias em 29 de abril, estabelecendo pontes flutuantes nas primeiras horas da manhã, e as divisões de William T. H. Brooks e James S. Wadsworth cruzaram o rio. O I Corpo de exército recebeu ordens de reforçar o exército principal em Chancellorsville durante a noite de 1º de maio. Durante a noite de 2 de maio, Sedgwick recebeu ordens de atacar Early com suas forças restantes. [7]


Battle of Chancellorsville (May 1 and 2)

On April 27, Maj. Gen. Joseph Hooker led the V, XI, and XII Corps on a campaign to turn the Confederate left flank by crossing the Rappahannock and Rapidan Rivers above Fredericksburg.

Passing the Rapidan via Germanna and Ely’s Fords, the Federals concentrated near Chancellorsville on April 30 and May 1. The III Corps was ordered to join the army via United States Ford. Sedgwick’s VI Corps and Gibbon’s division remained to demonstrate against the Confederates at Fredericksburg. In the meantime, Lee left a covering force under Maj. Gen. Jubal Early in Fredericksburg and marched with the rest of the army to confront the Federals.

Location: Spotsylvania County

Campaign: Chancellorsville Campaign (April-May 1863)

Principal Commanders: Maj. Gen. Joseph Hooker [US] Gen. Robert E. Lee and Maj. Gen. Thomas J. Jackson [CS]

Forces Engaged: 154,734 total (US 97,382 CS 57,352)

Estimated Casualties: 24,000 total (US 14,000 CS 10,000)

Description: On April 27, Maj. Gen. Joseph Hooker led the V, XI, and XII Corps on a campaign to turn the Confederate left flank by crossing the Rappahannock and Rapidan Rivers above Fredericksburg. Passing the Rapidan via Germanna and Ely’s Fords, the Federals concentrated near Chancellorsville on April 30 and May 1. The III Corps was ordered to join the army via United States Ford. Sedgwick’s VI Corps and Gibbon’s division remained to demonstrate against the Confederates at Fredericksburg. In the meantime, Lee left a covering force under Maj. Gen. Jubal Early in Fredericksburg and marched with the rest of the army to confront the Federals. As Hooker’s army moved toward Fredericksburg on the Orange Turnpike, they encountered increasing Confederate resistance. Hearing reports of overwhelming Confederate force, Hooker ordered his army to suspend the advance and to concentrate again at Chancellorsville. Pressed closely by Lee’s advance, Hooker adopted a defensive posture, thus giving Lee the initiative. On the morning of May 2, Lt. Gen. T.J. Jackson directed his corps on a march against the Federal left flank, which was reported to be “hanging in the air.” Fighting was sporadic on other portions of the field throughout the day, as Jackson’s column reached its jump-off point. At 5:20 pm, Jackson’s line surged forward in an overwhelming attack that crushed the Union XI Corps. Federal troops rallied, resisted the advance, and counterattacked. Disorganization on both sides and darkness ended the fighting. While making a night reconnaissance, Jackson was mortally wounded by his own men and carried from the field. J.E.B. Stuart took temporary command of Jackson’s Corps. On May 3, the Confederates attacked with both wings of the army and massed their artillery at Hazel Grove. This finally broke the Federal line at Chancellorsville. Hooker withdrew a mile and entrenched in a defensive “U” with his back to the river at United States Ford. Union generals Berry and Whipple and Confederate general Paxton were killed Stonewall Jackson was mortally wounded. On the night of May 5-6, after Union reverses at Salem Church, Hooker recrossed to the north bank of the Rappahannock. This battle was considered by many historians to be Lee’s greatest victory.

Result(s): Confederate victory

Preservation Priority: I.2 (Class A)

The Battle of Chancellorsville was a major battle of the American Civil War, fought from April 30 to May 6, 1863, in Spotsylvania County, Virginia, near the village of Chancellorsville and the area from there to the east at Fredericksburg. The battle pitted Union Army Maj. Gen. Joseph Hooker's Army of the Potomac against an army half its size, Gen. Robert E. Lee's Confederate Army of Northern Virginia. It is known as Lee's "perfect battle"[3] because of his risky but successful division of his army in the presence of a much larger enemy force. Lee's audacity and Hooker's timid performance in combat combined to result in a significant Union defeat. The Confederate victory was tempered by the mortal wounding of Lt. Gen. Thomas J. "Stonewall" Jackson to friendly fire, a loss that Lee likened to "losing my right arm."

The Chancellorsville campaign began with the crossing of the Rappahannock River by the Union army on the morning of April 27, 1863. Crossing the Rapidan River via Germanna and Ely's Fords, the Federals concentrated near Chancellorsville on April 30 and May 1. Heavy fighting began on May 1 and did not end until the Union forces retreated across the river on the night of May 5–6.

In the Eastern Theater of the American Civil War, the basic offensive plan for the Union had been to advance and seize the Confederate capital, Richmond, Virginia. In the first two years of the war, four major attempts had failed: the first foundered just miles away from Washington, D.C., at the First Battle of Bull Run (First Manassas) in July 1861 Maj. Gen. George B. McClellan's Peninsula Campaign took an amphibious approach, landing his Army of the Potomac on the Virginia Peninsula in the spring of 1862 and coming within 6 miles (9.7 km) of Richmond before being turned back by Gen. Robert E. Lee in the Seven Days Battles that summer, Maj. Gen. John Pope's Army of Virginia was defeated at the Second Battle of Bull Run in December 1862, Maj. Gen. Ambrose Burnside commanded the Army of the Potomac and attempted to reach Richmond by way of Fredericksburg, Virginia, where he was defeated at the Battle of Fredericksburg. (This string of Union defeats was interrupted in September 1862 when Lee moved into Maryland and his campaign was defeated by McClellan at the Battle of Antietam, but this represented no threat to Richmond.) President Abraham Lincoln became convinced that the appropriate objective for his army was actually Robert E. Lee's army, not a geographic features such as a capital city, but he and his generals knew that the most reliable way to bring Lee to a decisive battle was to threaten his capital. Lincoln tried a fifth time with a new general in 1863, Maj. Gen. Joseph Hooker, a man with a pugnacious reputation who had performed well in previous subordinate commands.

The Chancellorsville campaign was potentially one of the most lopsided clashes of the war. At the start of the campaign the Union army had an effective fighting force of 133,868 men on the field of battle the Confederate army numbered less than half that figure, at 60,892.[4] Furthermore, the Union forces were much better supplied and were well-rested after several months of inactivity. Lee's forces, on the other hand, were poorly provisioned and were scattered all over the state of Virginia. Some 15,000 men of the Army of Northern Virginia's First Corps, under Lt. Gen. James Longstreet, had previously been detached and stationed near Norfolk in order to block a potential threat to Richmond from Federal troops stationed at Fort Monroe and Newport News on the Peninsula, as well as at Norfolk and Suffolk. In light of the continued Federal inactivity, by late March Longstreet's primary assignment became that of acting as the Army of Northern Virginia's new commissary, which meant requisitioning provisions for Lee's forces from the farmers and planters of North Carolina and Virginia. As a result of this the two divisions of Maj. Gen John Bell Hood and Brig. Gen. George Pickett were 130 miles (210 km) away from Lee's army and would take a week or more to reach it in an emergency. After nearly a year of campaigning, allowing these troops to slip away from his immediate control was Lee's gravest miscalculation. Although he hoped to be able to call on them, these men would not arrive in time to aid his outmanned forces.

More importantly, the engagement began with a Union battle plan superior to most of the previous efforts by Army of the Potomac commanders. A complete overhaul of the army's Bureau of Military Intelligence, which was commanded by Col. G. H. Sharpe, meant that for once the army's commander had a much more accurate appraisal of the number of troops in Lee's Army of Northern Virginia, of how they were organized, and where they were stationed. Apart from gathering the usual sources of information from interrogating prisoners, deserters, "contrabands" (slaves), and refugees, the bureau for the first time coordinated intelligence from other sources including infantry and cavalry reconnaissance, signal stations, and an aerial balloon corps. Col. Sharpe also recruited scouts from the army and spies from the local population to infiltrate Lee's army and report directly back to the bureau. Overall the new service provided Hooker with a far more accurate estimate of the size of the forces confronting his army than the wild overestimates that had been provided by Allan Pinkerton and his detective agency to Maj. Gen. George B. McClellan during his tenures in command. Armed with this more realistic information, Hooker was able to plan for a flanking attack that, it was hoped, would avoid the bloodbath of direct frontal attacks, which were features of the Battles of Antietam and, more recently, Fredericksburg.

The army started from its winter quarters around Fredericksburg, where it faced Lee across the Rappahannock. Hooker planned a bold double envelopment of Lee's forces, sending four corps on a stealthy march northwest, turning south to cross the Rappahannock and Rapidan rivers, turning east, and striking Lee in his rear. The remaining corps would strike Lee's front through Fredericksburg. Meanwhile, some 7,500 cavalry under Maj. Gen. George Stoneman were to raid deep into the Confederate rear areas, destroying crucial supply depots along the railroad from the Confederate capital in Richmond to Fredericksburg, which would cut Lee's lines of communication and supply. This bold, aggressive plan was later known as Stoneman's Raid.

On April 27–28, the four corps of the Army of the Potomac crossed the Rappahannock and Rapidan rivers in several places, most of them near the confluence of the two rivers and the hamlet of Chancellorsville, which was little more than a large mansion, owned by the Frances Chancellor family, at the junction of the Orange Turnpike and Orange Plank Road. In the meantime, the second force of more than 30,000 men, under Maj. Gen. John Sedgwick, crossed the Rappahannock at Fredericksburg, and Stoneman's cavalry began its movement to reach Lee's rear areas. Because the bulk of his cavalry was used in this way Hooker, who believed that cavalry could not operate efficiently in the heavily wooded Wilderness south of the Rappahannock, was left with only one cavalry brigade with which to operate with his main flanking force. The Confederate cavalry forces commanded by Maj. Gen. J.E.B. Stuart would play a dominant role in the upcoming campaign by providing Lee with a constant flow of information while denying Hooker similar information from his own cavalry.

By May 1, Hooker had approximately 70,000 men concentrated in and around Chancellorsville. From his Fredericksburg headquarters, Lee decided to violate one of the generally accepted Principles of War and divide his force in the face of a superior enemy, hoping that aggressive action would allow him to attack and defeat a portion of Hooker's army before it could be fully concentrated against him. He left behind a brigade under Brig. Gen. William Barksdale on heavily fortified Marye's Heights and one division, 12,000 men under Maj. Gen. Jubal A. Early, on Prospect Hill to resist any advance by Sedgwick's corps, and he ordered Stonewall Jackson to march west and link up with Maj. Gen. Richard H. Anderson, assembling 40,000 men to confront Hooker at Chancellorsville. Fortunately for the Confederates, heavy fog along the Rappahannock masked some of these westward movements and Sedgwick chose to wait until he could determine the enemy's intentions.

May 1–2
Chancellorsville battle on May 1 and 2

Dowdall's Tavern was Union General Oliver O. Howard's headquarters until he was surprised and driven by Stonewall Jackson's Confederate troops at the Battle of Chancellorsville, 1863.

Wilderness Church at Chancellorsville was the center of a stand made by Union general Schurz's division after Confederates under Stonewall Jackson made a surprise flank attack. The stand was brief as the Confederates smashed through and continued to roll up the Eleventh Corps (under command of General Oliver O. Howard).

At the same time that General Jackson was marching west to join with Anderson on the morning of May 1, Hooker ordered an advance to the east to strike Anderson, pushing his men out of the impenetrable thickets and scrub pine that characterized the area. This was seen by many Union commanders as a key to victory. If the larger Union army fought in the woods, known as the Wilderness of Spotsylvania, its huge advantage in artillery would be minimized, since artillery could not be used to any great effect in the Wilderness. Fighting began between the Confederate division of Maj. Gen. Lafayette McLaws and the rightmost division of Maj. Gen. George G. Meade's V Corps, under Maj. Gen. George Sykes. Sykes began an orderly withdrawal, covered by Maj. Gen. Winfield S. Hancock's division.

Despite being in a potentially favorable situation, Hooker halted his brief offensive. His actions may have demonstrated his lack of confidence in handling the complex actions of such a large organization for the first time (he had been an effective and aggressive division and corps commander in previous battles), but he had also decided before beginning the campaign that he would fight the battle defensively, forcing Lee, with his small army, to attack Hooker's larger one. At the [First] Battle of Fredericksburg (December 13, 1862), the Union army had done the attacking and met with a bloody defeat. Hooker knew Lee could not sustain such a defeat and keep an effective army in the field, so he ordered his men to withdraw back into the Wilderness and take a defensive position around Chancellorsville, daring Lee to attack him or retreat with superior forces at his back.

Lee accepted Hooker's gambit and planned an attack for May 2. On the night before, Lee and Lt. Gen. Thomas J. "Stonewall" Jackson, came up with a risky plan that would once again split his already divided army. Jackson would lead his Second Corps of 28,000 men around to attack the Union right flank. Lee, on the other hand, would exercise personal command of the other 12,000 (the other half of Longstreet's First Corps, commanded directly by Lee during the battle) facing Hooker's entire 70,000 man force at Chancellorsville.

For this to work, several things had to happen. First, Jackson had to make a 12-mile (19 km) march via roundabout roads to reach the Union right, and he had to do it undetected. Second, Lee had to hope that Hooker stayed tamely on the defensive. Third, Early would have to keep Sedgwick bottled up in Fredericksburg. And when Jackson launched his attack, he had to hope that the Union forces were unprepared.

All of these conditions were met. Confederate cavalry under Stuart kept the Union forces from spotting Jackson on his long flank march, which took almost all day. The only sighting came shortly after Jackson's corps disengaged from Union forces south of Chancellorsville, and this worked to the Confederates' advantage—Hooker thought that his cavalry under Stoneman had cut Lee's supply line and that Lee was about to retreat. Therefore, he stayed right where he was and never contemplated an all-out attack, sending only his III Corps of 13,000 men under Maj. Gen. Daniel Sickles forward. Sickles captured a handful of Second Corps men and then stopped.

At Fredericksburg, Sedgwick and Hooker were unable to communicate with one another because of a failure of telegraph lines. When Hooker finally got an order to Sedgwick late on the evening of May 2 ordering him to attack Early, Sedgwick failed to do so because he mistakenly believed Early had more men than he did.

But what led most of all to the impending Union disaster was the incompetent performance of the commander of the Union XI Corps, Maj. Gen. Oliver O. Howard. Howard, whose 11,000 men were posted at the far right of the Union line, failed to make any provision for his defense in case of a surprise attack, even though Hooker ordered him to do so. The Union right flank was not anchored on any natural obstacle, and the only defenses against a flank attack consisted of two cannons pointing out into the Wilderness. Also, the XI Corps was a unit with poor morale. Originally commanded by Brig. Gen. Franz Sigel and composed heavily of German immigrants, they were resentful when Sigel was replaced by the non-Germanic Howard. Many of the immigrants had poor English language skills and they were subjected to ethnic friction with the rest of the Army of the Potomac. The corps' readiness was poor as well—of the 23 regiments, eight had no combat experience, and the remaining 15 had never fought on the winning side of a battle.

Chancellor House was the headquarters of General Joseph Hooker during the Battle of Chancellorsville, 1863. The general was knocked off his feet with a possible concussion when a Confederate artillery round smashed into a column that he was standing beside. Later, the general would take flight leaving the house to fall prey to heavy Confederate fire.

Around 5:30 p.m., Jackson's 26,000 men came running out of the Wilderness and hit Howard's corps by surprise while most of them were cooking dinner. More than 4,000 of them were taken prisoner without firing a shot, and most of the remainder were routed. Only one division of the XI Corps made a stand, and it was soon driven off as well. By nightfall, the Confederate Second Corps had advanced more than two miles (3 km), to within sight of Chancellorsville, and was separated from Lee's men only by Sickles's corps, which remained where it had been after attacking that morning.

Hooker, concerned about Sickles's ability to hold what was now a salient into the Confederate lines, pulled the III Corps back to Chancellorsville that night. This gave the Confederates two advantages—it reunited Jackson and Lee's forces, and it gave them control of an elevated clearing in the woods known as Hazel Grove, one of the few places in which artillery could be used effectively. (Sickles was quite bitter about giving up this high ground his insubordinate actions at the Peach Orchard in the Battle of Gettysburg two months later were probably influenced strongly by this incident.)

Jackson's mistake came when he was scouting ahead of his corps along the Orange Plank Road that night. Having won a huge victory that day, Jackson wanted to press his advantage before Hooker and his army could regain their bearings and plan a counterattack, which might still succeed because of the sheer disparity in numbers. He rode out onto the plank road that night on horseback to determine the feasibility of a night attack by the light of the full moon, and, upon his return, he and his staff were incorrectly identified as Union cavalry by men of the Second Corps, who hit him with friendly fire. The wound was not life-threatening, but Jackson contracted pneumonia after his arm was amputated, and he died on May 10. His death was a devastating loss for the Confederacy. Some historians and participants—particularly those of the postbellum Lost Cause movement—attribute the Confederate defeat at Gettysburg two months later to Jackson's death.


Assista o vídeo: Battle of Chancellorsville Part 1. 2 - 1863. American Civil War (Dezembro 2021).