A história

Capacete Celta, Museu Britânico

Capacete Celta, Museu Britânico


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Capacete com chifres da idade do ferro celta, Museu Britânico.

Um capacete para um chefe ou objeto votivo para a deusa do rio Tâmisa, Céltica?

Tamesis: uma deusa britônica, também conhecida como Temesia, Temesis: Dark Flow

Tamesis é uma deusa celta britônica hipotética derivada do nome do rio Tamisa, de vários rios galeses e do rio Escalda (originalmente Tamise) de Antuérpia. Os Países Baixos. Nos tempos celtas, todos os rios tinham divindades protetoras e o Tâmisa não seria diferente. O nome da deusa pode ser reconstruído como a deusa 'Tamesis' dos rios inundados.

Tamesis é uma deusa hipotética baseada na suposição de que o Tâmisa já teve uma deusa padroeira. Com base nos nomes inglês e címrico do rio (Tâmisa e Tafwys, respectivamente), foi feita uma tentativa de derivar a forma britônica original que é considerada algo como Tamesis ou Temesis, que pode constituir a divindade do rio Temesia / Tamesia. Este é um nome que também é preservado no nome francês para o rio Escalda de Antuérpia (Tamise).

O nome de Tamesis está etimologicamente relacionado ao nome do deus da planície aluvial Temavus e pode ser derivado dos elementos lexicais proto-célticos reconstruídos: * temeno- (escuro) e * si-l-e / o- (gotejamento, fluxo). Assim, Tamesis é o 'Dark Flow'. O fluxo escuro sendo as águas que estourariam as margens do Tâmisa no inverno para inundar as planícies aluviais além.

A mesma etimologia também está por trás dos nomes dos rios Taf, Teifi, Tywi (que são derivados da mesma raiz Cymric que Tafwys) e o Teme. Todos estes são grandes cursos de água sujeitos a inundações frequentes. Uma etimologia semelhante também está por trás do nome da deusa Temusio.

Este 'capacete' foi dragado do rio Tamisa na ponte Waterloo no início da década de 1860. É o único capacete da Idade do Ferro já encontrado no sul da Inglaterra, e é o único capacete da Idade do Ferro com chifres já encontrado em qualquer lugar da Europa. Os chifres costumavam ser um símbolo dos deuses em diferentes partes do mundo antigo. Isso pode sugerir que a pessoa que o usou era uma pessoa especial ou que o capacete foi feito para ser usado por um deus. Como o Deal Crown, este era mais um adereço simbólico para a cabeça do que uma proteção real para a cabeça em batalha. A pessoa que usava o capacete precisaria de um chapéu moderno de tamanho 7.

Como muitos outros objetos, especialmente armas, este capacete foi encontrado no rio Tamisa. Isso inclui o Battersea Shield, que também foi feito para uma exibição mais visível do que para uso na guerra.

O capacete é feito de peças de folha de bronze unidas por muitos rebites de bronze cuidadosamente colocados. É decorado com a arte posterior do estilo Celtic La Tène, usada na Grã-Bretanha entre 250 e 50 aC. A decoração repoussé repete-se nas costas e na frente. Originalmente, o capacete de bronze teria sido uma cor de bronze polido brilhante, não a cor verde opaca que é hoje. Também já foi decorado com tachas de vidro vermelho brilhante. A decoração é semelhante à do Snettisham Great Torc.

S. James e V. Rigby, Grã-Bretanha e a Idade do Ferro Celta (Londres, The British Museum Press, 1997)

I.M. Stead, arte celta na Grã-Bretanha antes dos romanos (Londres, The British Museum Press, 1987, edição revisada de 1997)

& quotA raça inteira gosta loucamente de guerra, espirituosa e rápida para a batalha, mas de outra forma direta e não de caráter maligno. & quot - Estrabão nos celtas


Sutton Hoo Capacete Escultura em Bronze

Se você não estiver totalmente satisfeito com algo que comprou na loja online, entre em contato com o Atendimento ao Cliente em até 14 dias após a entrega.

Exclusiva do British Museum, uma escultura de bronze inspirada no capacete Sutton Hoo, um ícone do início do período medieval.

Esta reprodução foi esculpida à mão em bronze pelo artista Peter Lyell da Fundação Bradshaw, uma sociedade comprometida com a preservação da arte rupestre. A escultura faz parte de uma edição limitada a 250 peças.

Sobre o capacete Sutton Hoo:

O capacete foi descoberto em Sutton Hoo, um importante sítio arqueológico em Suffolk, Inglaterra. O original, conforme mostra a terceira imagem, data do início do século VII e é composto por um gorro de ferro, gola, bochechas e uma máscara facial com painéis decorados com animais e cenas heróicas de guerreiros.

A máscara facial é a característica mais notável do capacete. Funciona como um puzzle visual, com duas "soluções" possíveis. O primeiro é de um rosto humano, compreendendo órbitas, sobrancelhas, bigode, boca e nariz. As sobrancelhas de liga de cobre são incrustadas com fios de prata e pequenas granadas. Cada um termina em uma cabeça de javali dourada - um símbolo de força e coragem apropriado para um guerreiro. A segunda "solução" é a de um pássaro ou dragão voando para cima. Sua cauda é formada pelo bigode, seu corpo pelo nariz e suas asas pelas sobrancelhas. Sua cabeça se estende de entre as asas e fica nariz a nariz com outra cabeça de animal na extremidade de uma crista baixa de ferro que passa por cima do boné do capacete.

Esta réplica será um enfeite de casa impressionante.

  • Código do produto: CMCR48600
  • Peso do produto: 0,902 kg
  • Dimensões: H16,5 x W8 x L9 cm
  • Marca: British Museum
  • Material: Bronze
  • Detalhes: esculpido à mão pelo artista Peter Lyell Robinson da Fundação Bradshaw
  • Peso do porte postal: 1,11 Kg

Exclusiva do British Museum, uma escultura de bronze inspirada no capacete Sutton Hoo, um ícone do início do período medieval.

Esta reprodução foi esculpida à mão em bronze pelo artista Peter Lyell da Fundação Bradshaw, uma sociedade comprometida com a preservação da arte rupestre. A escultura faz parte de uma edição limitada a 250 peças.

Sobre o capacete Sutton Hoo:

O capacete foi descoberto em Sutton Hoo, um importante sítio arqueológico em Suffolk, Inglaterra. O original, conforme mostra a terceira imagem, data do início do século VII e é composto por um gorro de ferro, gola, bochechas e máscara facial com painéis decorados com animais e cenas heróicas de guerreiros.

A máscara facial é a característica mais notável do capacete. Funciona como um puzzle visual, com duas "soluções" possíveis. O primeiro é de um rosto humano, compreendendo órbitas, sobrancelhas, bigode, boca e nariz. As sobrancelhas de liga de cobre são incrustadas com fios de prata e pequenas granadas. Cada um termina em uma cabeça de javali dourada - um símbolo de força e coragem apropriado para um guerreiro. A segunda "solução" é a de um pássaro ou dragão voando para cima. Sua cauda é formada pelo bigode, seu corpo pelo nariz e suas asas pelas sobrancelhas. Sua cabeça se estende de entre as asas e fica nariz a nariz com outra cabeça de animal na extremidade de uma crista baixa de ferro que passa por cima do boné do capacete.


Conteúdo

Embora os havaianos não usassem chapéus, durante os tempos de combate os chefes Ali'i usavam capacetes de vime especialmente criados que foram comparados aos capacetes gregos clássicos e também coincidentemente têm uma semelhança com o cocar usado pelos músicos religiosos budistas Ladakh. Embora se questione se a influência vem dos espanhóis, a tradição vem da costa norte da Nova Irlanda. [5] O design do mahiole é um boné de moldura de cestaria com uma crista central que vai do centro da testa à nuca. No entanto, a variação no desenho é considerável, com a cor e a disposição dos padrões das penas diferindo e a crista variando em altura e espessura. Vários museus têm vários exemplos em diferentes designs e estágios de preservação. Um termo havaiano relacionado Oki Mahiole significa um corte de cabelo onde uma tira de cabelo é deixada na cabeça. [2] A imagem do deus havaiano Kū-ka-ili-moku às vezes é apresentada com uma cabeça de formato semelhante. [6]

Os capacetes são construídos em uma construção do tipo cesta que proporciona uma estrutura leve e forte. A moldura é geralmente decorada com penas obtidas de pássaros locais, embora tenha havido variações que usaram cabelo humano. [7] A planta usada para fazer as cestas é Freycinetia arborea, uma planta freqüentemente usada para fazer cestos. [8] Além de Freycinetia arborea os fabricantes também usaram fibra do Latifolia de Touchardia planta [9] que é um tipo de urtiga. Latifolia de Touchardia foi usado para criar barbante ou linha para amarrar as penas à cestaria.

A coloração foi conseguida com diferentes tipos de penas. O preto e o amarelo vieram de um pássaro chamado Moho ou ʻO'o em havaiano. Havia quatro variedades deste pássaro. O último tipo foi extinto em 1987, sendo a causa provável a doença. Penas pretas também foram originadas do pássaro chamado de Mamo que também está extinto. As distintas penas vermelhas vieram do 'I'iwi e do ʻApapane. Ambas as espécies ainda são aves moderadamente comuns no Havaí. Embora as aves tenham sido exploradas por suas penas, acredita-se que o efeito sobre a população seja mínimo. [10] As aves não foram mortas, mas foram capturadas por coletores de pássaros especializados, algumas penas retiradas e, em seguida, as aves foram soltas. [11]

Dezenas de milhares de penas foram necessárias para cada mahiole. Um pequeno pacote de penas foi reunido e amarrado antes de ser amarrado na estrutura. Os feixes foram amarrados em estreita proximidade para formar uma cobertura uniforme da superfície do mahiole. [12]

Quando o capitão James Cook visitou o Havaí em 26 de janeiro de 1778, foi recebido por um alto chefe chamado Kalaniʻōpuʻu. No final da reunião, Kalani'ōpu'u colocou o capacete e a capa de penas que usava em Cook. Kalani'ōpu'u também colocou várias outras capas aos pés de Cook, bem como quatro porcos grandes e outras ofertas de comida. Muito do material das viagens de Cook, incluindo o capacete e a capa, acabou na coleção de Sir Ashton Lever. Ele os expôs em seu museu, inicialmente chamado de Holophusikon e mais tarde de Museu Leverian. [4] Foi enquanto neste museu que o mahiole e a capa de Cook foram emprestados por Johann Zoffany na década de 1790 e incluídos em sua pintura da Morte de Cook. [4]

Lever faliu e sua coleção foi vendida por sorteio público. A coleção foi obtida por James Parkinson, que continuou a exibi-la. Ele acabou vendendo a coleção em 1806 em 8.000 vendas separadas. (O Museu Britânico não licitou esses itens, pois Sir Joseph Banks os avisou de que não havia nada de valor). [4] O mahiole e o manto foram comprados pelo colecionador William Bullock, que os exibiu em seu próprio museu até 1819, quando também vendeu sua coleção. O mahiole e o manto foram comprados por Charles Winn e permaneceram em sua família até 1912, quando o neto de Charles Winn, o Segundo Barão St Oswald, os deu ao Domínio da Nova Zelândia. Eles agora estão na coleção do Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa.

Museu Bernice P. Bishop, edição de Honolulu

O Museu Bernice P. Bishop em Honolulu tem um mahiole de 200 anos e uma capa combinando. Este mahiole vermelho e amarelo brilhante foi dado ao rei de Kaua'i, Kaumuali'i, quando ele se tornou vassalo de Kamehameha I em 1810, unindo todas as ilhas no Reino do Havaí. [13]

Museu Britânico, Londres Editar

O Museu Britânico possui sete desses capacetes. [7] [9] [14] O grande vermelho retratado foi obtido da coleção de Sir Joseph Banks. Banks era um polímata rico, particularmente interessado em botânica. Ele navegou com o Capitão Cook em sua primeira viagem de exploração e continuou a manter contato com as novas explorações de Cook. Especula-se que este capacete pode ter pertencido ao segundo em comando de Cook, Charles Clerke. [14] As coleções de Clerke foram deixadas para Joseph Banks após a morte de Clerke na terceira viagem de Cook. No momento de sua morte, Clerke era o capitão do navio após a morte de Cook.

Um segundo capacete difere em design geral do primeiro por ter faixas concêntricas de amarelo e preto contra um fundo vermelho geral. Um chapéu com este design foi gravado por John Webber, que era o artista oficial do Capitão Cook. [9] O Museu Britânico também possui um exemplo sem penas que mostra como a estrutura foi construída. [15]

Museu de Etnologia, Viena Editar

O Museu de Etnologia de Viena obteve algumas de suas exposições mais antigas na venda do Museu Leverian em 1806. [16] O Barão Leopold von Fichtel comprou vários itens para seu museu em Viena. [17]

Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa, Wellington Edit

O Museu Te Papa Tongarewa da Nova Zelândia possui quatro mahiole em sua coleção. Dois foram presentes de Lord St Oswald em 1912. [18] Os outros dois foram comprados em 1948 pelo governo da Nova Zelândia de William Ockelford Oldman, um colecionador e negociante de antiguidades etnográficas. [19] O Museu Britânico, o Smithsonian e o Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa acreditam que um dos capacetes e sua capa combinando foram aqueles colocados em Cook pelo chefe havaiano Kalani’ōpu’u. [14] [18] [20] O capacete e a capa específicos em questão são semelhantes aos retratados na pintura de Zoffany.

O capacete de penas do Museu Britânico foi escolhido para ser um dos itens apresentados na série de rádio Uma história do mundo em 100 objetos. A série teve início em 2010 e foi criada em parceria entre a BBC e o Museu Britânico. [21]

Precedido por
86: Akan Drum
Uma história do mundo em 100 objetos
Objeto 87
Sucedido por
88: Mapa de pele de veado da América do Norte

O mahiole e a capa de Cook são apresentados na série de minidocumentário para televisão Contos de Te Papa filmado em 2009. A série foi criada em uma parceria entre a TVNZ e Te Papa [11]


Capacete Celta, Museu Britânico - História

O período anglo-saxão na Grã-Bretanha durou seis séculos e, embora seja injustamente redutivo caracterizá-lo puramente como um tempo de guerra, é sem dúvida verdade que confrontos regulares entre exércitos bem equipados temperaram o período e ditaram o caminho complicado tomado localmente identificar comunidades pós-romanas para uma Inglaterra unida e coerente. A escala dos exércitos anglo-saxões continua a ser debatida, e não está totalmente claro o quão bem equipados eles estavam, mas as descobertas arqueológicas nas últimas décadas forneceram exemplos abundantes de equipamentos de guerra & # 8211 especialmente armas & # 8211 para informar nossa imagem de guerreiros anglo-saxões. Esse equipamento é mais abundante desde o período inicial (séculos 5-7), graças aos bens mortíferos do rito funerário mobiliado, em última instância condenado, mas mesmo nesses séculos, o item mais evocativo do equipamento de guerra, o capacete, é primorosamente raro. Simplesmente não temos muitos exemplos. Existe um problema maior, embora nem mesmo saibamos quantos exemplos temos. Quase todos os totais corridos estão errados.

O fornecimento relativamente curto de capacetes anglo-saxões pode ser decepcionante para reencenadores, artistas de capas de livros e departamentos de figurinos de dramas históricos, mas não é tão surpreendente. Capacetes são surpreendentemente raros em geral. Até mesmo os capacetes romanos são achados inexplicavelmente raros, especialmente considerando o alcance e a longevidade do império cujo exército atingiu o pico de cerca de meio milhão de soldados bem equipados espalhados pela Europa, Ásia Ocidental e Norte da África. A raridade de capacetes (e outras armaduras) no registro arqueológico pode em grande parte ser explicada pelo conceito não tão novo de reciclagem de um capacete velho, quebrado ou enferrujado teria sempre representado uma massa significativa de ferro valioso que poderia ser retrabalhado em novos itens antes de tempos relativamente recentes com fornecimento razoavelmente abundante de metais produzidos industrialmente, a reciclagem de tal material sempre teria valido a pena. Como tal, pelo menos no que diz respeito aos capacetes anglo-saxões (e outros grandes itens de ferro), os únicos que sobrevivem para que possamos examinar são aqueles que foram acidentalmente perdidos, escondidos e nunca recuperados, ou na maioria dos casos deliberadamente abandonados, por os vivos, durante os ritos funerários. Esse é o assunto mais importante e enfadonho tratado. Mas eu não comecei a escrever isso para lutar com questões difíceis e impactantes sobre a disponibilidade de equipamento militar anglo-saxão. Então, deixe-me explicar por que todo mundo & # 8217s errou na contagem de capacetes anglo-saxões.

Quantos capacetes?

Dependendo de qual livro você está lendo, existem três, quatro, cinco ou seis capacetes anglo-saxões. Isso é determinado pelo quão recente é a fonte e / ou se o autor se preocupou em verificar esse factóide antes de copiá-lo no atacado de outra publicação. Existem vários outros capacetes que orbitam estes & # 8220oficiais & # 8221, mas normalmente não são incluídos porque sua proveniência ou identidade não pode ser verificada. Há também a obscura questão de o que torna algo & # 8220 anglo-saxão & # 8221 & # 8211 e dado que não podemos & # 8217t sequer concordar que, quando se trata da cultura como um todo ou de qualquer pessoa dentro dela, é & # 8217s um lata de vermes quando itens genéricos de ferro com aparência aproximadamente do início da Idade Média aparecem fora de contexto. Não há datação de carbono & # 8220 & # 8221 para metal e, embora as técnicas analíticas (particularmente refração de raios-X / XRF) possam estabelecer se um item tem a composição química consistente com ferros forjados medievais (mas também outros), atualmente não é possível restringir objetos a períodos de tempo ou fontes particulares. Os poucos exemplos verificados são bastante variados na construção, e não há nenhuma peculiaridade especialmente distinta na maneira como os ferreiros anglo-saxões rebitavam peças de ferro, em comparação com outras culturas, então subtraia a decoração caracteristicamente anglo-saxônica, mas presumivelmente rara, vista em os elmos Sutton Hoo ou Coppergate e os elmos anglo-saxões permanecem em continuidade com os de outros períodos e culturas. Como tal, o contexto é crítico.

Aqui está o corpus oficial até 2009, em ordem de escavação (mas não de identificação) por motivos que serão discutidos mais adiante, depois de 2009 as coisas ficaram um pouco complicadas.

& # 8226 Capacete Benty Grange. Monyash, Derbyshire. 1848.

& # 8226 O capacete Sutton Hoo. Monte 1, Sutton Hoo. Woodbridge, Suffolk. 1939.

& # 8226 O capacete Coppergate. Coppergate, York. 1982.

O mais bem preservado dos cinco, o Coppergate Helm foi descoberto durante escavações em preparação para a construção do Coppergate Shopping Center em York, quando uma escavadeira mecânica atingiu um objeto duro que acabou por ser o capacete, causando alguns danos. Foi em uma cova forrada de madeira aprox. 1,4 m de comprimento, junto com uma coleção aparentemente aleatória de outros objetos, incluindo uma espada de tecelagem, batedeira de agitação e várias outras pequenas peças de vários materiais. Pelo contexto, parecia que esse objeto de alto valor havia sido escondido, em um local usado para jogar lixo, com a intenção de ser recuperado mais tarde.

O capacete é de ferro bem trabalhado embelezado com decoração de latão fundido, incluindo maravilhoso entrelaçamento no nariz longo que se projeta para fora, sobrancelhas terminando em cabeças de javali (mais atrofiadas que as de Sutton Hoo) e uma crista cruzada côncava com um símbolo latino cristão inscrição de oração, terminando em uma única cabeça de dragão entre as sobrancelhas. A tigela é composta por uma ampla faixa retangular do nariz à nuca complementada por peças laterais e, em seguida, um arranjo dividido em quatro de placas de preenchimento, ao contrário do arranjo de meia cúpula de Sutton Hoo, esta abordagem produz uma cúpula um pouco mais alta e quadrada & # 8221 que é compartilhado pelo capacete Wollaston notavelmente semelhante, embora anterior. As bochechas profundas que teriam protegido os vasos sanguíneos vulneráveis ​​da garganta superior, pendem de dobradiças de ferro complexas mas indisfarçáveis, enquanto o pescoço é protegido, exclusivamente (pelo menos na Inglaterra) por uma cortina suspensa de malha soldada por forja. Tal como acontece com Sutton Hoo, o Coppergate Helm pode ser o assunto de um artigo inteiro (e de fato, o trabalho seminal sobre o assunto (The Anglian Helmet de 16-22 Coppergate, Dominic Tweddle, 1992) continua sendo o melhor ponto de partida para qualquer estudo dos primeiros capacetes medievais).

O capacete era inquestionavelmente uma posse principesca fabricada na Nortúmbria do século VIII. A história da Nortúmbria nos séculos 8 a 9 foi extremamente turbulenta, e é tentador, embora fantasioso, imaginar este capacete (uma herança e emblema do status real da Nortúmbria) sendo esquecido, fora da vista, na época do Viking captura de York em 866.

& # 8226 O capacete Wollaston / Pioneer, Wollaston, Northamptonshire. 1997.

Este capacete foi descoberto em março de 1997 durante escavações em terreno adjacente à planície de inundação de Nene e 250m de um pequeno grupo de carrinhos de mão da Idade do Bronze, onde a extração (por Pioneer Aggregates) estava para começar. O que foi descoberto foi um único sepultamento de um jovem macho, sob o que provavelmente foi um túmulo há muito arado. O enterro continha um conjunto limitado de restos mortais, o capacete, três fivelas de ferro, uma pequena faca, dois ganchos para roupas de liga de cobre, uma tigela de bronze para pendurar (com escudo millefiori embutido), um misterioso sortimento de hastes curtas de ferro e tubos, e uma lâmina de espada com padrão de alça sem acessórios de punho existentes. A espada era soldada por padrão, com um desenho de torção interrompida semelhante ao da espada Sutton Hoo Mound 1. No geral, o sepultamento é comparável particularmente a Benty Grange, mas também a outros sepultamentos de guerreiros de fase tardia de status relativamente alto.

O capacete estava em boas condições, com uma tigela quase intacta, uma única bochecha existente com dobradiça de ferro, deliberadamente dobrado para dentro, mas nasal reforçado, e em contraste com todos os outros exemplos até então conhecidos, nenhum sinal de qualquer acessório de metal precioso ou enfeite. Infelizmente, a parte de trás do elmo estava em grande parte desintegrada e tão pouco pode ser dito com certeza sobre sua proteção do pescoço. Sua construção estrutural é homóloga à do leme Coppergate de aprox. um século depois, e também compartilha uma crista que se cruza nariz com nuca e orelha com orelha, embora desta vez formada convexa e de ferro, integrando uma pequena e simples crista de javali como uma versão diminuta e menos cara do Benty Grange javali. O design mais utilitário do elmo Wollaston inevitavelmente convida à especulação de que ele pode ser representativo de um tipo mais comum de capacete usado por guerreiros profissionais anglos, como implícito nas representações relativamente uniformes de elmos nasais na pedra Pictish Aberlemno II. Para obter mais informações sobre o Wollaston Helm, consulte http://thethegns.blogspot.com/2013/09/the-wollaston-pioneer-helm_1.html

& # 8226 O capacete Shorwell, Shorwell, Ilha de Wight. 2004.

Todos os capacetes acima compartilham uma característica crucial: todos foram recuperados de contextos razoavelmente bem compreendidos por (pelo menos de acordo com os padrões da época em cada caso) & # 8220arqueólogos profissionais & # 8221. Isso significa que todos eles vieram com proveniência e contexto, permitindo que todos fossem datados e atribuídos à cultura material anglo-saxônica primitiva. Isso não pode ser dito, por exemplo, do "Yarm Helmet" & # 8211 uma raridade descoberta na década de 1950 por trabalhadores que instalaram um novo sistema de esgoto em Yarm, North Yorkshire, e agora em exibição no Preston Park Museum, Stockton on Tees. Este capacete de má qualidade, semivisado, de construção de elmo baixo e sem crista, com um pequeno remate no ápice, é inexpressivo para dizer o mínimo, embora os esforços para recriá-lo tenham rendido alguns resultados mais atraentes. Sua semelhança com o capacete Viking antigo de Gjermundu inevitavelmente o levou a ser mais comumente considerado como um possível capacete Viking do Nordeste, embora o design da semi-viseira seja bem representado na arte anglo-saxônica inicial (cf. botão do século 6 broches) e sua construção é pelo menos igualmente consistente com os primeiros trabalhos da forja anglo-saxônica, embora não seja seu melhor trabalho. O status duvidoso do capacete Yarm & # 8211 e outros sem procedência ou características caracteristicamente & # 8220Anglo-Saxon & # 8221 que desarrumam coleções particulares, sites de leilão e episódios de Pawn Stars (https://youtu.be/nSdQGgRKiWI) não podem ser incluído. No entanto, esses casos duvidosos não são responsáveis ​​pelo erro de contagem.

A verdadeira razão pela qual erramos totalmente é o Staffordshire Hoard.

O que há de errado com o capacete de Staffordshire?

A descoberta do Staffordshire Hoard em 2009 trouxe consigo uma incrível explosão de percepção, interesse e inspiração. Havia tantos aspectos que prendiam a imaginação, mas no topo da lista deles estava a possibilidade tentadora de um capacete dourado. A primeira a ser identificada foi uma bochecha & # 8220golden & # 8221 (na verdade, prata dourada) um pouco pequena, mas parecia grande o suficiente na televisão. Em seguida, uma crista oca incomum com um terminal em forma de cabeça de cavalo que era um pouco pequeno, mas daria conta do recado. Com o tempo, os conservadores começaram a trabalhar no quebra-cabeça dolorosamente complicado de flocos de prata que formavam frisos de folha de prensagem homóloga aos do capacete Sutton Hoo e, finalmente, o público ficou maravilhado quando, por meio de uma enxurrada de atividades na conclusão do projeto de pesquisa, os conservadores Hoard (Drakon Heritage) com a ajuda do Royal Armouries, Gallybagger Leather e Birmingham City School of Jewellery, produziram e revelaram com grande fanfarra duas réplicas do & # 8220Staffordshire Helmet & # 8221.

A mídia e o público ficaram impressionados, e ambos os capacetes têm servido como excelentes ferramentas de marketing para seus respectivos museus, da maneira que apenas capacetes brilhantes podem fazer. A justificativa por trás da reprodução-cum-reconstrução (copiar e juntar Hoard bits é ambos e nenhum, então, de nossa parte, às vezes recorremos ao termo inventado & # 8220reassemblage & # 8221) foi exposta em detalhes heróicos na magnum opus & # 8220O tesouro de Staffordshire, um tesouro anglo-saxão & # 8221 (Fern et al. 2019) que ainda está sendo digerido, mas entre aqueles bem versados ​​em arqueologia e reprodução de capacetes anglo-saxões e cultura associada, já céticos quanto à identificação de alguns elementos-chave do Hoard como peças de capacete, a recepção para os capacetes foi silenciada. A tendência fortemente pegajosa, a competitividade, os recursos substanciais e o acesso privilegiado ao artesanato histórico de liderança mundial de alguns membros desta comunidade deveriam certamente ter significado um frenesi alimentar por ser o primeiro a ter um capacete dourado Hoard quando a notícia chegou em 2009, ou quando novas peças surgiram em 2012, ou quando a limpeza e conservação foram concluídas e o tesouro foi revelado na íntegra em 2014, mas ninguém o tentou & # 8211 talvez ninguém pudesse fazê-lo funcionar, e então, inesperadamente foi deixado para a própria equipe Hoard agarrar esta urtiga dourada primeiro.

Mais completo de duas alegadas "bochechas" de Staffordshire Hoard - Wikimedia Commons.
O que foi produzido foi, sem dúvida, impressionante, mas peculiar, com muitos elementos sem precedentes, ou visualmente simplesmente chocantes. Isso não significa necessariamente errado & # 8211, devemos ser cautelosos ao colocar nossas expectativas à frente das evidências materiais. No entanto, falhas potencialmente fatais identificadas no início permanecem, como as diminutas e fracamente inseridas bochechas prateadas douradas que não protegem os vasos sanguíneos da garganta (seu verdadeiro propósito em todos esses capacetes), pois terminam bem acima do queixo e corre o risco de ferimentos devido à curva acentuada para dentro na face frontal, que cortaria a bochecha se fosse impactada, e que balança desajeitadamente com a borda muito mais estreita e arredondada da órbita da qual está pendurada. Foi sugerido que essas peças formaram conchas decorativas em torno de uma peça interna, provavelmente de ferro na bochecha, mas não há evidências de que tal núcleo tenha existido, nem um flange correspondente na parte de trás das conchas para acomodar uma inserção tão espessa, e são as próprias conchas (ao invés de qualquer peça teórica de ferro) que carrega as (embora frágeis e não dobradiças) alças de fixação. Não é preciso dizer que qualquer peça de bochecha estrutural teorizada seria fixada no próprio capacete, e não pendurada por meio de abas frágeis que se estendem de sua placa decorativa.
Certamente não somos os primeiros a observar que essas abas faciais de metal precioso, diminutas e fracamente fixadas, teriam maior probabilidade de causar ferimentos do que evitá-los. Compare isso com a elegância ergonômica do capacete Sutton Hoo, que agora se acredita ter sido um produto da mesma oficina real de East Anglian. É plausível que tais armeiros comprometessem a função de um elmo dessa forma, simplesmente para um toque visual adicional?

Staffordshire Hoard alegado "cheekpiece" com abas de prata e fio de contas correspondentes - Wikimedia Commons
Metade do Staffordshire Hoard alegada "crista do capacete" - Wikimedia Commons
A função é o teste definitivo para qualquer peça de armadura e, nas últimas décadas, as reconstruções dos capacetes da cultura Vendel anglo-saxões e associados provaram, de forma conclusiva, que eram bem projetados e altamente funcionais. Alguns mostram a reparação dos danos da batalha. Até mesmo o capacete de Sutton Hoo & # 8211 com sua máscara enigmática e outros detalhes sugerindo um papel parcialmente cerimonial & # 8211 era um elmo de guerra muito funcional e, portanto, devemos esperar o mesmo do capacete Hoard mais - dado isso, ao contrário do elmo Sutton Hoo, vem de um conjunto amplamente considerado para representar o saque do campo de batalha. O projeto do Capacete Staffordshire foi indiscutivelmente dificultado pelo desejo de deixar os fragmentos Hoard, por conta própria, ditarem o design com referência limitada a capacetes mais completos e a necessidade correspondente de integrar todos os fragmentos de capacete possíveis em uma única construção. Fern (2019) observa que não sabemos com certeza se todos os fragmentos de capacete possíveis vieram de um único capacete & # 8211 uma possibilidade que deve ser levada muito a sério, pois se fosse o caso, esta versão do elmo Hoard poderia ser uma quimera e uma ampla variedade de designs mais escassamente decorados, mas mais confortavelmente montados, podem ser possíveis.

Se esta crítica soa dura, e talvez seja, devemos lembrar a infame primeira tentativa de remontagem do capacete Sutton Hoo e compará-lo com o esplêndido item que conhecemos hoje. Esta primeira tentativa & # 8211 e provavelmente todas as tentativas futuras & # 8211 podem ser apenas aproximações, que por meio da integração iterativa de novos insights de análise, reavaliação e experimentação, esperançosamente se aproximam cada vez mais da verdadeira forma original do capacete & # 8217s.

Reconstruções são coisas perigosas que podem comunicar um falso grau de certeza. As decisões devem ser tomadas de uma vez por todas & # 8211 deve-se literalmente rebitar uma cor & # 8217s no mastro, enquanto as barras de erro, outras possibilidades e interpretações desaparecem. Nunca esquecerei uma conversa com uma senhora em um evento público em Tamworth em 2012 que, entusiasmada com o capacete anglo-saxão brilhante que havia sido encontrado lá e estava em exibição, ficou consideravelmente desapontada ao ser informada de que (o & # 8220Tamworth Castle Helm & # 8221) foi uma reconstrução lindamente trabalhada, mas especulativa, projetada para mostrar como as folhas do capacete Staffordshire Hoard funcionavam. Não estamos na mesma posição, de ter nossas reproduções atrás do vidro do museu e sermos confundidos com ser & # 8220 reais & # 8221, mas podemos sempre estar mais atentos ao articular incertezas. Navigating uncertainty is the hardest part of the job it’s a joy to reproduce a specific and well-preserved find in its entirety, but to reconstruct the Hoard is to "play Anglo-Saxon on hard-mode", and within the Hoard, the ultimate challenge is the helmet. Drakon Heritage and associates deserve credit for even trying. In future years, undoubtably, others will attempt speculative reconstructions of elements of the Hoard helmet, approaching the challenge from the opposite direction by working readily understood fragments into existing designs, and unconstrained by the need to make use of, and explain, every fragment.

The enormous challenge of reconstructing the Staffordshire Hoard helmet stems from one key fact, however, which is also the reason that arguably disqualifies it from consideration in our list of Anglo-Saxon helmets there is actually no helmet present, to study.

There is no Staffordshire Helmet

Well… not really. There was, as evidenced by the abundant array of fragments of helmet decoration in the Staffordshire Hoard (some of which definitely did come from a helmet). But, as described by lead conservator and project-manager for the reconstruction, Pieta Greaves, reconstructing the Staffordshire Hoard helmet is like trying to reconstruct an old house when all you have are scraps of wallpaper. To be clear this is not a criticism of the fragmentary nature of the helmet both the Sutton Hoo and Showell helmets were in tiny fragments on discovery and took years to reassemble. The problem is that with the Hoard helm there are no surviving structural elements no parts of the helmet bowl, no iron cheek-pieces or hinges, part of a nasal, face-plate or reinforcing ridge. Even the chunkier though disputed parts, including the silver-gilt cheek-piece elements and crest are decorative pieces of finely worked, soft precious metals, and are of little physically protective value. Attempts to infer, from the two “crest” pieces, the dimensions and curvature of the helmet-bowl are somewhat scuppered by the fact that these pieces do not actually fit together, and are shaped so that they can’t even neatly abut, necessitating that they be spaced at an unknowable distance and angle apart, and so even the preserved “memory” of the underlying helmet offered by these pieces is cast into doubt. All extant parts are simply the torn up “wallpaper” of a probably functional iron helmet that was re-forged into a ploughshare over 1200 years ago. And just as the many fittings from swords in the Staffordshire Hoard do not mean it can be described as “a hoard of over 100 Anglo-Saxon swords”, lacking even a single blade, so we cannot claim that the Hoard is a helmet-find.

The lack of structural (as opposed to decorative) elements disqualifies the Staffordshire Hoard helmet as a helmet find, however, not purely as a matter of semantics, or because of the terrible implications this has for interpretation, but rather, because of the precedent which its inclusion would set.

Reassembled die-impressed sheet (pressblech) - long zoomorphic frieze from Staffordshire Hoard. Wikimedia Commons

Horncastle Boar
If the Hoard were to be included as a helmet find, it would be only fair to include all other examples of stray helmet-decoration that likely came from an Anglo-Saxon helmet. There are a growing number of these, some of which arguably have more concrete status as helmet components than some of the purported helmet components of the Hoard. These include the cast copper-alloy boar-crest from Guilden Morden, Cambs, which was recovered from a modestly furnished Anglo-Saxon grave in 1864-5 and quickly identified as a detached helmet-crest thanks to the attachment lug and comparison to the then recently discovered helmet from Benty Grange. Another is the delightful gilded silver boar-head discovered by a metal-detectorist in Horncastle, Lincs, in 2002, which had been attached by means of three small rivets to a larger object. The proportions of this terminal are comparable to the crest-terminals of the Sutton Hoo and Vendel-Culture crests (far moreso than the diminutive “horse” heads of the Hoard) and the beaded filigree-bordered garnet cabochon eyes bear immediate comparison with the Benty Grange boar. In an entertaining and not unprecedented self-referential homage to the larger object, the boar himself wears a helmet with eyebrows and crest, infilled with crouching quadrupeds. A similar, though plainer cast copper-alloy boar-head of similar proportions is displayed at West Stow, and features the same self-referential helmet-crest and eyebrows. A more doubtful, but similarly impressive example, this time executed in gold and garnet cloisonné, was discovered by a metal-detectorist in Bassetlaw, Nottinghamshire, in 2000, and was immediately compared to the boar from Benty Grange, although its deliberately damaged state makes it hard to infer what object it originally came from. Added to this list more recently is a charming boar-crest terminal, again with garnet eyes and bearing attachment rivets still in situ, from the recent excavations of the early Anglo-Saxon cemetery at Scremby, Lincolnshire (courtesy of Hugh Willmott, Sheffield University Archaeology).


Guilden Morden Boar. (C) The British Museum
Although pressblech foils can belong to other items (being used extensively in princely burials to decorate drinking horns and other vessels) the processing warrior, spear-dancer and (to a lesser extent) horse-warrior designs within near-square rectangular fields are peculiar to helmets, and thus, applying the same rule, any flake of such a foil (or perhaps even its patrix?) should also be regarded as a helmet find. A good example - a patrix recently added to the Portable Antiquities Scheme, from Whittington near Lichfield, with dot-filled zoomorphic interlace resembling foils from the Sutton Hoo helm, and with the same frieze-width as the helmet foils from the Staffordshire Hoard, is very likely to have been involved in the manufacture of a helmet. When one takes into account the possibility that the fragments in the Staffordshire Hoard itself might represent more than one helmet, our count of Anglo-Saxon helmets becomes nonsense.

It may seem absurd to count these stray pieces of decoration as helmet finds, yet that is what we do when we call the Staffordshire Hoard the 6th Anglo-Saxon helmet. If the notion of a helmet-find is to mean anything at all, it must surely be restricted to those finds where actual structural, rather than purely decorative, elements are represented.

Conclusão

Of course, you're welcome to count helmets how ever you chose but I would suggest, applying the simple rule described above, there have been cinco Anglo-Saxon helmets discovered, of verifiable provenance and context, at the time of writing. It should go without saying that this is a tiny (and probably heavily skewed) sample of what existed in the period, and we have further evidence of more helmets, from a number of other finds of detached helmet decoration, including the Staffordshire Hoard. Such trace evidence of non-extant helmets is proof, if any was needed, that such expensive battle-gear was more widespread than the few true helmet finds imply, and exploring these additional pieces of helmet evidence, including through attempts to integrate such pieces into appropriate existing helmet structures, is a worthwhile and valid exercise. However, efforts to reconstruct the “Guilden Morden Helm”, “Horncastle Helm”, "Scremby helm", “Staffordshire Helm”, or others, must still be regarded as speculative exercises. Conjecural helmet "re-assemblages" can offer much in contextualising stray fragments, and add texture and "authentic" variety to our image of early Anglo-Saxon warriors, but we should always recognise and effectively communicate the distinction between helmet finds, helmet traces, and speculative reconstructions flakes of wallpaper, however numerous, cannot be called a house.

Referências

Barton, C (2012) "PAS-5D5B56: A EARLY MEDIEVAL HELMET" Web page available at: https://finds.org.uk/database/artefacts/record/id/506705

Bateman, T. (1861). Ten Years' Diggings in Celtic and Saxon Grave Hills, in the Counties of Derby, Stafford, and York, from 1848 to 1858: With Notices of Some Former Discoveries, Hitherto Unpublished, and Remarks on the Crania and Pottery from the Mounds. JR Smith.

Bruce-Mitford, R. (1972). "The Sutton Hoo Helmet: A New Reconstruction". The British Museum Quarterly. Museu Britânico. XXXVI (3𔃂): 120�. doi:10.2307/4423116. JSTOR 4423116.

Bruce-Mitford, R. (1978). The Sutton Hoo Ship-Burial, Volume 2: Arms, Armour and Regalia. London: British Museum Publications. ISBN 978-0-7141-1331-9.

Bruce-Mitford, R. L. S., & Raven, S. (2005). A Corpus of Late Celtic Hanging-bowls with an Account of the Bowls Found in Scandinavia. Oxford University Press, EUA.

Brundle, L (2020) "LIN-490483: A EARLY MEDIEVAL DIE STAMP" Web page available at: https://finds.org.uk/database/artefacts/record/id/999786

Butterworth, J., Fregni, G., Fuller, K., & Greaves, P. (2016). The importance of multidisciplinary work within archaeological conservation projects: assembly of the Staffordshire Hoard die-impressed sheets. Journal of the Institute of Conservation, 39(1), 29-43.

Fern, C., Dickinson, T. & Wesbter, L. (2019) "The Staffordshire Hoard An Anglo Saxon Treasure". Society of Antiquaries, London. ISBN 978-1527233508

Halsall, G. (2015). The Staffordshire Hoard: Its Implications for the Study of Seventh-century Anglo-Saxon Warfare. [Online] https://600transformer.blogspot.com/2015/08/the-staffordshire-hoard-its.html

Hood, J, Ager, B, Williams, C, Harrington, S & Cartwright, C. (2012). “Investigating and interpreting an early-to-mid sixth-century Frankish style helmet”, British Museum Technical Research Bulletin, 6 (2012), 83-95

Leahy, K., Bland, R., Hooke, D., Jones, A., & Okasha, E. (2011). The Staffordshire (Ogley Hay) hoard: recovery of a treasure. Antiquity, 85(327), 202-220.

Maryon, H. (September 1947). "The Sutton Hoo Helmet". Antiquity. XXI (83): 137�. doi:10.1017/S0003598X00016598.

Meadows, I (2004). "An Anglian Warrior Burial from Wollaston, Northamptonshire". Northamptonshire Archaeology Reports (2010 digital ed.). 10 (110).

Suzuki, S. (2008). Anglo-Saxon button brooches: typology, genealogy, chronology (Vol. 10). Boydell & Brewer Ltd.

Tweddle, D (1992). The Anglian Helmet from 16󈞂 Coppergate. The Archaeology of York. 17/8. London: Council for British Archaeology. ISBN 1-872414-19-2.


A symbol of power and wealth

In the period of continuity and change following the end of Roman rule in Britain, Anglo-Saxon rulers competed among themselves for supremacy. We know from Bede and other written sources that the royal family of East Anglia was embroiled in these conflicts. The objects in the burial referred to the role and status of the dead person, but also had a public message which would have been understood by the people assembled at the ritual of burial.

The mythological scenes on the helmet could be related to the pagan god Odin, Nordic god of war. In the Anglo-Saxon world, rulers needed to demonstrate that they could lead their people in war. Success in war meant maintaining stability and control, and perhaps expanding the kingdom. So objects such as the helmet were vital symbols of qualities of leadership.

The placing of valuable objects and materials in graves demonstrates the wealth and status of the dead person’s social group not merely through the objects and materials themselves, but through the group’s ability to dispose of and in effect destroy these goods.

This was a period when both pagan and Christian belief systems were being followed in East Anglia. The practice of ship burials and placement of objects within the burial space was a pagan practice. However, there are Christian symbols on several of the items.


Hawaiian feather helmet

  1. Clique na imagem para ampliar. Copyright Trustees of British Museum
  2. Portrait print of Captain James Cook from 1784. Copyright Trustees of the British Museum
  3. Print showing the death of Captain Cook. Curadores de direitos autorais do Museu Britânico
  4. Map showing where this object was made. Curadores de direitos autorais do Museu Britânico

This feather helmet would have been worn by a Hawaiian chief during a ceremony or in battle. It is made from wicker basketry and covered with the red feathers of honeycreepers and the yellow feathers of honeyeaters. Red and yellow were the Hawaiians' most important colours and were regarded as tapu - holding a sacred quality. Feathers enhanced mana - a spiritual force that can fill individuals or objects with power. Birds were regarded in Polynesia as spiritual messengers.

How did Captain Cook change Hawaiian society?

This helmet was probably collected in 1778 by Captain Cook or a crew member of his ship. They were the first Europeans to ever visit Hawaii. The Hawaiian Islands were first settled in around AD 400 but had probably been isolated from the rest of Polynesia for 500 years when Cook arrived. The arrival of Europeans proved to be highly influential. Kamehameha I modelled himself on European monarchs and was able to conquer and unite all the islands independent until the American takeover in 1893.

In Hawaii only the highest-ranking chiefs could wear red and yellow feathered cloaks and ornaments.

Understanding the colours

Featherwork throughout the Pacific and Polynesia in general is very significant and associated with the high chiefs or the chiefly line in all of the Polynesian cultures.

In Hawaii, red is used prominently in feather work, in helmets, in feather capes, but also yellow becomes a very prominent colour as well that stands alongside the red because of its rarity and colour.

The primary feathers that are used in this particular mahiole are from two birds. The red feathers coming from the i’iwi bird which is a honeycreeper in Hawaii - which is still living in forests around the island chain. The yellow feathers and the black as well come from a bird called the oo which is no longer living in the Hawaiian islands. I think the last Hawaiian oo was last heard in the Hurricane Iniki which was about 15 years ago.

Also the materials used - because the chief was a God on earth - the materials used are earthly forms of our Gods. For example the ie’ie which is for Ku, wicker material, the feather work, the colour red, Ku, for the God Ku, for the god of politics, war but perhaps other things as well, the God of life. So it’s a symbol of a core status, a godly status on earth and so that’s what separated them from the commoners. Hence, the term mahiole.

In Hawaii the yellow feather becomes on par if not a little more elevated than the feather just because of the scarcity of that particular source of material. The yellow feathers come from a small honey eater which is primarily black with a few tufts of yellow feathers under their wings and tail. So to acquire enough feathers of that colour to make something, to decorate your feathered cape or your feathered helmet in a significant manner would require a lot of resources or a lot of control of land to acquire that much resources to make something of significant size. Yellow is a very prominent colour used but the traditional colour of the chiefs originates with the red.

Featherwork throughout the Pacific and Polynesia in general is very significant and associated with the high chiefs or the chiefly line in all of the Polynesian cultures.

In Hawaii, red is used prominently in feather work, in helmets, in feather capes, but also yellow becomes a very prominent colour as well that stands alongside the red because of its rarity and colour.

The primary feathers that are used in this particular mahiole are from two birds. The red feathers coming from the i’iwi bird which is a honeycreeper in Hawaii - which is still living in forests around the island chain. The yellow feathers and the black as well come from a bird called the oo which is no longer living in the Hawaiian islands. I think the last Hawaiian oo was last heard in the Hurricane Iniki which was about 15 years ago.

Also the materials used - because the chief was a God on earth - the materials used are earthly forms of our Gods. For example the ie’ie which is for Ku, wicker material, the feather work, the colour red, Ku, for the God Ku, for the god of politics, war but perhaps other things as well, the God of life. So it’s a symbol of a core status, a godly status on earth and so that’s what separated them from the commoners. Hence, the term mahiole.

In Hawaii the yellow feather becomes on par if not a little more elevated than the feather just because of the scarcity of that particular source of material. The yellow feathers come from a small honey eater which is primarily black with a few tufts of yellow feathers under their wings and tail. So to acquire enough feathers of that colour to make something, to decorate your feathered cape or your feathered helmet in a significant manner would require a lot of resources or a lot of control of land to acquire that much resources to make something of significant size. Yellow is a very prominent colour used but the traditional colour of the chiefs originates with the red.


Archaeology breakthrough as identity behind UK’s ‘most magnificent war grave’ unmasked

Link copiado

The Dig: Carey Mulligan stars in Netflix trailer

Quando você se inscrever, usaremos as informações fornecidas para enviar esses boletins informativos. Às vezes, eles incluem recomendações para outros boletins ou serviços relacionados que oferecemos. Nosso Aviso de Privacidade explica mais sobre como usamos seus dados e seus direitos. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Known as Sutton Hoo, the site in Woodbridge, Suffolk, was at the centre of an incredible discovery in 1939 when an Anglo-Saxon burial was found. Archaeologist Basil Brown discovered two early Medieval cemeteries on the property of Edith Pretty that dated from the sixth to the seventh centuries. Inside one was an undisturbed ship burial with a wealth of treasure, including a ceremonial helmet now held at the British Museum.

Artigos relacionados

And, as Netflix is poised to release its new film &lsquoThe Dig,&rsquo depicting the incredible excavation, curator of Early Medieval Europe Collections at the museum, Dr Sue Brunning, spoke to Express.co.uk.

She said: &ldquoThe person buried at Sutton Hoo was buried with a whole array of magnificent war gear. It&rsquos the most magnificent war grave that&rsquos ever been discovered in Britain.

&ldquoThere are a few things that are unique &ndash the helmet is very unusual. That in itself is important.

&ldquoThere was also a coat of armour that suggests this person was very high status. It wasn&rsquot accessible to other people.&rdquo

Sutton Hoo was one of the most significant discoveries in the UK (Image: GETTY)

The discovery was made in 1939 (Image: GETTY)

And, incredibly, Dr Brunning has been able to get a unique insight into the artefact&rsquos owner.

She said: &ldquoThere was also a sword found in the ship burial and this is something I&rsquove studied myself. The handle features a really beautiful pommel.

&ldquoMy study of that weapon suggested to me that the way it was worn down, the deterioration, the person who carried it may have been left-handed &ndash based on how the sword would be worn on the body.

&ldquoI think that is amazing. This person&rsquos remains didn&rsquot even survive in the burial, but we are still able to get some personal insights into who they were based on the objects.&rdquo

Unfortunately, there was no body found at the grave, which led to early speculation over whether the Sutton Hoo ship burial was actually a cenotaph.

The sword was discovered along with the burial (Image: BRITISH MUSEUM)

Tendendo

But Dr Brunning is now sure there was once an inhabitant.

She added: &ldquoThere is a big gap where we would expect a body to be. There is a human-sized gap between the objects.

&ldquoAlso scientific analysis showed there may have been a degree of remains in the area.

&ldquoIn this part of Suffolk the soil is so acidic and water would have got into the burial, creating almost an acid bath. Human remains won&rsquot survive.

&ldquoI&rsquom pretty happy someone was buried there.&rdquo

The archaeological treasures are held at the British Museum (Image: GETTY)

A belt buckle found at Sutton Hoo (Image: GETTY)

Some scholars have tipped King Raedwald of East Anglia to have been the grave&rsquos owner.

Details about his reign are scarce, primarily because the Viking invasions of the ninth century destroyed the monasteries in East Anglia where many documents would have been kept.

And while Dr Brunning believes it is possible, she can&rsquot be 100 percent sure without this evidence.

She continued: &ldquoWe are at a time in history before there were written records, we can&rsquot know for sure.

&ldquoBut we can tell quite a lot from the archaeology. We can see a huge quantity of grave goods and the quality of them.

The stunning Anglo-Saxon helmet on display (Image: GETTY)

Artigos relacionados

&ldquoWe can see this is somebody who was significant and important enough to be honoured with such a burial.

&ldquoThe nature of the burial &ndash the fact they were buried in a 27-metre-long ship &ndash it would have taken a lot of labour and time so it was probably a big ceremonial event marked with a big mound to show this person&rsquos place in the landscape.

&ldquoAll of these things combined together show us this was somebody very important. The traditional view is it may have been a local king of East Anglia &ndash I don&rsquot know if it was him, but we can tell it was somebody very important.&rdquo

The new Netflix release is directed by Simon Stone and based on the 2007 novel of the same name by John Preston.

It will be available to stream on Netflix from Friday, January 29.

The cast is led by Oscar nominee Carey Mulligan, who plays Mrs Pretty.

Ralph Fiennes takes on the role of Mr Brown &ndash a self-taught archaeologist who has to fight to continue work on excavating the ship he found.


Interesting facts about the British Museum

o Museu Britânico is dedicated to human history, art and culture, and is located in the Bloomsbury area of London.

The Museum houses a vast collection of world art and artefacts e é free to all visitors.

O Museu Britânico coleção today contains over 8 million objects. Somente 1%, ou 80,000 of these objects are on display at any given time in 194 designated store rooms.

The British Museum was established in 1753, largely based on the collections of the physician and scientist Sir Hans Sloane.

It was the first national public museum in the world.

The museum first opened to the public on 15 January 1759, in Montagu House, on the site of the current building.

Visitor numbers have grown from around 5,000 a year in the eighteenth century para nearly 7 million today. É o second most visited art museum in the world, after the Louvre.

o core of today’s building, the four main wings of the British Museum, was designed no 19th century by the architect Sir Robert Smirke (1780–1867).

o Greek Revival façade facing Great Russell Street is a characteristic building of Sir Robert Smirke, with 44 columns in the Ionic order 14 meters (45 feet) high, closely based on those of the temple of Athena Polias at Priene in Asia Minor.

The British Museum has grown to become one of the largest museums in the world, covering an area of over 92,000 meters square (990,000 square feet).

Designed by Foster and Partners, the Queen Elizabeth II Great Court, commonly referred to simply as the Great Court transformed the Museum’s inner courtyard into the largest covered public square in Europe. It is a 8,000 square meter (2 acres) space enclosed by a spectacular glass roof with the world-famous Reading Room at its center.

o British Museum Reading Room used to be the main reading room of the British Library. In 1997, this function moved to the new British Library building at St Pancras, London, but the Reading Room remains in its original form at the British Museum.

Some of the museum’s most popular and important exhibits include the Rosetta Stone, the Elgin Marbles, the Oxus Treasure.

o Pedra de Roseta is a stone with writing carved into it. French soldiers found it in Egypt in 1799. It helped people get a better understanding of the Ancient Egyptian writing system called hieroglyphics. Its discovery led to the translation of Ancient Egyptian writing. The stone is named after the city where it was found, Rosetta.

o Elgin Marbles, also known as the Parthenon Marbles, are a series of ancient Greek sculptures made from marble. They were originally part of the Parthenon temple in Athens but they were taken away by Thomas Bruce, 7th Earl of Elgin in the early 1800s.

o Oxus treasure is a collection of about 180 surviving pieces of metalwork in gold and silver, the majority rather small, plus perhaps about 200 coins, from the Achaemenid Persian period which were found by the Oxus river about 1877-1880.

Its most important curatorial departments include the following:

• Department of Ancient Egypt and Sudan
• Department of Greece and Rome
• Department of the Middle East
• Department of Prehistory and Europe
• Department of Asia
• Department of Africa, Oceania and the Americas
• Department of Prints and Drawings

o Department of Ancient Egypt and Sudan is one of the biggest collections of Ancient Egyptian art in the world (with over 100,000 pieces). Only the Egyptian Museum in Cairo has a bigger collection. They cover Egyptian and Sudanese history from around 10,000 BC all the way to the 12th century AD, a period of around 12,000 years.

o Department of Greece and Rome is one of the biggest collections of Ancient Greek and Roman
objects in the world. The objects come from nearly 4000 years of European history, from 3200 BC all the way to the 4th century AD.

o Department of the Middle East has the largest collection of Mesopotamian art in the world, outside Iraq. It has some 300,000 objects, covering the Neolithic period until present.

o Department of Prehistory and Europe in the British Museum is responsible for collections that cover a vast expanse of time from the earliest human tools in Africa and Asia two million years ago to the art and archaeology of Europe from the earliest times to the present day, including the history of Britain under Roman occupation.

Esse department of Asia holds more than 75,000 objects reflecting the culture of the whole Asian continent, from the Neolithic Age to the present day.

The collection of the Department of Africa, Oceania and the Americas includes around 350,000 objects, representing the cultures of the indigenous peoples of four continents.

o Department of Prints and Drawings houses the national collection of printmaking and drawing, containing some 50,000 drawings and 2 million prints, which makes it one of the top collections in the world. It features chalk drawings by Raphael, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rubens, and Rembrandt, among many others. The holdings are easily accessible to the general public in the Study Room [photo below], unlike many such collections.

o Egyptian Book Of The Dead went on display at the British Museum in 2010. Containing a collection of ‘spells’ thought to guide the dead through the dangers of the afterlife, the collection is over 3,000 years old.

Um erotic Japanese art exhibition was once dubbed raunchier than Page 3 by Sun editor David Dinsmore. The controversial collection had 87,893 visitors in three months and is one of the most successful in the museum’s history.

Em 2005, British street artist Banksy actually fooled museum staff into displaying a supposed cave painting of an early human pushing a shopping cart. Entitled “Early Man Goes to Market”, Bansky’s piece was displayed in the gallery for Roman Britain artefacts. It was only up for a couple of days before the museum caught on and removed it.


100 objects that can teach children about history

The objects will help to form a new chronological curriculum of the history of the world.

Key Stage 1 - individuals and events in history

1 Fire bucket from the Great Fire of London Museum of London

2 Florence Nightingale's writing box Florence Nightingale Museum

3 Guy Fawkes' lantern Ashmolean Museum

4 Queen Victoria's Jubilee badge British Museum

Key Stage 2 - Changes in Britain from the Stone Age to the Iron Age

The Happisburgh handaxe

5 The Happisburgh handaxe Norwich Castle Museum & Art Gallery

6 Bone engraved with a horse Creswell Crags Museum

7 Mesolithic woodworking tool British Museum

8 Mesolithic headdress Scarborough Collections

9 Carved stone balls from Skara Brae National Museum of Scotland

10 Neolithic quern for making flour British Museum

11 Mace head from near Stonehenge Wiltshire Museum

12 Early Iron Age boat Vivacity Peterborough Culture and Leisure Trust

13 Iron Age horse trappings British Museum

14 Tools for making clothes in Iron Age Britain British Museum

Key Stage 2 - The Roman empire and its impact on Britain

Manchester wordsquare, fragment of pottery transport amphora (wine jar), AD 182

15 Tombstone of a Roman cavalryman Corinium Museum

16 The Roman temple in Bath Roman Baths Museum, Bath

17 Cup decorated with gladiators Colchester Museum

18 Head of the emperor Hadrian British Museum

19 Roman mystery word square Manchester Museum

20 Roman silver pepper pot British Museum

21 Roman game board Llandudno Museum

Key Stage 2 - Britain's settlement by Anglo-Saxons and Scots

The Sutton Hoo helmet

22 Anglo-Saxon casket British Museum

23 Scottish silver brooch National Museum of Scotland

24 Figurine of an Anglo-Saxon man Norwich Castle Museum & Art Gallery

25 The Sutton Hoo helmet British Museum

26 Anglo-Saxon woman's key British Museum

27 Anglo-Saxon stained glass Bede's World

28 Pictish wolf Inverness Museum and Art Gallery

Key Stage 2 - The Viking and Anglo-Saxon struggle for the kingdom of England to the time of Edward the Confessor

29 Viking treasure Yorkshire Museum

30 Viking scales National Museum of Scotland

31 King Alfred's jewel Ashmolean Museum

32 Anglo-Saxon royal rings British Museum

33 Britain's Bayeux tapestry Reading Museum

34 A Viking dragon plaque Orkney Museum, Kirkwall

Key Stage 2 - The achievements of the earliest civilisations: ancient Sumer, Indus Valley, ancient Egypt, Shang China

Seals from the Indus Valley

35 The Standard of Ur British Museum

36 Mesopotamian clay tablet British Museum

37 Mesopotamian cylinder seal British Museum

38 Seals from the Indus Valley British Museum

39 Bronze bowl from Shang China British Museum

40 Early Chinese writing British Museum

41 The mummy of an Egyptian woman Manchester Museum

42 Ancient Egyptian funeral British Museum

43 Banquet in Egypt British Museum

44 Baking bread in Egypt British Museum

45 Pharaoh Ramesses II British Museum

46 Ancient Egyptian writing equipment British Museum

47 Gifts from Nubia British Museum

48 Ancient Egyptian house British Museum

Key Stage 2 - Ancient Greece

Greek warrior's farewell

49 Silver coin from Athens British Museum

50 Greek warrior's farewell British Museum

51 Greek exercise equipment British Museum

52 Marble statue from Athens British Museum

53 Greek theatre mask British Museum

54 Greek goddess British Museum

Key Stage 2 - A non-European society: Early Islamic Civilisation, Mayan Civilisation, Benin

Ivory salt cellar from Benin

55 Lintel from a Maya building British Museum

56 The Maya maize god British Museum

57 The Oba of Benin British Museum

58 Ivory salt cellar from Benin British Museum

59 Medical encyclopaedia in Arabic British Museum

Key Stage 3 - A significant society of issue in world history and its connections with other world developments: Mughal India, Qing Dynasty, Russian empires, USA in C20th

60 Painting of the emperor Jahangir British Museum

61 Glass ritual set from Qing China Bristol Museum and Art Gallery

62 Russian revolutionary plate British Museum

63 Jesse Jackson for president badge British Museum

Key Stage - 3 Development of church, state and society 1066-1509

Seal die of an English baron

64 Norman game counter Carisbrooke Castle

65 The murder of Thomas Becket British Museum

66 Saladin and Richard I British Museum

67 Medieval reliquary Norwich Castle Museum & Art Gallery

68 Seal die of an English baron British Museum

69 Medieval wine jug British Museum

70 Portrait of Richard III Society of Antiquaries of London

Key Stage 3 - Development of church, state and society 1509-1745

71 Cannon from the Mary Rose Mary Rose Museum

72 The Phoenix Jewel of Elizabeth I British Museum

73 Corporation mace Shakespeare Birthplace Trust

74 Charles I commemorative ring British Museum

75 Fan to mark the Restoration Fan Museum

76 William III playing cards British Museum

77 Charles Edward Stuart's travelling canteen National Museum of Scotland

Key Stage 3 - Ideas, political power, industry and empire 1745-1901

Palace doors from Nigeria

78 Erasmus Darwin's notebook Erasmus Darwin House

79 Peterloo handkerchief People's History Museum

80 Flour for Lancashire cotton workers Touchstones, Rochdale

81 The first passenger locomotive Darling Railway Centre and Museum

82 A Victorian disaster Sunderland Museum and Winter Gardens

83 Thomas Clarkson's chest Wisbech & Fenland Museum

84 The State Entry into Delhi Bristol Museum and Art Gallery

85 Palace doors from Nigeria British Museum

86 The Akan drum British Museum

87 Wedgwood tea set British Museum

88 Maori club British Museum

Key Stage 3 - Challenges for Britain, Europe and the wider world 1901-present day


Assista o vídeo: 12 The Sutton Hoo Helmet - Masterpieces of the British Museum (Junho 2022).


Comentários:

  1. Tyler

    a very interesting idea

  2. Dammar

    Concordo totalmente com ela. Eu gosto da sua ideia. Ofereça para colocar uma discussão geral.

  3. JoJojas

    É uma pena que eu não possa me expressar agora - estou atrasado para a reunião. Voltarei - expressarei absolutamente a opinião sobre esta questão.

  4. Nien

    Talvez eu concorde com sua frase

  5. Geary

    Bravo, parece-me, é uma frase notável



Escreve uma mensagem