A história

História Ilustrada - Descobrimento até as Guerras Guaraníticas (continuação)


As terras para a lavoura eram de dois tipos:

Amambaé eram distribuídas pelo chefe indígena a cada família.
e
Tupambaépertencentes à comunidade.

Nestas, cada indígena devia trabalhar dois dias por semana para pessoas que não podiam trabalhar na lavoura, como os padres.
No centro da missão estavam a praça e, em posição de destaque, a igreja.

Próximo a igreja, ficava o colégio, onde os meninos eram alfabetizados, aprendiam música e técnicas de agricultura.

As oficinas dos artesãos (tecelões, ferreiros, carpinteiros e escultores) e o cemitério também ficavam perto da igreja, assim como o hospital e os depósitos.

E as casas dos índios missioneiros eram em geral feitas de tijolos e telhas de barro e enfileiravam-se ao redor da praça.

Os jesuítas construíram suas primeiras reduções nas terras onde hoje fica o estado do Paraná e a região sudeste do Paraguai.

Estas reduções receberam o nome de Missões do Guairá.

Essas missões, porém, eram constantemente atacadas pelos bandeirantes paulistas que tinham o objetivo de capturar índios e levá-los para trabalhar como escravos.


Domingos Jorge Velho, um dos bandeirantes paulistas.