A história

Venture II PC-826 - História

Venture II PC-826 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Venture II

(PC-826: dp. 138 (f.); 1,10'0 "; b. 17'6", dr. 6'0 "(média) (f.); V. 17 k. (Tl.) ; cpl. 24; a. 2,50-cal. mg., 4 de.)

O Vixen - um iate com casco de madeira construído em 1931 pela Consolidated Shipbuilding Corp. na cidade de Nova York - foi adquirido em 27 de dezembro de 1941; designado PC 826; e comissionado em 10 de março de 1942.

O PC-826 foi designado para o 3º Distrito Naval e, durante a Segunda Guerra Mundial, escoltou comboios costeiros ao longo do litoral englobado no 3º Distrito Naval e participou de buscas por submarinos alemães. No entanto, toda a sua carreira parece ter passado sem qualquer ação de combate. Em 15 de julho de 1943, o PC-826 tornou-se Venture e recebeu a designação PYc-51. Em 25 de setembro de 1944, ela foi reduzida de "em comissão" para "em serviço" e continuou assim pelos 13 meses restantes de sua carreira na Marinha. Após o fim da guerra, o iate foi colocado fora de serviço em Nova York em 10 de outubro de 1945; e seu nome foi retirado da lista da Marinha em 24 de outubro. Em 12 de abril de 1946, ela foi entregue na instalação de atracação da War Shipping Administration localizada em Long Island, N.Y., para ser vendida.


Venture II PC-826 - História

Onde a América vai para peças e acessórios OEM da Yamaha

Frete grátis em todos os pedidos acima de $ 75 (apenas pedidos de envio terrestre nos EUA)

Item (ns) adicionado (s) ao seu carrinho de compras.

1968 SL350

A raiz de todos os snowmobiles Yamaha, esta máquina branca e elegante foi apresentada como um modelo de teste com tecnologia adquirida em mais de uma década de fabricação de motocicletas.

1969 SL351

O SL351, o primeiro modelo de produção completo da Yamaha, introduziu injeção de óleo e carburadores de válvula corrediça para a indústria de veículos para neve - recursos que ainda estão em uso hoje.

1970 SS396

O SS396 forneceu um alto nível de desempenho para a época. Seu design de silenciador "ajustado por pulso" proporcionou o desempenho que os entusiastas de snowmobile estavam procurando.

1971 SW396

Os primeiros trenós da Yamaha com marcha à ré foram os SW396 e SW433.

1972 GP433

O GP433 era um modelo de produção padrão que obteve sucesso imediatamente em circuitos de corrida profissional, bem como em competidores de quintal

1972 EW643

Os primeiros trenós da Yamaha com partida elétrica conveniente foram o EW643 e o EW433.

1973 SR433

Esta incrível máquina de corrida ostentava um manuseio e velocidade incríveis que deixaram até mesmo os trenós de 650 cc para trás.

1973 SM292

O SM292 montou o comprovado motor monocilíndrico do SL292 em um novo chassi compacto e leve. A combinação deu a este modelo um manuseio responsivo e uma excelente relação peso / potência.

1974 GPX433

Projetado especificamente para corridas ovais da classe Stock, o GPX433 tinha um motor montado na frente e a primeira suspensão traseira com trilho deslizante da Yamaha que proporcionou um avanço revolucionário em desempenho e manuseio. Junto com seu irmão menor, o GPX338, essas máquinas dominaram a competição nas pistas de corrida.

1976 SRX440

O primeiro trenó de produção da Yamaha com refrigeração líquida. O inovador sistema de resfriamento do radiador / trocador de calor deste modelo de alto desempenho introduziu uma nova tecnologia ao esporte, mas foram as vitórias do trenó na pista que o tornaram uma lenda. O SRX340 com refrigeração líquida também foi lançado neste mesmo ano.

1976 Exciter 440

Com um motor refrigerado a ar forçado construído sobre o chassi do GPX comprovado em corridas, o Exciter 440 proporcionou desempenho para todos os membros da família, desde o entusiasta esportivo até o snowmobiler de turismo.

1977 Enticer 250

O Enticer 250 apresentava um novo motor monocilíndrico abrigado em um pacote compacto e leve. Sua faixa de potência amigável, peso leve, ampla postura e pista curta ofereciam um manuseio responsivo e empolgante.

1979 Excel V

Construído para snowmobilers que queriam andar muito e longe com o máximo conforto, o EC540 ostentava uma pista de 16,5 polegadas e partida elétrica padrão.

SRV 1980

O SRV foi o primeiro snowmobile a utilizar o design Yamaha Telescopic Strut Suspension (T.S.S.). A máquina teve um desempenho especialmente bom em terrenos acidentados, típicos de corridas de cross-country.

Bravo 1982

Primeiro modelo da famosa linha Bravo, o BR250 fez sucesso com todos, de iniciantes a veteranos, graças ao seu motor compacto e estrutura incrivelmente leve. O Bravo estabeleceu o padrão para máquinas leves.

SRV 1983

Ao introduzir a primeira suspensão traseira 'ProAction' da Yamaha neste modelo, o SRV tornou-se famoso por oferecer uma condução de qualidade superior em relação aos modelos concorrentes.

Phazer 1984

Desenvolvido para oferecer esportes reais em uma variedade de condições, o Phazer era leve e apresentava um motor refrigerado por ventilador leve e potente e uma carenagem aerodinâmica montada no guidão que deu início a uma nova era no snowmobile. O Phazer se tornaria o snowmobile mais vendido do mundo e elevou a Yamaha para o primeiro lugar.

Invitador 1986

O Inviter apresentava uma posição única de piloto sentado que era uma ousada partida dos designs de trenó comuns da época

Excitador L / C 1987

Um snowmobile que certamente fez jus ao seu nome, o Exciter se baseou no sucesso do Phazer ao apresentar a potência de dois cilindros refrigerados a líquido em um pacote de ótima aparência. A carenagem montada no guidão exclusiva da Yamaha continuou a diferenciar este snowmobile da concorrência.

Snoscoot 1988

Uma quantidade incrível de diversão em um pacote minúsculo, o SnoScoot fez sucesso entre crianças de todas as idades. O SnoScoot usava um motor de scooter de 80 cc e estrutura de tubo leve para uma direção completamente diferente das típicas motos de neve de sua época. Esta máquina única foi construída para atrair novos pilotos para o esporte.

1988 VK 540

Uma revelação no mercado de máquinas utilitárias, o VK 540 ostentava uma faixa de 20 "de largura, 156" de comprimento, ré e seleção de marchas alta / baixa. O modelo para serviços pesados ​​conquistou o coração de muitos e se tornou o padrão para os trenós utilitários.

1991 Exciter II

O Exciter II apresentava cilindros revestidos por dispersão leves e duráveis, Digital C.D.I. líder da indústria, um sistema de embreagem de grande proporção, nova suspensão traseira ProAction e novo estilo do capô.

1992 Vmax-4

Uma máquina verdadeiramente inovadora, o Vmax-4 apresentava um impressionante motor de quatro cilindros e uma das maiores cilindradas de sua época. Um dos primeiros "muscleleds" verdadeiros, o Vmax-4 ganhou inúmeros prêmios da imprensa da indústria e vitórias em pistas de corrida, onde era quase imparável.

1993 Exciter II SX

Uma evolução na linha de sangue Exciter, o Exciter II SX usou um T.S.S. avançado front-end para curvas mais agressivas. Um sucesso imediato com entusiastas de alto desempenho em todos os lugares.

1994 Vmax 600

O Vmax 600 elevou a fasquia ao combinar a potência e o conforto de condução em trilha em um pacote de ótima aparência. Além do Vmax 600, a Yamaha também introduziu uma linha completa de modelos de 600cc e 500cc com versões de turismo de luxo, 2-up touring e versões para neve profunda de pista longa. Os principais elementos de estilo foram retirados do poderoso Vmax-4 para dar aos modelos Vmax uma forte identidade Yamaha.

1995 Vmax 800

Uma versão mais avançada e poderosa do modelo de 1992, este novo Vmax-4 tinha 800 cc de puro músculo de 4 cilindros rugindo sob o capô. Ele permanece uma força nas corridas de arrancada até hoje, quase 10 anos após seu lançamento inicial.

1996 Vmax 600 XT

O Vmax 600 XT se tornou o trenó preferido dos pilotos que buscavam um motor potente e uma excelente suspensão de longo curso. O XT era perfeito para quem queria um desempenho impressionante em um pacote confortável.

1997 Vmax 700 SX

O Vmax 700 SX é, simplesmente, um dos maiores snowmobiles de todos os tempos. Aclamado universalmente pela imprensa da indústria, o trenó apresentava um design de braço traseiro totalmente novo que proporcionava um manuseio preciso e o primeiro motor triplo-cilindro da Yamaha. Além da potência linear e suave do snowmobile, o pacote era de longe a máquina mais leve em sua classe devido a um chassi leve e inovador

1998 SRX 700

O SRX 700 continuou a lenda do SRX, fornecendo potência de tubo triplo e ndling preciso em um pacote de ótima aparência - dominando completamente a categoria de motos de neve de alto desempenho, tanto em vendas quanto na competição. Este modelo incluía válvulas de escape com autolimpeza, pioneiras na indústria.

2000 Mountain Max 700

O Mountain Max 700 era o trenó perfeito para passeios de montanha. Com um design exclusivo de pista de lug profunda de 141 "suave, potência imediata de seu motor leve de três cilindros e incrível flutuação da suspensão traseira ProAction Mountain, o Mountain Max 700 se destacou em pó profundo, em subidas íngremes e até mesmo em trilhas de montanha esburacadas.

2000 SX700R

Quando apresentado pela primeira vez, o SX 700 R foi talvez a melhor máquina de trilha de manuseio de todos os tempos, de acordo com a imprensa de snowmobile. Alimentado pelo elegante motor de três cilindros de tubulação única da Yamaha, o SX-R ostentava uma suspensão excepcional, permitindo aos pilotos atravessar os terrenos mais difíceis com facilidade.

2002 SX Viper

Prova do apelo do SXViper, foi o modelo mais vendido da indústria em 2002. Muito mais do que simplesmente um marco de design com seu estilo agressivo, linhas fluidas e ergonomia incrível, o SXViper é uma incrível máquina de trilha com seu potente cilindro triplo motor de tubo, chassi leve mas rígido e manuseio excelente.

2003 RX-1

O RX-1 mudou a aparência, o toque e o som dos veículos para neve de alto desempenho. Combinando tecnologia de motor de motocicleta de quatro tempos com um layout de chassi totalmente novo, o RX-1 oferece a combinação ideal de desempenho de quatro tempos, dirigibilidade, durabilidade e estilo. O RX-1 é o primeiro snowmobile quatro tempos de alto desempenho do setor.

Para entrar em contato com alguém de vendas, ligue 908-483-5329

e-mail para: [email protected]
Entre em contato com nosso webmaster com perguntas ou comentários.

Copyright yamahapart.com. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem o consentimento por escrito do proprietário.
Ecardeals America Inc.
300 Route 202
Flemington, NJ 08822
908-483-5329

Precisa de peças Yamaha? LIGUE 908-483-5329

Yamaha Waverunner, motocicleta, ATV, lado a lado, utilitário, barco esportivo e peças OEM de snowmobile
yamahapart.com Peças e acessórios OEM Yamaha com até 40% de desconto no MSRP. Envio rápido e um grande estoque, é aqui que a América busca todas as peças OEM da Yamaha. Trazido a você há mais de 12 anos pela Yamaha, fornecedor líder online de peças OEM autorizadas.

Onde a América vai para Yamaha Cruiser, motocicletas Sport e Offroad, Sport and Utility ATVs, Snowmobiles e Watercraft, temos todos eles, desde motocicletas YZF-R1, motocicletas YZF-R6 a Yamaha Apex e Nytros. Confira nossas peças online. Os localizadores de fichas on-line simplificam a localização das peças OEM corretas com pedidos on-line, que podem ser feitos diretamente nos diagramas de peças ilustrados. Temos todos eles, podemos ajudá-lo a obter um novo escapamento Yamaha, assento Yamaha, realizar aumentos de desempenho da Yamaha, peças de corrida Yamaha ou até mesmo um novo carburador Yamaha ou embreagem Yamaha.


Código da Califórnia, Código do Governo - GOV § 68152

O secretário do tribunal de julgamento pode destruir os registros do tribunal nos termos da Seção 68153 após a notificação de destruição, e se não houver pedido e ordem para a transferência dos registros, exceto os registros históricos abrangentes e de amostra do tribunal superior preservados para pesquisa de acordo com as Regras do Tribunal da Califórnia, quando os seguintes prazos expiraram após a data de disposição final do caso nas categorias listadas:

(a) Ações e processos civis, como segue:

(1) Exceto quando especificado de outra forma: reter 10 anos.

(2) Processos civis ilimitados, casos limitados e casos de pequenas causas, incluindo após julgamento de novo, se houver, exceto quando especificado de outra forma: reter por 10 anos.

(3) Sentenças cíveis para processos cíveis ilimitados: reter permanentemente.

(4) Sentenças cíveis para ações limitadas e pequenas: reter por 10 anos, a menos que a sentença seja renovada. Se a sentença for renovada, reter a sentença para a extensão da renovação nos termos do Artigo 2 (começando com a Seção 683.110) do Capítulo 3 da Divisão 1 do Título 9 da Parte 2 do Código de Processo Civil.

(5) Se uma parte em um processo civil comparecer por um guardião ad litem: retenha por 10 anos após o término da jurisdição do tribunal.

(6) Assédio civil, violência doméstica, abuso de idosos e dependentes, violência escolar privada pós-ensino médio, violência armada e casos de violência no local de trabalho: reter pelo mesmo período de tempo que a duração da restrição ou outras ordens e quaisquer renovações, então reter a restrição ou outras ordens permanentemente como uma sentença 60 dias após o término da restrição temporária ou outras ordens temporárias reter as sentenças estabelecendo a paternidade de acordo com a Seção 6323 do Código da Família de forma permanente.

(7) Direito da família, exceto quando especificado de outra forma: reter por 30 anos.

(8) Adoção: reter permanentemente.

(9) Filiação: reter permanentemente.

(10) Mudança de nome, gênero ou nome e gênero: retenha permanentemente.

(A) Bens decedent: reter permanentemente todas as ordens, julgamentos e decretos do tribunal, todos os inventários e avaliações, e todos os testamentos e codicilos do decedent arquivado no caso, incluindo aqueles não admitidos para inventário. Todos os outros registros: retidos por cinco anos após a disposição final do processo de espólio.

(B) Testamentos e codicilos transferidos ou entregues ao tribunal de acordo com a Seção 732, 734 ou 8203 do Código de Sucessões: retenha permanentemente. Para testamentos e codicilos entregues ao escrivão do tribunal nos termos da Seção 8200 do Código de Sucessões, guarde os documentos originais conforme previsto na Seção 26810.

(C) Substitutos para administração de bens imóveis:

(i) Procedimentos de declaração juramentada para bens imóveis de pequeno valor nos termos do Capítulo 3 (começando com a Seção 13100) da Parte 1 da Divisão 8 do Código de Sucessões: reter permanentemente.

(ii) Processos para determinar a sucessão à propriedade nos termos do Capítulo 4 (começando com a Seção 13150) da Parte 1 da Divisão 8 do Código de Sucessões: reter permanentemente todos os inventários e avaliações e ordens judiciais. Outros registros: reter por cinco anos após a decisão final do processo.

(iii) Processo para determinação de passagem de propriedade ou pertencente ao cônjuge sobrevivo nos termos do Capítulo 5 (começando com a Seção 13650) da Parte 2 da Divisão 8 do Código de Sucessões: reter permanentemente todos os inventários e avaliações e ordens judiciais. Outros registros: reter por cinco anos após a decisão final do processo.

(D) Tutelas: manter permanentemente todas as ordens judiciais. Documentos de trusts estabelecidos sob sentença substituída de acordo com a Seção 2580 do Código de Sucessões: reter conforme previsto na cláusula (iii) do subparágrafo (G). Outros registros: reter por cinco anos após (i) a decisão final do processo de tutela, ou (ii) a data da morte do conservado, se essa data for divulgada no processo do tribunal.

(E) Tutelas: retém permanentemente as ordens de encerramento da tutela, se houver, e ordens judiciais acertando a conta final e ordenando a distribuição dos bens. Outros registros: reter por cinco anos após o mais tardar (i) da decisão final do processo de tutela, ou (ii) o mais cedo da data de morte da ala, se essa data for divulgada no arquivo do tribunal, ou a data do enfermaria chega aos 23 anos de idade.

(F) Compromisso de reivindicação ou ação de menor ou pessoa com deficiência e decisão de julgamento para menores e pessoas com deficiência nos termos da Seção 372 do Código de Processo Civil e do Capítulo 4 (começando com a Seção 3600) da Parte 8 da Divisão 4 do Código de Sucessões :

(i) Reter permanentemente julgamentos em favor de menores ou pessoas com deficiência, ordens de aprovação de compromissos de reivindicações e ações e disposição do produto de julgamentos, ordens direcionando o pagamento de despesas, custos e taxas, ordens direcionando depósitos para contas bloqueadas e recibos e reconhecimentos dessas ordens, e ordens para a retirada de fundos de contas bloqueadas.

(ii) Reter outros registros pelo mesmo período de retenção dos registros do caso subjacente. Se não houver nenhum caso subjacente, retenha por cinco anos após (I) a data em que a ordem de pagamento ou entrega do saldo final do dinheiro ou propriedade for inserida, ou (II) o mais cedo da data do morte do menor, se essa data for divulgada no processo do tribunal, ou a data em que o menor completar 23 anos.

(i) Processos sob a Parte 5 (começando com a Seção 17000) da Divisão 9 do Código de Sucessões: reter permanentemente.

(ii) Trusts criados por sentença substitutiva de acordo com a Seção 2580 do Código de Sucessões: reter permanentemente todos os instrumentos fiduciários e ordens judiciais. Outros registros: retenha enquanto o arquivo de tutela subjacente for retido.

(iii) Fideicomisso com necessidades especiais: manter permanentemente todos os instrumentos fiduciários e ordens judiciais. Outros registros: reter até o posterior (I) a data de retenção de "outros registros" no arquivo de tutela ou tutela do beneficiário nos termos do subparágrafo (D) ou (E), se houver, ou (II) cinco anos após a data de o falecimento do beneficiário, se essa data constar do processo.

(H) Todos os outros processos ao abrigo do Código de Sucessões: reter conforme previsto para processos civis.

(A) Lei de Serviços para Deficiências de Desenvolvimento Lanterman: retenha por 10 anos.

(B) Lanterman-Petris-Short Act: reter por 20 anos.

(C) Audiências de Riese (capacidade) nos termos das Seções 5333 e 5334 do Código de Previdência e Instituições: reter para o mais tardar (i) 20 anos após a data do pedido de determinação de capacidade, ou (ii) a data de retenção de registros judiciais de o tratamento involuntário subjacente ou procedimento de compromisso, se houver.

(D) Petições sob o Capítulo 3 (começando com a Seção 8100) da Divisão 8 do Código de Instituições e Bem-Estar para a devolução de armas de fogo a peticionários que as entregaram à aplicação da lei enquanto detidos em um estabelecimento de saúde mental: reter por 10 anos.

(13) Domínio eminente: reter permanentemente.

(14) Bens imóveis, exceto detenção ilegal: reter permanentemente se a ação afetar a titularidade ou uma participação em bens imóveis.

(15) Detenção ilegal: reter por um ano se a sentença for apenas por posse das instalações reter por 10 anos se for por dinheiro, ou dinheiro e posse.

(b) Não obstante a subdivisão (a), qualquer processo civil ou de pequenas causas no tribunal de primeira instância:

(1) Rejeitado involuntariamente pelo tribunal por atraso no processo ou falha no cumprimento das regras estaduais ou locais: reter por um ano.

(2) Demitido voluntariamente por uma das partes sem julgamento: reter por um ano.

(c) Ações e procedimentos criminais, como segue:

(1) Criminalidade capital em que o réu é condenado à morte, e qualquer crime que resulte em sentença de prisão perpétua ou perpétua sem possibilidade de liberdade condicional: reter permanentemente, incluindo registros dos casos de quaisquer co-réus e quaisquer casos relacionados, independentemente do disposição. Para os fins deste parágrafo, “crime capital” significa assassinato em circunstâncias especiais quando a promotoria busca a pena de morte. Os registros dos casos de co-réus e casos relacionados que devem ser retidos de acordo com este parágrafo devem ser limitados aos casos que são factualmente vinculados ou relacionados ao delito acusado, que são identificados na sala do tribunal e que são colocados no registro. Se um crime capital for resolvido por uma sentença inferior à morte, ou prisão perpétua ou perpétua sem a possibilidade de liberdade condicional, a sentença deve ser mantida permanentemente, e o registro deve ser mantido por 50 anos ou por 10 anos após o oficial escrito notificação da morte do arguido. Se um crime capital for resolvido por uma absolvição, o registro deve ser mantido por 10 anos.

(2) Crime, exceto quando especificado de outra forma, e em qualquer caso de crime ou contravenção que resulte na exigência de que o réu se registre como agressor sexual de acordo com a Seção 290 do Código Penal: manter a sentença permanentemente. Para todos os demais documentos: reter por 50 anos ou o prazo máximo da pena, o que for mais longo. No entanto, qualquer registro que não seja o julgamento pode ser destruído 10 anos após a morte do réu. Arquivos de processos criminais que não incluem sentença definitiva ou outra disposição final porque o caso foi vinculado de um antigo tribunal municipal para o tribunal superior e ainda não consolidado com o arquivo do processo criminal do tribunal superior: reter por 10 anos a partir da decisão do superior caso de tribunal.

(3) Criminalidade reduzida a contravenção: reter de acordo com o período de retenção para a contravenção pertinente.

(4) Criminalidade, se a acusação for extinta, exceto conforme previsto no parágrafo (6): reter por três anos.

(5) Contravenção, se a cobrança for extinta, exceto conforme previsto no parágrafo (6): reter por um ano.

(6) Demissão nos termos da Seção 1203.4 ou 1203.4a do Código Penal: reter pelo mesmo período de retenção que para os registros do caso em questão. Se os registros do caso em questão foram destruídos, retenha por cinco anos após a demissão.

(7) Contravenção, exceto quando especificado: reter por cinco anos. Para contravenções que alegam uma violação da Seção 23103, 23152 ou 23153 do Código do Veículo: retenha por 10 anos.

(8) Contravenção alegando violação de maconha sob a subdivisão (b) ou (c) da Seção 11357 do Código de Saúde e Segurança, ou subdivisão (b) da Seção 11360 do Código de Saúde e Segurança: os registros devem ser destruídos ou redigidos em de acordo com a subdivisão (c) da Seção 11361.5 do Código de Saúde e Segurança, dois anos a partir da data da condenação, ou a partir da data da prisão se não houver condenação, se o caso não estiver mais sujeito a revisão em recurso, todas as multas aplicáveis ​​e as taxas foram pagas e o réu cumpriu todos os termos e condições da sentença ou concessão de liberdade condicional. Conforme previsto na subdivisão (a) da Seção 11361.5 do Código de Saúde e Segurança e no parágrafo (5) da subdivisão (e) desta seção, os registros de uma infração alegando violação de maconha sob a subdivisão (d) da Seção 11357 da Saúde e O Código de Segurança deve ser retido até que o infrator atinja 18 anos de idade, momento em que os registros devem ser destruídos conforme previsto na subdivisão (c) da Seção 11361.5 do Código de Saúde e Segurança.

(9) Contravenção reduzida a infração: reter de acordo com o prazo de retenção da infração pertinente.

(10) Infração, exceto quando especificado de outra forma: reter por um ano. Infração do Código do Veículo: reter por três anos. Infração alegando violação de maconha sob a subdivisão (a) da Seção 11357 do Código de Saúde e Segurança: se os registros forem retidos após o período mínimo de retenção de um ano, os registros serão destruídos ou cancelados de acordo com a subdivisão (c) da Seção 11361.5 do Código de Saúde e Segurança dois anos a partir da data da condenação, ou a partir da data da prisão, se não houver condenação, se o caso não estiver mais sujeito a revisão em recurso, todas as multas e taxas aplicáveis ​​foram pagas e o réu cumpriu com todos os termos e condições da sentença ou concessão de liberdade condicional.

(11) Ordem de proteção criminal: reter até que a ordem expire ou seja rescindida.

(12) Mandado de prisão: retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso em questão. Se não houver nenhum caso subjacente, retenha por um ano a partir da data de emissão.

(A) Se não houver nenhum caso subjacente, retenha por cinco anos a partir da data de emissão.

(B) Se houver qualquer caso subjacente, retenha por 10 anos a partir da data de emissão ou, se o período de retenção para registros no caso subjacente for inferior a 10 anos ou se o caso subjacente for um crime capital descrito no parágrafo (1 ) da subdivisão (c), retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso subjacente.

(14) Declarações de causa provável: reter pelo mesmo período de retenção que para os registros do caso em questão. Se não houver nenhum caso subjacente, retenha por um ano a partir da data da declaração.

(15) Processo de revogação da supervisão comunitária pós-lançamento ou supervisão pós-liberdade condicional: reter por cinco anos após o período de supervisão expirar ou ser encerrado.

(1) Habeas corpus em matéria penal e de direito da família: reter pelo mesmo período de retenção dos autos do processo em questão, concedido ou negado.

(2) Habeas corpus em questões de saúde mental: reter todos os registros pelo mesmo período de retenção dos registros do caso em questão, sejam eles concedidos ou negados. Se não houver nenhum caso subjacente, retenha os registros por 20 anos.

(1) Dependente de acordo com a Seção 300 do Código de Instituições e Bem-Estar: ao atingir 28 anos de idade, ou a pedido por escrito, deve ser liberado para o menor cinco anos após a jurisdição sobre a pessoa ter terminado de acordo com a subdivisão (a) da Seção 826 do Código de Previdência e Instituições. Os registros lacrados serão destruídos por ordem judicial cinco anos após os registros terem sido lacrados de acordo com a subdivisão (c) da Seção 389 do Código de Instituições e Previdência Social.

(2) A enfermaria de acordo com a Seção 601 do Código de Instituições e Bem-Estar: ao atingir 21 anos de idade, ou a pedido por escrito, deve ser liberada para o menor cinco anos após a jurisdição sobre a pessoa ter terminado de acordo com a subdivisão (a) da Seção 826 do Código de Previdência e Instituições. Os registros lacrados devem ser destruídos por ordem do tribunal cinco anos após os registros terem sido lacrados na subdivisão (d) da Seção 781 do Código de Instituições e Previdência Social.

(3) Ward de acordo com a Seção 602 do Código de Instituições e Previdência: ao atingir 38 anos de idade sob a subdivisão (a) da Seção 826 do Código de Instituições e Previdência Social. Os registros lacrados devem ser destruídos por ordem do tribunal quando o sujeito do registro atingir 38 anos de idade sob a subdivisão (d) da Seção 781 do Código de Instituições e Previdência Social.

(4) Tráfico e algumas contravenções e infrações não relacionadas com o trânsito de acordo com a Seção 601 do Código de Previdência e Instituições: ao atingir 21 anos de idade, ou cinco anos após a jurisdição sobre a pessoa ter sido encerrada de acordo com a subdivisão (c) da Seção 826 da Previdência e Código das instituições. Os registros podem ser microfilmados ou fotocopiados.

(5) Infração de maconha sob a subdivisão (d) da Seção 11357 do Código de Saúde e Segurança, de acordo com os procedimentos especificados na subdivisão (a) da Seção 11361.5 do Código de Saúde e Segurança: ao completar 18 anos de idade, os registros devem ser destruído.

f) Ata da seção de apelação do tribunal superior: reter por cinco anos.

(1) Garantia de bancada: retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso subjacente. Para um mandado de segurança emitido por uma contravenção, retenha os registros pelo mesmo período de retenção dos registros da contravenção subjacente após a emissão. Se não houver devolução do mandado, o tribunal pode indeferir oficiosamente e destruir imediatamente os autos.

(2) Corpo anexado: retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso subjacente.

(3) Caução: reter por três anos após a exoneração e liberação.

(A) Processos criminais e juvenis: reter notas por 10 anos, exceto quando especificado de outra forma. As notas relatando procedimentos em casos de crime capital (homicídio com circunstâncias especiais quando a acusação busca a pena de morte e a sentença é a morte), incluindo notas relatando a audiência preliminar, devem ser retidas permanentemente, a menos que o Supremo Tribunal, a pedido do escrivão, autorize o destruição.

(B) Processos cíveis e demais: reter notas por cinco anos.

(5) As gravações eletrônicas feitas como o registro oficial do processo oral de acordo com as Regras do Tribunal da Califórnia podem ser destruídas ou excluídas da seguinte forma:

(A) A qualquer momento após a decisão final do caso em processo de infração e contravenção.

(B) Após 10 anos em todos os outros processos penais.

(C) Após cinco anos em todos os outros processos.

(6) As gravações eletrônicas não feitas como registro oficial dos procedimentos orais de acordo com as Regras do Tribunal da Califórnia podem ser destruídas a qualquer momento, a critério do tribunal.

(7) Solicitações de isenção de taxa: retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso em questão.

(8) Decisões dentro da jurisdição do tribunal superior, exceto em um processo civil limitado, processo de contravenção ou caso de infração: reter permanentemente.

(9) Julgamentos em casos de contravenção, casos de infração e casos civis limitados: reter pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso em questão.

(10) Processo do jurado, incluindo sanções: reter por um ano.

(11) Atas: reter pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso em questão.

(12) Ordens não associadas a um caso subjacente, como ordens para a destruição de registros do tribunal para grampos telefônicos, ordens para destruir drogas e outras ordens judiciais diversas: reter por um ano.

(13) Índice de naturalização: reter permanentemente.

(14) Índice para casos de alegação de infrações de tráfego: retenha pelo mesmo período de retenção que para os registros do caso em questão.

(15) Índice, exceto quando especificado de outra forma: reter permanentemente.

(16) Registro de ações ou ação judicial: reter pelo mesmo período de retenção que para os registros no caso em questão, mas em nenhum caso menos de 10 anos para casos de ações cíveis e pequenas.

(h) A retenção dos registros do tribunal sob esta seção deve ser prorrogada por ordem do tribunal por sua própria iniciativa, ou a pedido de uma parte ou de um membro do público interessado por justa causa demonstrada e nos termos que forem justos. Não será cobrada taxa para fazer o pedido.

(i) Os períodos de retenção de registros fornecidos nesta seção, conforme alterada em 1º de janeiro de 2014, aplicam-se a todos os registros judiciais existentes antes dessa data, bem como aos registros criados nessa data ou após essa data.

Os códigos FindLaw são fornecidos como cortesia da Thomson Reuters Westlaw, o sistema de pesquisa jurídica online líder do setor. Para obter informações de pesquisa de códigos mais detalhadas, incluindo anotações e citações, visite Westlaw.

Os códigos FindLaw podem não refletir a versão mais recente da lei em sua jurisdição. Verifique o status do código que você está pesquisando com a legislatura estadual ou via Westlaw antes de confiar nele para suas necessidades legais.


Recupere músicas, vídeos, fotos, WhatsApp, documentos perdidos

Fotos tiradas, vídeos gravados e gravações de chamadas lembram você de algumas memórias bonitas ou importantes. Depois de excluí-los, você deve querer se arrepender de encontrá-los de volta. O FoneLab Android Data Recovery é a solução exata para você. Com esta ferramenta, você pode facilmente recuperar suas músicas favoritas, filmes baixados, fotos preciosas, arquivos WhatsApp, documentos perdidos, etc. em seus dispositivos Android.

Não importa quais fotos você baixe do site online ou salve as fotos com a câmera do seu telefone, até mesmo o cache de imagens do seu navegador, você pode obtê-las facilmente do seu Android com esta ferramenta de recuperação de dados.

Quando você desinstala o WhatsApp, o histórico de bate-papo, as fotos anexadas ou o vídeo / áudio também desaparecem. Portanto, recupere as mensagens excluídas do WhatsApp do seu telefone Android agora mesmo para evitar qualquer perda de dados importantes.

Vídeos interessantes gravados em uma festa são perdidos do seu telefone? As gravações de chamadas importantes sumiram por algum motivo no Android? Em seguida, use este programa de recuperação de dados Android para encontrar de volta aquelas memórias queridas ou gravações de chamadas importantes.

Documentos importantes armazenados em seu telefone Android ou cartão SD são excluídos? FoneLab Android Data Recovery allows you to recover the deleted documents in Word, Excel, PPT, PDF, HTML, Zip, RAR or other formats to your computer.


UNIVERSITY VENTURE FUND II IS FIRST MONEY IN NAVIGEN PHARMACEUTICALS SEED ROUND

The Sorenson Impact Center’s University Venture Fund—Impact Investing (UVF II) closed its first investment in a seed round into Salt Lake City-based Navigen, Inc. UVF II’s investment was highly catalytic, unlocking over $1.5 million additional investment capital into the pharmaceutical company. Navigen, Inc. is an early stage drug discovery and development company that has developed a D-peptide drug discovery platform to create a new class of drugs to significantly improve the quality of life for those suffering from some of the world’s gravest maladies, including HIV, cancer and inflammatory diseases.

The $8.2 million UVF II, a descendant of the original UVF founded in 2001, provides students the opportunity to be instrumental in due diligence early stage social enterprises, build financial models based on interviews and market research and present findings and advice to a board of seasoned investors in pursuit of impact investments across the equity financing spectrum.

“We are thrilled to announce the first investment of UVF II into Navigen, a company that perfectly fits our investment thesis of both seeking great impact and providing the possibility of dynamic financial return,” said Jeramy Lund, the managing director of UVF II.

Navigen is developing drugs designed for targets that are difficult or impossible to safely affect with current drugs. Two of the company’s current development programs address diseases for which today’s drugs have dangerous side effects.

Lund added, “Navigen’s model of establishing its drugs’ safety and human efficacy then quickly licensing them to a larger company with the resources to conduct more extensive human trials is practical. If its drugs are successful, the lives of vulnerable people will significantly change, and our investment will deliver a great return for our LPs.”

The need for innovative therapeutics is vast. Over 1.2 million individuals in the U.S. suffer from HIV, yet currently only 30 percent are successfully suppressing their virus with drug therapy. Navigen’s HIV drug, CPT31, which will begin human trials shortly, has shown promising results in its initial testing and development. Due to the nature of D-peptide drugs, Navigen leadership believes that patients will experience fewer side effects and will have a much smaller chance of developing drug resistance.

Brandi Simpson, CEO of Navigen Pharmaceuticals, said of her experience working with UVF II, “I enjoyed working with the students. I was very impressed by their thoroughness and the rigor of their analysis.”

One student, Elena Ma, a doctoral candidate in medicinal chemistry at the University of Utah who worked with Simpson on the deal, said, “It was an incredible experience for us to practice analytical thinking and financial skills on a real deal while knowing we are catalyzing a positive social impact and potentially benefiting millions of HIV patients.”


Aviation History of World War II Highlighted at EAA AirVenture Oshkosh 2021

The aviation story of World War II will be told through special flying activities during EAA AirVenture Oshkosh 2021, as the event commemorates 75 years (plus 1) since the end of the conflict. The 68th edition of the Experimental Aircraft Association’s fly-in convention will be held July 26-August 1 at Wittman Regional Airport in Oshkosh, Wisconsin.

The afternoon air shows on Friday and Saturday, July 30-31, will feature programs that chronologically recollect aviation history during that time, from U.S. involvement in the Eagle Squadron and American Volunteer Group “Flying Tigers” prior to Pearl Harbor and the Doolittle Raid, to the major battles in the European and Pacific Theaters, including D-Day, and the eventual celebrations of V-E and V-J Days.

Airplanes involved will span the aircraft used by the Army Air Forces and U.S. Navy during that time, as well as a variety of international aircraft from that period. All will be involved in each of the 90-minute shows presented each day.

“EAA AirVenture Oshkosh is already the world’s largest annual gathering of warbird aircraft, so it’s natural that this big commemoration would take place here,” said Rick Larsen, EAA’s vice president of communities and member programming, who coordinates AirVenture features and attractions. “The EAA Warbirds of America and other select owners of these magnificent aircraft will showcase the evolution of air power during that period and salute the people who built, flew, and maintained these aircraft 75 years ago.”

Among the aircraft featured will be the P-40 Tomahawk, Supermarine Spitfire, P-38 Lightning, F6F Hellcat, C-47 Skytrain, Hawker Hurricane, P-51 Mustang, F4U Corsair, B-25 Mitchell, B-17 Flying Fortress, B-29 Superfortress, and others.

When not in the air, these aircraft will be on display in the Warbirds area on the north end of the flightline. Select aircraft will also be featured on the showcase Boeing Plaza.


First U.S. institutional asset manager focused exclusively on blockchain.

Since 2013, Pantera has invested in digital assets and blockchain companies, providing investors with the full spectrum of exposure to the space.

A history of firsts

Pantera launched the first cryptocurrency fund in the U.S. when bitcoin was at $65 /BTC in 2013. The firm subsequently launched the first blockchain-focused venture fund. Pantera co-CIO Joey Krug co-founded Augur, one of the first decentralized applications built on Ethereum. In 2017, Pantera was the first to offer an early-stage token fund.

Pantera at a glance

Early-stage token investments

Investment types

Venture Equity

Exposure to equity in companies building products and services in the nascent blockchain ecosystem. Our long standing reputation and technical edge allows us to see virtually every deal in the market, and lead about half of our portfolio company investments.

Early-Stage Tokens

Exposure to new, efficient, and scalable protocols. Similar to venture capital equity, but investing in tokens (not companies) during the private stage at a discount to the listing price.

Liquid Tokens

Exposure to the largest and most liquid digital assets. We use our deep market and technical expertise to trade tokens while exploiting market inefficiencies.

Industry Insights

"ALL IN ONE" BLOCKCHAIN FUND
What Bitcoin Did - Pantera's $115k Bitcoin Price Target with Dan Morehead
The Case for Blockchain Investment

Visão geral de privacidade

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para o funcionamento adequado do site. These cookies ensure basic functionalities and security features of the website, anonymously.

CookieDurationDescrição
cookielawinfo-checbox-analytics11 monthsThis cookie is set by GDPR Cookie Consent plugin. The cookie is used to store the user consent for the cookies in the category "Analytics".
cookielawinfo-checbox-functional11 monthsThe cookie is set by GDPR cookie consent to record the user consent for the cookies in the category "Functional".
cookielawinfo-checbox-others11 monthsThis cookie is set by GDPR Cookie Consent plugin. The cookie is used to store the user consent for the cookies in the category "Other.
cookielawinfo-checkbox-necessary11 monthsThis cookie is set by GDPR Cookie Consent plugin. The cookies is used to store the user consent for the cookies in the category "Necessary".
cookielawinfo-checkbox-performance11 monthsThis cookie is set by GDPR Cookie Consent plugin. The cookie is used to store the user consent for the cookies in the category "Performance".
viewed_cookie_policy11 monthsThe cookie is set by the GDPR Cookie Consent plugin and is used to store whether or not user has consented to the use of cookies. It does not store any personal data.

Functional cookies help to perform certain functionalities like sharing the content of the website on social media platforms, collect feedbacks, and other third-party features.

Performance cookies are used to understand and analyze the key performance indexes of the website which helps in delivering a better user experience for the visitors.

Analytical cookies are used to understand how visitors interact with the website. These cookies help provide information on metrics the number of visitors, bounce rate, traffic source, etc.

Advertisement cookies are used to provide visitors with relevant ads and marketing campaigns. These cookies track visitors across websites and collect information to provide customized ads.

Other uncategorized cookies are those that are being analyzed and have not been classified into a category as yet.


What is Private Equity? Uma breve história

Private equity is, in the most simplistic terms, equity held in a private business. PE firms are run by general partners (also called sponsors). GPs invest money raised from investors who work together for a limited amount of time, aptly named “limited partners.”

PE by Another Name: The Leveraged Buyout

Private equity firms are sometimes referred to as “buyout firms.” This is so for a few reasons. First, the term is descriptive. Unlike venture capital firms, which usually don’t buy entire companies, PE firms do–or at least they acquire controlling interests in certain operational or management decisions. Second, the term is actually shorthand for “leveraged buyout firm.” Most PE buyouts involve a PE firm putting up only a portion of the capital required to purchase a target, with the remainder coming in the form of a loan from a bank that is secured by the assets of the acquisition target. These loans secured against the acquired company’s own assets are the “leverage” in a leveraged buyout (LBO).

Leveraged buyout firms established themselves on Wall Street in the late 1970s and 1980s when investment bankers, like notably high-profile financier Michael Milken, created them as a method of leveraging a company with debt equity and equity capital in order to buy it. Among the most notorious buyout firms of that period—although not connected to Milken—was the $25 billion RJR Nabisco buyout in 1988. In many ways, today’s PE firm is yesterday’s LBO firm.

Once purchased, the target company is usually one of many owned, or at least controlled, by the PE firm and, thus, is typically referred to as a “portfolio company” of the firm.

Private Equity Funds vs Private Equity Firms

One point of clarification: above, we speak of a private equity “firm.” We were intentionally imprecise in order to more clearly present the following concept. One must delineate between a private equity firm and a private equity fund. The ‘sponsor’ is the PE firm, and the firm is often the general partner of several (or many) individual PE funds.

A limited partner (i.e., an individual accredited investor who decides to invest money with the PE firm) does so by investing in a specific PE fund raised by the PE firm. So, by example, a PE firm could have, say, four distinct funds of which it is the general partner and manager. Each fund will have its own limited partners (though any individual limited partner may choose to invest in multiple funds) and its own portfolio companies. Limited partners are not limited to individual accredited investors. Most count banks, insurance companies, pension funds and other large entities among their investors.

Private Equity is Not a New Concept

Taking a step back, the practice of people pooling their money together to purchase controlling stakes in a private company is not a new concept although, as the Wall Street Journal points out in its excellent article on this subject, “[w]hile the private-equity firm is new, its methods— venture capital , growth capital , distressed situations , leveraged buyouts and others—are as old as capitalism itself.” In fact, the Massachusetts Bay Company was an early prototype of the private equity model, in that it pooled money to help fund the burgeoning British North American colonies. Settlers sent to the new American colonies helped build up the economy, while those who stayed in England helped fund the venture, hoping to find a return on their investment over time.

A few hundred years later, railroads were struggling to find funding by simply turning to wealthy families, as they had in the past. They were bailed out by major banks that bought controlling interests and used their leverage to restructure business operations, insert new management and attempt to eliminate corruption and deceit. These are all present-day components of private equity’s modus operandi. When JP Morgan & Company paid $480 million for floundering Carnegie Steel in 1901, it created what was the largest company in the world at that time: United States Steel.

So, why is private equity private? As discussed above, it tends to invest in private companies. But, this is not the answer, since one private equity strategy involves taking publicly-owned targets off the public market, “taking them private”. Private equity is private because it raises money in such a way (e.g., from accredited investors) that allows it to avoid having to make any public offering of a stock on a public stock exchange.

Today’s Private Equity Firm

The private equity firm of today traces its origins to the American Research and Development Corporation, founded in 1946. The industry also had forerunners in the form of U.S. governmental institutions created to address needs brought on by the two world wars and the intervening Great Depression, as explained by Wiley Finance in its 2008 book Private Equity, History, Governance, and Operations.

According to PEI Media, “[a]s recently as the 1970s, it was hard to count more than a few dozen private equity firms…in the United States. Now there are private equity firms both miniscule and enormous in all the developed countries of the world and in most of the emerging markets.” This development, as also explained in Characteristics of the Private Equity Arena, was in part a function of: (a) the U.S. stock market’s slump of the 1970s turning around (b) clarifications in 1978 to ERISA, a 1974 law governing how retirement plan funds can be invested that was a drag on the industry before the clarification and (c) subsequent reductions of the maximum capital gains tax rate.

The Golden Age of Private Equity

The golden age of the leveraged buyout firm came in the late 1980s when players like KKR and Michael Milken engineered large LBOs. Since then, as superior returns encouraged more investment in the asset class and as the number of funds proliferated as a natural consequence of fund managers leaving one firm to found a new one, the industry continued to grow into what it is today. A good example of this can be seen by looking at the legendary PE firm, Golder Thoma & Co.

Established in 1980 by Stanley Golder and Carl Thoma, Golder Thoma & Co. originated the “consolidation” or “buy and build” investment strategy, which sought to combine the best of venture investing with the best of leveraged buyouts by investing in a “platform” business in a fragmented industry, then working with management to transform it into a larger and more profitable business through internal growth and a series of strategic, industry-consolidating acquisitions.

Stanley Golder and Carl Thoma worked together at First Chicago Corp. before founding Golder Thoma & Co. Looking at one branch of the genealogy, Golder Thoma & Co. eventually split into Thoma Bravo and GTCR. Looking at a different branch, John Canning took Stanley Golder’s place at First Chicago Corp., and Canning ultimately left to form Madison Dearborn. These three firms are among the largest and most prominent PE firms currently in existence, though First Chicago Corp. later merged with Banc One Corp., now part of Chase Bank.

[Editor’s Note: To learn more about this and related topics, you may want to attend the following webinars: Alternative Assets Part 1: Investing in Venture Capital, Private Equity, and Hedge Funds, What is a “Private Fund?” and Opportunity Amidst Crisis – Buying Distressed Assets, Claims, and Securities for Fun & Profit. This is an updated version of an original article published on July 1, 2013.]


Venture II PC-826 - History

We are an international real estate organisation with over 30 years of experience. The goal of Vastint is to create long-term value through property investments. The cornerstones of our operations are the management of portfolio properties and the development of office, residential and hotel properties across Europe. Development activities include land acquisition, master planning, design, construction, leasing and sales. As of year 2020, Vastint’s activities further expanded with the division Hotel Co 51. This division operates many of the hotel properties within the Vastint portfolio. Vastint is active in many countries across Europe, such as Austria, Belgium, Denmark, Finland, France, Germany, Italy, Latvia, Lithuania, the Netherlands, Norway, Poland, Romania, Spain and the United Kingdom

Our structure

Vastint Holding B.V. is owned by Interogo Holding AG in Switzerland. Interogo Holding’s business focuses on two main areas: Property Investments and Financial Investments.

Interogo Holding is owned by Interogo Foundation. In addition to Interogo Holding, Interogo Foundation also owns the Inter IKEA Group of companies through Inter IKEA Holding B.V. in the Netherlands. Consequently, the operations of Vastint are not linked to the IKEA related businesses. For more information about Interogo Holding AG, please visit www.interogoholding.com

Our Brand

Vastint is the abbreviation for “Vastgoed International”, which is Dutch for “International real estate”. Our brand stands for:

We are committed to fulfilling our purpose, our tasks and our promises towards our stakeholders.

We strive to use resources in an efficient way by being cost conscious and seeking simplicity in our solutions.

We are reliable and honest. Our stakeholders have trust in us, our words and our actions.

We are consistent in our behaviour and we base our actions on our common sense, our purpose and our values.

We work towards positive long term social, economical and environmental solutions and developments.

We work together in order to accomplish great things – the whole is greater than the sum of its parts.

We always act in a professional manner. We believe in what we do, take pride in our work and carry out our responsibilities to the best of our ability.

We behave in an ethical manner and do what is right. We never accept corruption or other illicit behaviour, neither from our co-workers nor our business partners.

Social Responsibility

Vastint works towards positive long term social, economical and environmental solutions and developments. All new buildings and refurbishments shall have an environmental certification, preferably according to internationally recognised certification systems. As high certification as reasonably possible shall be strived for, taking into consideration the circumstances of the individual project and the overall market situation.

Nossa história

We started out with acquisitions of existing portfolios and have since then transformed into an experienced property developer. Our activities have been spread throughout Europe by the establishment of offices in various countries. There have been quite some milestones during our 30 year long history. You will find some of them on the following timeline.

Vastint Holding B.V. is founded in the Netherlands.

The first of a number of properties in the UK is purchased. After major development activities, the UK market is exited in 2006.

Vastint Netherlands, formerly Pronam, with an existing portfolio of 25 properties (380,000 m²) in the Netherlands, is acquired. The majority of these properties are divested.

Vastint Belgium, formerly Galliford, with a portfolio of about 40,000 m² is acquired in Belgium. About 3/4 of this is still in the portfolio.

The activities in Poland start.

Purchase of the Blue Tower office building (24,000 m²) in Brussels. Sold in 2007.

Opening of the SwedeCenter building (11,000 m²) in Warsaw.

The office building Colonies Square (9,300 m²) in Brussels is completely renovated and extended.

Vastint Lithuania, formerly Pinus Proprius, is established in Lithuania.

The office building Chancellerie (3,100 m²) in Brussels is renovated.

Opening of the Cracovia Business Center (12,000 m²) in Krakow. Sold in 2006.

Completion University Business Center I (12,000 m²) in Warsaw. Sold in 2005.

Purchase of an office building (2,400 m²) in Waterloo.

BC 2000 (13,200 m²) in Vilnius is completed .

Completion University Business Center II (18,000 m²) in Warsaw. Sold in 2005.

Vastint Latvia, formerly Larix Property, is established in Latvia.

Purchase of a building (3,800 m²) in Vilnius for redevelopment.

Hotel, offices and shopping centre Novotel/Flagman (14,700 m²) in Vilnius is completed.

Office building Beaulieu (20,000 m²) in Brussels is completed. Sold in 2006.

Reconstruction and transformation of a former office building in Riga into the Albert Hotel (8,600 m²) is finalised.

Purchase of the N21 office building (3,400 m²) in Warsaw. After being refurbished, the building is sold in 2011.

Purchase of the office buildings Whitepark (17,000 m²). Sold in 2018.

Purchase of the multifunctional office complex Atlas ArenA Amsterdam (76,500 m²).

Purchase of the office building Hettenheuvelweg (2,500 m²) in Amsterdam.

Acquisition of the first part of the land for the Portowo project in Poznan (

Vastint Romania, formerly Interprime Properties, is established for the Romanian market.

The former A. G. Rutenbergs’ Tobacco Factory in Riga is rebuilt into the five-storey office building Zala 1 (3,600 m²) with adjacent underground parking (5,600 m²).

LandProp is established to invest in land with the main focus on the UK. In 2014 the activities were divided into the different divisions.

The Guimard building (2,400 m²) in Brussels is renovated.

Acquisition of land (7.4 ha) for the development of Business Garden Wrocław.

Acquisition of the Timpuri Noi site (5.3 ha) in Bucharest.

Acquisition of the first part of the land for the Sugar House Island project in London.

Acquisition of land (2 ha ) for the development of Business Garden Bucharest.

Acquisition of land (51 ha ) outside of London for land banking purposes.

Vastint Hospitality, formerly Inter Hospitality, is established to invest in and develop hotel and student housing properties across Europe.

The renovation of Royal Plaza (6,400 m²) in Brussels is completed.

The conversion of the Staalmeesterslaan office buildings (34,100 m²) in Amsterdam is finalised and handed over to the Apollo Ramada Hotel and Hotel School the Hague.

Completion of the residential project Futuris (6,700 m²) in Riga. All 60 apartments were successfully sold.

Acquisition of the Magdelena site in Riga, destined for mixed use development (21,000 m²).

Completion of the two office buildings Brama Portowa (13,000 m²) in Szczecin.

The renovation of the Printhouse (1,200 m²) at Sugar House Island is completed .

Completion of the Mera Spa Hotel (12,200 m²) in Sopot.

Completion of Business Garden Warsaw Phase I (32,200 m²).

Purchase of the Rivierstaete office building (28,000 m²) in Amsterdam. After being refurbished, the building is sold in 2018.

Acquisition of a site in central Gdansk for residential and hotel development (23,000 m²).

The refurbishment of the European House office building and adjacent retail area (7,000 m²) in Vilnius is completed.

Vastint Land is established to acquire land for future development projects in various countries in Europe.

Purchase of an office building (6,600 m²) on Rue Joseph II in the Leopold district in Brussels. Destined for refurbishment.

By year-end 2013, 9 sites for future Moxy Hotel developments are acquired. Further site acquisitions are continuously ongoing.

Acquisition of the Kelstena land in Vilnius (

The spa, hotel and apartment complex project (18,000 m²) in Palanga is recommenced .

Opening of the first Moxy Hotel (162 rooms) at Milan Malpensa airport.

Development of the office complex Business Garden Warsaw II (65,000 m²) starts.

The nine business units - SwedeCenter (Poland), Galliford (Belgium), Pronam (the Netherlands), Pinus Proprius (Lithuania), Larix Property (Latvia), Interprime Properties (Romania), LandProp (UK), Vastint Land (across Europe) and Inter Hospitality Holding (across Europe) - are brought together under the joint name Vastint.

Acquisition of the Leeuwenburg office building (42,900 m²) in Amsterdam for redevelopment.

Completion of Business Garden Poznan I (41,900 m²).

Completion of Courtyard by Marriott hotel (8,900 m²) at Atlas ArenA Amsterdam.

Completion of the multi-functional complex Gdynia Waterfront I (21,600 m²).

The office building UNIQ (6,900 m²) in Vilnius is completed.

Infrastructure works for Business Garden Rīga and Lindenholma are completed.

Purchase of the land plot for future development at former Leeds Brewery (8,5 ha).

Buildings on Spaklerweg and Schurenbergweg in Amsterdam are sold (43,300 m²)

Acquisition of sites in Warsaw (14 ha) and Gdansk (6,5 ha) for development.

Acquisition of the land plot for future development in Sisesti area, Bucharest (48 ha).

Moxy Hotels at Munich Airport, Berlin Ostbahnhof, Frankfurt Eschborn and Aberdeen Airport are opened during the year.

Acquisition of a site for development in Vilnius (1,8 ha).

Coengebouw in Amsterdam and Visseringlaan building in Rijswijk are sold (30,800 m²).

Acquisition of three office buildings (20,100 m²) for redevelopment.

Completion of Business Garden Wroclaw Phase I (41,900 m²).

Purchase of land plot in Katowice (9,000 m²) for the development of a complex of modern office and hotel buildings.

Reconversion of office building to Courtyard by Marriott hotel (7,000 m²) Brussels completed.

Acquisition of Embankment site for future development in Cardiff (10 ha).

On site construction works for 8 hotels (2,228 rooms) are ongoing.

Acquisition of the final part of the land for the Business Garden Vilnius project (6,2 ha).

Acquisition of Business Garden Poznan Phase III site (1,8 ha).

Refurbishment of hotel NH Amsterdam City Centre (7,700 m²) completed.

Completion of Business Garden Warsaw Phase II (56,400 m²).

Purchase of an office building (5,600 m²) in Amsterdam for redevelopment.

Conversion of Mera Spa Hotel to Sopot Marriott Resort & Spa (12,200 m²) completed.

Acquisition of land for the development of a Moxy Hotel (6,500 m²) in Brussels city centre.

Construction Timpuri Noi Square phase 1 (32,600 m²) completed.

Moxy Hotels at London Excel, Vienna Airport, Frankfurt Airport, Oslo X, Ludwigshafen and London Stratford are opened.

On site construction works for 8 hotels (1,761 rooms) are ongoing.

Acquisition of Garbary site in Poznan for the development of a mixed use project (80,000 m²).

Acquisition of the Hotel Silesia site in Katowice for the development of a mixed use project (35,000 m²).

Construction Magdelēnas kvartāls (116 apartments) completed.

Moxy Hotels at Munich Messe, London Heathrow Airport, Milan Linate Airport, Glasgow College lands and Edinburgh Airport are opened.

Construction Lindenholma Phase I (209 apartments) started.

Completion of Havannah House student residence (458 rooms) in Glasgow.

On site construction works for 10 hotels (2,119 rooms) are ongoing.

The office buildings Hoogwolde and Amaliawolde (13,500 m²) in Baarn are sold.

Reconstruction Elite House (7,200 m²) in Brussels completed.

Business Garden Wroclaw phase I (38,400 m²) sold.

Construction Business Garden Wroclaw phase II and III (40,800 m² and 37,100 m²) completed.

Business Garden Poznan phase I (41,900 m²) sold.

Construction Business Garden Vilnius phase I (40,000 m²) started.

Reconstruction Albert Hotel into AC by Marriott (8,600 m²) in Riga completed.

Construction Timpuri Noi Square phase 1B (20,100 m²) completed.

Completion of the first office building (10,100 m²) at Suger House Island in London.

Moxy Hotels at Copenhagen, York, Oslo X-tension, Paris Charles de Gaulle Airport, Southampton and Birmingham are opened.

Business Garden Poznan phase II (45,700 m²) completed.

Business Garden Riga phase I (14,200 m²) completed.

Construction Business Garden Bucharest (43,400 m²) completed.

On site construction works for 11 hotels (1,228 rooms) are ongoing.

Construction residential project Riverview in Gdansk (261 apartments) completed.

Acquisition of Ezerparks land (18,7 ha) completed.

Acquisition of Musette site (1,5 ha) close to Timpuri Noi Square in Bucharest.

Key Figures

Following are some key figures regarding Vastint Group. Rentable square meters per market 31. Dec 2019:


Citing Articles (716)

Pathogenic Bacillus anthracis endospores reach a primary site in the subcutaneous layer, gastrointestinal mucosa, or alveolar spaces. For cutaneous and gastrointestinal anthrax, low-level germination occurs at the primary site, leading to local edema and necrosis. Endospores are phagocytosed by macrophages and germinate. Macrophages containing bacilli detach and migrate to the regional lymph node. Vegetative anthrax bacilli grow in the lymph node, creating regional hemorrhagic lymphadenitis. Bacteria spread through the blood and lymph and increase to high numbers, causing severe septicemia. High levels of exotoxins are produced that are responsible for overt symptoms and death. In a small number of cases, systemic anthrax can lead to meningeal involvement by means of lymphatic or hematogenous spread. In cases of pulmonary anthrax, peribronchial hemorrhagic lymphadenitis blocks pulmonary lymphatic drainage, leading to pulmonary edema. Death results from septicemia, toxemia, or pulmonary complications and can occur one to seven days after exposure.

The inset shows the effects of anthrax exotoxins on macrophages. Vegetative anthrax bacilli secrete two exotoxins that are active in host cells. Edema toxin is a calmodulin-dependent adenylate cyclase that increases intracellular levels of cyclic AMP (cAMP) on entry into most types of cell. This is believed to alter water homeostasis, resulting in massive edema. Lethal toxin is a zinc metalloprotease that causes a hyperinflammatory condition in macrophages, activating the oxidative burst pathway and the release of reactive oxygen intermediates, as well as the production of proinflammatory cytokines, such as tumor necrosis factor α (TNF-α) and interleukin-1β, that are responsible for shock and death. MAPKK denotes mitogen-activated protein kinase kinase.

Panel A shows the characteristic blackened eschar surrounded by eroded areas and massive edema. These lesions are painless. The areas of “dried skin” represent resolving edema. Lesions continue to progress despite rigorous antibiotic treatment. Cutaneous anthrax can be self-limiting, and the lesions resolve without scarring. About 10 percent of untreated cutaneous anthrax infections progress to systemic anthrax. Panels B, C, and D show changes in the lesion on the cheek over a seven-day period. The characteristic blackened eschar is present on day 0 (Panel B). Facial edema and ulceration occur by the second day (Panel C). On day 7, the lesion is beginning to heal, and the facial edema is resolving (Panel D). The photograph in Panel A was kindly provided by Drs. Wilhelm Kobuch and P.C.B. Turnbull. The photographs in Panels B, C, and D are reprinted from Smego et al. 33 with the permission of the publisher.

Panel A shows a Gram's stain of B. anthracis vegetative bacteria. The bacterial cells exhibit gram-positive staining (purple filaments) (×600). Panel B shows an electron photomicrograph of a B. anthracis spore (arrowhead) partially surrounded by the pseudopod of a cultured macrophage (×137,000). The bar represents 1 μm.


Assista o vídeo: копия Ромы? Обзор+перки и модернизации (Pode 2022).