A história

Turismo da Argélia - História

Turismo da Argélia - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Argélia

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Argélia, país grande e predominantemente muçulmano do Norte da África. Da costa do Mediterrâneo, ao longo da qual vive a maior parte de sua população, a Argélia se estende para o sul, no coração do Saara, um deserto proibitivo onde as temperaturas superficiais mais quentes da Terra foram registradas e que constitui mais de quatro quintos da área do país. O Saara e seu clima extremo dominam o país. A romancista argelina contemporânea Assia Djebar destacou os arredores, chamando seu país de “um sonho de areia”.

História, idioma, costumes e herança islâmica fazem da Argélia parte integrante do Maghreb e do mundo árabe em geral, mas o país também tem uma considerável população amazigh (berbere), ligada a essa tradição cultural. Outrora o celeiro do Império Romano, o território que agora compreende a Argélia foi governado por várias dinastias árabe-amazigh do século 8 ao 16, quando passou a fazer parte do Império Otomano. O declínio dos otomanos foi seguido por um breve período de independência que terminou quando a França lançou uma guerra de conquista em 1830.

Em 1847, os franceses haviam suprimido em grande parte a resistência argelina à invasão e, no ano seguinte, fizeram da Argélia um departamento da França. Os colonos franceses modernizaram a economia agrícola e comercial da Argélia, mas viviam separados da maioria argelina, desfrutando de privilégios sociais e econômicos estendidos a poucos não europeus. O ressentimento étnico, alimentado pela política revolucionária introduzida por argelinos que viveram e estudaram na França, levou a um movimento nacionalista generalizado em meados do século XX. Seguiu-se uma guerra de independência (1954-62) que foi tão violenta que o revolucionário Frantz Fanon observou,

Terror, contra-terror, violência, contra-violência: isso é o que os observadores amargamente registram quando descrevem o círculo do ódio, tão tenaz e tão evidente na Argélia.

As negociações encerraram o conflito e levaram à independência da Argélia, e a maioria dos europeus deixou o país. Embora a influência da língua e da cultura francesa na Argélia tenha permanecido forte, desde a independência o país tem procurado consistentemente recuperar sua herança árabe e islâmica. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de petróleo e gás natural e outros depósitos minerais no interior da Argélia trouxeram novas riquezas para o país e geraram um aumento modesto no padrão de vida. No início do século 21, a economia da Argélia estava entre as maiores da África.

A capital é Argel, uma metrópole movimentada e movimentada à beira-mar cujo centro histórico, ou medina, é cercado por altos arranha-céus e blocos de apartamentos. A segunda cidade da Argélia é Oran, um porto no Mar Mediterrâneo perto da fronteira com o Marrocos. Menos agitado do que Argel, Oran emergiu como um importante centro de música, arte e educação.

A Argélia é limitada a leste pela Tunísia e a Líbia, ao sul pelo Níger, Mali e Mauritânia, a oeste pelo Marrocos e Saara Ocidental (que foi praticamente incorporado pelo primeiro) e ao norte pelo Mar Mediterrâneo. É um país vasto - o maior da África e o décimo maior do mundo - que pode ser dividido em duas regiões geográficas distintas. A região mais setentrional, geralmente conhecida como Tell, está sujeita às influências moderadoras do Mediterrâneo e consiste principalmente nas montanhas do Atlas, que separam as planícies costeiras da segunda região ao sul. Esta região meridional, quase inteiramente deserta, constitui a maior parte do território do país e está situada na parte ocidental do Saara, que se estende pelo norte da África.


1. Argel

Fonte: Flickr Argel, Argélia

Argel é a capital da Argélia e tem uma população estimada em cerca de 3.500.000. A cidade foi fundada pelos otomanos e é rica em história e bela arquitetura. A antiga Casbah é um labirinto urbano sinuoso, com ruas fluindo pela cidade velha como riachos. Também vale a pena explorar o Dar Hassan Pacha, que já foi a mansão mais decedente da cidade. O interior da casa está em reforma desde 2005 e infelizmente está fechado ao público. A cidade de Argel oferece aos visitantes do oeste um contraste nítido e belo e um vislumbre intrigante do passado, presente e futuro da Argélia.


Urbanismo, Arquitetura e Uso do Espaço

A população da Argélia está dividida igualmente entre as configurações urbanas e rurais. O centro das cidades antigas é o casbah (Fortaleza em árabe), um mercado de becos sinuosos e arcos intrincados onde uma variedade de artesanato tradicional é vendida, de tapetes a cestas e cerâmica. Fora esse resquício relativamente inalterado do antigo modo de vida, as cidades argelinas são uma mistura de influência ocidental e tradição árabe.

A maior cidade é a capital, Argel, no norte, na costa do Mediterrâneo. É a cidade mais antiga do país, datando de quase três mil anos, da época dos fenícios. Serviu como capital colonial tanto para os turcos quanto para os franceses. Na casbah, a antiga parte islâmica da cidade, muitos dos prédios estão em ruínas, mas as ruas estreitas são animadas, com crianças brincando, comerciantes vendendo e pessoas passeando e fazendo compras. A casbah é cercada por edifícios mais novos em estilo europeu. A cidade contém uma mistura de arranha-céus modernos e arquitetura tradicional turca e islâmica. O porto de Argel é o maior do país e é um centro industrial.

Oran, a oeste de Argel, é a segunda maior cidade. Foi construída pelos árabes em 903, mas foi dominada pelos espanhóis durante dois séculos e, posteriormente, pelos franceses. Assim, mostra mais influência europeia do que qualquer outra cidade da Argélia, abrigando um grande número de catedrais e arquitetura colonial francesa.

Outros centros urbanos incluem Constantine e Annaba. Todas as cidades da Argélia foram duramente atingidas pela superpopulação e seus concomitantes problemas de falta de moradia e desemprego.

Embora a maior parte do deserto da Argélia seja desabitada, existem algumas aldeias, muitas delas cercadas por paredes de pedra. Refletindo os mesmos valores de privacidade e isolamento, as casas tradicionais também têm paredes. Os quartos formam um círculo em torno de um pátio ou pátio fechado. A maioria da arquitetura, de arranha-céus modernos a barracos de papel alcatroado, usa esse mesmo modelo. Os materiais de construção tradicionais são pedras ou tijolos caiados e, nas casas mais antigas, os tetos e as partes superiores das paredes são decorados com mosaicos de azulejos.

Nômades do deserto e do alto planalto vivem em tendas tecidas com cabelo de cabra, lã e grama. Nas montanhas Kabylia, os moradores constroem suas casas de um cômodo de barro e grama ou pedras empilhadas e dividem o cômodo em duas partes, uma para os animais e outra para a família.


Todos os dados para a Argélia em detalhe

AnoNúmero de turistasRecibos% do PNBRenda por turista
20192,37 m140,00 m $0.082 %59 $
20182,66 m196,50 m $0.11 %74 $
20172,45 m171,00 m $0.10 %70 $
20162,04 m246,00 m $0.15 %121 $
20151,71 m347,00 m $0.21 %203 $
20142,30 m316,00 m $0.15 %137 $
20132,73 m326,00 m $0.16 %119 $
20122,63 m295,00 m $0.14 %112 $
20112,40 m300,00 m $0.15 %125 $
20102,07 m324,00 m $0.20 %157 $
20091,91 m361,00 m $0.26 %189 $
20081,77 m473,00 m $0.28 %267 $
20071,74 m334,00 m $0.25 %192 $
20061,64 m393,00 m $0.34 %240 $
20051,44 m477,00 m $0.46 %331 $
20041,23 m178,00 m $0.21 %144 $
20031,17 m112,00 m $0.17 %96 $
2002988,000111,00 m $0.20 %112 $
2001901,000100,00 m $0.18 %111 $
2000866,000102,00 m $0.19 %118 $
1999749,00080,00 m $0.16 %107 $
1998678,00074,00 m $0.15 %109 $
1997635,00028,00 m $0.058 %44 $
1996605,00045,00 m $0.096 %74 $
1995520,00032,00 m $0.077 %62 $

Todos os dados correspondem às informações da Organização Mundial de Turismo.

Turismo na SuéciaViajantes internacionais e receitas do setor de turismo de 1995-2019 na Suécia, incluindo comparação com outros países do norte da Europa

Sobre a Argélia, fatos rápidos e visão geral

Argélia é um dos países turísticos mais populares do Norte África, e é o segundo maior país da África. Fazendo fronteira com Marrocos, Mali, Líbia, Tunísia, Níger, Mar Mediterrâneo e Saara Ocidental, a Argélia possui uma paisagem diversificada e uma população de aproximadamente trinta e cinco milhões. Argel é a capital da Argélia e, embora sua economia se baseie em diversos setores, a agricultura ainda desempenha um papel vital no fornecimento de produtos para o país e para a exportação. No país cultivam-se produtos como algodão, tabaco, azeite, cereais, figos, cortiça, cevada, trigo, vegetais e citrinos. Nos últimos anos, a indústria do turismo começou a crescer e se desenvolver, trazendo visitantes internacionais à Argélia com oportunidades para explorar sua beleza e diversidade.

Chegando na Argélia e transporte

Viajar para a Argélia pode ser feito de avião, pois tem cinquenta e dois aeroportos e várias pistas de pouso menores espalhadas pelo país. Existem aeroportos internacionais nas principais cidades e os turistas podem voar entre as cidades enquanto estiverem na Argélia, mas as reservas são essenciais porque os voos domésticos são populares e pode ser difícil encontrar lugares de última hora. Táxis e ônibus estão disponíveis, e viajar por por estrada de ferro é outra opção. Com quase quatro mil quilômetros de ferrovia, a maioria dos destinos dentro da Argélia podem ser alcançados e a linha Souk Ahras-Ghrdimaou conecta a Argélia com Marrocos e Tunísia. Balsas e viagens de barco são opções interessantes para os turistas, com grandes portos localizados em Jijel, Oran, Annaba, Skikdam Arzew, Argel, Mostaganem e Bejaia. Viajar por estrada é possível com mais de setenta e um mil quilômetros de estradas sendo pavimentadas, mas a maioria das estradas permanece não pavimentada. Rodovias importantes, como a Rodovia Trans-Saara e duas vias que fazem parte da Rodovia Transafricana, estão disponíveis e o país está atualmente trabalhando na construção de uma nova rodovia.

Aventuras ao ar livre

Existem muitas atividades ao ar livre para os visitantes, quer prefiram relaxar ou explorar o país. Muitos hotéis e destinos oferecem atividades esportivas como tênis, natação e golfe, com uma variedade de campos de golfe disponíveis para os fanáticos por esportes. Caminhada através da Argélia é uma atividade muito popular, e muitos operadores turísticos na Argélia oferecem aos visitantes magníficas aventuras ao ar livre. Conquistar as montanhas de Hoggar, descobrir os mistérios do deserto do Saara, testar suas habilidades contra o Jabal Tahat de 2.908 metros ou se tornar um membro temporário dos tuaregues e sua caravana de camelos, são maneiras diferentes de desfrutar de caminhadas na Argélia. O pôr do sol é de tirar o fôlego nos planaltos, e oportunidades fotográficas estão à sua espera em cada esquina.

Maravilhas naturais

Quando se trata de natureza e vida selvagem da Argélia, o país é ilimitado em beleza. O Patrimônio Mundial da cordilheira Tassili n’Ajjer é nada menos que espetacular e o vale de calcário de M’Zab é uma atração popular. As reservas naturais e os parques nacionais, como o Parque Nacional Gouraya, o Parque Nacional Belezma, o Parque Nacional Tassili e a Reserva Natural Mergueb, conservam e protegem a vida selvagem e a magnífica avifauna da Argélia. Os visitantes terão a oportunidade de ver animais incríveis como leopardo, mangusto do pântano, fennec, chita, raposa vermelha e panteras, para citar apenas alguns. Os entusiastas da observação de pássaros consideram a Argélia um baú de pássaros, com muitos pássaros exóticos, incluindo pássaros migratórios, que fazem da Argélia seu lar.

Atrações

A Argélia tem vários locais do Patrimônio Mundial da UNESCO, incluindo o império Hammadid e a primeira capital # 8217, a cidadela de tirar o fôlego Casbah de Argel, a cidade de Tipasa e as ruínas romanas de Timgad e Djemila. A sua história, cultura e tradições são muito importantes para o povo argelino, e estabelecimentos como o Museu Etnográfico e de Arte Local do Bardo e o Museu Nacional de Belas Artes refletem a herança da Argélia. Estruturas como a Fortaleza de Masourah e a Grande Mesquita são excelentes exemplos de arquitetura e permitem aos visitantes um vislumbre do passado. De atrações espetaculares a belezas naturais de tirar o fôlego, a Argélia tem algo para todos e é um país que deve ser explorado.

Recomendamos que você faça uso extensivo dos guias de viagem disponíveis em Algeria.com. Eles lhe darão uma visão fantástica dos aspectos culturais do país, das principais atrações, das opções de viagem e muito mais. Depois de decidir quais partes deste país fascinante deseja visitar, reserve seus hotéis, voos e aluguel de carro usando nosso serviço de tarifas comparativas fantásticas.

Aproveite sua aventura na Argélia!

Página Relacionada

Conselhos de saúde

Viajar para a Argélia pode ser uma experiência agradável e emocionante, e é provável que você passe momentos maravilhosos explorando este país fascinante. Fornecemos alguns conselhos de saúde que você pode levar em consideração para garantir que doenças e problemas de saúde não prejudiquem suas férias. Sugerimos que você visite seu profissional de saúde local para fazer um check-up.

Djemila

A Argélia é conhecida por ter alguns dos melhores sítios arqueológicos e ruínas romanas do norte da África. Muitos desses locais foram reconhecidos pela UNESCO, como Patrimônios da Humanidade, e em 1982, esta homenagem foi concedida a Djemila. Djemila não é apenas um dos melhores locais históricos da Argélia, mas também do Norte da África, pois suas ruínas lindamente preservadas são monumentos de tirar o fôlego da arquitetura romana. .


TURISMO ARGÉLIA HOTEL ARGERIANO VÔO DE FERRY CAR ALUGUEL MUSEU VISTO DE TURISMO INSCRIÇÃO 2021 FERIADOS NA ARGÉLIA

Turismo na Argélia dedica-se ao Turismo na Argélia. Visitar a Argélia pela primeira vez é impressionante, falado positivamente, mas é um desafio quando se trata de informações práticas relacionadas a hotéis, voos, balsas e aluguel de automóveis na Argélia.

O Turismo Argélia disponibiliza o acesso às informações mais relevantes para desfrutar de uma viagem agradável e segura e agradável na Argélia.

A indústria de turismo e viagens da Argélia, mesmo em 2021, ainda está se desenvolvendo apesar ou porque a enorme indústria de petróleo e gás no país, no entanto, o governo agora está procurando desenvolver a indústria de viagens e turismo do país, com ênfase particular no Saara e Turismo cultural.

Desde 2005, Argel reformou sua legislação para facilitar os investimentos estrangeiros e locais na indústria do turismo. Os primeiros resultados foram gerados no estabelecimento de hotéis de 5 estrelas e 16 companhias aéreas internacionais servindo mais de 28 aeroportos na Argélia.

O turismo na Argélia está prestes a dar os seus primeiros passos e o turismo argelino está actualmente dirigido principalmente aos empresários, mas o desenvolvimento das infra-estruturas turísticas começa a fazer-se sentir.

Desde 2005, Argel reformou sua legislação para facilitar os investimentos estrangeiros e locais na indústria do turismo. Os primeiros resultados foram gerados no estabelecimento de hotéis 5 estrelas e 16 companhias aéreas internacionais servindo mais de 28 aeroportos na Argélia, o primeiro país da África por causa de sua superfície e possui imensas reservas estratégicas de recursos naturais, dos quais depende até parte do Ocidente, o que do ponto de vista financeiro só é lucrativo para a Argélia.a.

A maioria das companhias aéreas agora serve a Argélia, bem como balsas. A indústria hoteleira na Argélia inclui hotéis de luxo ou quartos de hotel modestos. Por outro lado, o aluguel de automóveis com ou sem motorista tem se desenvolvido bem na Argélia, principalmente graças ao setor privado.

O parque hoteleiro nacional é composto por 1.368 estabelecimentos que representam 119.155 leitos, 80 estabelecimentos hoteleiros foram colocados em funcionamento durante 2018, ou seja, 6.900 novos leitos, criando mais de 1.100 postos de trabalho.

O Catering na Argélia registou um enorme progresso na última década, quer ao nível da qualidade dos serviços e refeições, quer ao nível da limpeza. O turismo local se torna muito exigente, sempre comparando com o que pode conseguir pelo mesmo preço no exterior.

A Argélia nunca promoveu o turismo de massa a preços baixos como fazem seus vizinhos, cuja dependência dessa fonte volátil de renda teve as consequências que conhecemos.


O QUE TORNA O TURISMO ALGERIANO TÃO FASCINANTE?

A Argélia é um país desconhecido e fascinante, os antigos governos optaram por uma negligência, para não dizer arrogância há muito tempo com falta de know-how e expertise para a indústria do turismo argelina.

O potencial turístico da Argélia é muito maior do que seus recursos naturais e está subestimado:

  • 1200 quilômetros de área costeira.
  • Montanhas com uma natureza intocada que oferecem a possibilidade de esquiar no inverno em alguns lugares.
  • O Saara, o maior deserto do mundo, a maior parte localizado na Argélia, (ver em hotéis aquele localizado em El Oued).
  • Vestígios da época romana para os quais a Argélia foi celeiro do Império Romano.
  • Museus de arte atípicos (artes plásticas, entre outros).


QUAIS SÃO OS SERVIÇOS OFERECIDOS PELO TURISMO ALGERIANO?

A Argélia oferece um grande número de oportunidades diversas para o turista (nacional e estrangeiro), com a possibilidade de nadar no mar Mediterrâneo pela manhã, esquiar nas estâncias de esqui da Argélia no norte e beber um chá de menta na Argélia Saara à tarde.

Os serviços de turismo da Argélia fornecem os seguintes produtos turísticos:


Índice

Geografia

Quase quatro vezes o tamanho do Texas e o maior país do continente, a Argélia faz fronteira a oeste com Marrocos e Saara Ocidental e a leste com a Tunísia e a Líbia. O Mar Mediterrâneo está ao norte e ao sul estão a Mauritânia, o Mali e o Níger. A região do Saara, que representa 85% do país, está quase totalmente desabitada. O ponto mais alto é o Monte Tahat no Saara, que se eleva a 9.850 pés (3.000 m).

Governo
História

Escavações na Argélia indicaram que Homo erectus residiu lá entre 500.000 e 700.000 anos atrás. Comerciantes fenícios se estabeleceram na costa do Mediterrâneo no primeiro milênio a.C. Como a antiga Numídia, a Argélia se tornou uma colônia romana, parte do que era chamado de Mauretania Cesariensis, no final das Guerras Púnicas (145 a.C.). Conquistado pelos vândalos por volta de 440 d.C., ele caiu de um alto estado de civilização para a barbárie virtual, do qual se recuperou parcialmente após uma invasão por árabes cerca de 650. Cristãos durante o período romano, os berberes indígenas foram então convertidos ao islamismo. Caindo sob o controle do Império Otomano em 1536, Argel serviu por três séculos como quartel-general dos piratas berberes. Ostensivamente para livrar a região dos piratas, os franceses ocuparam a Argélia em 1830 e a tornaram parte da França em 1848.

Os movimentos de independência da Argélia levaram aos levantes de 1954–1955, que se desenvolveram em uma guerra em grande escala. Em 1962, o presidente francês Charles de Gaulle deu início às negociações de paz e, em 5 de julho de 1962, a Argélia foi proclamada independente. Em outubro de 1963, Ahmed Ben Bella foi eleito presidente e o país tornou-se socialista. Ele começou a nacionalizar propriedades estrangeiras e despertou oposição. Ele foi derrubado em um golpe militar em 19 de junho de 1965, pelo coronel Houari Boumdienne, que suspendeu a constituição e buscou restaurar a estabilidade econômica. Após sua morte, Boumdienne foi sucedido pelo coronel Chadli Bendjedid em 1978. Os berberes se revoltaram em 1980 quando o árabe se tornou a única língua oficial do país. A Argélia entrou em uma grande recessão depois que os preços mundiais do petróleo despencaram na década de 1980.

Primeiras Eleições Parlamentares

A Frente de Salvação Islâmica fundamentalista (Front Islamique du Salut FIS) obteve o maior número de votos nas primeiras eleições parlamentares do país em dezembro de 1991. Para frustrar os resultados eleitorais, o exército cancelou as eleições gerais, que mergulharam o país em um guerra civil sangrenta. Estima-se que 100.000 pessoas foram massacradas por terroristas islâmicos desde o início da guerra em janeiro de 1992. A guerra civil não declarada aumentou sua brutalidade e falta de sentido em 1997–1998. Os extremistas islâmicos, que originalmente concentraram seus ataques em funcionários do governo e depois passaram a se dedicar a intelectuais e jornalistas, abandonaram totalmente as motivações políticas e se voltaram para os aldeões indefesos. Os massacres em massa foram tão selvagens quanto aleatórios, e o governo foi notavelmente ineficaz em conter a violência.

Esperava-se inicialmente que a ascensão de Abdel-Aziz Bouteflika à presidência em abril de 1999 traria paz e alguma melhora econômica a este país devastado pela guerra desesperada. Bouteflika, no entanto, permanece travado em lutas pelo poder com os militares, cujo apoio é crucial. Apesar da aparência de democracia, a Argélia permanece em essência uma ditadura militar. Em 2001, a violência de militantes islâmicos aumentou novamente, e a insatisfeita minoria berbere se engajou em vários protestos em grande escala.

Tentativas de reforma

Nas eleições presidenciais de abril de 2004, elogiadas por monitores internacionais por sua imparcialidade, o titular Bouteflika obteve 85% dos votos. Bouteflika afirmou que seu segundo mandato seria dedicado a resolver a crise de três anos na região berbere de Kabylia, libertando as mulheres de códigos familiares restritivos e trazendo uma? Verdadeira reconciliação nacional? causado pela guerra civil. A terrível situação econômica do país melhorou ligeiramente, mas a Argélia ainda enfrenta uma alta taxa de desemprego.

Em outubro de 2005, os argelinos aprovaram um polêmico referendo patrocinado por Bouteflika, a Carta de Paz e Reconciliação Nacional, que concede anistia a todos os islâmicos e militares envolvidos na sangrenta guerra civil do país. Há muitas dúvidas de que a reconciliação seja possível sem responsabilizar ninguém, e o plano do presidente tem sido chamado de amnésia, em vez de anistia.

Esforços de reconciliação são frustrados por atos de terror

Em abril de 2007, cerca de 35 pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas quando homens-bomba atacaram um prédio do governo em Argel e uma delegacia de polícia nos arredores da capital. A Al-Qaeda no Magrebe Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque. O grupo terrorista atacou novamente em dezembro, matando até 60 pessoas em dois ataques suicidas perto de escritórios da ONU e prédios do governo na capital da Argélia. Os bombardeios ocorrem em poucos minutos. Foi o pior ataque na Argélia em mais de 10 anos.

Em junho de 2008, o presidente Bouteflika substituiu o primeiro-ministro Abdelaziz Belkhadem por Ahmed Ouyahia, que havia servido duas vezes como primeiro-ministro.

Pelo menos 43 pessoas foram mortas em agosto de 2008, quando um homem-bomba dirigiu um carro carregado de explosivos contra uma academia de polícia em Issers, uma cidade no norte da Argélia. No dia seguinte, dois carros-bomba explodiram simultaneamente em um comando militar e em um hotel em Bouira, matando uma dezena de pessoas. Nenhum grupo assume a responsabilidade pelos ataques, mas autoridades argelinas disseram suspeitar que a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico esteja por trás dos ataques.

Em novembro de 2008, o Parlamento aprovou mudanças constitucionais que permitem ao presidente Bouteflika concorrer a um terceiro mandato. A oposição criticou a medida, chamando-a de um ataque à democracia. Bouteflika conquistou a reeleição em abril de 2009, obtendo mais de 90% dos votos.

A esperança da oposição de ganhar influência e voz no governo foi frustrada nas eleições parlamentares de maio de 2012. Uma coalizão de partidos islâmicos moderados estava otimista de que poderia aproveitar a onda de mudanças e reformas que varreu a região desde a Primavera Árabe de 2011. Mas a coalizão ganhou apenas 48 de 463 assentos e acusou a Frente de Libertação Nacional (FLN), que teve 220 assentos, de fraude.

Dezenas de pessoas mortas na crise de reféns

Em 16 de janeiro de 2013, militantes islâmicos fizeram dezenas de reféns estrangeiros no campo de gás In Amenas, controlado pela BP, no leste da Argélia, perto da fronteira com a Líbia. Autoridades argelinas disseram que os militantes eram membros de uma ramificação da Al-Qaeda chamada Al Mulathameen e estavam agindo em retaliação à intervenção da França no vizinho Mali para repelir militantes que haviam cruzado para áreas controladas pelo governo. Em 17 de janeiro, tropas argelinas invadiram o complexo e atacaram os sequestradores. Ao final do impasse em 20 de janeiro, 29 militantes e 37 reféns foram mortos. Três americanos estavam entre os mortos. O governo argelino foi criticado por sua abordagem severa à crise, mas não se desculpou.

Em 3 de setembro de 2012, o presidente Abdelaziz Bouteflika nomeou Abdelmalek Sellal como primeiro-ministro. As principais posições do gabinete do governo permaneceram inalteradas.

Em 13 de março de 2014, o primeiro-ministro Abdelmalek Sellal renunciou para realizar a campanha de reeleição do presidente Abdelaziz Bouteflika. O ministro da Energia, Youcef Yousfi, foi nomeado primeiro-ministro. Bouteflika foi reeleito para um quarto mandato em abril de 2014, com 81% dos votos. A oposição, liderada por Ali Benflis, que desafiou Bouteflika e recebeu 12% dos votos, afirmou que houve "graves irregularidades" na eleição.


Principais coisas para ver em Tlemcen, na Argélia.

A Grande Mesquita de Tlemcen.

A Grande Mesquita de Tlemcen foi construída no ano de 1136, e acredita-se que o it & acutes seja uma das cinco mesquitas mais antigas da Argélia. A mesquita está localizada no centro da cidade, onde é fácil de ver com seu minarete alto, a mesquita foi construída no estilo andaluz tradicional (também conhecido como Arcticthure Morish) e considerada as mesquitas mais bonitas de toda a Argélia.

A mesquita é frequentemente comparada à Grande Mesquita de Córdoba, Espanha, devido ao estilo de arquitetura semelhante.
Durante a minha visita foi necessária uma autorização para tirar fotos dentro da mesquita, mas se você pedir com educação ao guarda, ele permitirá que você tire algumas fotos rapidamente.

Mesquita Mansourah.

O Minarete Mansourah de 38 metros de altura o marco da cidade

Na periferia oeste da cidade estão as ruínas de Mansourah (que significa The Victorious & rdquo em árabe). Mansourah já foi uma cidade murada, com mais de 4000 m de comprimento e parede de 13 metros de altura ao redor da cidade, it & acutes também disse que a parede tinha mais de 80 torres de vigia, atualmente não resta muito da cidade outrora importante, mas o impressionante Minarete de 38 metros de altura é ainda de pé.

O Minarete é semelhante ao encontrado no Tour Hassan em Rabat Marooco e na Giralda em Sevilha, Espanha. It & acutes não é possível escalar o minarete.

O Minarete Mansourah de 38 metros de altura

Palácio de El Mechouar.

As paredes externas do Palácio El Mechouar.

O local mais famoso em Tlemcen é o Palácio El Mechouar. O palácio já fez parte de uma cidadela muito maior que foi construída aqui no ano de 1248. Unfurtuently a maior parte do complexo foi destruída durante o Império Otomano.
Mas, felizmente, uma parte significativa da Cidadela foi restaurada em 2010 para fazer parte de Tlemcen, capital da cultura islâmica em 2011.

O minarete na mesquita de El Mechouar.

O complexo contém o Palácio El Mechouar. A mesquita El Mechouar com o seu minarete que data de 1311, durante a ocupação francesa da Argélia foi esta mesquita transformada em igreja. There & acutes também é um museu que exibe vestidos nacionais de todas as regiões da Argélia aqui. Se quiser trazer alguns souvenirs da Argélia também tem uma loja com a maior seleção de artesanato local localizada aqui.

Do Museu dos vestidos nacionais da Argélia.

Se você quer meu artesanato local este é o melhor lugar.

Mesquita Sidi Boumediene.

Interior MESQUITA DE SIDI BOUMEDIENE.

Dentro MESQUITA DE SIDI BOUMEDIENE.

Os restos do antigo palácio

A mesquita de Sidi Boumediene foi construída em 1339 e é um dos locais religiosos mais importantes da cidade. Localizado a 16 km fora da cidade nas colinas com vista para a cidade.
O complexo não é apenas uma mesquita, mas também uma escola islâmica, o Mausoléu de Sidi Boumediene e há até algumas ruínas antigas de um palácio que ainda guarda os restos de um antigo banho turco do lado de fora da mesquita.

Entrada do Mausoléu de Sidi Boumediene, sem fotos permitidas no interior.

O Mausoléu de Sidi Boumediene é um importante local de peregrinação. Sidi Boumediene também era conhecido como Choa & iumlb Abou Madyane El Andaloussi nasceu em 1126 na Espanha e morreu em 1197 em Tlemcen. Foi um poeta argelino e professor de sufismo, he & acutes considerado a pessoa que introduziu o sufismo no norte da África. He & rsquos considerado o protetor celestial de Tlemcen.

Mesquita Sidi Bellahsen.

Algumas das esculturas incríveis da Mesquita Sidi Bellahsen.

Outra mesquita que vale a pena visitar é a pequena Mesquita Sidi Bellahsen, no lado oeste da praça próxima da Grande Mesquita de Tlemcen.
A mesquita foi construída em 1296.
Enquanto a Grande Mesquita de Tlemcen e o Sidi Boumediene são locais essenciais de adoração e operação plena da Mesquita, a Mesquita Sidi Bellashen agora serve como um Museu.

Visite Beni Add Cave & amp Cachoeira El Ourit.

Passarelas dentro da Caverna Beni Add

Cerca de 20 km a sudeste da cidade está a Caverna Beni Add, uma maravilha natural que se acredita ter mais de 65.000 anos. A caverna é especialmente popular durante os meses de verão, quando a temperatura em Tlemcen pode chegar a impressionantes 36+, enquanto dentro da caverna ela ganhou & acutet esquentou acima de 16+. A caverna em si atinge uma profundidade de 57 m (187 pés), subterrânea e é coberta por estalactites gigantes e estalagmites impressionantes que são iluminadas com cores diferentes.

No caminho de volta para Tlemcen, vindo da caverna Beni Add, há algumas pequenas cachoeiras, enquanto as cachoeiras em si não são nada para se gabar, então a área ao redor é bem construída e com pequenos restaurantes, o que torna este um excelente lugar para parar para um café ou um pequeno lanche.

Pegue O Teleférico.

vista panorâmica sobre a cidade

Como outras cidades da Argélia, como a capital do país Argel e a incrível cidade das pontes, Constantino também tem um teleférico em Tlemcen. Enquanto o teleférico nas outras duas cidades é mais para uso prático para os habitantes locais, o teleférico aqui em Tlemcen é mais para o uso paisagístico, onde vai do centro da cidade até o ponto mais alto de Lalla Setti. Planalto a 1000 metros acima do nível do mar, oferecendo uma vista panorâmica sublime de toda a cidade de Tlemcen.

There & acutes também um pequeno parque de diversões, um lago artificial com pedalinhos, um museu de guerra e um hotel 5 * estrelas o hotel Renaissance um dos poucos lugares onde você pode comprar bebidas alcoólicas em Tlemcen se tiver algum tempo livre é a floresta aqui, um lugar popular para pequenos caminhadas de um dia.

Informações adicionais sobre Tlemcen.


Embaixada dos EUA em Argel

5 Chemin Cheikh Bachir Ibrahimi,
El-Biar
16030 Argel
Argélia
Telefone: + (213) 770-08-2000
Telefone de emergência fora do expediente: + (213) 770-08-2200
Fax: 0770-08-2299
[email protected]

Descrição do Destino

Consulte nosso folheto informativo sobre a Argélia para obter informações sobre as relações EUA-Argélia.

Requisitos de entrada, saída e visto

Consulte o site da Embaixada da República Democrática Popular da Argélia para obter instruções sobre o visto.

Requisitos para a entrada:

Os passageiros que chegam em um navio de cruzeiro e que farão parte de uma excursão terrestre organizada não precisam de visto com antecedência. Todos os outros viajantes devem obter um visto de uma embaixada ou consulado da Argélia antes da viagem. Se você tiver carimbos de entrada israelenses em seu passaporte, poderá ter dificuldades.

Quando seu passaporte for carimbado na entrada, verifique quanto tempo você pode ficar. Você pode solicitar uma prorrogação da estada ao Ministério do Interior (Ministério de Estrangeiros). No entanto, se você ficar mais tempo, pode precisar comparecer a um juiz antes de partir da Argélia. Se você estiver nesta situação, consulte a delegacia de polícia local.

Se você é um cidadão americano que deseja residir na Argélia, consulte nossa página Residência na Argélia.

Dupla nacionalidade: O governo argelino trata os argelinos-americanos com dupla nacionalidade que entram na Argélia com passaporte argelino apenas como cidadãos argelinos. Mulheres cidadãs americanas casadas com argelinos não precisam da autorização do marido para partir. Os filhos menores de dupla nacionalidade que saem da Argélia com passaporte argelino com apenas um dos pais terão de fornecer o livro da família argelino (livret de famille) in order to demonstrate the relationship between the child and the accompanying parent.

HIV restrictions: We are unaware of any HIV/AIDS entry restrictions for visitors or foreign residents of Algeria.

See the U.S. Embassy website for information on Algerian Customs import/export restrictions.

Safety and Security

Terrorist Activity: While Algeria has long been an important counterterrorism partner to the United States and has continued its aggressive campaign to eliminate all terrorist activity, active terrorist threats remain within Algeria and along its borders, in particular from the groups Al-Qa’ida in the Islamic Maghreb, the Movement for Unity and Jihad in West Africa, al-Murabitoun, and Jund al-Khilafah in Algeria, which has sworn allegiance to the Islamic State of Iraq and ash-Sham (ISIS).

Terrorist attacks usually target Algerian government interests and security forces outside of major cities and mainly in mountainous and remote areas, although attacks in 2017 and 2018 injured and killed police and security forces in the cities of Constantine and Tiaret, and the regions of Sidi Bel Abaas and Azzaba.

The Department of State warns U.S. citizens against travel to remote areas in southern and eastern Algeria, due to a high threat of terrorist attacks and kidnapping. As noted in our Travel Advisories for Algeria, U.S. citizens should:

  • avoid travel to rural areas within 50 km (31 miles) of the border with Tunisia and within 250 km (155 miles) of the borders with Libya, Niger, Mali, and Mauritania due to terrorist and criminal activities.
  • avoid overland travel across the Sahara. Travel to Saharan cities only by air.
  • remain on principal highways when traveling to coastal/mountainous areas east of Algiers and the mountains immediately south of Algiers.
  • always travel with reputable Algerian travel agents who know the area.
  • avoid staying overnight outside of the main cities and tourist locations.
  • inform local police when staying in locations outside of major cities.

In general, U.S. citizens in Algeria should keep a low-profile and avoid predictable travel patterns. See our Travel Advisories for Algeria for more information.

Civil Disturbances: Civil disturbances sometimes occur throughout the country. These disturbances are overwhelmingly based on longstanding socio-economic grievances. Protesters have ignited fireworks, burned tires, damaged property, and looted businesses. At times police used tear gas and other means to disperse crowds.

Crime: The crime rate in Algeria is moderate. Algeria has a very visible police presence throughout the country, as well as many plain-clothes police officers. Petty theft and home burglary occur frequently in low income areas, and occasionally in affluent neighborhoods. Theft of contents and parts from parked cars, pick-pocketing, theft on trains and buses, theft of items left in hotel rooms, and purse snatching can occur. Only stay in hotels where adequate security is provided.

The Algerian Association for Defense of the Rights of Children (NADA) recorded three victims and 56 attempts of child kidnappings nationwide within the first six months of 2018. Algerian law enforcement has implemented a security plan to cope with this phenomenon by deploying plain-clothes policemen at schools and in the neighborhoods where disappearances are more common and a toll-free number “104” has been implemented.

The U.S. Embassy has seen several cases in which American citizen women who meet an Algerian man on-line are lured to Algeria for marriage and are then held against their will in abusive situations. See our information on Internet Dating and Marriage Fraud. See the Department of State and the FBI pages for information on scams.

Victims of Crime: U.S. citizen victims of sexual assault should first contact the U.S. Embassy at (213)770-08-2000.

To reach Algerian emergency services in Algeria, see our Emergency Phone Numbers page.

Reliability and response time of emergency services varies, but is not to U.S. standards. Emergency operators may or may not speak French they normally do not speak English. Remember that local authorities are responsible for investigating and prosecuting crime.

  • help you find appropriate medical care
  • assist you in reporting a crime to the police
  • contact relatives or friends with your written consent
  • explain the local criminal justice process in general terms
  • provide a list of local attorneys
  • provide our information on victim’s compensation programs in the U.S.
  • provide an emergency loan for repatriation to the United States and/or limited medical support in cases of destitution
  • help you find accommodation and arrange flights home
  • replace a stolen or lost passport

Domestic Violence: U.S. citizen victims of domestic violence may contact the U.S. embassy for assistance.

Tourism: The tourism industry is regulated, but not all facilities and equipment meet U.S. standards. Hazardous areas/activities are not always identified with appropriate signage, and staff may not be trained or certified either by the host government or by recognized authorities in the field. In the event of an injury, appropriate medical treatment is typically available only in/near major cities. First responders may be slow to access areas outside of major cities and to provide urgent medical treatment. U.S. citizens are encouraged to purchase medical evacuation insurance. See our webpage for more information on insurance providers for overseas coverage.

Local Laws & Special Circumstances

Criminal Penalties: You are subject to local laws. If you violate local laws, even unknowingly, you may be expelled, arrested, or imprisoned.

  • Always carry your passport, or a copy of it, with you, or you may be taken in for questioning by law enforcement officials.
  • Photographing military installations and government buildings (often marked by an Algerian flag over the entrance) is prohibited.
  • Items that are legal to bring into and carry in the United States may not be legal in Algeria. See the U.S. Embassy website for information on Algerian Customs import/export restrictions.
  • Driving under the influence of alcohol or drugs could land you immediately in jail.

Furthermore, some laws are also prosecutable in the U.S., regardless of local law. For examples, see our website on crimes against minors abroad and the Department of Justice website.

Arrest Notification: If you are arrested or detained, ask police or prison officials to notify the U.S. embassy immediately. See our webpage for further information.

Faith-Based Travelers: Islam is the state religion of Algeria. The Algerian government allows non-Muslim religious worship only in structures exclusively intended and approved for such purpose. Activities such as proselytizing and encouraging conversion to a faith other than Islam are prohibited. Penalties may include fines and imprisonment. See the Department of State’s International Religious Freedom Report.

LGBTI Travelers: The law criminalizes public indecency and consensual same-sex sexual relations between adult men and women with penalties that include imprisonment of six months to three years and a fine of DZD 1,000 to DZD 10,000 ($8.50 to $85). The law also stipulates penalties that include imprisonment of two months to two years and fines of DZD 500 to DZD 2,000 ($4.25 to $17) for anyone convicted of having committed a “homosexual act.” If a minor is involved, the adult may face up to three years’ imprisonment and a fine of DZD 10,000 ($85).

LGBTI activists reported that the vague wording of laws criminalizing “homosexual acts” and “acts against nature” permitted sweeping accusations that resulted in multiple arrests for consensual same-sex sexual relations, but there were no known prosecutions during the year. LGBTI status is not, in itself, criminalized however, LGBTI persons may face criminal prosecution under legal provisions concerning prostitution, public indecency, and associating with bad characters. NGOs report that judges give harsher sentences to LGBTI persons.

See our LGBTI Travel Information page and section 6 of our Human Rights report for further details.

Travelers Who Require Accessibility Assistance: Physical accessibility and accommodations tend to be lacking, as compared to the United States. The condition of sidewalks and streets is often poor, and there are almost no curb cuts or other modifications made for wheelchairs. Street curbs in Algeria may stand much higher than those in the U.S., and a person in a wheelchair would require significant assistance in negotiating curbs.

Hotels, restaurants, and most government buildings are not accessible to persons with physical disabilities. Restrooms and elevators rarely can accommodate wheelchairs. Very few vehicles, including buses and taxis, are accessible for persons with physical disabilities.

Women Travelers: Women walking along the streets in Algeria may experience sexual harassment from passing motorists and pedestrians. See our travel tips for Women Travelers.

Travel within Algeria: All employees of foreign companies or organizations based in Algeria who are not Algerian citizens must contact the Ministry of the Interior, Foreigners Office, before engaging in any travel within the interior of the country. The Ministry will notify local police of the planned travel and the police may choose to assign escorts for that travel.

Marriage in Algeria: See our Marriage in Algeria webpage for documents that must be obtained before leaving the United States.

Disaster Preparedness: Algeria is a seismically active country, with earthquakes regularly occurring throughout the country. Make contingency plans for your travel in Algeria and leave emergency contact information with family members outside of Algeria. General information about natural disaster preparedness is available from the U.S. Federal Emergency Management Agency (FEMA) and at Ready.gov. For more information on disaster preparedness, please see the following links:

Moeda: Travelers must declare upon entry at Customs if they are traveling with more than 3000 Algerian dinar or foreign currency that exceeds 1000 euros (or the equivalent). The amount of up to 7500 Euros (or equivalent in other foreign currency) can be taken out of the country. Proof that the money has been withdrawn form an Algerian bank account is required. According to Algerian Customs guidelines, foreign citizens cannot take any amount of Algerian currency outside of the country. Algerian residents can take the amount of up 10.000DA out of the country, Algerian dual-nationals who are not residents or other third country nationals are not permitted to take Algerian currency outside of the country.

The official exchange rate may vary considerably from the actual exchange rate on the street. It is illegal to change money on the black market, and you should only exchange foreign currency at banks or authorized currency exchange locations, such as major hotels.

Upon leaving Algeria, authorities may ask if you have any currency and possibly search you. Penalties can be severe if you failed to declare foreign currency in excess of the above amount upon entering Algeria, but are found to possess it when exiting the country. They will compare the amount of foreign currency you declared when entering and the amount you are taking out, and you will need to show documentation that your currency was exchanged legally.

Saúde

While hospitals and clinics are available, they are not up to U.S. or European standards. The quality of hospitals and clinics is improving in large urban centers. Doctors and hospitals often expect immediate cash payment for services. Most medical practitioners speak French English is not widely used.

Emergency services are satisfactory, but response time is often unpredictable. In all cases, response time is not as fast as in the United States.

Prescription Medications: While it is usually easy to obtain over-the-counter products, prescription medicines are not always readily available. See our information on local names for common over-the-counter medications.

The Algerian government restricts the importation of certain pharmaceuticals for commercial resale. In addition, medicines may be sold under different brand names with different dosages from those sold in the United States. Some newer medications may not yet be available in Algeria.

If traveling with prescription medication, check with the government of the Algerian Customs and Ministry of Health to ensure the medication is legal in Algeria. Always carry your prescription medication in original packaging with your doctor’s prescription.

The U.S. government does not pay medical bills. Be aware that U.S. Medicare does not apply overseas.

Medical Insurance: Make sure your health insurance plan provides coverage overseas. Most care providers overseas only accept cash payments. See our webpage for more information on insurance providers for overseas coverage.

We strongly recommend supplemental insurance to cover medical evacuation.

Vaccinations: Be up-to-date on all vaccinations recommended by the U.S. Centers for Disease Control and Prevention.

Further Health Information:

Cases of tuberculosis are regularly reported, but do not reach endemic levels. For further information on tuberculosis, please consult the CDC’s information on TB. Every summer, public health authorities report limited occurrences of water-borne diseases, such as typhoid. HIV/AIDS is a concern in Algeria. On August 23, 2018 the Algerian Ministry of Health (MoH) announced an outbreak of cholera in northern parts of the country, in around the capital province Algiers. The situation appears to have been contained, with the last confirmed case in late September 2018. Travelers can find the most up to date information on the Algerian Ministry of Health website.

Travel and Transportation

Road Conditions and Safety: Algeria suffers significant road safety problems, including poorly maintained roads, a lack of roadway signage, insufficient vehicle maintenance, defective and pirated auto parts, driver fatigue, and reckless and unskilled drivers. Lack of enforcement continues to be a major problem. While emergency response resources are adequate in Algiers and other populated cities, this is not the case in rural areas.

  • Travel overland, particularly in the southern regions, may require a permit issued by the Algerian Ministry of Interior.
  • Algeria recognizes International Driving Permits. U.S. citizens who wish to drive in Algeria should obtain an International Driver’s Permit in advance. See the Department’s Driving Abroad page for more information on driving permits. For information on obtaining an Algerian driver’s license, see the Algerian Ministry of Interior’s page for driving licenses.
  • Drivers will encounter police and military checkpoints on major roads within/around Algiers and other major cities. Police will require you to turn off your headlights when approaching a checkpoint at night.
  • Rather than traffic lights, police control most major traffic intersections in Algiers.

Please refer to our Road Safety page for more information. Visit the website of the Algerian Embassy in Washington, DC for information concerning Algerian driver’s permits, vehicle inspection, road tax, and mandatory insurance.

Public Transportation: Trains operate between cities in the coastal regions of Algeria (although not inter-country) and are generally safe and reliable. There is a new urban railway in Algiers that runs along the coast and is clean and well-policed. Due to concerns about crime and mechanical safety, citizens should consider carefully the risks of buses, as well as taxis hailed on the street. There are new radio-dispatch taxis within Algiers as well as taxi hailing apps such as “Yassir”.


Assista o vídeo: A OCUPAÇÃO DA ARGÉLIA. VOGALIZANDO A HISTÓRIA (Pode 2022).