A história

História Naval da Guerra Civil Dezembro de 1860 - História

História Naval da Guerra Civil Dezembro de 1860 - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

História Naval da Guerra Civil

Dezembro de 1860

26 Após a secessão da Carolina do Sul (20 de dezembro), o Major Robert Anderson, EUA, removeu sua guarnição leal de Fort Moultrie para Fort Sumter, em uma ilha no porto de Charleston; isso criou uma necessidade especial de reforços marítimos de tropas e suprimentos.

27 U.S. Revenue Cutter Aiken foi entregue às autoridades da Carolina do Sul.


Nem tudo tão silencioso ao longo do Potomac

No domingo passado, minha esposa levou os meninos e eu a Annapolis para um passeio no Dia dos Pais. Estive na capital do estado de Maryland várias vezes ao longo dos anos, mas tenho vergonha de admitir que nunca tive a oportunidade de visitar a Academia Naval dos EUA. Desta vez, fiz questão de parar na escola para dar uma olhada. Depois de consumir meu quinhão de caranguejo no Federal House Bar & amp Grill à beira-mar, descemos a rua por uma curta distância até a Academia Naval.

Annapolis era uma instituição relativamente jovem no início da Guerra Civil. O secretário da Marinha do presidente James Polk, George Bancroft, foi fundamental para o estabelecimento da academia. Em 1845, a nova "Escola Naval" foi inaugurada no local de Ft. Severn, uma instalação do Exército de 10 acres em Annapolis. Franklin Buchanan, que mais tarde viria a se tornar o comandante confederado em Mobile Bay, serviu como o primeiro superintendente. A escola foi rebatizada de Academia Naval dos EUA em 1850.

Vista da Academia Naval publicada na edição de março de 1853 do Nova york Notícias Ilustradas (cortesia da Wikipedia). Old Ft. Severn é visível no meio da gravura.

Alguns vestígios da era antebellum na academia permanecem, incluindo o Monumento da Guerra do México, o Monumento Herndon e o Monumento de Trípoli. Um marcador histórico também indica o local onde Ft. Severn foi localizado.

O Monumento da Guerra do México foi erguido em 1848 para homenagear quatro aspirantes que morreram na Guerra do México (1846-1848). Ironicamente, os quatro homens nunca colocaram os pés na Academia Naval. & # 65279
O Monumento Herndon, localizado perto da Capela da Academia Naval, foi erguido em 1860 para homenagear o Comodoro William Lewis Herndon, que deu a própria vida salvando outras pessoas durante um furacão ao largo de Hatteras em 12 de setembro de 1857. No final, Herndon afundou com seu navio , o vaporizador de correio América Central. Hoje, o monumento é o local da "escalada Herndon", onde os plebeus do primeiro ano escalam o monumento coberto de banha para recuperar o chapéu de uma plebe e substituí-lo por um de veterano. O lado do monumento na foto acima está marcado com a data do furacão fatídico.

O Monumento a Trípoli, localizado atrás do Museu da Academia Naval, foi esculpido em 1806 e é o monumento militar mais antigo do país. É dedicado a seis oficiais da Marinha dos EUA que perderam a vida durante a Primeira Guerra da Bárbara (1801-05). O monumento foi originalmente localizado no Navy Yard em Washington, mudou-se para o terraço oeste do Capitólio em 1831 e, finalmente, foi realocado para Annapolis em 1860.

Alguns marcos no Bancroft Hall comemoram o Ft. Severn, que foi construída em 1808. (Para mais informações sobre o texto, veja aqui e aqui.) Durante a Guerra de 1812, a guarnição preparou-se para um ataque britânico que nunca se materializou. O forte foi posteriormente transferido do Departamento de Guerra para o Departamento da Marinha em conexão com o estabelecimento da Escola Naval.
& # 65279Tensões aumentaram no estado fronteiriço de Maryland com o desenrolar da Guerra Civil. Não demorou muito para a Academia Naval sentir os efeitos do conflito. Após o motim de Baltimore em 19 de abril de 1861, os pró-confederados de Maryland agiram para impedir o movimento de voluntários do sindicato pela cidade a caminho de Washington. Fios telegráficos foram cortados e pontes ferroviárias destruídas. O general de brigada Benjamin Butler, acompanhando o 8º Massachusetts, soube dos problemas e decidiu contornar completamente Baltimore, transportando suas tropas para Annapolis e de lá por outra ligação ferroviária para Washington. Ele carregou o 8º Massachusetts na balsa da ferrovia Maryland e chegou a Annapolis na noite de 20 de abril de 1861. Dentro de um dia ou mais, Butler foi acompanhado pelo 7º New York offshore. O governador de Maryland, Thomas Hicks, tentou impedir Butler de desembarcar, mas Butler recusou e informou a Hicks que pousar em propriedade federal da Academia Naval seria "inteiramente adequado". (OU, Série 1, Vol. 2, Parte 1, p. 590.)

Os dias 8 de Massachusetts e 7 de Nova York marcharam fora de seus transportes na Academia Naval em 22 de abril. De lá, Butler começou a trabalhar no conserto da ferrovia Annapolis e Elk Ridge, que se conectava a Baltimore e Ohio em Annapolis Junction. A ferrovia já havia sido danificada por simpatizantes do sul. Em poucos dias, os dois regimentos estavam a caminho de Washington. Um marco histórico no terreno da Academia Naval comemora as ações de Butler.

O marco em Annapolis é dedicado a Benjamin Butler, localizado em frente ao Luce Hall ao longo do rio Severn. A data da chegada do 8º Massachusetts em Annapolis é 21 de abril de 1861. As fontes divergem quanto ao fato de o regimento ter chegado a Annapolis em 20 ou 21 de abril. As próprias memórias de Butler, Livro de Butler (1892), parece colocar o evento real como ocorrendo em algum ponto durante a noite de 20-21 de abril.
Mesmo com a chegada das tropas da União, o Superintendente George S. Blake continuou preocupado com uma tentativa dos confederados de ocupar a Academia Naval e decidiu realocar a escola. Em 25 de abril, os aspirantes a navio da Academia zarparam para Newport, Rhode Island, a bordo da famosa fragata, Constituição USS. (Para saber mais sobre este episódio fascinante na história da Academia Naval, veja aqui.) O Exército assumiu o controle de Annapolis e construiu um amplo complexo hospitalar na propriedade. Este hospital atendeu soldados da linha de frente, bem como prisioneiros da União em liberdade condicional que sofriam de várias doenças. A Naval Academy permaneceria em Newport durante a guerra e só retornaria em agosto de 1865. De acordo com o site da Naval Academy, "400 graduados serviram na Marinha da União, 95 na Marinha Confederada 23 graduados foram mortos em batalha ou morreram de ferimentos."

Depois de uma caminhada pelo terreno à procura de marcos e monumentos, minha esposa e meus filhos relaxaram sob a sombra de algumas árvores antigas perto da capela, e eu me dirigi ao Museu da Academia Naval para uma rápida visita. Fiquei impressionado com o grande número de exposições interessantes destacando a história naval de nossa nação desde a Revolução até o presente. A parte do museu sobre a Guerra Civil continha muitos artefatos, incluindo uma peça do USS Monitor e uma roda do almirante David Farragut USS Hartford. Também examinei os modelos de couraçados e navios. Saí depois de apenas tocar a superfície, portanto, uma visita de retorno é definitivamente necessária.


The Potomac Flotilla

Em maio de 1861, as autoridades federais criaram uma "flotilha voadora & rdquo para patrulhar a Baía de Chesapeake e seus rios. Batizada de Flotilha Potomac, a frota de seis navios, vapores e barcaças era responsável pela segurança das viagens e suprimentos no rio Potomac e no Baía superior de Chesapeake.

A Flotilha Potomac estava ocupada mantendo invasores e contrabandistas sob controle. Quando o General Grant mudou-se pela Virgínia durante sua Campanha Overland de 1864, a Flotilha removeu as minas confederadas do rio Rappahannock. Isso permitiu ao exército da União usar Fredericksburg como uma base segura para suprimentos. A Flotilha também extraiu pólvora das minas para as tropas da União usarem no campo.

A Potomac Flotilla forneceu segurança inestimável para a capital dos EUA. Em 1864, ajudou a expulsar a Marinha Confederada quase completamente da baía.


A revolução

No final de 1775, o Congresso Continental nomeou um Comitê da Marinha consistindo de sete membros e deu-lhe o mandato de organizar uma marinha. Reunindo-se todas as noites em uma taverna da Filadélfia, o comitê lutou para chegar a um acordo sobre as questões estratégicas e táticas mais básicas. Enfrentando sozinho o poderio naval da Grã-Bretanha, as opções estratégicas abertas aos seus membros eram: (1) defender as linhas costeiras da nação (2) proteger os comboios (3) atacar o comércio inimigo ou (4) todas as opções acima. O comitê audaciosamente escolheu todos os itens acima. Na prática, a nova marinha era virtualmente impotente para fazer outra coisa senão atacar o comércio inimigo. Construir uma frota de 64 e 74 navios de armas para enfrentar a principal frota de batalha da Grã-Bretanha estava fora de questão (ver Tabela 1). Tinha recursos financeiros limitados, nenhum administrador, poucos oficiais experientes e, não menos importante, a ausência de navios de guerra. No entanto, essas questões não dissuadiram o comitê.

Durante os primeiros três anos de guerra, o financista Robert Morris - que às vezes por conveniência adiantava seus próprios fundos, muitas vezes sem recompensa - executou a maior parte do trabalho do comitê. Um pequeno esquadrão de mercadores foi convertido em navios de guerra e colocado sob o comando de Eseks Hopkins, um capitão mercante sem experiência naval. Em dezembro de 1775, o comitê autorizou a construção de 13 fragatas leves com 24 a 32 canhões cada.

Construir, armar e equipar as fragatas foi um enorme desafio para treze colônias que não tinham estaleiros navais, nem fábricas para produzir artilharia (a Grã-Bretanha havia proibido a fabricação de canhões pesados ​​nas colônias) ou suprimentos como cânhamo e lona. Até mesmo decidir quais colônias deveriam receber contratos proporcionou um primeiro vislumbre da política do barril de porco. As fragatas que conseguiram chegar ao mar costumavam ser tão mal equipadas que eram forçadas a retornar ao porto para reparos. Mas, apesar desses defeitos, seu projeto proporcionou um aprendizado valioso para um arquiteto naval de distinção futura, Joshua Humphrey. Várias fragatas, como a Confederação (36) eram projetos notáveis, mais pesados ​​do que fragatas inimigas comparáveis ​​e muito admirados pelos britânicos.

Em um conflito prolongado entre forças imensamente desiguais, a Marinha Continental inevitavelmente sucumbiu: das 13 fragatas encomendadas, duas nunca foram concluídas, duas foram afundadas (quando os britânicos capturaram a Filadélfia), uma foi incendiada por sua tripulação, uma explodiu em batalha , e os sete restantes foram capturados e levados para a marinha britânica. Apesar de seu histórico, a Marinha Continental produziu vários heróis navais, o mais famoso sendo John Paul Jones, e vários jovens oficiais promissores, incluindo Thomas Truxtun e Edward Preble. No final da guerra, apenas dois grandes navios de guerra continentais permaneceram, a fragata Aliança e o primeiro navio americano da linha, América (74). Mas as perdas de navios foram apenas uma medida do desempenho da Marinha Continental: a luta contra a Revolução forçou a Grã-Bretanha a comprometer importantes ativos da frota para a América do Norte para combater a marinha francesa, enquanto sua marinha mercante sofreu perdas consideráveis ​​e aumento das taxas de seguro das depredações causadas pelos corsários americanos e navios da marinha.


Carta de Zebulon B. Vance para William Dickson, 11 de dezembro de 1860

& quotA mente de todo o sul está inflamada ao máximo e os líderes no movimento de desunião estão desprezando qualquer sugestão de compromisso e apressando tudo com pressa ruinosa e indecente que parece implicar que eles eram idiotas absolutos - No entanto, eles estão agindo com sabedoria por seus fins - eles estão "precipitando" o povo para uma revolução sem lhes dar tempo para pensar - Eles temem que o povo pense ... Mas o povo deve pensar, e quando começarem a pensar e ouvir o assunto devidamente discutido eles considerarão longa e sobriamente antes de derrubar este nobre tecido e convidar a anarquia e confusão, carnificina, guerra civil e ruína financeira com a pressa ofegante de homens fugindo da pestilência ... Se sairmos agora, não poderemos leve o exército e a marinha conosco, e Lincoln poderia tão facilmente empregá-los para nos forçar a voltar quanto poderia para evitar que saíssemos ... Temos tudo a ganhar e nada na terra a perder com o atraso, mas por muito apressado ação nós m Podemos dar um passo fatal que nunca poderemos reconstituir - pode perder uma herança que nunca poderemos recuperar - embora a busquemos com seriedade e com lágrimas.


Minas Submarinas na Guerra Civil

Nota: Durante a Guerra Civil, as pessoas se referiam às minas como torpedos, em homenagem ao peixe torpedo (raia) que dá um choque elétrico. Os torpedos automotores em que pensamos hoje só foram inventados depois da guerra. Para evitar confusão, esta exposição usa o termo meu.

Implicações morais

A introdução da verdadeira guerra contra as minas levantou um sério debate moral. Durante a maior parte da guerra, a União rejeitou a guerra contra minas como uma prática desonrosa e imoral. Como a Marinha Confederada estava desesperada para proteger suas extensas vias navegáveis, o Secretário da Guerra Confederado concordou com seu uso em capacidades defensivas.

Gabriel Rains, um inventor confederado de vários primers de minas e mecanismos de detonação, as minas de feltro tinham um propósito significativo na guerra como armas e dissuasores. Ele ajudou a iniciar seu uso pela Confederação e fez lobby para sua aceitação pela liderança confederada.

Como Secretário de Guerra Confederado, George W. Randolph tomou a decisão final sobre a adoção de minas pelos Estados Confederados. A guerra civilizada da época permitia o uso de armas letais apenas quando isso proporcionava uma clara vantagem militar. Randolph determinou então que, embora as minas não pudessem ser usadas simplesmente para matar inimigos, elas eram aceitáveis ​​em contextos defensivos, como proteger rios e portos confederados.

Embora a Marinha da União inicialmente tenha desdenhado o uso de minas por motivos morais, sua eficácia acabou vencendo. Como Union Admiral David Farragut escreveu em uma carta de março de 1864 ao Secretário da Marinha, “Torpedos [minas] não são tão agradáveis ​​quando usados ​​por ambos os lados, portanto, eu me propus a isso com relutância. Sempre o considerei indigno de uma nação cavalheiresca, mas não convém dar ao seu inimigo uma superioridade tão decidida sobre você. ”

Armas defensivas

Grande parte da Guerra Civil foi travada no Sul, forçando os Confederados a proteger milhares de quilômetros de costa com poucos recursos. As minas ofereciam a tática mais eficaz: custavam pouco para serem produzidas, funcionavam bem como armas defensivas e podiam afundar ou danificar navios da União grandes e caros.

Os confederados plantaram minas nos rios do sul já em julho de 1861 e continuaram a usá-las defensivamente até o final da guerra. Os inventores do sul também desenvolveram minas ofensivas, mas se mostraram menos bem-sucedidas porque tinham menor chance de encontrar alvos.

O Norte implementou seu agora famoso Plano Anaconda no início da guerra. Semelhante a uma cobra estrangulando sua presa, a União esperava forçar o Sul a se render fechando suas linhas de abastecimento. Os navios da União bloquearam os portos do sul enquanto as forças da União tentavam assumir o controle do rio Mississippi, cortando assim o sul em dois.

Minas de barril (topo) e minas de quadro (embaixo) eram as minas defensivas mais comumente usadas durante a guerra. Os confederados os ancoraram em seus cursos de água para desativar ou retardar os navios da União que tentavam capturar portos e cidades do sul. Ancoradas no fundo de rios, essas minas detonaram devido à pressão de contato com uma embarcação inimiga.

As minas também atuaram como impedimentos psicológicos. Marinheiros da união (e até mesmo oficiais) temiam cursos d'água sabidamente minados. Sua ansiedade às vezes afetava os movimentos e ataques das tropas.

O Norte viu pouca necessidade de minas defensivas ou ofensivas. Eles raramente os empregavam e apenas afundaram um navio confederado usando minas durante a guerra, CSS robusto Albemarle em 1864.

Embora a ameaça de minas submarinas inicialmente mantivesse a Marinha da União afastada, no início de 1862 o Sul precisava adotar uma abordagem mais ofensiva ao bloqueio. A Confederação desenvolveu pequenos barcos semi-submersíveis chamados Davids que carregava minas em longos mastros presos a seus arcos. o Davids podiam se aproximar dos navios da União à noite, sem serem vistos, e lançar seus explosivos contra os alvos.

Tecnologia aprimorada

A Confederação não inventou as minas subaquáticas nem as usou primeiro. Os inventores americanos David Bushnell, Robert Fulton e Samuel Colt haviam feito experiências com minas subaquáticas que levaram à Guerra Civil. Dois indivíduos da Confederação desenvolveram esse trabalho e avançaram significativamente no projeto e na tecnologia da mina.

O Comandante da Marinha Confederada Matthew Fontaine Maury desenvolveu minas subaquáticas que explodiram da costa por eletricidade. O general de brigada do exército Gabriel J. Rains adaptou as minas terrestres detonadas por pressão em minas mecânicas que funcionavam embaixo d'água. Suas inovações transformaram as minas de dispositivos experimentais em armas funcionais e eficazes.

Gabriel Rains experimentou primeiro com minas terrestres durante a Segunda Guerra Seminole (1835-1842). Quando a Confederação proibiu o uso de minas terrestres por motivos morais, Rains foi transferido para as “defesas do rio” para aplicar suas invenções em cursos de água.

Matthew Fontaine Maury, conhecido como o “Pathfinder of the Seas”, foi um cientista e oceanógrafo antes de seu trabalho com minas elétricas durante a Guerra Civil. Os historiadores acreditam que Maury iniciou o uso confederado de minas subaquáticas.

Depois que Matthew Fontaine Maury foi enviado à Europa em junho de 1862 para obter suprimentos navais essenciais, incluindo material para construir minas submarinas, seu tenente assistente Hunter Davidson assumiu suas funções.

Capitão do Exército Confederado Francis Lee inventou o torpedo mastro (mina) em 1862. Montado em um mastro longo (mastro) preso a um pequeno barco, o torpedo mastro colocava as minas em um papel ofensivo.

Produção Padronizada

Muito do sucesso do Sul com as minas veio da padronização de sua fabricação e distribuição. Em 1862, o Congresso Confederado criou duas organizações que assumiram autoridade sobre a produção de minas e acabaram com as práticas aleatórias. Matthew Fontaine Maury e seu protegido, o tenente Hunter Davidson, chefiavam o Serviço de Baterias de Submarinos da Marinha, enquanto Gabriel Rains comandava o Gabinete de Torpedos do Exército.

Esses serviços profissionais adotaram procedimentos padrão para produzir e plantar minas subaquáticas metodicamente. Eles conduziram pesquisas, recrutaram e treinaram especialistas e técnicos de minas, padronizaram projetos de minas e corrigiram métodos de produção defeituosos. Com o estabelecimento desses sistemas, o uso da mina cresceu em volume e eficácia.

Os confederados não improvisaram a montagem ou a aparência de suas minas. Embora às vezes utilizassem materiais disponíveis como barris ou garrafas de vidro, o projeto das minas do sul foi planejado e intencional.

Gabriel Rains meticulosamente refinou e documentou seus projetos de mina, incluindo este para um “Torpedo de madeira vertical,” em um manuscrito não publicado, ele intitulou "Livro do Torpedo". Sua neta apresentou o documento ao Museu da Confederação em 1926 e foi publicado em 2011.

Estabelecido o Serviço de Baterias Submarino e o Torpedo Bureau estações de produção em Richmond, Wilmington, Charleston, Savannah e Mobile. O aspecto rústico desta fábrica desmente o sofisticado trabalho realizado neste local.

Deterrentes eficazes

As minas subaquáticas não mudaram o resultado de nenhuma grande batalha da Guerra Civil, mas desempenharam importantes papéis defensivos e dissuasivos. Hidrovias minadas retardavam a Marinha da União, danificando seus navios ou forçando os marinheiros a limpar as minas antes de avançar. Esses atrasos deram às forças confederadas tempo para recuar com segurança ou aguardar reforços.

Os confederados aumentaram a eficácia das minas melhorando a tecnologia existente e padronizando a produção e implantação da mina. No decorrer da guerra, suas minas afundaram 29 navios da União e danificaram 14. Em termos de danos causados ​​em comparação com o esforço despendido, os esforços de mineração do Sul provaram ser notavelmente bem-sucedidos. Nações em todo o mundo perceberam e adotaram minas para suas marinhas.

Duas minas confederadas explodiram o canhoneira USS Cairo em 12 de dezembro de 1862. Cairo, o primeiro navio da União afundado na guerra por uma mina, desapareceu debaixo d'água em 12 minutos.

Canhoneira da união Commodore Barney sofreu sérios danos durante uma missão de reconhecimento em agosto de 1863, quando uma mina elétrica explodiu sob sua proa de estibordo.

Um barco torpedeiro David causou sérios danos a Union ironclad New Ironsides em outubro de 1863, quando atingiu o navio do Norte com um torpedo spar (mina). New Ironsides permaneceu fora de serviço por um ano inteiro, passando por reparos.

Submarino confederado Hunley fez história em 17 de fevereiro de 1864, quando se tornou o primeiro submarino a afundar um navio inimigo em combate. Armado com um torpedo spar (meu) anexado ao seu arco, Hunley atacou e afundou a saveiro de guerra da União Housatonic no porto de Charleston.

O navio mais conhecido perdido para uma mina confederada foi o USS blindado Tecumseh (centro) na Batalha de Mobile Bay em 1864. A reação do almirante David Farragut - “Malditos torpedos [minas]! Capitão, vá em frente! " - tornou-se uma lenda naval.

/> Enquanto seguia um navio de transporte confederado pelo rio Blakely em março de 1865, Union ironclad Milwaukeecaiu vítima de uma mina, apesar de ativamente varrer para eles.

Apenas quatro dias depois MilwaukeeCom o falecimento, a Marinha da União perdeu outro navio para uma mina no rio Blakely. Canhoneira blindada Rodolph, ironicamente enviado para aumentar o Milwaukee, atingiu uma mina que abriu um buraco de três metros em seu arco.

Tipos comuns de minas da guerra civil

A maioria das minas confederadas servia para fins defensivos e eram fisicamente ancoradas aos leitos dos rios ou margens para deter o avanço dos navios da União. Essa abordagem funcionou de forma mais eficaz do que a implantação de minas ofensivas colocadas em hidrovias para atingir os alvos.

Os inventores projetaram dois tipos de mecanismos de detonação que acenderam a pólvora negra dentro das minas. Um mecanismo mecânico disparado de forma autônoma, geralmente quando o contato físico com uma nave ativava uma reação química ou mecânica que gerava uma faísca. Um mecanismo elétrico recebia corrente elétrica por meio de um cabo quando um operador em terra fechava manualmente um circuito elétrico.

Fretwell-Singer Mine
Defensiva | Ancorado | Mecanismo Detonador Mecânico

Os texanos John Fretwell e E.C. Singer inventaram essas minas em forma de lanterna que estavam entre as primeiras e mais bem-sucedidas minas usadas pela Confederação. As minas de Fretwell Singer estavam ancoradas no fundo dos cursos de água. Quando um navio fez contato com um, a placa pesada no topo da mina caiu, puxando um pino que liberou um êmbolo com mola. O êmbolo atingiu uma tampa de percussão dentro da mina para explodi-la.

Mina de barril
Defensiva | Ancorado | Mecanismo Detonador Mecânico

Gabriel Rains projetou essas minas amplamente utilizadas modificando barris de cerveja. Ele adicionou pontos de contato ao redor do meio do cano, anexou extremidades cônicas para simplificar a forma e encheu o corpo com pólvora. Os confederados fixaram minas de barris no fundo dos rios. Quando uma embarcação tocou qualquer um dos pontos de contato no meio da mina, a pressão acionou uma escorva química para detonar a mina.

Frame Mine
Defensiva | Ancorado | Mecanismo Detonador Mecânico

As minas estruturais consistiam em projéteis de artilharia de ferro montados em pesadas vigas de madeira. Cada projétil continha pólvora e um primer químico. Gabriel Rains aperfeiçoou cuidadosamente a fórmula do primer sensível que tornava essas minas tão eficazes. Madeiras com minas foram colocadas em fileiras no fundo dos rios. Ao ser atingida por um navio, a mina explodiu porque a pressão de contato ativou o primer, acendendo o fusível da mina.

Mina elétrica
Defensiva | Ancorado | Mecanismo Detonador Elétrico

Minas elétricas foram detonadas usando corrente elétrica. Um fio isolado conectava uma mina elétrica a baterias na costa. Quando um observador fechou o circuito manualmente, a corrente elétrica subiu para a mina e explodiu a pólvora em seu interior. O telégrafo elétrico, inventado antes da Guerra Civil, empregava o mesmo mecanismo: as baterias geravam sinais elétricos que eram transmitidos por longos fios.

Horological Mine
Ofensiva | Deriva ou plantada | Mecanismo de Detonação de Relógio

Uma mina relojoeira era acionada por um mecanismo de relógio mecânico. As engrenagens do mecanismo se conectaram a uma haste com mola que se soltou quando um determinado período de tempo passou. Ao ser acionada, a haste impulsionou seu martelo em uma tampa de percussão que explodiu, desencadeando a pólvora negra contida no corpo da mina.

Spar Torpedo (meu)
Ofensiva | Montado no arco submarino | Mecanismo Detonador Mecânico

Os confederados amarraram torpedos (minas) à proa de submarinos simples. Efetuados em combate ou ataques furtivos, eles foram as mais eficazes das minas ofensivas do sul. O torpedo detonou quando colidido com um navio pelo submarino, a pressão do impacto acionou os pontos de contato do torpedo, que explodiram a pólvora em seu interior. A longarina (longa vara) à qual a mina foi fixada manteve o submarino protegido da explosão.

/> Mina Swaying Spar
Defensiva | Ancorado | Mecanismo Detonador Mecânico

As minas de longarina oscilantes eram um dos projetos confederados mais eficazes. Cinco pontos de contato na cabeça da mina continham tampas de percussão que detonaram a mina sob pressão. A longarina da mina (também chamada de barreira) é enganchada em uma âncora, permitindo que a mina oscile com a corrente quando no lugar. A forma e a localização do ponto de contato das minas longínquas tornavam difícil a sua varredura ou remoção para o Norte.

Mina Atual
Defensivo ou ofensivo | Drifting | Mecanismo Detonador Mecânico

A mina atual recebe o nome da corrente de água que desencadeou sua detonação. Depois de chegar ao seu alvo, a mina foi imobilizada contra o costado do navio, mantida no lugar pelo navio e pela água circundante. A corrente ou maré virou a hélice da mina, liberando uma alavanca que impulsionou um martelo para atingir uma tampa de percussão. A faísca resultante explodiu a pólvora da mina.


Boston durante a Guerra Civil:

Quando a Batalha de Fort Sumter ocorreu em abril de 1861, cidadãos de Boston, empresários e políticos se uniram em apoio à causa da União. Cidadãos negros se reuniram em uma igreja batista e se comprometeram a lutar pela União se a proibição de soldados negros fosse suspensa.

Os bancos locais de Boston emprestaram US $ 3,5 milhões ao tesouro estadual e também outra quantia substancial para ajudar a mobilizar as tropas de Massachusetts. Empresas de ferrovias e navios a vapor se ofereceram para transportar tropas e mais de 100 empresários de Boston organizaram um Fundo de Soldados de Massachusetts para ajudar a sustentar famílias de homens recrutados para o exército.

Até a comunidade irlandesa de Boston finalmente aceitou. Embora já tivessem denunciado a abolição e simpatizado com o Sul, agora que a União estava sob ataque, eles sentiam o dever patriótico de proteger seu país recém-adotado.

Quando um navio do sul com a "bandeira de cascavel" da Confederação & # 8217s puxou para o porto de Boston em 12 de abril de 1861, várias centenas de cidadãos de Boston, a maioria irlandeses, se reuniram nas docas e exigiram que o capitão baixasse a bandeira e a substituísse pelas Estrelas e listras. Depois que o capitão o fez, o grupo exigiu a guarda da bandeira e, ao recebê-la, a rasgou.

Em 15 de abril de 1861, o presidente Lincoln convocou 75.000 soldados para reprimir a rebelião e o secretário da Guerra, Simon Cameron, pediu ao governador Andrew que enviasse 1.500 soldados para Washington. Massachusetts tem uma longa história de treinamento de milícias e, como resultado, foi o primeiro estado a responder ao chamado às armas.

Cerca de 3.000 homens imediatamente se apresentaram para o serviço ativo no dia seguinte. Esses homens foram posteriormente apelidados de & # 8220Minute Men of 61 & # 8221 porque responderam tão rapidamente ao chamado às armas.

Minute Men of 61, ilustração publicada na History and Complete Roster dos Regimentos de Massachusetts, por volta de 1910

Esses homens faziam parte de três companhias do 8º Regimento de Massachusetts que chegaram a Boston em 16 de abril e marcharam para Faneuil Hall no meio de uma tempestade. Lá, eles receberam sobretudos cinza e rifles novos. No dia seguinte, o 6º Regimento de Massachusetts também chegou a Boston e recebeu novo equipamento.

Por volta do meio-dia daquele dia, os dois regimentos marcharam na Beacon Street até chegarem aos degraus da State House e permaneceram em posição de sentido enquanto o governador Andrew apresentava as cores do regimento ao coronel Edward F. Jones. Em seguida, os regimentos marcharam para a guerra enquanto os espectadores aplaudiam.

Nessa época, o governador Andrew também começou a preparar as defesas costeiras do estado. Ele examinou o estado das ilhas do porto de Boston e descobriu que havia uma grande falta de pessoal.

Em resposta, Andrew enviou o 4º Batalhão da Milícia Voluntária de Massachusetts para defender e fazer reparos no Fort Independence em Castle Island. Essas tropas acabaram se juntando à 11ª Infantaria do Exército dos EUA.

Fort Warren estava determinado a ser ineficaz como defesa contra ataques navais, então os oficiais decidiram usá-lo como prisão para prisioneiros de guerra confederados.

Muitos imigrantes irlandeses em Boston também participaram do esforço de guerra e se juntaram a uma brigada totalmente irlandesa: o 9º Regimento de Massachusetts. Depois de receber treinamento no forte em Long Island, no porto de Boston, o regimento marchou para a State House em Boston em 25 de junho de 1861.

Lá, o governador Andrew concedeu-lhes sua bandeira regimental e também uma bandeira irlandesa de seda verde e fez o seguinte discurso elogiando o regimento e seu comandante por seu patriotismo:

& # 8220Mr. Comandante: Agradeço-lhe, e por seu intermédio, este esplêndido regimento, que o senhor, senhor, tem a honra de comandar, e que a Comunidade de Massachusetts se orgulha de registrar entre os seis primeiros regimentos de seu contingente de voluntários pela feliz oportunidade de um alguns momentos & # 8217 entrevista, e pela despedida parabéns entre nós na véspera de sua partida para o assento de guerra.

O andamento do alistamento dos vossos homens e a marcação da hora da vossa partida foram objecto da mais profunda solicitude. Eu entendo, senhor, que, como o senhor, a maioria, senão quase todo o seu comando, derivam sua origem, seja por nascimento ou diretamente por descendência, de outro país que este.

Assim como a religião não faz distinção na família humana, os Estados Unidos da América não fazem distinção entre seus cidadãos nativos e aqueles nascidos em outros países. Em uma maré comum flui o sangue de uma humanidade comum, herdada por todos nós, e em nossos corações, pela inspiração do Todo-Poderoso, foi respirado um entendimento comum.

Para você e todos os seus soldados, de todos os habitantes desta terra, hoje começa uma dívida que demorará muito para quitar, e pelas gerações futuras você será lembrado. Inspirado, senhor, pelos propósitos do patriotismo, o senhor, como cidadãos adotados, não conhecerá outra lealdade senão a devida aos Estados Unidos da América, agora a mãe de todos nós.

Eu agora coloco em suas mãos, como fiz nas mãos dos regimentos que o precederam, o alferes estadual desta Comunidade. Você já carrega com você a bandeira dos Estados Unidos, mas eu gostaria que você fosse reconhecido onde quer que você vá como vindo deste Estado, onde você tem suas casas. Quando você olha para a bandeira dos Estados Unidos, você se lembra de que são cidadãos americanos. Quando olha para esta venerável bandeira, você se lembra de suas esposas e famílias em Massachusetts.

Take this as a pledge of affectionate care from the State of your kindred and homes, and of the sincere and undying interest which its people feel and will ever feel for you. In the utmost confidence in your patriotism and valor we send you forth as citizens of Massachusetts, assured that her honor will never be disgraced by the countrymen of Emmet and O’Connell.”

A few weeks after the regiment left for war, for the first time in history, city officials honored the Irish flag by raising it on the 4th of July on Boston Common, among the flags of all nations, and also ordered the Irish national anthem to be played.

At the end of 1861, another all-Irish unit was created: the 28th Massachusetts Regiment and it was officially mustered into service in December of 1861.

On January 1, 1863, when the Emancipation Proclamation went into effect, church bells rang out in Boston throughout the day and a celebration was held at Boston’s Music Hall with attendees such as Ralph Waldo Emerson, Henry Wadsworth Longfellow, John Greenleaf Whittier and Harriet Beecher Stowe.

When the proclamation was made official and was received via telegram, it was read out loud at the celebration and cheers and applause broke out in the hall.

On May 28, 1863, the 54th Massachusetts Regiment, which was the first black regiment in the Civil War, arrived in Boston after completing its training at Camp Meigs and marched to the State House, with its commander Robert Gould Shaw, for the formal presentation of the regiment’s colors.

In attendance at the presentation were William Lloyd Garrison, Wendell Phillips and Frederick Douglass, whose two sons were members of the regiment.


American Civil War Timeline 1861

The battle that started the war. The Federal fort in Charleston Harbour was bombarded into surrender by the Confederates.

3 June 1861: Battle of Philippi (Philippi Races), Virginia

The first land battle of the Civil War, which gained its name for the speed of the Confederate retreat. There were only 17 casualties on either side!

10 June 1861: Battle of Big Bethal, Virginia

Defeat of a Federal attack on the fort at Big Bethal in Virginia.

12 July 1861: Battle of Rich Mountain, Virginia

Federal victory in West Virginia.

13 July: Skirmish at Corrick's Ford:

Action during the pursuit of the army defeated at Rich Mountain, in which the Confederate commander General Garnett becomes the first civil war general to be killed in action.

21 July 1861: First Battle of Bull Run/ Manassas, Virginia

Confederate victory over a Union army invading Virginia. Bull Run ensured that the Confederacy would survive past its first few months but also increased determination to fight on in the North.

22 July 1861

General McClellan appointed to command the army of the Potomac.

10 August 1861: Battle of Wilson&rsquos Creek, Missouri

Battle in Missouri that saw the death of the key Federal commander in the area.

The first of a series of battles that saw the Confederates loose control of most of the North Carolina coastline.

10 September 1861: Battle of Carnifex Ferry, West Virginia

Confederate forces in the south of West Virginia defeated by General Rosecrans

10-15 September 1861: Battle of Cheat Mountain, Virginia

A Confederate defeat in West Virginia, notable as the first battle commanded by General Lee.

21 October 1861: Battle of Ball&rsquos Bluff, Virginia

Defeat of a Union attempt to capture Leesbury (Virginia), forty miles up-river from Washington.

7 November 1861: Battle of Belmont, Missouri

An early battle in the career of U.S. Grant. An attempt to create a diversion in the Mississippi campaign, most significant for the battlefield experience it gave Grant.

7 November 1861: Battle of Port Royal, South Carolina

Important Union naval victory against the land fortifications of Port Royal. The victory gave the Union control of the coastal islands of South Carolina.


HMS Warrior - Design and Construction:

Commissioned in August 1860, La Gloire became the world's first ocean-going ironclad warship. Sensing that their naval dominance was being threatened, the Royal Navy immediately commenced construction on a vessel superior to La Gloire. Conceived by Admiral Sir Baldwin Wake-Walker and designed by Isaac Watts, HMS Warrior was laid down at Thames Ironworks & Shipbuilding on May 29, 1859. Incorporating a variety of new technology, Warrior was be a composite sail/steam armored frigate. Built with an iron hull, Warrior's steam engines turned a large propeller.

Central to the ship's design was its armored citadel. Built into the hull, the citadel contained Warrior's broadside guns and possessed 4.5" iron armor which was bolted onto 9" of teak. During construction, the design of the citadel was tested against the most modern guns of the day and none were able to penetrate its armor. For further protection, innovative watertight bulkheads were added to the vessel. No entanto Warrior was designed to carry fewer guns than many other ships in the fleet, it compensated by mounting heavier weapons.

These included 26 68-pdr guns and 10 110-pdr breech-loading Armstrong rifles. Warrior was launched at Blackwall on December 29, 1860. A particularly cold day, the ship froze to the ways and required six tugs to pull it into the water. Commissioned on August 1, 1861, Warrior cost the Admiralty £357,291. Joining the fleet, Warrior served primarily in home waters as the only dry dock large enough to take it was in Britain. Arguably the most powerful warship afloat when it was commissioned, Warrior quickly intimidated rival nations and launched the competition to build bigger and stronger iron/steel battleships.


Civil War Naval History December 1860 - History

November 6, 1860 - Abraham Lincoln, who had declared "Government cannot endure permanently half slave, half free. " is elected president, the first Republican, receiving 180 of 303 possible electoral votes and 40 percent of the popular vote.

December 20, 1860 - South Carolina secedes from the Union. Followed within two months by Mississippi, Florida, Alabama, Georgia, Louisiana and Texas.

Auction and Negro sales, Atlanta, Georgia.

February 9, 1861 - The Confederate States of America is formed with Jefferson Davis, a West Point graduate and former U.S. Army officer, as president.

March 4, 1861 - Abraham Lincoln is sworn in as 16 th President of the United States of America.

April 12, 1861 - At 4:30 a.m. Confederates under Gen. Pierre Beauregard open fire with 50 cannons upon Fort Sumter in Charleston, South Carolina. A Guerra Civil começa.

Fort Sumter after its capture, showing damage from the Rebel bombardment of over 3000 shells and now flying the Rebel "Stars and Bars" - April 14, 1861.

April 15, 1861 - President Lincoln issues a Proclamation calling for 75,000 militiamen, and summoning a special session of Congress for July 4.

Robert E. Lee, son of a Revolutionary War hero, and a 25 year distinguished veteran of the United States Army and former Superintendent of West Point, is offered command of the Union Army. Lee declines.

April 17, 1861 - Virginia secedes from the Union, followed within five weeks by Arkansas, Tennessee, and North Carolina, thus forming an eleven state Confederacy with a population of 9 million, including nearly 4 million slaves. The Union will soon have 21 states and a population of over 20 million.

Map of Allegiances of the States - 1861.

April 19, 1861 - President Lincoln issues a Proclamation of Blockade against Southern ports. For the duration of the war the blockade limits the ability of the rural South to stay well supplied in its war against the industrialized North.

April 20, 1861 - Robert E. Lee resigns his commission in the United States Army. "I cannot raise my hand against my birthplace, my home, my children." Lee then goes to Richmond, Virginia, is offered command of the military and naval forces of Virginia, and accepts.

July 4, 1861 - Lincoln, in a speech to Congress, states the war is. "a People's contest. a struggle for maintaining in the world, that form, and substance of government, whose leading object is, to elevate the condition of men. " The Congress authorizes a call for 500,000 men.

July 21, 1861 - The Union Army under Gen. Irvin McDowell suffers a defeat at Bull Run 25 miles southwest of Washington. Confederate Gen. Thomas J. Jackson earns the nickname "Stonewall," as his brigade resists Union attacks. Union troops fall back to Washington. President Lincoln realizes the war will be long. "It's damned bad," he comments.

Ruins of the Stone Bridge over which Northern forces retreated until it was blown up by a Rebel shell adding to the panic of the retreat, with the Federals returning to Washington as "a rain-soaked mob."

July 27, 1861 - President Lincoln appoints George B. McClellan as Commander of the Department of the Potomac, replacing McDowell.

McClellan tells his wife , "I find myself in a new and strange position here: President, cabinet, Gen. Scott, and all deferring to me. By some strange operation of magic I seem to have become the power of the land."

September 11, 1861 - President Lincoln revokes Gen. John C. Frémont's unauthorized military proclamation of emancipation in Missouri. Later, the president relieves Gen. Frémont of his command and replaces him with Gen. David Hunter.

November 1, 1861 - President Lincoln appoints McClellan as general-in-chief of all Union forces after the resignation of the aged Winfield Scott . Lincoln tells McClellan, ". the supreme command of the Army will entail a vast labor upon you." McClellan responds, "I can do it all."

November 8, 1861 - The beginning of an international diplomatic crisis for President Lincoln as two Confederate officials sailing toward England are seized by the U.S. Navy. England, the leading world power, demands their release, threatening war. Lincoln eventually gives in and orders their release in December. "One war at a time," Lincoln remarks.

January 31, 1862 - President Lincoln issues General War Order No. 1 calling for all United States naval and land forces to begin a general advance by February 22, George Washington's birthday.

February 6, 1862 - Victory for Gen. Ulysses S. Grant in Tennessee, capturing Fort Henry, and ten days later Fort Donelson. Grant earns the nickname "Unconditional Surrender" Grant.

February 20, 1862 - President Lincoln is struck with grief as his beloved eleven-year-old son, Willie, dies from fever, probably caused by polluted drinking water in the White House.

March 8/9, 1862 - The Confederate Ironclad 'Merrimac' sinks two wooden Union ships then battles the Union Ironclad 'Monitor' to a draw. Naval warfare is thus changed forever, making wooden ships obsolete. Engraving of the Battle

The Monitor at dock, showing damage from the battle.

In March - The Peninsular Campaign begins as McClellan's Army of the Potomac advances from Washington down the Potomac River and the Chesapeake Bay to the peninsular south of the Confederate Capital of Richmond, Virginia then begins an advance toward Richmond.

President Lincoln temporarily relieves McClellan as general-in-chief and takes direct command of the Union Armies.

April 6/7, 1862 - Confederate surprise attack on Gen. Ulysses S. Grant's unprepared troops at Shiloh on the Tennessee River results in a bitter struggle with 13,000 Union killed and wounded and 10,000 Confederates, more men than in all previous American wars combined. The president is then pressured to relieve Grant but resists. "I can't spare this man he fights," Lincoln says.

April 24, 1862 - 17 Union ships under the command of Flag Officer David Farragut move up the Mississippi River then take New Orleans, the South's greatest seaport. Later in the war, sailing through a Rebel mine field Farragut utters the famous phrase "Damn the torpedoes, full speed ahead!"

May 31, 1862 - The Battle of Seven Pines as Gen. Joseph E. Johnston 's Army attacks McClellan's troops in front of Richmond and nearly defeats them. But Johnston is badly wounded.

June 1, 1862 - Gen. Robert E. Lee assumes command, replacing the wounded Johnston. Lee then renames his force the Army of Northern Virginia. McClellan is not impressed, saying Lee is "likely to be timid and irresolute in action."

June 25-July 1 - The Seven Days Battles as Lee attacks McClellan near Richmond, resulting in very heavy losses for both armies. McClellan then begins a withdrawal back toward Washington.

Young Georgia Private Edwin Jennison, killed in the Seven Days Battles at Malvern Hill - the face of a lost generation.

July 11, 1862 - After four months as his own general-in-chief, President Lincoln hands over the task to Gen. Henry W. (Old Brains) Halleck .

Segunda Batalha de Bull Run

August 29/30, 1862 - 75,000 Federals under Gen. John Pope are defeated by 55,000 Confederates under Gen. Stonewall Jackson and Gen. James Longstreet at the second battle of Bull Run in northern Virginia. Once again the Union Army retreats to Washington. The president then relieves Pope.

September 4-9, 1862 - Lee invades the North with 50,000 Confederates and heads for Harpers Ferry , located 50 miles northwest of Washington.

The Union Army, 90,000 strong, under the command of McClellan, pursues Lee.

September 17, 1862 - The bloodiest day in U.S. military history as Gen. Robert E. Lee and the Confederate Armies are stopped at Antietam in Maryland by McClellan and numerically superior Union forces. By nightfall 26,000 men are dead, wounded, or missing. Lee then withdraws to Virginia.

Confederate dead by the fence bordering Farmer Miller's 40 acre Cornfield at Antietam where the intense rifle and artillery fire cut every corn stalk to the ground "as closely as could have been done with a knife."

September 22, 1862 - Preliminary Emancipation Proclamation freeing slaves issued by President Lincoln.

President Lincoln visits Gen. George McClellan at Antietam, Maryland - October, 1862

November 7, 1862 - The president replaces McClellan with Gen. Ambrose E. Burnside as the new Commander of the Army of the Potomac. Lincoln had grown impatient with McClellan's slowness to follow up on the success at Antietam, even telling him, "If you don't want to use the army, I should like to borrow it for a while."

December 13, 1862 - Army of the Potomac under Gen. Burnside suffers a costly defeat at Fredericksburg in Virginia with a loss of 12,653 men after 14 frontal assaults on well entrenched Rebels on Marye's Heights. "We might as well have tried to take hell," a Union soldier remarks. Confederate losses are 5,309.

"It is well that war is so terrible - we should grow too fond of it," states Lee during the fighting.

January 1, 1863 - President Lincoln issues the final Emancipation Proclamation freeing all slaves in territories held by Confederates and emphasizes the enlisting of black soldiers in the Union Army. The war to preserve the Union now becomes a revolutionary struggle for the abolition of slavery.

January 25, 1863 - The president appoints Gen. Joseph (Fighting Joe) Hooker as Commander of the Army of the Potomac, replacing Burnside.

January 29, 1863 - Gen. Grant is placed in command of the Army of the West, with orders to capture Vicksburg.

March 3, 1863 - The U.S. Congress enacts a draft, affecting male citizens aged 20 to 45, but also exempts those who pay $300 or provide a substitute. "The blood of a poor man is as precious as that of the wealthy," poor Northerners complain.

May 1-4, 1863 - The Union Army under Gen. Hooker is decisively defeated by Lee's much smaller forces at the Battle of Chancellorsville in Virginia as a result of Lee's brilliant and daring tactics. Confederate Gen. Stonewall Jackson is mortally wounded by his own soldiers. Hooker retreats. Union losses are 17,000 killed, wounded and missing out of 130,000. The Confederates, 13, 000 out of 60,000.

"I just lost confidence in Joe Hooker," said Hooker later about his own lack of nerve during the battle.

Confederate soldiers at the Sunken Road, killed during the fighting around Chancellorsville.

May 10, 1863 - The South suffers a huge blow as Stonewall Jackson dies from his wounds, his last words, "Let us cross over the river and rest under the shade of the trees."

"I have lost my right arm," Lee laments.

June 3, 1863 - Gen. Lee with 75,000 Confederates launches his second invasion of the North, heading into Pennsylvania in a campaign that will soon lead to Gettysburg.

June 28, 1863 - President Lincoln appoints Gen. George G. Meade as commander of the Army of the Potomac, replacing Hooker. Meade is the 5th man to command the Army in less than a year.

July 1-3, 1863 - The tide of war turns against the South as the Confederates are defeated at the Battle of Gettysburg in Pennsylvania.

Union soldiers on the Battlefield at Gettysburg.

July 4, 1863 - Vicksburg , the last Confederate stronghold on the Mississippi River, surrenders to Gen. Grant and the Army of the West after a six week siege. With the Union now in control of the Mississippi, the Confederacy is effectively split in two, cut off from its western allies.

July 13-16, 1863 - Anti-draft riots in New York City include arson and the murder of blacks by poor immigrant whites. At least 120 persons, including children, are killed and $2 million in damage caused, until Union soldiers returning from Gettysburg restore order.

July 18, 1863 - 'Negro troops' of the 54th Massachusetts Infantry Regiment under Col. Robert G. Shaw assault fortified Rebels at Fort Wagner, South Carolina. Col. Shaw and half of the 600 men in the regiment are killed.

August 10, 1863 - The president meets with abolitionist Frederick Douglass who pushes for full equality for Union 'Negro troops.'

August 21, 1863 - At Lawrence, Kansas, pro-Confederate William C. Quantrill and 450 pro-slavery followers raid the town and butcher 182 boys and men.

September 19/20, 1863 - A decisive Confederate victory by Gen. Braxton Bragg's Army of Tennessee at Chickamauga leaves Gen. William S. Rosecrans ' Union Army of the Cumberland trapped in Chattanooga, Tennessee under Confederate siege.

October 16, 1863 - The president appoints Gen. Grant to command all operations in the western theater.

November 19, 1863 - President Lincoln delivers a two minute Gettysburg Address at a ceremony dedicating the Battlefield as a National Cemetery.

Lincoln among the crowd at Gettysburg - Nov 19, 1863

November 23-25, 1863 - The Rebel siege of Chattanooga ends as Union forces under Grant defeat the siege army of Gen. Braxton Bragg. During the battle, one of the most dramatic moments of the war occurs. Yelling "Chickamauga! Chickamauga!" Union troops avenge their previous defeat at Chickamauga by storming up the face of Missionary Ridge without orders and sweep the Rebels from what had been though to be an impregnable position. "My God, come and see 'em run!" a Union soldier cries.

March 9, 1864 - President Lincoln appoints Gen. Grant to command all of the armies of the United States. Gen. William T. Sherman succeeds Grant as commander in the west.

May 4, 1864 - The beginning of a massive, coordinated campaign involving all the Union Armies. In Virginia, Grant with an Army of 120,000 begins advancing toward Richmond to engage Lee's Army of Northern Virginia, now numbering 64,000, beginning a war of attrition that will include major battles at the Wilderness (May 5-6), Spotsylvania (May 8-12), and Cold Harbor (June 1-3).

In the west, Sherman, with 100,000 men begins an advance toward Atlanta to engage Joseph E. Johnston's 60,000 strong Army of Tennessee.

A council of war with Gen. Grant leaning over the shoulder of Gen. Meade looking at a map, planning the Cold Harbor assault.

June 3, 1864 - A costly mistake by Grant results in 7,000 Union casualties in twenty minutes during an offensive against fortified Rebels at Cold Harbor in Virginia.

Many of the Union soldiers in the failed assault had predicted the outcome, including a dead soldier from Massachusetts whose last entry in his diary was, "June 3, 1864, Cold Harbor, Virginia. I was killed."

June 15, 1864 - Union forces miss an opportunity to capture Petersburg and cut off the Confederate rail lines. As a result, a nine month siege of Petersburg begins with Grant's forces surrounding Lee.

The 13-inch Union mortar "Dictator" mounted on a railroad flatcar at Petersburg. Its 200-pound shells had a range of over 2 miles.

July 20, 1864 - At Atlanta, Sherman's forces battle the Rebels now under the command of Gen. John B. Hood , who replaced Johnston.

August 29, 1864 - Democrats nominate George B. McClellan for president to run against Republican incumbent Abraham Lincoln.

September 2, 1864 - Atlanta is captured by Sherman 's Army. "Atlanta is ours, and fairly won," Sherman telegraphs Lincoln. The victory greatly helps President Lincoln's bid for re-election.

October 19, 1864 - A decisive Union victory by Cavalry Gen. Philip H. Sheridan in the Shenandoah Valley over Jubal Early's troops.

November 8, 1864 - Abraham Lincoln is re-elected president, defeating Democrat George B. McClellan. Lincoln carries all but three states with 55 percent of the popular vote and 212 of 233 electoral votes. "I earnestly believe that the consequences of this day's work will be to the lasting advantage, if not the very salvation, of the country," Lincoln tells supporters.

November 15, 1864 - After destroying Atlanta's warehouses and railroad facilities, Sherman, with 62,000 men begins a March to the Sea. President Lincoln on advice from Grant approved the idea. "I can make Georgia howl!" Sherman boasts.

December 15/16, 1864 - Hood's Rebel Army of 23,000 is crushed at Nashville by 55,000 Federals including Negro troops under Gen. George H. Thomas . The Confederate Army of Tennessee ceases as an effective fighting force.

December 21, 1864 - Sherman reaches Savannah in Georgia leaving behind a 300 mile long path of destruction 60 miles wide all the way from Atlanta. Sherman then telegraphs Lincoln, offering him Savannah as a Christmas present.

January 31, 1865 - The U.S. Congress approves the Thirteenth Amendment to the United States Constitution, to abolish slavery. The amendment is then submitted to the states for ratification.

February 3, 1865 - A peace conference occurs as President Lincoln meets with Confederate Vice President Alexander Stephens at Hampton Roads in Virginia, but the meeting ends in failure - the war will continue.

Only Lee's Army at Petersburg and Johnston's forces in North Carolina remain to fight for the South against Northern forces now numbering 280,000 men.

March 4, 1865 - Inauguration ceremonies for President Lincoln in Washington. "With malice toward none with charity for all. let us strive on to finish the work we are in. to do all which may achieve and cherish a just, and a lasting peace, among ourselves, and with all nations," Lincoln says.

March 25, 1865 - The last offensive for Lee's Army of Northern Virginia begins with an attack on the center of Grant's forces at Petersburg. Four hours later the attack is broken.

At Petersburg, Virginia, well supplied Union soldiers shown before Grant's spring offensive.

April 2, 1865 - Grant's forces begin a general advance and break through Lee's lines at Petersburg. Confederate Gen. Ambrose P. Hill is killed. Lee evacuates Petersburg. The Confederate Capital, Richmond , is evacuated. Fires and looting break out. The next day, Union troops enter and raise the Stars and Stripes.

A Confederate boy, age 14, lies dead in the trenches of Fort Mahone at Petersburg.

April 4, 1865 - President Lincoln tours Richmond where he enters the Confederate White House . With "a serious, dreamy expression," he sits at the desk of Jefferson Davis for a few moments.

April 9, 1865 - Gen. Robert E. Lee surrenders his Confederate Army to Gen. Ulysses S. Grant at the village of Appomattox Court House in Virginia. Grant allows Rebel officers to keep their sidearms and permits soldiers to keep horses and mules.

"After four years of arduous service marked by unsurpassed courage and fortitude the Army of Northern Virginia has been compelled to yield to overwhelming numbers and resources," Lee tells his troops.

General Lee surrendered in the parlor of this house.

Lee posed for this photo by Mathew Brady shortly after the surrender.

April 10, 1865 - Celebrations break out in Washington.

Final portrait of a war weary president - April 10, 1865

April 14, 1865 - The Stars and Stripes is ceremoniously raised over Fort Sumter. That night, Lincoln and his wife Mary see the play "Our American Cousin" at Ford's Theater. At 10:13 p.m., during the third act of the play, John Wilkes Booth shoots the president in the head. Doctors attend to the president in the theater then move him to a house across the street. He never regains consciousness.

April 15, 1865 - President Abraham Lincoln dies at 7:22 in the morning. Vice President Andrew Johnson assumes the presidency.

April 18, 1865 - Confederate Gen. Joseph E. Johnston surrenders to Sherman near Durham in North Carolina.

Funeral Procession on Pennsylvania Ave. - April 19, 1865

April 26, 1865 - John Wilkes Booth is shot and killed in a tobacco barn in Virginia.

May 4, 1865 - Abraham Lincoln is laid to rest in Oak Ridge Cemetery, outside Springfield, Illinois.

In May - Remaining Confederate forces surrender. The Nation is reunited as the Civil War ends. Over 620,000 Americans died in the war, with disease killing twice as many as those lost in battle. 50,000 survivors return home as amputees.

A victory parade is held in Washington along Pennsylvania Ave. to help boost the Nation's morale - May 23/24, 1865.

December 6, 1865 - The Thirteenth Amendment to the United States Constitution, passed by Congress on January 31, 1865, is finally ratified. Slavery is abolished.

Copyright © 1996 The History Place™ All Rights Reserved

Termos de uso: Casa / escola particular não comercial, não reutilização da Internet é permitida apenas de qualquer texto, gráfico, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


Assista o vídeo: 1024 A História da 2 Guerra Mundial 10 A queda de Singapura (Agosto 2022).