A história

Tecnologia 1940-1959 - História



História da tecnologia

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

História da tecnologia, o desenvolvimento ao longo do tempo de técnicas sistemáticas para fazer e fazer coisas. O termo tecnologia, uma combinação do grego technē, “Arte, artesanato,” com logotipos, “Palavra, discurso” significava na Grécia um discurso sobre as artes, tanto belas quanto aplicadas. Quando apareceu pela primeira vez em inglês no século 17, era usado para significar uma discussão apenas sobre as artes aplicadas e, gradualmente, essas próprias “artes” passaram a ser o objeto da designação. No início do século 20, o termo abrangia uma gama crescente de meios, processos e ideias, além de ferramentas e máquinas. Em meados do século, a tecnologia era definida por frases como "o meio ou a atividade pela qual o homem busca mudar ou manipular seu ambiente". Mesmo essas definições amplas têm sido criticadas por observadores que apontam a crescente dificuldade de distinguir entre investigação científica e atividade tecnológica.

Um relato altamente compactado da história da tecnologia como este deve adotar um padrão metodológico rigoroso se quiser fazer justiça ao assunto sem distorcê-lo grosseiramente de uma forma ou de outra. O plano seguido no presente artigo é essencialmente cronológico, traçando o desenvolvimento da tecnologia por meio de fases que se sucedem no tempo. Obviamente, a divisão entre as fases é em grande parte arbitrária. Um fator no peso tem sido a enorme aceleração do desenvolvimento tecnológico ocidental nos últimos séculos. A tecnologia oriental é considerada neste artigo principalmente no que se refere ao desenvolvimento da tecnologia moderna.

Dentro de cada fase cronológica, um método padrão foi adotado para o levantamento da experiência e das inovações tecnológicas. Isso começa com uma breve revisão das condições sociais gerais do período em discussão e, em seguida, passa a considerar os materiais e fontes de energia dominantes do período e sua aplicação à produção de alimentos, indústria manufatureira, construção civil, transporte e comunicações , tecnologia militar e tecnologia médica. Em uma seção final, as consequências socioculturais das mudanças tecnológicas no período são examinadas. Esta estrutura é modificada de acordo com os requisitos específicos de cada período - as discussões de novos materiais, por exemplo, ocupam um lugar substancial nos relatos das fases anteriores, quando novos metais estavam sendo introduzidos, mas são comparativamente sem importância nas descrições de algumas das fases posteriores - mas o padrão geral é mantido por toda parte. Um fator-chave que não se encaixa facilmente nesse padrão é o desenvolvimento de ferramentas. Pareceu mais conveniente relacioná-los ao estudo de materiais, ao invés de qualquer aplicação particular, mas não foi possível ser completamente consistente neste tratamento. Uma discussão mais aprofundada de áreas específicas de desenvolvimento tecnológico é fornecida em uma variedade de outros artigos: por exemplo, Vejoprocessamento de informações de exploração de eletrônicos.


Conteúdo

Taylor nasceu em 1856 em uma família Quaker em Germantown, Filadélfia, Pensilvânia. O pai de Taylor, Franklin Taylor, um advogado formado em Princeton, construiu sua fortuna com hipotecas. [4] A mãe de Taylor, Emily Annette Taylor (nascida Winslow), era uma abolicionista fervorosa e uma colega de trabalho de Lucretia Mott. O ancestral de seu pai, Samuel Taylor, se estabeleceu em Burlington, Nova Jersey, em 1677. O ancestral de sua mãe, Edward Winslow, foi um dos quinze peregrinos originais do Mayflower que trouxeram servos ou filhos, e um dos oito que tinham a honrosa distinção de senhor. Winslow serviu por muitos anos como governador da colônia de Plymouth.

Educado desde cedo por sua mãe, Taylor estudou por dois anos na França e na Alemanha e viajou pela Europa por 18 meses. [5] Em 1872, ele entrou na Phillips Exeter Academy em Exeter, New Hampshire, com o plano de eventualmente ir para Harvard e se tornar um advogado como seu pai. Em 1874, Taylor foi aprovado nos exames de admissão de Harvard com honras. No entanto, devido supostamente à rápida deterioração da visão, Taylor escolheu um caminho bem diferente.

Em vez de estudar na Universidade de Harvard, Taylor tornou-se aprendiz de modelista e maquinista, ganhando experiência de chão de fábrica na Enterprise Hydraulic Works na Filadélfia (uma empresa de fabricação de bombas cujos proprietários eram amigos da família Taylor). Ele deixou seu aprendizado por seis meses e representou um grupo de fabricantes de máquinas-ferramenta da Nova Inglaterra na exposição do centenário da Filadélfia. Taylor terminou seu aprendizado de quatro anos e em 1878 tornou-se operário de uma oficina mecânica na Midvale Steel Works. Em Midvale, ele foi rapidamente promovido a contador do tempo, maquinista jornaleiro, chefe de gangue dos torneiros, chefe da oficina mecânica, diretor de pesquisa e, finalmente, engenheiro-chefe das obras (mantendo sua posição como supervisor da oficina mecânica). As promoções rápidas de Taylor refletiram seu talento e o relacionamento de sua família com Edward Clark, proprietário de parte da Midvale Steel. (O filho de Edward Clark, Clarence Clark, que também era gerente na Midvale Steel, casou-se com a irmã de Taylor.)

No início, em Midvale, trabalhando como operário e maquinista, Taylor reconheceu que os operários trabalhavam suas máquinas, ou a si próprios, não tão arduamente quanto podiam (uma prática que na época era chamada de "soldado") e que isso resultava em alta custos trabalhistas para a empresa. Quando se tornou capataz, esperava mais produção dos operários. A fim de determinar quanto trabalho deveria ser esperado com propriedade, ele começou a estudar e analisar a produtividade tanto dos homens quanto das máquinas (embora a palavra "produtividade" não fosse usada na época, e a ciência aplicada da produtividade ainda não tivesse desenvolvido). Seu foco no componente humano da produção, Taylor rotulou a gestão científica. [6]

Enquanto Taylor trabalhava em Midvale, ele e Clarence Clark venceram o primeiro torneio de duplas de tênis no Campeonato Nacional dos Estados Unidos de 1881, o precursor do Aberto dos Estados Unidos. [1] Taylor se tornou um aluno do Stevens Institute of Technology, estudando por correspondência [7] e obtendo um diploma em engenharia mecânica em 1883. Em 3 de maio de 1884, ele se casou com Louise M. Spooner, da Filadélfia.

De 1890 a 1893, Taylor trabalhou como gerente geral e engenheiro consultor de gerenciamento para a Manufacturing Investment Company of Philadelphia, uma empresa que operava grandes fábricas de papel em Maine e Wisconsin. Ele era gerente de uma fábrica no Maine. Em 1893, Taylor abriu uma prática de consultoria independente na Filadélfia. Seu cartão de visita dizia "Engenheiro Consultor - Sistematizando o Gerenciamento de Oficinas e os Custos de Fabricação uma Especialidade". Por meio dessas experiências de consultoria, Taylor aperfeiçoou seu sistema de gestão. Seu primeiro artigo, Um sistema de taxa de peças, foi apresentado à American Society of Mechanical Engineers (ASME) em junho de 1895. [8]

Em 1898, ele se juntou à Bethlehem Steel para resolver um caro problema de capacidade de uma oficina mecânica. Enquanto estava em Belém, ele descobriu a mais conhecida e lucrativa de suas muitas patentes: entre 1898 e 1900 Taylor e Maunsel White conduziram testes empíricos abrangentes e concluíram que o aço de corte de tungstênio dobrou ou quadruplicou as velocidades de corte que os inventores receberam US $ 100.000 (equivalente a cerca de US $ 3.100.000 em 2020) apenas para as patentes inglesas, [9] [10] embora a patente dos EUA tenha sido finalmente anulada. [11]

Taylor foi forçado a deixar a Bethlehem Steel em 1901 após discórdia com outros gerentes. Agora um homem rico, Taylor concentrou o resto de sua carreira na promoção de seus métodos de gerenciamento e usinagem por meio de palestras, redações e consultoria. Em 1910, devido ao Eastern Rate Case, Frederick Winslow Taylor e suas metodologias de gerenciamento científico tornaram-se famosos em todo o mundo. Em 1911, Taylor apresentou seu artigo The Principles of Scientific Management à ASME, oito anos depois de seu artigo sobre Shop Management.

Em 19 de outubro de 1906, Taylor recebeu um grau honorário de Doutor em Ciências pela Universidade da Pensilvânia. [12] Taylor eventualmente se tornou um professor na Tuck School of Business no Dartmouth College. [13] No início da primavera de 1915, Taylor pegou pneumonia e morreu, [14] um dia após seu aniversário de 59 anos, em 21 de março de 1915. Ele foi enterrado no cemitério West Laurel Hill, em Bala Cynwyd, Pensilvânia.

Taylor era um engenheiro mecânico que buscava melhorar a eficiência industrial. Ele é considerado o pai da gestão científica e foi um dos primeiros consultores de gestão e diretor de uma empresa famosa. Na descrição de Peter Drucker,

Frederick W. Taylor foi o primeiro homem na história registrada que considerou o trabalho merecedor de observação e estudo sistemáticos. Na "gestão científica" de Taylor repousa, acima de tudo, o tremendo surto de riqueza nos últimos setenta e cinco anos que elevou as massas trabalhadoras nos países desenvolvidos bem acima de qualquer nível registrado antes, mesmo para os ricos. Taylor, embora o Isaac Newton (ou talvez o Arquimedes) da ciência do trabalho, lançou apenas as primeiras bases, no entanto. Não foi acrescentado muito a eles desde então - embora ele já tenha morrido há sessenta anos. [17]

A gestão científica de Taylor consistia em quatro princípios:

  1. Substitua os métodos de trabalho básicos por métodos baseados em um estudo científico das tarefas.
  2. Selecione, treine e desenvolva cientificamente cada funcionário, em vez de deixá-los passivamente se auto-treinarem.
  3. Fornecer "Instruções detalhadas e supervisão de cada trabalhador no desempenho de sua tarefa discreta" (Montgomery 1997: 250).
  4. Divida o trabalho quase igualmente entre gerentes e trabalhadores, de modo que os gerentes apliquem os princípios científicos da administração ao planejamento do trabalho e os trabalhadores realmente executem as tarefas.

O futuro juiz da Suprema Corte dos EUA, Louis Brandeis, cunhou o termo Gestao cientifica no curso de seu argumento a favor do Caso das Taxas Orientais perante a Comissão de Comércio Interestadual em 1910. Brandeis argumentou que as ferrovias, quando governadas de acordo com os princípios de Taylor, não precisavam aumentar as taxas para aumentar os salários. Taylor usou o termo de Brandeis no título de sua monografia Os princípios da gestão científica, publicado em 1911. O Eastern Rate Case impulsionou as idéias de Taylor para a linha de frente da agenda administrativa. Taylor escreveu a Brandeis: "Raramente vi um novo movimento ser iniciado com tanto ímpeto como você deu a este." A abordagem de Taylor também é frequentemente referida como Princípios de Taylor, ou, frequentemente depreciativo, como Taylorismo.

Gerentes e trabalhadores Editar

Taylor tinha ideias muito precisas sobre como apresentar seu sistema:

É só através forçado padronização de métodos, forçado adoção dos melhores implementos e condições de trabalho, e forçado cooperação para que este trabalho mais rápido possa ser assegurado. E o dever de fazer cumprir a adoção de padrões e fazer cumprir esta cooperação cabe ao gestão sozinho. [19]

Os trabalhadores deveriam ser selecionados apropriadamente para cada tarefa.

Um dos primeiros requisitos para um homem apto a lidar com o ferro-gusa como uma ocupação regular é que ele seja tão estúpido e tão fleumático que em sua constituição mental se assemelhe mais ao boi do que a qualquer outro tipo. O homem mentalmente alerta e inteligente é, por isso mesmo, totalmente inadequado para o que seria, para ele, a opressiva monotonia do trabalho desse personagem. [20]

Taylor acreditava na transferência do controle dos trabalhadores para a gerência. Ele se propôs a aumentar a distinção entre trabalho mental (trabalho de planejamento) e trabalho manual (trabalho de execução). Planos detalhados, especificando o trabalho e como deveria ser feito, deveriam ser formulados pela gerência e comunicados aos trabalhadores. [21]

A introdução de seu sistema foi muitas vezes criticada pelos trabalhadores e provocou inúmeras greves. A greve em Watertown Arsenal levou à investigação do Congresso em 1912. Taylor acreditava que o trabalhador merecia seu salário e o pagamento estava ligado à produtividade. Seus trabalhadores podiam ganhar substancialmente mais do que aqueles sob gestão convencional, [22] e isso lhe rendeu inimigos entre os proprietários de fábricas onde a gestão científica não estava em uso.

Técnicas retóricas Editar

Taylor prometeu reconciliar trabalho e capital.

Com o triunfo da gestão científica, os sindicatos não teriam mais nada a fazer e teriam sido purificados de sua característica mais perversa: a restrição da produção. Para enfatizar essa ideia, Taylor criou o mito de que 'nunca houve uma greve de homens trabalhando sob gestão científica', tentando dar-lhe credibilidade pela repetição constante. De maneira semelhante, ele incessantemente vinculou suas propostas a menos horas de trabalho, sem se preocupar em produzir evidências de empresas "taylorizadas" que reduziram as horas de trabalho, e revisou seu famoso conto de Schmidt carregando ferro-gusa na Bethlehem Steel pelo menos três vezes, obscurecendo alguns aspectos de seu estudo e enfatizando outros, de modo que cada versão sucessiva tornava os esforços de Schmidt mais impressionantes, mais voluntários e mais gratificantes para ele do que a anterior. Ao contrário de [Harrington] Emerson, Taylor não era um charlatão, mas sua mensagem ideológica exigia a supressão de todas as evidências de dissidência do trabalhador, de coerção ou de quaisquer motivos humanos ou aspirações diferentes daquelas que sua visão de progresso poderia abranger. [23]

Debate acadêmico sobre o aumento da eficiência na movimentação de ferro-gusa na Bethlehem's Iron and Steel Edit

O debate sobre o estudo de Taylor sobre os trabalhadores em Belém, particularmente o estereótipo do trabalhador "Schmidt", continua até hoje. Um estudo de 2009 apóia as afirmações de Taylor sobre o aumento bastante substancial na produtividade, mesmo para a tarefa mais básica de pegar, transportar e soltar gusa de ferro. [24] [25]

Teoria de gestão Editar

Taylor achava que, ao analisar o trabalho, seria encontrada "a melhor maneira" de fazê-lo. Ele é mais lembrado por desenvolver o estudo do tempo do cronômetro, que, combinado com os métodos de estudo do movimento de Frank Gilbreth, mais tarde se tornou o campo do estudo do tempo e do movimento. Ele dividiu um trabalho em suas partes componentes e mediu cada uma à centésima de um minuto. Um de seus estudos mais famosos envolveu pás. Ele percebeu que os trabalhadores usavam a mesma pá para todos os materiais. Ele determinou que a carga mais eficaz era de 21 ½ libras e encontrou ou projetou pás que coletariam essa quantidade para cada material. Ele geralmente não tinha sucesso em aplicar seus conceitos e foi demitido da Bethlehem Iron Company / Bethlehem Steel Company. No entanto, Taylor conseguiu convencer os trabalhadores que usavam pás e cuja remuneração estava vinculada à produção a adotar seu conselho sobre a maneira ideal de pás, dividindo os movimentos em seus elementos componentes e recomendando maneiras melhores de realizar esses movimentos. Foi em grande parte por meio dos esforços de seus discípulos (principalmente de Henry Gantt) que a indústria veio para implementar suas idéias. Além disso, o livro que ele escreveu após se separar da empresa Bethlehem, Gestao de lojas, vendeu bem.

Relações com ASME Edit

Os trabalhos escritos de Taylor foram projetados para serem apresentados à American Society of Mechanical Engineers (ASME). Estes incluem Notes on Belting (1894), A Piece-Rate System (1895), Shop Management (1903), Art of Cutting Metals (1906) e The Principles of Scientific Management (1911).

Taylor foi presidente da ASME de 1906 a 1907. Enquanto presidente, ele tentou implementar seu sistema na gestão da ASME, mas encontrou muita resistência. Ele conseguiu reorganizar apenas o departamento de publicações e apenas parcialmente. Ele também expulsou o secretário de longa data da ASME, Morris Llewellyn Cooke, e o substituiu por Calvin W. Rice. Seu mandato como presidente foi atribulado e marcou o início de um período de dissensão interna dentro da ASME durante a Era Progressiva. [26]

Em 1911, Taylor reuniu vários de seus artigos em um manuscrito do tamanho de um livro, que submeteu à ASME para publicação. A ASME formou um comitê ad hoc para revisar o texto. O comitê incluiu aliados de Taylor, como James Mapes Dodge e Henry R. Towne. O comitê delegou o relatório ao editor do Maquinista americano, Leon P. Alford. Alford foi um crítico do sistema de Taylor e seu relatório foi negativo. O comitê modificou ligeiramente o relatório, mas aceitou a recomendação de Alford de não publicar o livro de Taylor. Taylor retirou o livro com raiva e publicou Princípios sem a aprovação da ASME. [27] Taylor publicou o livro comercial em 1912.

Estados Unidos Editar

    ajudou Taylor a desenvolver regras deslizantes de cálculo de velocidade e alimentação para um nível de utilidade até então desconhecido. Auxílios semelhantes ainda são usados ​​em oficinas de máquinas hoje. Barth se tornou um dos primeiros consultores em administração científica e mais tarde lecionou em Harvard. desenvolveu o gráfico de Gantt, um auxílio visual para agendamento de tarefas e visualização do fluxo de trabalho. introduziu a gestão científica na indústria ferroviária e propôs a dicotomia de pessoal contra linha funcionários, com o primeiro aconselhando o segundo. adaptou a gestão científica às organizações educacionais e municipais. criou a psicologia industrial. introduziu a psicologia nos estudos de administração. (marido de Lillian) descobriu a gestão científica enquanto trabalhava na indústria da construção, desenvolvendo estudos de movimento independentemente de Taylor. Esses estudos de tempo de Taylor logicamente complementaram, já que tempo e movimento são duas faces da moeda de melhoria de eficiência. Os dois campos eventualmente se tornaram o estudo do tempo e do movimento. , uma das primeiras universidades americanas a oferecer pós-graduação em administração de empresas em 1908, baseou seu currículo de primeiro ano na administração científica de Taylor. [28], como reitor da Escola de Administração e Finanças Amos Tuck de Dartmouth, promoveu o ensino de administração científica. , professor de contabilidade da Universidade de Chicago e fundador da consultoria que leva seu nome, defendia os orçamentos como meio de garantir a prestação de contas e medir o desempenho.

França Editar

Na França, Le Chatelier traduziu o trabalho de Taylor e introduziu a gestão científica em fábricas de propriedade do governo durante a Primeira Guerra Mundial. Isso influenciou o teórico francês Henri Fayol, cujo trabalho em 1916 Administração Industrielle et Générale enfatizou a estrutura organizacional na gestão. No clássico Gestão Geral e Industrial, Fayol escreveu que "a abordagem de Taylor difere daquela que descrevemos, pois ele examina a empresa de 'baixo para cima'. Ele começa com as unidades de atividade mais elementares - as ações dos trabalhadores - então estuda os efeitos de suas ações na produtividade, concebe novos métodos para torná-los mais eficientes e aplica o que aprende em níveis inferiores para a hierarquia. "[29] Ele sugere que Taylor tenha analistas e consultores de equipe trabalhando com indivíduos em níveis mais baixos da organização para identificar as maneiras de melhorar a eficiência. De acordo com Fayol, a abordagem resulta em uma "negação do princípio da unidade de comando". [30] Fayol criticou a gestão funcional de Taylor desta forma: Em Gestao de lojas, Taylor disse [31] «. a característica externa mais marcante da gestão funcional reside no fato de que cada trabalhador, ao invés de entrar em contato direto com a gestão em apenas um ponto,. recebe seus pedidos diários e ajuda de oito chefes diferentes. esses oito eram (1) funcionários de rota, (2) homens de cartão de instrução, (3) funcionários de custo e tempo, (4) chefes de gangue, (5) chefes de velocidade, (6) inspetores, (7) chefes de reparos e ( 8) disciplinador de loja. »[31] Fayol disse que esta era uma situação impraticável e que Taylor deve ter reconciliado as diferenças de alguma forma não descrita nas obras de Taylor.

Por volta de 1922, a jornalista Paulette Bernège se interessou pelas teorias de Taylor, populares na França no pós-guerra. [32] Bernège tornou-se o discípulo fiel do Movimento de Ciências Domésticas que Christine Frederick havia lançado anteriormente nos Estados Unidos, que Bernège adaptou aos lares franceses. Frederick transferiu os conceitos do taylorismo da fábrica para o trabalho doméstico. Estes incluíram ferramentas adequadas, estudo racional de movimentos e tempo de tarefas. Os padrões científicos para o trabalho doméstico foram derivados de padrões científicos para oficinas, com o objetivo de agilizar o trabalho de uma dona de casa. [33] O Comité national de l'organisation française (CNOF) foi fundada em 1925 por um grupo de jornalistas e engenheiros consultores que viam o taylorismo como uma forma de expandir sua base de clientes. Os fundadores incluíram engenheiros proeminentes como Henry Louis Le Châtelier e Léon Guillet. O Institute of Housekeeping Organisation de Bernège participou em vários congressos sobre a organização científica do trabalho que conduziram à fundação do CNOF e, em 1929, deu origem a uma secção do CNOF sobre economia doméstica. [34]

Edição da Grã-Bretanha

Relatos históricos mais antigos costumavam sugerir que a indústria britânica tinha menos interesse nos ensinamentos de Taylor do que em países de tamanho semelhante. [35] Pesquisas mais recentes revelaram que engenheiros e gerentes britânicos estavam tão interessados ​​quanto em outros países. [36] Essa disparidade foi em grande parte devido ao que os historiadores têm analisado: pesquisas recentes revelaram que as práticas de Taylor se difundiram na Grã-Bretanha mais por meio de consultorias, em particular a consultoria Bedaux, do que por meio de instituições, como na Alemanha e, em menor medida, na França, onde uma mistura era mais eficaz. [37] [38]

Particularmente entusiasmados foram a família Cadbury, Seebohm Rowntree, Oliver Sheldon e Lyndall Urwick. Além de estabelecer uma consultoria para implementar o sistema de Taylor, Urwick, Orr & amp Partners, Urwick também foi um historiador importante da F.W. Taylor e da gestão científica, publicação The Making of Scientific Management trilogia na década de 1940 e O Livro Dourado da Administração em 1956.

Suíça Editar

Na Suíça, o americano Edward Albert Filene fundou o International Management Institute para divulgar informações sobre técnicas de gestão. Lyndall Urwick foi seu diretor até o fechamento do IMI em 1933. [39]

Editar URSS

Na União Soviética, Vladimir Lenin ficou muito impressionado com o taylorismo, que ele e outros líderes bolcheviques tentaram incorporar à manufatura soviética. Quando Joseph Stalin assumiu o poder na década de 1920, ele defendeu a teoria do "Socialismo em um país", que negava que a economia soviética precisava de ajuda estrangeira para se desenvolver, e defensores abertos das técnicas de gestão ocidentais caíram em desgraça. Não mais celebrado pela liderança soviética, o taylorismo e os métodos de produção em massa de Henry Ford permaneceram influências silenciosas durante a industrialização da União Soviética. No entanto, "[.] Os métodos de Frederick Taylor nunca se enraizaram realmente na União Soviética." [40] A abordagem voluntarista do movimento stakhanovista de Stalin na década de 1930, fixada em estabelecer recordes individuais, era intrinsecamente oposta à abordagem sistemática de Taylor e provou ser contraproducente. [41] O stop-and-go do processo de produção - trabalhadores sem ter nada para fazer no início de um mês e 'assalto' durante turnos extras ilegais no final do mês - que prevaleceu até mesmo na década de 1980 não tinha nada para fazer com as plantas taylorizadas com sucesso, por exemplo, da Toyota, que são caracterizadas por contínuo processos de produção (heijunka) que são continuamente melhorado (kaizen). [42]

"A fácil disponibilidade de mão de obra de reposição, que permitiu a Taylor escolher apenas 'homens de primeira classe', foi uma condição importante para o sucesso de seu sistema." [43] A situação na União Soviética era muito diferente. "Como o trabalho não é rítmico, o gerente racional contratará mais trabalhadores do que precisaria se os suprimentos fossem suficientes para ter o suficiente para a tempestade. Por causa da contínua escassez de mão de obra, os gerentes ficam felizes em pagar aos trabalhadores necessários mais do que o normal. emitindo ordens de trabalho falsas, atribuindo-lhes graus de habilidade mais altos do que eles merecem com base em critérios de mérito, dando-lhes taxas por peça "frouxas" ou fazendo o que deveria ser um pagamento de "incentivo", prêmios por um bom trabalho, efetivamente parte do salário normal . Como Mary McAuley sugeriu, sob essas circunstâncias, as taxas por peça não são um salário de incentivo, mas uma forma de justificar dar aos trabalhadores tudo o que eles 'deveriam' receber, não importa qual seja seu salário de acordo com as normas oficiais. " [44]

Taylor e suas teorias também são referenciados (e colocados em prática) no romance distópico de 1921 Nós por Yevgeny Zamyatin.

Canadá Editar

No início da década de 1920, a indústria têxtil canadense foi reorganizada de acordo com princípios de gestão científica. Em 1928, os trabalhadores da Canada Cotton Ltd. em Hamilton, Ontário, entraram em greve contra os métodos de trabalho tayloristas recentemente introduzidos. Além disso, Henry Gantt, que era um colaborador próximo de Taylor, reorganizou a Canadian Pacific Railway. [45]

Com a prevalência de fábricas de filiais nos Estados Unidos no Canadá e estreitos laços econômicos e culturais entre os dois países, o compartilhamento de práticas comerciais, incluindo o taylorismo, tem sido comum.

The Taylor Society e seu legado Editar

A Taylor Society foi fundada em 1912 pelos aliados de Taylor para promover seus valores e influência. [46] Uma década após a morte de Taylor em 1915, a Taylor Society tinha 800 membros, incluindo muitos industriais e gerentes dos EUA. [47] Em 1936, a Sociedade se fundiu com a Sociedade de Engenheiros Industriais, formando a Sociedade para o Avanço da Gestão, que ainda existe hoje. [48]

Críticas à Taylor Edit

Muitas das críticas de Taylor vêm de marxistas. A primeira foi de Antonio Gramsci, um comunista italiano, em seu Cadernos de prisão (1937). Gramsci argumentou que o taylorismo subordina os trabalhadores à administração. Ele também argumentou que o trabalho repetitivo produzido pelo taylorismo pode realmente dar origem a pensamentos revolucionários nas mentes dos trabalhadores. [49]

Trabalho de Harry Braverman, Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX, publicado em 1974, era crítico da gestão científica e de Taylor em particular. Este trabalho foi pioneiro no campo da Teoria do Processo de Trabalho, além de contribuir para a historiografia do local de trabalho.

O teórico da administração Henry Mintzberg é altamente crítico em relação aos métodos de Taylor. Mintzberg afirma que a obsessão com a eficiência permite que benefícios mensuráveis ​​ofusquem completamente os benefícios sociais menos quantificáveis, e os valores sociais são deixados para trás. [50]

Os métodos de Taylor também foram desafiados pelos socialistas. Seus argumentos se relacionam com a eliminação progressiva dos trabalhadores no local de trabalho e a subsequente degradação do trabalho à medida que a administração, movida pelo capital, usa os métodos de Taylor para tornar o trabalho repetível e preciso, embora monótono e redutor de habilidades. [51] James W. Rinehart argumentou que os métodos de Taylor de transferência do controle sobre a produção dos trabalhadores para a administração e a divisão do trabalho em tarefas simples intensificaram a alienação dos trabalhadores que havia começado com o sistema de produção fabril por volta do período de 1870 a 1890 . [52]

Críticas a Taylor e ao modelo japonês, segundo Matsushita:

"Vamos ganhar e o oeste industrial vai perder. As razões do fracasso estão dentro de vocês. Suas empresas são construídas no modelo de Taylor. Pior ainda, suas cabeças também. Com seus chefes pensando enquanto os trabalhadores controlam as chaves de fenda, você está profundamente convencido de que é a maneira certa de administrar uma empresa. Pois a essência da gestão é tirar as ideias das cabeças dos chefes e colocá-las nas cabeças de trabalho. Estamos além de sua mentalidade. Negócios, sabemos, agora é tão complexo e difícil, a sobrevivência de empresas tão perigosas em um ambiente cada vez mais imprevisível, competitivo e repleto de perigos, que sua existência contínua depende da mobilização diária de cada grama de inteligência. "

Konosuke Matsushita, citado em Pascale, R 1990 ‘Managing on the Edge: How Success Companies Use Conflict for Competitive Advantage’ New York: Simon and Schuster p.51

Taylor era um excelente jogador de tênis e golfe. Ele e Clarence Clark ganharam o campeonato nacional inaugural de duplas de tênis no Newport Casino em 1881, derrotando Alexander Van Rensselaer e Arthur Newbold em dois sets. [1] Nos Jogos Olímpicos de Verão de 1900, Taylor terminou em quarto lugar no golfe.


Tecnologia pirateada foi patenteada

De acordo com a Lei de Patentes de 1793, os Estados Unidos concederam patentes duvidosas a americanos que piratearam tecnologia de outros países, ao mesmo tempo em que impediam inventores estrangeiros de receber patentes. & # x201Camérica tornou-se assim, por política nacional e ato legislativo, o principal santuário jurídico do mundo & # x2019s para piratas industriais & # x201D escreve Pat Choate em seu livro Propriedade quente: o roubo de ideias em uma era de globalização. & # x201CAny American poderia trazer uma inovação estrangeira para os Estados Unidos e comercializar a ideia, tudo com total imunidade legal. & # x201D

Foi isso que Samuel Slater fez. O supervisor da fábrica de algodão nascido na Inglaterra se fez passar por um lavrador e navegou para os Estados Unidos em 1789. Tendo memorizado os detalhes das fiações patenteadas de Richard Arkwright e # x2019s que supervisionou, Slater estabeleceu a jovem fábrica têxtil movida a água do jovem país em Rhode Island e se tornou um homem rico. Enquanto o presidente Andrew Jackson o apelidou de & # x201C Pai das Manufaturas Americanas & # x201D, os ingleses tinham um apelido bem diferente para ele & # x2014 & # x201CSlater, o Traidor. & # X201D

Mais de duas décadas após a emigração de Slater & # x2019, a indústria têxtil nos Estados Unidos ainda estava atrás dos britânicos que possuíam a tecnologia de ponta do tear mecânico Cartwright, a máquina movida a água que tecia fios em tecido acabado. Morando em Edimburgo, Escócia, sob ordens do médico para se recuperar da exaustão nervosa, Lowell ficou determinado a trazer a tecnologia britânica de volta aos Estados Unidos.

O pedigree da crosta superior de Lowell o tornara um espião improvável, mas foi precisamente assim que ele obteve acesso. Portando cartas de referência, o adoentado americano não parecia ser uma ameaça para os proprietários de fábricas de têxteis e para a Inglaterra e a Escócia, que lhe deram o privilégio incomum de visitar suas fábricas, que ficavam escondidas por trás de muros semelhantes a fortalezas com espigões e vidros quebrados no topo. Lowell não fez anotações e fez poucas perguntas, mas o tempo todo ele estudou o projeto do tear elétrico e o guardou na memória.

De volta a Boston, Lowell fez mais do que replicar a tecnologia britânica pirateada. Com a ajuda de Paul Moody, ele aperfeiçoou o tear mecânico de Cartwright & # x2019 em 1814, construindo em Waltham, Massachusetts, a primeira fábrica de manufatura têxtil integrada, que convertia algodão em tecido acabado sob o mesmo teto.

As rodas d'água giratórias das fábricas têxteis americanas & # x2014 e os segredos roubados sobre os quais foram construídas & # x2014 impulsionaram os Estados Unidos adiante e rapidamente os transformaram em uma das maiores potências industriais do mundo & # x2019. & # XA0


Ministro se despede da operadora de telefonia

Warffum foi o último município da Holanda a ser conectado a uma rede telefônica totalmente automatizada. A partir desta data, todos os chamadores poderiam estabelecer a conexão certa usando a discagem em seus telefones. Significou o fim da operadora de telefonia nas centrais telefônicas. At the peak, around 1930, there were more than 2,000 telephone operators manually connecting all the calls in the Netherlands.


This website is based on an exhibition that opened at the National Museum of American History in November 2003. Objects pictured here may differ from those currently on view at the museum.

America on the Move replaces exhibits of road and rail transportation and civil engineering installed when the National Museum of American History opened as the Museum of History and Technology in 1964. These early exhibits were, for the most part, displays of artifacts chosen for their technological interest. Their labels described technological change. They were mostly devoid of human stories.

We wanted our new exhibits to be just as popular. But we wanted to engage a wider audience, an audience that has come to expect more from museums than objects in cases. And our new exhibit had to reflect the Museum’s new mission: American history. We would not do an exhibit about cars and trains, or even a transportation history exhibit. It would be an exhibit about transportation in American history.

Our exhibit would be about people and events. Who rode on the vehicles? What did they carry? Where did they go? How did they change the country? And why those things happened the way they did, and why it mattered, and still matters. We decided to examine four areas in which transportation shaped American history: communities, commerce, landscapes, and lives. And we focused on big themes of American history: urbanization and industrialization, immigration and migration, race relations, work and business.

Exhibits are complex enterprises. They combine many elements, serve many purposes, meet many needs. They can’t be all things to all people, but they should allow most visitors to enjoy, engage, and learn. We hope America on the Move does that.

This exhibition was made possible through the support of many generous donors.


1880 to 1889 Important News, Key Events, Significant Technology

Tahiti , Originally discovered by the Royal Navy it was also visited by James Cook (in 1769) and William Bligh (in 1788). Its earliest European settlers helped the Pomare family achieve a rulership over the island. These settlers have brought Christianity with them, and the Pomares ruled until Pomare V gave it to France (after which it became a French colony).

Sitting Bull , Hunger and cold eventually forced Sitting Bull, his family, and nearly 200 other Sioux in his band to return to the United States from Canada and surrender on July 19th , 1881.

Early Prohibition , Kansas had been prohibiting alcohol to Indians since 1860, but it wasn't until 1881 that a State law was passed on its other forms of distribution. No one had permission to brew or sell intoxicating liquors (although its consumption was allowed for medicinal purposes).

Billy the Kid , Billy the Kid, or William Bonney or Henry McCarty, had been captured in December 1880, and was tried for murder in Mesilla, New Mexico in April 1881. He was found guilty and escaped (after killing two deputies) before being shot by Sheriff Garrett (his earlier captor) on July 14th .

American Red Cross , Clara Barton inspired by the work of the International Red Cross establishes The American Red Cross in Washington, D.C. on May 21st, 1881.

Greenwich Mean Time , Greenwich Mean Time becomes the standard by which time around the world is set as +_ GMT.

Gunfight at the OK Corral , Tombstone, Arizona is the site for one of the most famous gunfights in history – the Gunfight at the O.K. Corral on October 26, 1881. Some of the recognizable names who participated include Doc Holliday, Wyatt Earp and his two brothers, Morgan and Virgil.

Electric Clothes Iron , Henry Seeley patents his "electric flatiron" on June 6, 1882. Electric Irons replaced the use of Charcoal filled irons and flat irons (which were heated on a fire prior to use), when the first thermostatically controlled electric irons (with temperature control) appeared in the 1920s they quickly replaced the use of the more traditional irons.

First Electric Fan , Dr Schuyler Skaats Wheeler invents the first electrically powered mechanical fan.

The 1812 Overture , First played in the Cathedral of Christ the Saviour in Moscow on August 20th , 1882, the 1812 Overture was Tchaikovsky's tribute to the anniversary of Alexander II's accession to the throne. He had planned for it to be played on the square before the cathedral with its bells and cannon fire as a supplement to the orchestral work, but the assassination of Alexander II had circumvented his plans, and he became skeptical of its composition. It was actually a tribute to his countrymen's defeat of Napoleon's march into Russia. On having fought the Battle of Borodino and found Moscow razed to the ground, the Grande Armée was forced to return to central Europe (with one tenth of its men).

First investor-owned electric utility , Thomas Alva Edison (Edison Illuminating Company) builds and opens the first power station on Manhattan Island, New York which provided 110 volts direct current (DC) to 59 customers in lower Manhattan.

Chinese Exclusion Act , Congress passed the Chinese Exclusion Act, which barred Chinese immigrants from the United States for 10 years.

The Orient-Express , The Orient-Express began running between Paris and Constantinople in 1883, and covered France, Germany, Austria, Hungary, Romania and Bulgaria. It had been built by the Belgian Georges Nagelmackers, whose company La Compagnie Internationale des Wagons-Lits et des Grands Express Européens had provided the carriages. Its fabled luxuries included Oriental rugs, velvets, mahogany and fine cuisine. The original journeys were completed by ferry across the southern Black Sea (from Varna to Constantinople).

Brooklyn Bridge , The Brooklyn Bridge is one of the oldest suspension bridges in the United States. Connecting the New York City boroughs of Manhattan and Brooklyn by spanning the East River and when it was opened in 1883 it was the largest suspension bridge in the world and had taken 13 years to complete.

The Oxford English Dictionary , The original Oxford English Dictionary was a twelve volume dictionary that included all words from the mid-12th Century onwards. Its publication was prompted by the London Philological Society, whose president, James Murray, had made him the primary editor. It was decided that it would include a definitive, etymological and historical perspective to its entries.

Adventures of Huckleberry Finn , The first excerpts of the Adventures of Huckleberry Finn were serialized in the Century Magazine of of December 1884 (and was serialized until February 1885). This was, at the time, a commonplace means of distribution and publication, though not one that Mark Twain himself approved of.

The Statue of Liberty , The Statue of Liberty was made in France, and was proposed by Edouard de Laboulaye, sculpted by Frédéric-Auguste Bartholdi and funded by the French people. It was shipped in 1885 to New York and placed onto Liberty Island in New York Harbor. It wasn't dedicated by Grover Cleveland until on October 28th , 1886.

Washington Monument , The Washington Monument was dedicated in 1885 and is a granite monument that was made as a tribute to George Washington. It is 555 feet high, and faces the White House.

Modern Photograph Film , George Eastman created the modern photograph film technology. The technology that the modern camera is based on was created several hundred years ago. Although the ancient ideas were far away from the types of cameras that we know, they were well ahead of their time in relation to the technology and materials that they had at their disposal. It wasn’t until 1885 when George Eastman created the modern photograph film technology that made cameras accessible to the masses.

Beginnings Of The Modern Bicycle , J. K. Starley, the English inventor and industrialist, starts selling the Rover Bicycle which uses a chain drive connecting the frame-mounted cranks to the rear wheel.

1920's Fashion

Ladies Dresses From The Decade

Part of our Collection of Childrens Clothes From the Decade

Childrens Toys From The 1920's

1920s Music

Automobile Beginnings , Karl Benz patents his first automobile, the Motorwagen, which was three wheeled, on January 29th. His work had been done in Mannheim, and had an internal combustion engine that went on to become the predecessor of his first four wheeled automobile in 1893 . His company, Benz and Co., had been started in 1883.

Linotype Machine Installed At New York Tribune , The First Linotype Machine is installed at the New York Tribune. Ottmar Mergenthaler, a German Born inventor who emigrated to the United States, had invented the Linotype a machine that could easily and quickly set complete lines of text for use in printing machines. This machine revolutionized the art of printing.

Haymarket Square Riot In Chicago , On May 4th , 1886, at the Haymarket Square in Chicago, an unknown person threw a pipe bomb at the police line as they dispersed the Labor Rally in support of striking workers at the McCormick Harvesting Machine Co. plant. The bomb blast and ensuing gunfire resulted in the deaths of eight police officers, mostly from friendly fire, and an unknown number of civilians.

Coca Cola , John Pemberton begins selling his formula (a mixture of cocaine and caffeine) at Jacob's Pharmacy in Atlanta, Georgia in 1886. It was initially sold as a patent medicine for five cents a glass at soda fountains. Coca Cola no longer contains Cocaine but that is how it got its name.

First Dishwasher , Josephine Cochrane, a housewife from Shelbyville, Illinois, invents and builds the First Dishwasher. A motor turned the wheel while hot soapy water squirted up from the bottom of the boiler and rained down on the dishes. The company she created is later bought by Kitchenaid (part of Whirlpool).

Earmuffs are patented , Earmuffs had been invented in Maine in 1883, although we don't have a specific date for this enlightenment (enmufflement), the genius involved was the equitable Chester Greenwood of Farmington, and this town still celebrates his skills on December 21st each year. Thankfully earmuffs were patented in March 13th, 1887. Patent number 188,292.

First American Golf Club , The Foxburg Golf Club is organized, and Joseph Fox provided the land upon which to build a golf course in located in Foxburg, Pennsylvania. It is the oldest History of Golf course "in continuous use" in the United States.

The National Geographic Society , Founded on January 27th, 1888 in Washington D.C., the National Geographic Society has gone on to become the world's largest scientific and geographical distribution organization. Its original premise was 'for the increase and diffusion of geographic knowledge.' In the field, National Geographic has supported exploration, education and conservation and a number of geological, natural and literary sources since 1888.

Kodak Box Camera , George Eastman introduces the Kodak No 1, a simple and inexpensive Box Camera that brings photography to all. Because of their simplicity, ease of use and cost The cameras became an enormous success.

Inflatable Tires , The Scottish Inventor John Boyd Dunlop patents the first practical pneumatic or inflatable tyre.

The Eiffel Tower , The Eiffel Tower, or the Tour Eiffel, was opened on March 31st, 1889, and was the work of a Gustave Eiffel, who was a bridge engineer. It was made for the centenary of the French Revolution and was chosen instead of over one hundred other plans that were given. Eiffel's engineering skills would preface later architectural designs. The Tower stands at twice the height of both the St. Peter's Basilica and the Great Pyramid of Giza. Its metallic construction was completed within months.

Oklahoma Land Rush , The Oklahoma Land Run of 1889 begins at high noon on on April 22nd , 1889, with an estimated 50,000 people lined up for their piece of the available two million acres, settlers could claim lots up to 160 acres in size. Provided a settler lived on the land and improved it, the settler could then receive the title to the land under the Homestead Act of 1862 . This land had previously been occupied by Indians but the Indian Appropriations Bill approved the transfer of two million acres for settlement.

Wall Street Journal , Dow Jones & Company, begins publication of the "Wall Street Journal", on July 8th specializing in news relevant to Investors and members of the Financial community. The Journal featured the Jones 'Average', the first of several indexes of stock and bond prices on the New York Stock Exchange.

Johnstown Flood , Following several days of extremely heavy rainfall on on May 31st the South Fork Dam situated upstream of the town of Johnstown, Pennsylvania, USA, fails causing a tidal wave, over twenty feet in height to sweep over Johnstown, PA eight miles below. The wave swept everything before the avalanche of water including houses, factories, and bridges. The death toll is estimated to be in the thousands as there was very little warning for residents.

Several states are added to the Union , North Dakota became the 39th state, South Dakota became the 40th state, Montana became the 41st state, and Washington became the 42nd state.


This guide provides an inventory of the Library of Congress Tracer Bullet series. In addition to their titles, Tracer Bullets were identified by a number indicating the year of publication, followed by the issue number this inventory allows access to the titles by either title or by year and issue number. Links are provided when available to the Tracer Bullets that are accessible online, but some titles may be available only in print format.

What is a Science Tracer Bullet?

The Library of Congress Science Tracer Bullet series (ISSN 0090-5232) was an informal and irregular series of library pathfinders published from 1972-2013. They were designed to help someone begin to locate research materials on a subject about which they held only general knowledge.

These guides were produced by expert reference staff of the Science & Technology Division's Science Reference Section, and, on occasion, by guest librarians, consultants, interns, and volunteers. Most guides were aimed at the undergraduate level, however some, particularly those involving science fair projects, were written with parents and educators in mind. The Tracer Bullets were distributed as government documents to government depository libraries. In 1990 Omnigraphics, Inc. republished 173 of the titles in four volumes.

For more information on library pathfinders see "Library Pathfinders: a New Possibility for Cooperative Reference Service External ," by Charles H. Stevens, Marie P. Canfield, and Jeffrey J. Gardner, in College and Research Libraries News, v. 34, No 1 (1973).

What features are included in a Science Tracer Bullet?

One of the important aspects of the Science Tracer Bullet is that the progress of the information in the format of the bibliographic guide is supposed to mimic the research process itself. The prescribed format defines a scope, gives review articles and basic texts, and then leads the researcher on to suggestions for finding additional information.

The major features of a Science Tracer Bullet include:

  • a weighted list of subject headings, which can be used in searching a library card catalog
  • a list of basic texts
  • lists of bibliographies, state-of-the-art reports, conference proceedings, or technical reports
  • a list of journals in which one can usually find articles on a particular subject
  • a list of abstracting and indexing services, or databases, useful in finding journal articles and government publications
  • the names and addresses of organizations to contact for additional information
  • a list of selected internet sources

Why are they called "Tracer Bullets"?

"Tracer bullets," also called "tracer rounds," are usually loaded as every fifth round in machine gun belts. They provide essential information to soldiers firing at an enemy target by creating a line-of-sight that allows them to track the trajectory of their bullets and adjust their aim. Because these compilations were intended to put a reader "on target," they were called "tracer bullets."


What Is Digital Technology?

Digital technology is a type of transfer that involves breaking a message or form of communication between two machines down into binary code. Binary code consists of all ones and zeros and can be reassembled upon being read by another piece of equipment that utilizes digital technology. This is a contrast to other, older types of technology that used other forms of information transfer and couldn't move data as quickly.

Digital technology uses digital code to transmit signals and information between different devices. This can be done with things like television programs or human voices. The data is converted into strings of ones and zeros and moved quickly to the next machine, where it is converted back into media form. In older forms of technology, like analog technology, this was done with pulses of electricity. However, analog systems often face size and speed limitations that digital technologies do not.

One of the most prolific uses of digital technology comes in the form of the popular cell phone market. Cellular phones utilize digital technology to transmit voices and other types of information. This type of digital technology has also been used in incremental stages along the way, such as cordless phones with good quality.


Technology 1940-1959 - History

The Ancient Chinese were famous for their inventions and technology. Many of their inventions had lasting impact on the entire world. Other inventions led to great feats of engineering like the Grand Canal and the Great Wall of China.

Here are some of the notable inventions and discoveries made by the engineers and scientists of Ancient China:

Seda - Silk was a soft and light material much desired by the wealthy throughout the world. It became such a valuable export that the trade route running from Europe to China became known as the Silk Road. The Chinese learned how to make silk from the cocoons of silkworms. They managed to keep the process for making silk a secret for hundreds of years.

Paper - Paper was invented by the Chinese as well as many interesting uses for paper like paper money and playing cards. The first paper was invented in the 2nd century BC and the manufacture later perfected around 105 AD.

Impressão - Wood block printing was invented in AD 868 and then moveable type around 200 years later. This was actually hundreds of years before the invention of the printing press by Gutenberg in Europe.

The Compass - The Chinese invented the magnetic compass to help determine the correct direction. They used this in city planning at first, but it became very important to map makers and for the navigation of ships.


The Diamond Sutra is the world's oldest printed book
from the British Library

Gunpowder - Gunpowder was invented in the 9th century by chemists trying to find the Elixir of Immortality. Not long after, engineers figured out how to use gunpowder for military uses such as bombs, guns, mines, and even rockets. They also invented fireworks and made great beautiful displays of fireworks for celebrations.

Boat Rudder - The rudder was invented as a way to steer large ships. This enabled the Chinese to build huge ships as early as 200 AD, well before they were ever built in Europe.

De outros - Other inventions include the umbrella, porcelain, the wheelbarrow, iron casting, hot air balloons, seismographs to measure earthquakes, kites, matches, stirrups for riding horses, and acupuncture.

List of site sources >>>


Assista o vídeo: Historia de la tecnología (Janeiro 2022).