A história

Áries PHM-5 - História

Áries PHM-5 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Áries

III

(PHM-5: dp. 214 (f.); 1. 133'0 "; b. 18'0"; dr. 6'0 "; s. 51 k .; cpl. 21; a. 176 mm., 8 arpão; cl. Pegasus)

O terceiro Áries (PHM-5) foi estabelecido em 7 de janeiro de 1980 em Seattle (Renton), Wash., Pela Boeing Marine Systems; lançado em 5 de novembro de 1981; patrocinado pela Sra. Earl B. Fowler, esposa do vice-almirante Earl B. Fowler, comandante do Comando de Sistemas Navais; e foi comissionado no Estaleiro Naval de Puget Sound em 18 de setembro de 1982, o tenente Comdr. Carl E. Weiscopf no comando.

Áries operou em Puget Sound até 23 de novembro, quando partiu para Key West, Flórida, seu porto de origem. Ela fez ligações para San Francisco e San Diego no caminho para a costa da Califórnia. A canhoneira hidrofólio de mísseis guiados cruzou o Canal do Panamá em 11 de dezembro e chegou a Key West no dia 15. Após as férias, o navio de guerra começou a operar em sua base. Os julgamentos de aceitação ocorreram no final de janeiro de 1983 e, em fevereiro, ela realizou sua primeira operação policial contra traficantes de drogas em cooperação com a Guarda Costeira. Arch e April trouxeram o dever de treinamento em Key West e mais duas missões auxiliando a Guarda Costeira em seus esforços para conter o fluxo de drogas ilegais para os Estados Unidos. Em cada instância, Aries embarcou um destacamento de Guardas Costeiros e cumpriu a missão sob o controle operacional do Comandante, Distrito 7 da Guarda Costeira, com base em Miami, Flórida. No início de maio, ela entrou no pátio de Dique Seco Atlântico em Jacksonville, Flórida. ., por seis semanas de reparos e modificações pós-redução. No meio de junho, a canhoneira hidrofólio de mísseis guiados voltou a Key West e retomou seu horário normal de serviço fora de seu porto de origem. Embora a maior parte de suas operações no resto do ano consistisse em evoluções de treinamento de rotina, testes e calibrações e verificações de equipamentos, Aries participou de outra varredura anti-luta durante a segunda semana de agosto e visitou Nassau nas Bahamas no final daquele mês.

O dever normal nas águas perto de Key West manteve Áries ocupado pelo resto de 1983 e durante as primeiras semanas de 1984. Em fevereiro de 1984, o navio de guerra expandiu sua esfera de operações para incluir o Golfo do México e a costa leste da América Central . No final de abril, ela participou do Exercício "Ocean Venture 84" e, em maio, visitou New Orleans para a feira mundial. Aries voltou a Key West para as operações normais no final de maio e no início de junho. Em 11 de junho, entretanto, ela partiu de Key West para as águas ao redor de Porto Rico para participar da fase inicial da UNITAS XXV, a edição de 1984 da série anual de exercícios multilaterais realizados com unidades de várias marinhas latino-americanas. No final de junho, a canhoneira hidrofólio de mísseis guiados voltou para Key West para retomar o serviço normal. Em agosto, Áries participou de manobras realizadas na costa leste da América Central. De volta a Key West no final de agosto, ela começou a operar novamente em um cronograma de treinamento.

A canhoneira hidrofólio de mísseis guiados passou o resto de 1984 e a primeira parte de 1985 engajados em operações nas imediações de Key West. Em março, ela viajou para Porto Rico para participar de um exercício de preparação, READEX 1-85. Mais tarefas fora de seu porto de origem ocuparam o tempo do navio de guerra em abril. No início de maio, ela viajou para Onslow Beach, N.C., onde participou do exercício "Solid Shield 85." Em meados de junho, Áries encontrou novamente as águas próximas a Porto Rico para a fase inicial da UNITAS XXVI. Durante julho e início de agosto, o navio de guerra realizou operações normais de sua base em Key West. Seu terceiro exercício de preparação da frota ocupou a última quinzena de agosto. Em setembro, Aries retomou as operações locais de Key West e permaneceu ocupado pelo resto de 1985.

No final da primeira semana de janeiro de 1986, ela se mudou para Mayport, Flórida, para uma disponibilidade de três meses. No final de abril, ela voltou para Key West, de onde operou até o final de julho. Naquela época, ela embarcou em um cruzeiro que a levou ao Caribe para mais um exercício da UNITAS, durante o qual fez escalas em La Guaira, Venezuela, e em St. John's, Antigua. Áries voltou a Key West em 14 de agosto e realizou missões de treinamento local até meados de outubro. Em 14 de outubro, a canhoneira hidrofólio de mísseis guiados zarpou para Little Creek, Virgínia, para participar de um projeto especial para o Chefe de Operações Navais. Nos dois meses seguintes, ela dividiu seu tempo entre seu porto de origem e as operações ao largo do cabo da Virgínia. Ela concluiu seu trabalho de desenvolvimento para 1986 em 12 de dezembro e voltou para Key West no dia 16. Áries reentrou em seu porto de origem em 17 de dezembro e passou o resto do ano nas proximidades. No início de 1987, ela estava no porto de Key West.


USS Áries (PHM-5)

USS Áries (PHM-5) foi o quinto navio de sua classe de hidrofólios operado pela Marinha dos Estados Unidos. Pegasus os navios da classe eram projetados para alta velocidade e mobilidade e carregavam um armamento poderoso (para seu tamanho). Áries foi nomeado para a constelação.

Áries foi estabelecido em 7 de janeiro de 1980 em Renton, Seattle, Washington, pela Boeing Integrated Defense Systems, lançado em 5 de novembro de 1981, patrocinado pela Sra. Earl B. Fowler, esposa do vice-almirante Earl B. Fowler, Comandante, Naval Sea Systems Comandou e foi comissionado no Estaleiro Naval de Puget Sound em 18 de setembro de 1982, o Tenente Comandante Carl E. Weiscopf no comando.


Conteúdo

No final da década de 1960, a OTAN desenvolveu a exigência de um navio de guerra pequeno e rápido para enfrentar um grande número de barcos com mísseis do Pacto de Varsóvia, como as classes Komar e Osa, decidindo que um hidrofólio seria a melhor maneira de atender a essa exigência. Em 1970, o almirante Elmo Zumwalt, o novo Chefe de Operações Navais (CNO), desejoso de aumentar o número de navios de superfície da Marinha de maneira econômica, comprometeu os Estados Unidos com o programa da OTAN para um hidrofólio. A Marinha dos Estados Unidos propôs o projeto do PHM como um padrão da OTAN, com o programa sendo liderado pela Marinha dos Estados Unidos, e um pedido feito para dois protótipos em 1972. [1] A Marinha Italiana e a Alemanha Ocidental Bundesmarine assinou cartas de intenção para participar do programa com outras marinhas da OTAN, incluindo a Marinha Real e as Forças Canadenses que estudam o projeto. [2] A Marinha dos Estados Unidos planejava comprar até 30 PHMs, com 10 a serem comprados pela Alemanha Ocidental e quatro pela Itália. [2] [3] [4]

Após a aposentadoria de Zumwalt, a Marinha decidiu canalizar a maior parte do dinheiro para os PHMs em navios maiores. Isso atrasou a construção em curso de Pegasus, e as demais embarcações não foram iniciadas. O Congresso acabou forçando a Marinha a concluir as embarcações. As dificuldades na progressão do projeto forçaram as outras marinhas envolvidas a abortar sua participação.

o PegasusOs navios da classe eram movidos por dois motores diesel Mercedes-Benz turboalimentados de 800 cavalos (600 kW) quando na água, usando jatos d'água (projetados pela Aerojet), [5] dando-lhes uma velocidade de 12 nós (22 km / h 14 mph). Quando foilborne, os navios foram movidos por uma turbina a gás General Electric LM2500 e um jato de água muito grande, dando-lhes uma velocidade de mais de 48 nós (89 km / h 55 mph).

Pegasus os navios estavam bem armados para seu tamanho, carregando dois mísseis anti-navio RGM-84 Harpoon de quatro cremalheiras e um canhão Oto Melara de 76 mm. Os Harpoons, especificamente, eram capazes de afundar navios muito maiores a distâncias superiores a 60 milhas náuticas (110 km). A versão da Alemanha Ocidental levaria o MM38 Exocet.

Como Pegasus foi construído vários anos antes do resto da série, existem algumas pequenas diferenças, como o sistema de controle de fogo.

Todas as seis embarcações foram construídas pela Boeing, em Seattle, na fábrica da Renton, no extremo sul do Lago Washington. Eles estavam estacionados em NAS Key West. Os contratantes principais, junto com a Boeing, foram Sperry Corporation para o sistema de controle de fogo MK 92 Mod 1, Hollandse Signaalapparaten e Sperry Corp. (sob licença) para o sistema de controle de fogo WM 28, OTO-Melara para arma de 76 mm e NAVSEC para suporte de projeto. [6]

A tecnologia foi pioneira pela USS Tucumcari (PGH-2), onde operou com sucesso no Vietnã, mas acabou encalhando em Porto Rico. Foi considerado mais avançado do que o Grumman Flagstaff que foi construído ao mesmo tempo com os mesmos requisitos. A tecnologia primária, também usada nas balsas Boeing Jetfoil, usava lâminas voadoras submersas com propulsão a jato de água.

Os navios foram aposentados porque não foram considerados eficazes em termos de custo para sua missão em uma Marinha com missões principalmente ofensivas, em vez de patrulha costeira. USS Áries PHM-5 Hydrofoil Memorial, Inc. obtido Áries para reabilitação como um memorial localizado no Grand River em Brunswick, Missouri em 39 ° 25′15 ″ N 93 ° 7′47 ″ W / 39,42083 ° N 93,12972 ° W / 39,42083 -93,12972. Todos os outros PHMs da classe foram vendidos para sucata. No início dos anos 2000 Gêmeos foi convertido em um iate, mas foi abandonado por seus proprietários na década de 2010 e sucateado em 2017. [7]


Endereço para consultas:
USS Áries Memorial Hydrofoil
Sr. Eliot James, presidente
110 Oak St
Gasconade, MO 65061
(660) 269-9200
Faxe: (660) 269-9205
Email: [email protected]
http://www.ussaries.org
Latitude: 38.670851, Longitude: -91.552771
Google Maps, Microsoft Bing, Yahoo Maps, Mapquest

USS Áries foi portada em casa em Key West durante a maior parte de seus 11 anos de serviço. Ela conduziu operações de aplicação da lei contra contrabandistas em cooperação com a Guarda Costeira no Golfo do México e na costa leste da América Central. Ela participou de vários exercícios de frota, incluindo as séries & # 8220Ocean Venture & # 8221 e & # 8220Solid Shield & # 8221. Ela também participou de vários exercícios da UNITAS com as Marinhas da América do Sul e Central. Ela e os outros cinco navios da classe foram desativados em 1993 com a redução da frota da Marinha dos Estados Unidos.

Áries agora está localizada no Grand River Waterfront em Brunswick, Missouri. Os esforços de restauração estão em andamento. Ela abriu para turnês públicas em outubro de 2002.


Nosso HISTÓRIA

As raízes de Áries remontam a meados da década de 1960, quando o fundador fez experiências com câmeras de cinema de 8 mm e encontrou uma maneira de tirar fotos quadro a quadro. Isso levou à criação de um serviço de inspeção de tubulação de esgoto subterrâneo que faz uso desta invenção. Este serviço foi incorporado como Photo Inspection Corporation, PIC, e realizou inspeções de esgoto em todo o Centro-Oeste. Este trabalho demonstrou aos municípios e empreiteiros o enorme valor da inspeção interna dos sistemas de esgoto. PIC acabou sendo vendido.

Então, na década de 1980, melhorias substanciais na tecnologia de vídeo, incluindo gravação de vídeo e câmeras de vídeo em miniatura, levaram a um interesse renovado em equipamentos de inspeção subterrânea pelos fundadores, agora usando vídeo em vez de filme. Desta vez, o foco estava no hardware e no equipamento de suporte e nasceu o Áries.


Navios de patrulha aposentados USN & # 8211

Arte do USS Gallup PG-85, cortesia do Comando de História e Herança Naval NH 85570-KN (autor desconhecido) Estes são provavelmente USS Chehalis (1969) e USS Grand Rapids (1977), ambos recentemente vendidos, com o ex-USS Chehalis sucateado.

USS Canon PG-90 (1968-1977) Serviu no Vietnã e foi amplamente danificado por foguetes em terra. Instalado nas Instalações de Navios Inativos da Filadélfia, atualmente em espera para possível preservação.

A USS Canon PG-90 está a bordo de uma embarcação de patrulha ligeiramente mais longa e muito semelhante, cujas dimensões são aproximadamente 188 e # 8242 de comprimento por 25 & # 8242 de feixe máximo. A embarcação é virtualmente idêntica na proa e na ponte, alongada no tombadilho / popa com o que parece ser um grande funil retangular, sugerindo propulsão diferente. O navio parece ser algum tipo de variante de Asheville, ou modelo de exportação, como um PSMM Mark 5 construído para a Coréia do Sul ou Taiwan, mas alongado além do que outras fontes sugerem. Dada a arma de convés calibre 3 & # 824350, parece ser construída em Tacoma. Nesse caso, todos os armamentos e acessórios de mísseis atrás do funil foram removidos.

Classe PCE-842 LOA 184 e # 8242 TDISP 850 toneladas

ex-USS PCE-897 (1945) transferido para a Marinha das Filipinas em 1948 como BRP Iloilo PS-32 descomissionado em 2016

Caçadores de submarinos classe SC-497 LOA 111 e # 8242 TDISP 100 toneladas (438 construídos, 17 perdidos, 2 preservados)

SC-715 (1943-1946). Serviço WW2 no Atlântico e no Pacífico. Transferido para a Guarda Costeira como USCGC Air Killdeer WAVR 433 (1946-1948) vendido em particular como MV Cape Pine 1951. Barco de pesca em BC e agora um barco fretado de Pender Harbor, BC.

Navios de patrulha hidrofólio

Classe Pegasus barcos de patrulha de ataque rápido LOA 133 e # 8242 TDISP 255 toneladas (6 construídos, 1 preservado)

O USS Aries PHM-5 (1982-1993) atualmente está tentando criar um museu do hidrofólio com várias embarcações preservadas. Navios originalmente armados com armamento de 76 mm e arpão para mísseis de 8 mísseis na popa.

Áries está com o arco e a popa dobrados para fora d'água e todo o armamento removido.

O USS Gemini PHM-6 (1982-1993) aposentou-se perto de Wilmington NC, adquirido por proprietários particulares que o converteram em 2006 em um iate particular. Vendido novamente e voltou ao mesmo local em 2009. Em 2011, foi abandonado no local, e o proprietário o descartou em 2014. Um vídeo do youtube mostra visualizações de conversão [link].

É possível que este seja o ex-USS Gemini PHM-6 sendo convertido para o iate Gemini. 3 anos depois de deixar o ferro-velho onde foi reconstruída, Gemini voltou para a mesma área perto de Wilmington NC. Gemini mostra um trabalho considerável para transformar o navio em um iate. As características incluem um deck de popa para jet-ski, jacuzzi e deck de observação de dois níveis. Ela também atualizou os motores a diesel. Destes quatro hidrofólios aposentados da classe Pegasus, apenas o ex-USS Gemini inicialmente evitou o sucateamento, sendo convertido em iate.

USS Plainview AGEH-1 (1969-1978) hidrofólio único. LOA 220 e # 8242 TDISP 310 toneladas. Demolição em Hungry Harbor WA, em curso por muitos anos.

USS High Point PCH-1 (1963-1980) primeiro hidrofólio da Marinha dos EUA. LOA 115 & # 8242 TDISP 110 toneladas Em restauração perto de Astoria, OR, para preservação como navio-museu.


Lubrificador de reabastecimento de frota classe Cimarron

A classe Cimarron era uma classe de cinco petroleiros de reabastecimento que serviram na Marinha dos Estados Unidos entre 1981 e 1999. Esses navios foram dimensionados para fornecer dois reabastecimentos completos de um porta-aviões movido a combustível fóssil e seis a oito contratorpedeiros acompanhantes. Todos os cinco da classe foram aumentados em 1990-92 ao serem cortados em dois e uma seção de 108 pés inserida, aumentando suas capacidades de 120.000 bbls para 180.000 bbls, adicionando capacidade para 300 toneladas de munições e melhorando as capacidades de reposição em andamento. A classe foi aposentada em 1998-99 após menos de 20 anos de serviço como resultado das reduções da força pós-Guerra Fria e do advento dos lubrificadores da classe Henry J. Kaiser, mais econômicos, movidos a diesel.

Os petroleiros da classe Cimarron eram uma classe de reabastecimento de petroleiros que foram construídos pela primeira vez em 1939 como petroleiros de defesa nacional, Estados Unidos
serviu na década de 1970, em alguns casos até a Guerra do Golfo. Lubrificador de reabastecimento de frota classe Cimarron, um navio de reabastecimento multifuncional mais rápido com helicóptero
O USS Monongahela AO-178 foi um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron comissionado na Marinha dos Estados Unidos de 1981 a 1999. Monongahela foi colocado
USS Platte AO - 24 foi um lubrificador da classe Cimarron lançado em 1939 e sucateado em 1971. USS Platte AO - 186 foi um lubrificador de reabastecimento da frota da classe Cimarron lançado em
EUA O Cimarron AO-177 era o navio-chefe do Cimarron - classe de frota petroleiros da Marinha dos Estados Unidos. Cimarron foi construído nos Estaleiros de Avondale
A classe Kaiser é uma classe americana de dezoito lubrificadores de reabastecimento de frota que começou a construção em agosto de 1984. A classe compreende quinze lubrificadores que
O USS Salamonie AO-26 era um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron com o nome do rio Salamonie, em Indiana. Salamonie foi deposto em 5 de fevereiro de 1940
foram desativados logo depois em favor da classe Cimarron, maior e mais rápida, Kennebec, Merrimack, Kankakee, Mattaponi, Monongahela, Tappahannock
USS Chemung AO-30, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, foi o segundo navio com o nome do rio Chemung em New
USS Sabine AO-25, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, foi o segundo navio com o nome do Rio Sabine no
O USS Willamette AO - 180 foi o quarto navio da classe Cimarron de petroleiros de reabastecimento de frota da Marinha dos Estados Unidos em serviço de 1981 a 1999

O USS Cimarron AO-22 era um petroleiro da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos e o segundo navio a ser batizado com o nome do rio Cimarron no sudoeste
USS Guadalupe AO-32, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron que serviu na Marinha dos Estados Unidos, foi batizado em homenagem ao rio Guadalupe, no Texas.
O USS Merrimack AO-179 foi o terceiro navio do Cimarron - classe de frotas petroleiras da Marinha dos Estados Unidos. Merrimack foi construído nos estaleiros de Avondale
USS Kaskaskia AO-27 era um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, batizado em homenagem ao rio Kaskaskia, em Illinois. Kaskaskia
O Navio da Marinha dos Estados Unidos USNS Kanawha T - AO - 196 é um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Henry J. Kaiser da Marinha dos Estados Unidos em serviço não comissionado no
Lubrificador de reabastecimento de frota da classe Kaiser da Marinha dos Estados Unidos. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelo reabastecimento da frota da classe Cimarron, mais curto
O USNS Walter S. Diehl T-AO-193 é um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Henry J. Kaiser da Marinha dos Estados Unidos. Ela foi nomeada em homenagem ao Capitão Walter Stuart
USNS Laramie T-AO-203 é um lubrificador de reabastecimento em curso da classe Henry J. Kaiser operado pelo Comando de Transporte Marítimo Militar para apoiar os navios dos Estados Unidos
Frota do Atlântico dos Estados Unidos Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento da frota da classe Cimarron, mais curtos, que Patuxent tem uma visão geral
o Pacífico. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento de frota da classe Cimarron, mais curtos, que Guadalupe tem um comprimento total
Marinha dos Estados. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos lubrificadores de reabastecimento de frota da classe Cimarron, mais curtos, que John Ericsson tem um comprimento total

tempestade e ela abasteceu navios como a Quinta e Melhor Frota Oiler antes de se tornar a preferida Oiler do Golfo Pérsico. Ela voltou para Norfolk 28
Os petroleiros da classe Chicopee eram petroleiros operados pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Havia dois navios da classe e ambos sobreviveram ao
A classe Kaiser é uma classe de lubrificadores de reabastecimento de frota cuja construção começou em agosto de 1984. Esta classe é composta de dezoito reabastecimento em andamento
A Marinha considerou o mínimo necessário para um lubrificador de frota O T2 e suas variantes vêem o lubrificador da classe Kennebec, porém usaram turbina a vapor com engrenagem convencional
O USS Chukawan AO-100 foi um petroleiro de frota da classe Cimarron construído para a Marinha dos Estados Unidos nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial. Chukawan AO - 100 foi lançado
USS Elokomin AO-55 era um petroleiro de frota da classe Cimarron adquirido pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Ela serviu seu país principalmente no Oceano Atlântico
USS Marias AO-57 era um petroleiro de frota da classe Cimarron adquirido pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Ela serviu seu país principalmente no Oceano Pacífico
qualquer lubrificador da classe Cimarron e foi o último lubrificador construído na Segunda Guerra Mundial. Algumas fontes listam este navio como classe Mispillion ou classe Cimarron The

  • Os petroleiros da classe Cimarron eram uma classe de reabastecimento de petroleiros que foram construídos pela primeira vez em 1939 como petroleiros de defesa nacional, Estados Unidos
  • serviu na década de 1970, em alguns casos até a Guerra do Golfo. Lubrificador de reabastecimento de frota classe Cimarron, um navio de reabastecimento multifuncional mais rápido com helicóptero
  • O USS Monongahela AO-178 foi um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron comissionado na Marinha dos Estados Unidos de 1981 a 1999. Monongahela foi colocado
  • USS Platte AO - 24 foi um lubrificador da classe Cimarron lançado em 1939 e sucateado em 1971. USS Platte AO - 186 foi um lubrificador de reabastecimento da frota da classe Cimarron lançado em
  • EUA O Cimarron AO-177 era o navio-chefe do Cimarron - classe de frota petroleiros da Marinha dos Estados Unidos. Cimarron foi construído nos Estaleiros Avondale
  • A classe Kaiser é uma classe americana de dezoito lubrificadores de reabastecimento de frota que começou a construção em agosto de 1984. A classe compreende quinze lubrificadores que
  • O USS Salamonie AO-26 era um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron com o nome do rio Salamonie, em Indiana. Salamonie foi deposto em 5 de fevereiro de 1940
  • foram desativados logo depois em favor da classe Cimarron, maior e mais rápida, Kennebec, Merrimack, Kankakee, Mattaponi, Monongahela, Tappahannock
  • USS Chemung AO-30, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, foi o segundo navio com o nome do rio Chemung em New
  • USS Sabine AO-25, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, foi o segundo navio com o nome do Rio Sabine no
  • O USS Willamette AO - 180 foi o quarto navio da classe Cimarron de petroleiros de reabastecimento de frota da Marinha dos Estados Unidos em serviço de 1981 a 1999
  • USS Cimarron AO-22 era um petroleiro da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos e o segundo navio a ser batizado com o nome do rio Cimarron no sudoeste
  • USS Guadalupe AO-32, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron que serviu na Marinha dos Estados Unidos, foi batizado em homenagem ao rio Guadalupe, no Texas.
  • O USS Merrimack AO-179 foi o terceiro navio do Cimarron - classe de frotas petroleiras da Marinha dos Estados Unidos. Merrimack foi construído nos estaleiros de Avondale
  • USS Kaskaskia AO-27 era um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, batizado em homenagem ao rio Kaskaskia, em Illinois. Kaskaskia
  • O Navio da Marinha dos Estados Unidos USNS Kanawha T - AO - 196 é um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Henry J. Kaiser da Marinha dos Estados Unidos em serviço não comissionado no
  • Lubrificador de reabastecimento de frota da classe Kaiser da Marinha dos Estados Unidos. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelo reabastecimento da frota da classe Cimarron, mais curto
  • O USNS Walter S. Diehl T-AO-193 é um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Henry J. Kaiser da Marinha dos Estados Unidos. Ela foi nomeada em homenagem ao Capitão Walter Stuart
  • USNS Laramie T-AO-203 é um lubrificador de reabastecimento em curso da classe Henry J. Kaiser operado pelo Comando de Transporte Marítimo Militar para apoiar os navios dos Estados Unidos
  • Frota do Atlântico dos Estados Unidos Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento da frota da classe Cimarron, mais curtos, que Patuxent tem uma visão geral
  • o Pacífico. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento da frota mais curtos da classe Cimarron. Guadalupe tem um comprimento total
  • Marinha dos Estados. Os petroleiros da classe Henry J. Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento de frota da classe Cimarron, mais curtos, que John Ericsson tem um comprimento total
  • tempestade e ela abasteceu navios como a Quinta e Melhor Frota Oiler antes de se tornar a preferida Oiler do Golfo Pérsico. Ela voltou para Norfolk 28
  • Os petroleiros da classe Chicopee eram petroleiros operados pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Havia dois navios da classe e ambos sobreviveram ao
  • A classe Kaiser é uma classe de lubrificadores de reabastecimento de frota cuja construção começou em agosto de 1984. Esta classe é composta de dezoito reabastecimento em andamento
  • A Marinha considerou o mínimo necessário para um lubrificador de frota O T2 e suas variantes vêem o lubrificador da classe Kennebec, porém usaram turbina a vapor com engrenagem convencional
  • O USS Chukawan AO-100 foi um petroleiro de frota da classe Cimarron construído para a Marinha dos Estados Unidos nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial. Chukawan AO - 100 foi lançado
  • USS Elokomin AO-55 era um petroleiro de frota da classe Cimarron adquirido pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Ela serviu seu país principalmente no Oceano Atlântico
  • USS Marias AO-57 era um petroleiro de frota da classe Cimarron adquirido pela Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Ela serviu seu país principalmente no Oceano Pacífico
  • qualquer lubrificador da classe Cimarron e foi o último lubrificador construído na Segunda Guerra Mundial. Algumas fontes listam este navio como classe Mispillion ou classe Cimarron The

Sealift setembro de 2020 pelo Military Sealift Command issuu.

Classe e tipo: lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron. Deslocamento: 7,470 toneladas longas 7,590 t leves 24,830 toneladas longas 25,228 t em plena carga. AO 177 Cimarron Glob. Após concluir o Treinamento Básico e a Escola de Serviços, Ron foi designado para o navio lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron, o USS Kaskaskia.

Este petroleiro salvou os transportadores americanos em Coral Sea We Are The.

Lubrificador de classe Chicopee. Lubrificador de classe Chiwawa. Lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron. Lubrificador da classe Cimarron 1939. Lubrificador da classe Kennebec. Lubrificador de classe Patoka. Lubrificador da Marinha - Politico. Imagens do navio de lubrificação de reabastecimento da frota da Marinha dos EUA USS Gaudalupe AO 32. Consulte Mais informação. USNWS 00087 A Marinha dos EUA USS Guadalope A0 32 ,.

USS Kaskaskia AO 27 1940 1969 Mesothelioma Resource Online.

Óleo de reabastecimento da frota do Comando de Transporte Marítimo da Marinha dos EUA USNS US MARVY Marinha dos Estados Unidos Versorger Cimarron Klasse Cimarron Class Oiler USS. USS Salamonie AO 26 Lubrificador de Reabastecimento Remendo de Navio Auxiliar. Eles estavam armados e equipados com equipamento de reabastecimento em andamento em suas primeiras reformas. Um Cimarron poderia reabastecer simultaneamente dois navios de guerra, um em cada viga.

Modelos SD Modelos Auxiliares de Navios Modelos Fleet Oiler AO.

Ele serviu na Marinha durante a Guerra do Vietnã a bordo do USS Salamonie, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron. Ele era um membro de Jerusalém. R8 9, Missão de Honra de Notificação Curta Robert Stevens, Sênior, Marinha dos EUA. Transformar um petroleiro civil em um petroleiro de frota envolveu um trabalho extenso. O vapor com a frota também exigia um forte conjunto de canhões AA, com o Cimarron sendo equipado logo foi superado, e o reabastecimento em andamento logo se tornou uma rotina. Começa com o lubrificador em um curso constante a uma velocidade constante. Lubrificador Banco de imagens e fotos Alamy. Remendo da tampa da Marinha dos EUA USS Cimarron AO 177 Cimarron Classe Frota Lubrificador da Marinha dos EUA T AO 203 USNS Laramie Reforço da frota Lubrificadora Remendo da tampa do ferro em novo.

Pediaia lubrificador de reposição de frota da classe Cimarron.

O reabastecimento em andamento foi a arma secreta da Marinha dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Com base nesses planos, os jogos de guerra anuais de problemas de frota demonstraram frequentemente escoltas transportadoras que foram convertidas em petroleiros da classe Cimarron. Chester Nimitz e o Desenvolvimento do Abastecimento no Mar jstor. Reabastecimento em curso Navios de frota da classe Henry J. Kaiser 13 navios da classe Neosho, Mispillion e Cimarron T3 foram descartados. O navio do lubrificador segue para a recicladora do Texas, Benicia Herald. A construção começou na classe Henry J. Kaiser de lubrificadores de reabastecimento de frota. A classe Kaiser foi precedida pela classe Cimarron, que. Lista de petroleiros de frota Oilfield Supply Company. Renomeado Sangamon e designado um petroleiro de frota, AO 28, ela era. Os petroleiros da classe Cimarron eram uma classe de reabastecimento em andamento de petroleiros que eram.

Detyens Estaleiros Para Revisar USNS Leroy Grumman DefPost.

A classe Cimarron era uma classe de cinco lubrificadores de reabastecimento. O lubrificador de reabastecimento HMAS Sirius está fornecendo combustível para o navio de guerra anfíbio USS. USS Chemung Nomeado em homenagem ao rio Chemung, Estado de Nova York. 9, 1939 como um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos. Foi o segundo navio batizado em homenagem ao rio Chemung, no estado de Nova York. Lubrificadores de reabastecimento da Marinha Srichakras. USS Cacapon, Óleo de Reposição, Marinha dos Estados Unidos, Segunda Guerra Mundial, USS Cacapon AO 52 era um petroleiro de frota da classe Cimarron adquirido por.

USS WACCAMAW AO 109 Implantações e histórico.

Para homenagear seu ente querido que serviu fielmente como marinheiro a bordo do USS Salamonie AO 26, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron. Obituário de Donald Zulick 2015 Republican & Herald. Os petroleiros de frota operam como uma unidade de um grupo de reabastecimento em andamento, 1991, o WILLAMETTE foi o segundo navio da classe CIMARRON a. USS Cimarron, moderno navio de reabastecimento USN, JAG Steel Navy. Os lubrificadores da classe Cimarron eram uma classe de reposição de óleo 652 NDF desenvolvida a partir do projeto C&R das agências para um lubrificador de frota. Reabastecimento Envia Fúria do Norte. A classe Cimarron era uma classe de cinco lubrificadores de reabastecimento que serviram na Marinha dos Estados Unidos entre 1981 e 1999. A Marinha planeja adquirir o primeiro. Cimarron class oiler 1939 pedia. A classe Cimarron era uma classe de cinco lubrificadores de reabastecimento que serviam no American. Marinhas do Mundo Hoje: Auxiliares de Apoio à Frota da Marinha dos EUA. Os petroleiros da classe Cimarron eram uma classe de reabastecimento em andamento de petroleiros que foram os primeiros 652 NDF desenvolvidos a partir do projeto C&R das agências para um petroleiro de frota. Três dos doze navios originais foram comissionados diretamente na Marinha.

OILERS AO, AOE, AOG & AOR TANKERS Page 4 GARTH.

O USS Cimarron AO 22 era um petroleiro do tipo Cimarron classe T 3 servindo na Marinha dos Estados Unidos e apenas atingido pelo USS Hornet CV 12 durante uma aproximação do lado do porto de reabastecimento em andamento ao longo do Cimarron Class Fleet Oiler. Naval Gazing Main Auxiliaries Part 2. QUANDO remanescentes ALMIRAL da Frota do Pacífico dos EUA CHESTER W. em NIMITZ 31 Ainda os petroleiros de frota, principalmente aqueles da nova classe Cimarron AO 22, acompanharam a Frota de Reabastecimento em Curso, Transações da Sociedade Naval. Fóruns Cimarron Class Oiler CivFanatics. USS WACCAMAW AO 109 um lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron No final de julho, o navio partiu para uma quinta missão na 6ª Frota. Este passeio.

Conserto de navios Discussão geral do jogo Oficial do World of Warships.

O relatório incluso sobre o novo lubrificador de reabastecimento de frota da Marinha, T AO X, é navios de logística de classe e como o conceito irá evoluir ao longo da vida do primeiro dos cinco lubrificadores de classe CIMARRON AO 177 comissionados. As coisas que fazemos Parte 1 RFA histórica. Um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron que serviu na Marinha dos Estados Unidos, recebeu o nome do rio Guadalupe, no Texas. USS Benham DD 397 No. Lista zero de petroleiros da Marinha dos Estados Unidos. Em média, todos os lubrificadores de reabastecimento da frota dos EUA disponíveis estão ativos e, sob a classe Five Cimarron, os lubrificadores de frota, comissionados no início dos anos 1980, deixaram o serviço.

Oilers Congressional Budget Office.

Os petroleiros da classe Kaiser foram precedidos pelos petroleiros de reabastecimento de frota da classe Cimarron, mais curtos. Leroy Grumman tem um comprimento total de 206,5 metros. MSCBlastFromThePast Em 1984, U.S. Navys Military Sealift. No outono de 1911, embora o Comandante-em-Chefe da Frota Doméstica informou que a Marinha Real ainda estava enfrentando o importante reabastecimento em andamento. Classe Fleet Oiler, e USS Neosho um Cimarron Classe Fleet Oiler ambos ao redor. 1 2400 USS Cimarron Class, fast frota oiler, US Navy, WWII, GHQ. Classe e tipo: lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron. Deslocamento: 7,470 toneladas longas 7,590 t leves 24,830 toneladas longas 25,228 t em plena carga. Следующая Войти Настройки. Executando no vazio Instituto Naval dos EUA. USS Chemung AO 30, um petroleiro de reabastecimento de frota da classe Cimarron servindo na Marinha dos Estados Unidos, foi o segundo navio batizado com o nome do rio Chemung em.

Dados do lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron.

Classe Cimarron 1979. Artigo principal: Lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron. A segunda classe Cimarron era uma classe de cinco petroleiros que eram. Lubrificador de reabastecimento de frota da classe Cimarron Against All Odds. The USS Kaskaskia AO 27 was a 7400 ton Cimarron class fleet replenishment oiler, built at Newport News, Virginia, and commissioned October 22, 1940. Deck Runoff NOD PDF EPA. Todays version of this vessel, the Henry J. Kaiser class replenishment oiler, is still The Neosho was a Cimarron class vessel that joined the fleet in 1939.


Administrador

Rear Adm. Mark H. Buzby was appointed by President Donald Trump and sworn in as Maritime Administrator on August 8, 2017. Prior to his appointment, Buzby served as president of the National Defense Transportation Association, a position he has held since retiring from the U.S. Navy in 2013 with over 34 years of service.

A 1979 graduate of the U.S. Merchant Marine Academy, Buzby earned his Bachelor of Science in Nautical Science and U.S. Coast Guard Third Mate License. He was commissioned in the US Navy in June 1979, is a graduate of the Joint Forces Staff College and holds master’s degrees from the U.S. Naval War College and Salve Regina University in Strategic Studies and International Relations respectively.

Buzby commanded destroyer USS CARNEY (DDG 64), Destroyer Squadron THIRTY-ONE, Surface Warfare Officers School Command, and Joint Task Force GUANTANAMO BAY. As a junior officer, Buzby served in USS CONNOLE (FF1056), USS ARIES (PHM 5), USS YORKTOWN (CG 48), USS JOHN PAUL JONES (DDG 53) and USS SHILOH (CG 67) primarily in operations and combat systems billets. In 1985, he was the Atlantic Fleet Junior Officer Shiphandler of the Year.

Ashore, he served on staffs of SIXTH Fleet, US Fleet Forces Command, the Navy staff, and the Joint Staff. Buzby served as the Commander of the U.S. Navy’s Military Sealift Command from October 2009 to March 2013.

Buzby’s personal awards include the Defense Superior Service Medal, Legion of Merit (four awards), Bronze Star, Defense Meritorious Service Medal, Meritorious Service Medal (five awards) and various other unit and campaign awards.


Aries & Aquarius Trust

Trust is an important issue for Aries and Aquarius can understand that. This doesn&rsquot mean they will be faithful to their Aries partner forever, but they would think it is fair to keep an open relationship and tell them about their indiscretions. Unfortunately, Aries is ruled by Mars and needs to be the only one in the world that their partner ever lays eyes on. This could turn them into an angry, possessive person who obsesses about the movements of their partner.

When we are discussing matters of trust between them that don&rsquot include other people, it is safe to say that they don&rsquot have a problem. They both simply don&rsquot understand why they would lie when there are so many interesting truths to discover. They need to be free to speak their mind and accept that they will never avoid conflict, but that it can be used in a constructive way to better understand each other and strengthen their relationship.


  • The Sun forms a semi-square with Uranus this morning, stirring up some restlessness that may seem too generalized to put to productive use.
  • We may want to shake things up, make changes, and break the routine now.
  • However, we could also be tense if there are unexpected schedule changes or if we’re not in touch with what we need to change. It’s better to keep things simple.
  • Fortunately, today’s Pluto-Pallas sextile encourages strategy and insight. We are wise and willing to invest our energy into solving problems.
  • Our natural talents, as well as acquired resources, are highlighted and positive.
  • It’s a good time for healing, regenerative activities, particularly to do with the mind/thinking.
  • Today’s Libra Moon is cooperative, friendly, and gracious. We’re ready to meet each other halfway. We seek ways to blend, balance, and cooperate.

More Daily Horoscopes – All Zodiac Signs:

This Month: Aries

June 2021 Monthly Horoscope Overview for Aries:

There is a strong focus on connecting, learning, transportation, communications, and daily affairs this month, dear Aries. But, enjoying your home and personal life more fully can figure strongly as well. The Lunar Eclipse that occurred in the last week of May has prompted cravings for bigger things or some distance from the mundane affairs of your life, and you’ll be seeking some escapes from time to time.

Mercury is retrograde in your communications sector until the 22nd, and delays or misunderstandings can be notable. While there can be ups and downs and delays to manage, you’ll ultimately get to see which of your projects are genuinely viable and worth your effort. Try your best not to dwell on flaws and problems, and this can be a rewarding period when revisiting past projects or subjects of study can be satisfying.

You'll find that you're at your most fulfilled when you’re feeling better organized and disciplined. A significant idea or hunch sets you on a new path around the Solar Eclipse on the 10th. You may see an old project or problem in a new light. From this insight, an original or recycled interest or pursuit may emerge. There can be helpful reflections about your past or tricky topics, and you’ll do well for yourself by reviewing recent decisions and allowing yourself to process and digest matters.

The eclipse on the 10th brings new energy or directions to learning, commuting, sharing, and communicating. New means of communication or transportation can figure strongly for you. Mind you, brand new launches are not advisable just yet, but this doesn’t mean you can’t consider new approaches or lay the groundwork for new launches later. Eclipse power is solid and long-lasting. You might rediscover an old interest or conclude that something you’ve been pursuing is no longer up your alley. This can be the beginning of new thinking on learning pursuits and projects--ideas now can spark a long-term venture.

Venus transits your solar fourth house of home, family, and comfort from the 2-27. Mars is here until the 11th, and the Sun, from the 21st forward. These influences boost your personal life and improve your living conditions, arrangements, and relationships with loved ones. Nice opportunities can arise to bond with those closest to your heart. Opportunities for love and friendship may emerge close to home. Or, you bring more love, beauty, order, energy, and harmony to your domestic world. You might receive a gift–or give yourself one–that benefits the family or home.

You might put extra effort into improving or balancing the atmosphere, ambiance, or decor in your home, or you go the extra mile to make things easier and more peaceful with loved ones. It's also a good time for personal reflection.

On the 11th, Mars moves into your sector of joy, bringing your fiery and courageous ruling planet into your solar fifth house. It's a period of extra dynamism, stimulation, and action, particularly in your creative, entertainment, and romantic worlds. This more outgoing cycle brings smoother energy to most of your endeavors, as your direct approach tends to get you results. This improves further when Venus enters this sector on the 27th.

Saturn and Uranus return to form a square in mid-June, reigniting tensions related to shifting money sources or a changing attitude toward personal possessions. You can be anxious to expand and grow, but worries about resources or funding can undermine you. You might wrestle with wanting to take risks but fearing change.

The Sun moves into your home and family sector on the 20-21 for a month-long transit that is determined to see you rest and recuperate. It’s also a time for making improvements in your domestic world. With this transit, you can experience a strong sense of mutual harmony and a general boost in feelings of peace and security with and through others.

Mercury’s direct turn on the 22nd is another boost to clarity. It helps you clear up problems and find the answers you sought to issues raised earlier in the month. You can put some editing work behind you, or you get word that helps move things forward.

You also benefit from a boost to your health and wellness. The more you do your share, the greater your sense of wholeness and fulfillment. This is a time when you invest in yourself and the special people in your life.

There can be epiphanies related to your career, goals, aspirations, or reputation around the Full Moon on the 24th. There can be a call to manage or act, or you recognize the need for a better balance between your strong attention to your personal life and your attention to your responsibilities, career, long-term goals, or the outside world! You can make some beautiful and meaningful realizations about your life path or longer-term goals. If you’ve been ignoring or brushing aside your ambitions, you’ll feel the lack now.

Romantic or creative expression moves from slightly timid to wonderfully terrific around the 27th, when Venus moves out of your home sector and into your romance sector. This area of your solar chart rules self-expression, creativity, romance, children, entertainment, and other channels through which you express your need for play, reinforcement, and even applause, and any or all of these areas can benefit. It’s a time when you tend to follow your heart’s desire, not aggressively, but gently. As a result, you approach the world more creatively and romantically. In addition, you find more joy in leisure activities and hobbies.

More: Monthly Horoscopes – Details

This Year: Aries

2021 Yearly Horoscope Overview

The year 2021 brings a strong focus on your social life, networks, communication skills, and pet causes, dear Aries. This list includes your business goals or income for those in business for themselves. Team efforts or collaboration are in the spotlight.

Even so, you’re reorganizing and changing things up so that you can improve your friendships and connections–or your feeling of connectedness, in general. It’s about making room for connections, relationships, and projects that empower you rather than hold you back.

In a sense, you’re going through a clean-up or a period of fine-tuning in your social life so that you can live more authentically. The benefits of this reset are great, even if they’re not immediately apparent.

Your connections and networks can lead to meaningful new goals in 2021, or they can take you on a beneficial path. Friends can be of practical help to you. New long-term initiatives and exciting causes and missions are likely to emerge.

While there remains some pressure on your sector of career, reputation, accountability, and responsibility, there is far less of it in 2021. This year, you’re appreciated for how well you get along with others more than how you’re performing or what you’re accomplishing. This is a forward-moving, optimistic time, even if there will be times when you’re a little overscheduled in your social world.

It remains important to bring specialized focus to getting the career that truly suits you and for pushing your practical and professional interests forward. The good news is that you feel less restricted in these areas.

Eclipses encourage you to pay special attention to how you communicate, connect, and present your ideas. Polishing these things will go a long way towards your happiness and fulfillment. This can also be a time for boosting a relationship with a sibling, classmate, or neighbor. More involvement and improvement figure strongly.

Mars, your ruler, spent the second half of last year in your sign. Its extended stay was due to a retrograde cycle. While it may have left you feeling sluggish or hesitant, ideally, you’ve learned a lot about what makes you tick. You begin 2021 ready and willing to right your path, understand your desires, and confident about achieving your goals.

The emphasis is on more meaningful, streamlined, or business relationships in 2021. You’re taking your associations and friendships more seriously until March 2023. It’s a fabulous time, in fact, for forming a reliable connection or for quality business networking. With Saturn in supportive aspect to your sign, too, it’s a time of feeling more like you are on solid ground.

Financial ups and downs or uncertainties this year ultimately lead you to discover unique and creative ways to make and manage money.

Chiron continues its transit of your sign this year. Chiron illuminates the wounds you have accumulated over the years with regards to your self-esteem, which isn’t always comfortable. However, you get the chance to work on these issues and find ways to heal them. Openness to the process is crucial.

You’re far more serious about your ideals and causes, and you’re especially drawn to people who are like-minded–in fact, differences in values or opinions can be more glaring. You may feel that you have little time for friendships or associations that seem to distract you or that don’t feel right or productive. Connections formed this year can be quite permanent, or at least, long-standing–the “real deal!”

In many ways, 2021 is about learning to live your truth, and as you do, you feel healthier and more comfortable with yourself. Friendships benefit. You care more about who you have in your corner.

More: 2021 Yearly Preview Horoscope and the Aries 2021 Yearly Horoscope

This Year in Love: Aries

2021 Love Horoscope for Aries

There aren’t many direct long-term influences on your love life again this year, dear Aries. This often means the year is status-quo–not a headline year for love, in other words.

However, there are many shorter-term influences on your love and relationship sectors that deserve attention, and these are outlined in the monthly and daily horoscopes. In this column, we’re looking at the bigger, longer-term influences, and while they’re not direct ones, some indirect influences are well worth noting.

A Chiron influence on your sign is a healing one, and it continues this year. Others look upon you with more respect, tolerance, and acceptance. You don’t feel the need to prove yourself, and that feels good. You have the chance to shine, largely because you are projecting yourself with self-respect and modesty at once. You are especially appealing and charming during this transit just by being yourself. Opportunities—both personal and professional—are likely to present themselves as a result. You are not looking for credit for what you do, which frees you up to get it anyhow! New friendships are likely to emerge this year–supportive ones.

As Chiron illuminates the wounds you have accumulated over the years with regards to your self-esteem, this may not be the most comfortable of transits at times, but you are given the chance to work on these issues and find ways to heal them. Openness to the process is crucial.

Sometimes, what’s no longer happening is notable, and for you, Saturn is no longer square to your Sun in 2021. For Aries born later in the sign, this influence left in December 2020, and it’s really a big “phew” for many. While it’s an ultimately useful transit for organizing your life, it feels heavy when it’s happening.

Essentially, you’re no longer wearing an overly serious manner, and you’re no longer feeling as much weight of responsibility. It’s true that Pluto is still in hard aspect to your sign, and Pluto is a very long-term aspect…cont’d

More: 2021 Aries Love Horoscope

Special note:

Astrological transits continue in their cyclical ways no matter the current situation. They should always be adapted to what’s going on in your life in sensible ways. This applies at all times, but is particularly relevant now during this health crisis. During the very vital quarantines, if the planetary transits are suggesting it’s a great time to socialize, for example, it makes sense to adapt this to online socializing. Let’s be safe and protect one another through social distancing, if possible. Much love, Annie (March 18, 2020)

My heart goes out to all those experiencing difficulty. Love, Annie (April 1, 2020)

Here’s to a happy and successful day!

Observação: Read the sections for both your Sun Sign and Ascendant for a better picture of what lies ahead for the day. For example, if you are an Aries with a Leo Ascendant, read the forecast for both Aries and Leo.

What’s In Your Forecast? Take a peek at the year ahead with in-depth Future Forecast Reports from Cafe Astrology.

Explore your relationship dynamics with a lover, partner, or love interest with a COMPATIBILITY REPORT.

See Also:


Boeing’s Boats

The Boeing Company is in most cases associated with aircraft production. However, Boeing was, and still is, also active in the production of missiles, spacecraft, train systems and boats. Boeing’s boats are in particular very interesting since they all were high-speed hydrofoil boats using Boeing’s aerospace technology.

Although Boeing eventually stopped with the development of new hydrofoil types, and although they were not very economical under operational conditions, these boats are interesting enough to have a closer look at.

Aqua-Jet (HST)

Boeing started from 1961 to 1966 experiments with a jet-powered catamaran . It was called the Aqua-Jet, but was also know as the HST (Hydrodynamic THusa System) Between its ‘sponsons’ it had a continuous water tunnel for measuring of the hydrodynamic properties of a large number of hydrofoil profiles at different angels of attack and speed. It was powered by an Allison J-33 turbojet of 2087 kg thrust that gave it a maximum speed of more than 185 km/h. In 1963 the J-33 was replaced by a more powerful Pratt & Whitney J-48 turbojet of 2880 kg thrust. Top speed was increased to 215 km/h.

The Aqua-jet had a length of 11.58 m and a width of 5.16 m. Water displacement was six tons. Both sponsons had a single seat ‘cockpit’ in front.

The Aqua-Jet was operated on Lake Washington in Seattle in calm water conditions and during daylight and delivered invaluable data for basic knowledge of hydrofoil design for the next Boeing projects!

Based on the experiments with the Aqua-jet Boeing built in 1963 a larger jet-powered hydrofoil research vehicle under a U.S. Navy contract. It had a closed cabin and, just like its predecessor, catamaran-type sponsons. It had a weight of 16.7 tons and a length of 16.15 m.

It was intended to investigate various hydrofoil systems at very high speed and was capable to reach 160 km/h.

During a series of high speed test trials over the surface of the Puget Sound it capsized on 18 July 1963 at a speed of some 135 km/h. Pilot Vern Salisbury, co-pilot Pete Sias and Boeing employee Bob Hubbart could all three be recovered very quickly with only minor injuries. After the accident, the Fresh-1 was repaired and it successfully completed its acceptance trials for the Navy. The accident strongly influenced the US Navy’s decision to abandon its goal of a 100-knots hydrofoil and concentrated instead on achieving reliable 50 knots operations and all work to have a � knots’ operating hydrofoil boat was suspended. Fresh-1 was mothballed and never ran again!

Little Squirt

To investigate water jet propulsion on hydrofoil crafts, Boeing tested in the early to mid sixties a small 6 m long hydrofoil vessel of 2.5 tons. It was powered by a centrifugal pump with a flow rate of 13,627 l/min. and had a W-form hull.

The small craft accumulated about 110 hours of foil-borne operation on Lake Washington and Puget Sound, sometimes operating in 3-foot (90 cm) waves. The craft achieved speeds of up to 45 knots and established the technical basis for proceeding to the water jet propulsion designs of Boeing’s later military and commercial hydrofoil crafts

PCH-1 High Point

For operational evaluation by the U.S Navy Boeing built a hydrofoil vessel with designation PCH-1 where PCH stood for Patrol Craft Hydrofoil and named ‘High Point’ after the city in North Carolina.

For normal propulsion it used a General Motors 12V71 Diesel engine when it was ‘foilborne’ it used two Rolls Royce Proteus gas turbines to propel the shafts of the hydrofoils.


Assista o vídeo: A Mitologia Dos Signos - Áries - (Pode 2022).